Brasil e CEPAL reafirmam cooperação para o desenvolvimento social e econômico

Em visita ao país, a chefe da CEPAL, Alicia Bárcena, disse que a entidade continuará trabalhando nas áreas determinadas pelo novo governo brasileiro como prioritárias.

A secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, liderou a reunião junto com o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira (no centro). Foto: Ministério de Relações Exteriores do Brasil.

A secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, liderou a reunião junto com o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira (no centro). Foto: Ministério de Relações Exteriores do Brasil.

O governo brasileiro e a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) reafirmaram seu compromisso de cooperar em várias âmbitos de desenvolvimento social e econômico durante uma série de reuniões que aconteceram entre os dias 04 e 05 de março em que participaram autoridades do governo e uma delegação de alto nível da Comissão.

Liderando o grupo da CEPAl estava a secretária-executiva, Alicia Bárcena, em sua primeira visita oficial desde a posse da presidenta Dilma Rousseff em seu segundo mandato. A chefe da CEPAL reafirmou o compromisso do organismo de trabalhar em conjunto ao Brasil nas áreas determinadas pelo novo governo como prioritárias.

Um dos compromissos assumidos foi a instalação de uma mesa de trabalho técnico entre os especialistas da CEPAL e o Ministério de Desenvolvimento Social no Brasil para analisar os diferentes critérios utilizados na medição da pobreza por renda. Além disso, ambas entidades se comprometeram a publicar um estudo que sistematize toda a experiência de gestão de políticas sociais realizada em um estado federal como o Brasil.

O Ministério de Planejamento destacou o apoio ao trabalho realizado pelo Insituto Latinoamericano e do Caribe de Planejamento Econômico e Social (ILPES), da CEPAL. Durante uma reunião com representantes desse organismo, os participantes concordaram em realizar uma investigação conjunta sobre a acumulação da riqueza na região, bem como a organização de diversos seminários sobre assuntos conjunturais da América Latina.