Brasil doa 27,5 milhões de dólares ao Chifre da África

País está entre os mais empenhados em conter a crise humanitária. Valor foi convertido em 53 mil toneladas de alimentos que serão levados para Somália e Etiópia pelo PMA.

Só no sul da Somália, cerca de 2,8 milhões de pessoas necessitam de ajuda humanitária(Foto:UN Photo/Stuart Price)O Brasil doou 27,5 milhões de dólares para o Chifre da África, onde 11,6 milhões de pessoas necessitam de ajuda humanitária, e está entre os países mais empenhados nas ações de emergência para conter a fome na região.

O valor foi convertido em 38 mil toneladas de alimentos para a Somália e 15 mil toneladas para a Etiópia. A Companhia Nacional de Abastecimento está separando os carregamentos de arroz, feijão e milho que serão transportados de navio pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA).

As Nações Unidas decretaram epidemia de fome em Bakool do Sul e Lower Shabelle na quarta-feira (20/07). Metade da população dessas duas regiões do sul da Somália está subnutrida e mais de seis pessoas a cada 10 mil estão morrendo de fome diariamente.

A combinação de conflitos com a maior seca dos últimos 60 anos está provocando um influxo de aproximadamente 3,5 mil refugiados somalis por dia, que buscam ajuda no Quênia e na Etiópia. O PMA conseguiu atender 1,5 milhão de pessoas e se esforça para alcançar mais 2,2 milhões em áreas de difícil acesso.

Na segunda-feira (25/07), o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu mais um bilhão de dólares aos doadores, além de uma transformação agrícola que melhore a vida das comunidades rurais na região. “O alívio de curto prazo deve estar vinculado à construção da sustentabilidade em longo prazo. Isso significa uma transformação agrícola que melhore a resistência dos meios de vida rural e minimize a dimensão de qualquer crise futura.”