Bono Vox alerta para risco humanitário na Nigéria e pede apoio à ONU

O vocalista da banda U2, Bono Vox, alertou que milhares de crianças deslocadas pela milícia Boko Haram no nordeste da Nigéria enfrentam risco de fome severa caso não sejam tomadas medidas humanitárias pelas Nações Unidas.

Bono, vocalista do U2, visitou famílias refugiadas em campo de Maiduguri, na Nigéria. Foto: ONE/Roopa Gogineni

Bono, vocalista do U2, visitou famílias refugiadas em campo de Maiduguri, na Nigéria. Foto: ONE/Roopa Gogineni

O vocalista da banda U2, Bono Vox, alertou que milhares de crianças deslocadas pela milícia Boko Haram no nordeste da Nigéria enfrentam risco de fome severa caso não sejam tomadas medidas humanitárias pelas Nações Unidas.

O líder da banda irlandesa fez a declaração durante visita recente a homens, mulheres e crianças refugiadas no acampamento de Maiduguri, no estado de Borno.

“Há 50 mil crianças que vão morrer se a ONU não entregar o que elas precisam. Este é um país extraordinário, mas podemos ver que as pessoas no nordeste estão enfrentando dificuldades — eles tiveram seu país roubado”, disse Bono durante visita ao empresário nigeriano Alhaji Aliko Dangote.

Eles são nossos vizinhos e, se a casa deles pegar fogo, nossa casa pega fogo, é simples assim.

As agências da ONU e outras Organizações Não Governamentais (ONG) buscam este ano aproximadamente 200 milhões de dólares para atender as necessidades imediatas de mais de 500 mil pessoas deslocadas pelo Boko Haram em Camarões, Chade e Níger, mas atualmente têm menos de um quarto dos recursos necessários.

Além disso, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) precisa de 42 milhões de dólares para ajudar os deslocados no nordeste da Nigéria. A região, e particularmente o estado de Borno, arcou com o peso da insurgência, apesar de uma campanha do governo nigeriano ter recuperado a maior parte dos territórios da milícia na região nos últimos dois anos.

O avanço dos militares do país nas últimas semanas expôs níveis catastróficos de sofrimento entre a população da região, parte da qual ficou sem ajuda humanitária por meses ou anos.

Mais cedo neste mês, o ACNUR alertou que cerca de 800 mil refugiados internos haviam sido identificados como precisando de ajuda. Altos níveis de desnutrição em larga escala estão sendo reportados, enquanto a ajuda humanitária busca recursos.

Durante as poucas horas que passou em Maiduguri, Bono visitou o campo de Dalori onde interagiu com mulheres na maternidade da clínica do campo de refugiados e encorajou pacientes a ter esperança no futuro.