Brasil e China discutem experiências de Cooperação Sul-Sul em evento na Turquia

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) realizou no fim de novembro (28) evento paralelo à Expo Global de Desenvolvimento Sul-Sul em Antália, na Turquia, com sua rede de Centros de Excelência para abordar questões relacionadas à Cooperação Sul-Sul.

Na ocasião, Brasil e China trocaram experiências e soluções em temas de segurança alimentar e nutrição, tendo em vista o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 2, que trata da eliminação da fome e do impulso à agricultura sustentável.

Delegação chinesa veio ao Brasil em 2017 para conhecer o trabalho do Centro de Excelência. Foto: PMA/Sophia Andreazza

Delegação chinesa veio ao Brasil em 2017 para conhecer o trabalho do Centro de Excelência. Foto: PMA/Sophia Andreazza

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) realizou no fim de novembro (28) evento paralelo à Expo Global de Desenvolvimento Sul-Sul em Antália, na Turquia, com sua rede de Centros de Excelência para abordar questões relacionadas à Cooperação Sul-Sul.

O evento paralelo promoveu o diálogo e o intercâmbio entre Brasil e China, oferecendo um panorama das experiências de colaboração entre os dois países.

Brasil e China se aliaram ao PMA para criar uma rede de Centros de Excelência e aproveitar pontos fortes e recursos para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 2, que trata da fome zero e da agricultura sustentável.

A rede de Centros de Excelência se transformou no mais importante mecanismo do PMA de promoção da Cooperação Sul-Sul e trilateral para facilitar os esforços dos países para melhorar a segurança alimentar e a nutrição.

A experiência do Centro de Excelência da China foi apresentada por Shengyao Tang, diretor adjunto do departamento de cooperação internacional do Ministério da Agricultura da China, e por Sixi Qu, diretor do Centro no país.

Miguel Griesbach de Pereira, da embaixada brasileira na Turquia, e Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência no Brasil, apresentaram o caso brasileiro.

Brasil

O Centro de Excelência contra a Fome do Brasil foi a primeira experiência do PMA de parceria com um país em desenvolvimento para a promoção da Cooperação Sul-Sul.

Lançado conjuntamente pelo PMA e pelo governo brasileiro em 2011, o Centro pretende identificar e compartilhar soluções inovadoras para eliminar a fome entre países em desenvolvimento.

O foco primário do Centro é vincular sistemas de alimentação escolar à agricultura local, provendo assistência técnica a governos nacionais para desenhar, aprimorar, expandir e eventualmente implementar seus próprios programas de alimentação escolar.

O Centro de Excelência também provê assistência técnica mais ampla em nutrição, agricultura familiar e proteção social, de acordo com a crescente demanda de governos que estão trabalhando para alcança fome zero até 2030.

China

Estabelecido em 2016, o Centro de Excelência da China parte da experiência chinesa de redução da fome e da pobreza. O Centro funciona como um mecanismo para ampliar a Cooperação Sul-Sul e trilateral ao compartilhar as experiências chinesas em segurança alimentar, nutrição e diminuição da pobreza com outros países em desenvolvimento.

As quatro áreas prioritárias do PMA na China são: desenvolvimento das cadeias de valor e acesso a mercados para agricultores familiares; fortalecimento da cadeia de abastecimento, manejo pós-colheita e sistemas de armazenamento; adaptação climática, redução de riscos de desastres e resiliência; implementação de estratégias nacionais de fome zero e nutrição.

O Centro facilita o diálogo de políticas públicas, treinamento técnico, envio de especialistas, pesquisa em políticas públicas e fortalecimento de capacidades.

PMA

Facilitar a Cooperação Sul-Sul e trilateral é uma forma de expandir o envolvimento do PMA com os países em desenvolvimento para apoiar seu progresso em direção ao ODS número 2.

No contexto do trabalho do PMA com os governos desses países, a Cooperação Sul-Sul pode ser uma importante fonte de apoio para os esforços nacionais.

O PMA atua com uma abordagem diversificada, que inclui envio de especialistas, colaboração intra-regional, visitas de campo, diálogo em políticas públicas, transferência de tecnologias, redes de apoio e parcerias acadêmicas, além de respostas conjuntas a emergências.

Atualmente, 62% dos escritórios de país do PMA estão envolvidos em iniciativas de Cooperação Sul-Sul.


Mais notícias de:

Comente

comentários