Brasil destaca desenvolvimento sustentável e espaço sideral em fórum da ONU

Funcionário do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Inpe, apresentou projetos de nanotecnologia associados às metas da Agenda 2030; Kleber Pinheiro Naccarato afirmou que a construção de uma nação forte passa pelo investimento em tecnologia.

O uso da tecnologia espacial para a construção de um planeta sustentável. Este foi o tema de uma palestra de um pesquisador brasileiro no Fórum de Alto Nível sobre o Espaço e o Desenvolvimento Socioeconômico Sustentável, que ocorreu em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Kleber Pinheiro Naccarato trabalha no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, do Brasil, Inpe. Ele falou à ONU News, de Dubai, que o acesso ao espaço abrange todos os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o que pode ser feito com a pesquisa nesta área de desenvolvimento de novas tecnologias.

“Tecnologias do dia a dia, de você poder receber um alerta no seu telefone de que vai chegar uma tempestade ou vai chegar um evento severo. O Brasil tem uma grande extensão territorial. Então nós temos que preservar toda a riqueza de recursos que a gente tem no país. O Brasil tem a maior floresta do mundo, a Floresta Amazônica. O acesso ao espaço para o Brasil é fundamental. Por ser um país muito grande, do tamanho de um continente, a gente vai ter ferramentas para poder monitorar todos os detalhes das diferentes regiões que o Brasil tem. Desde o sul até a região amazônica que são muito ricas e muito diferentes.”

O evento em Dubai foi coorganizado pelo Escritório da ONU para Assuntos Espaciais e tem como anfitrião o Centro Espacial Mohammed Bin Rashid.

Segundo a ONU, o setor espacial tem um papel fundamental no combate aos maiores desafios do mundo como a mudança climática, poluição e o desflorestamento. Para o pesquisador brasileiro, com a globalização surgiu também a necessidade de mais cooperação internacional.

“O Fórum hoje tem mostrado que parece não é mais a Terra só a grande importância. Existe a Lua, existe Marte. Então, a gente realmente depende muito destas parcerias para continuar avançando. E pedir sempre às autoridades do mundo, principalmente as brasileiras, que olhem mais para a ciência, se preocupem mais com o desenvolvimento tecnológico porque sem isso a gente não consegue construir uma nação plena e forte como a gente quer para o nosso país.”

Participaram do Fórum em Dubai representantes de vários países, agências espaciais, astronautas e acadêmicos, além de representantes do setor privado. Saiba mais sobre o encontro clicando aqui.

(Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.)