Confira o boletim da ONU Brasil #253

Edição de 2 de abril de 2018.

Visualize o boletim também em www.nacoesunidas.org/boletim253

Boletim quinzenal da ONU

Os dez anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas são o mote do documentário “Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça”. Foto: UNIC Rio/Natalia da Luz

ONU Brasil lança documentário ‘Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça’

Os dez anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas são o mote do documentário “Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça”, lançado pela ONU Brasil nesta quinta-feira (29), em Brasília (DF). O vídeo recupera alguns momentos do diálogo entre as mulheres indígenas e as Nações Unidas em torno de sua articulação pelos direitos humanos e em defesa de seus povos e territórios, no Brasil e no exterior.

Mulheres indígenas brasileiras têm sido decisivas para avanço dos espaços de discussão política sobre direitos humanos desses povos. Foto ONU Mulheres/Bruno Spada

Mulheres indígenas de Brasil e Canadá discutem direitos e participação política em Brasília

Os direitos humanos das mulheres indígenas é tema de atividades que reunirão ativistas, representantes das Nações Unidas e parceiros a partir desta terça-feira (27) em Brasília (DF). Um dos pontos altos da programação é a troca de experiências entre 24 indígenas brasileiras e duas canadenses, vinculadas à organização não governamental NWAC – Native Women’s Association of Canada, na quarta e quinta-feira (28 e 29).

O encontro é resultado de parceria entre ONU Brasil e governo do Canadá com o objetivo para ampliar a articulação política e a colaboração entre mulheres indígenas dos dois países.

Marielle Franco era vereadora da cidade do Rio de Janeiro. Foto: Mídia Ninja

Sistema ONU no Brasil divulga nota sobre assassinato da vereadora Marielle Franco

O Sistema das Nações Unidas no Brasil divulgou, nesta quinta-feira (15/03) uma nota sobre o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco pedindo rigor na investigação do caso.

Negra, mãe e socióloga, Marielle Franco (PSOL) atuava desde 2000 dentro das instituições da Maré, complexo de favelas do Rio de Janeiro, trabalhando com cultura e educação. Suas propostas abordavam questões de gênero, raça e cidade. Foto: Mídia Ninja (CC)

Assassinato de Marielle visa intimidar todos os que lutam pelos direitos humanos no Brasil, dizem relatores da ONU

Relatores da ONU disseram nesta segunda-feira (26) que consideram profundamente alarmante o assassinato da vereadora Marielle Franco, mulher negra e proeminente defensora de direitos humanos que criticou o uso da força militar no Rio de Janeiro.

A vereadora era uma crítica feroz do decreto de 16 de fevereiro, que autoriza a intervenção federal em questões de segurança pública no estado do Rio de Janeiro.

“O assassinato de Marielle é alarmante, já que ele tem o objetivo de intimidar todos aqueles que lutam por direitos humanos e pelo Estado de direito no Brasil”, disseram os relatores em comunicado conjunto.

Criança toma banho em Kallyanpur, favela da capital de Bangladesh, Dhaka. Foto: ONU/Kibae Park

Universalização do saneamento está lenta demais na maior parte dos países

Rascunho do relatório de monitoramento global da ONU para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 6, que prevê assegurar a disponibilidade e a gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos até 2030, mostrou que a cobertura básica de saneamento está piorando em 20 países. O documento indicou que o progresso para a universalização do serviço está lenta demais em 89 nações e somente 14 países estão no caminho de atingir a cobertura universal nos próximos 12 anos.

A prévia do documento foi divulgada durante o Fórum Mundial da Água, que ocorre até esta sexta-feira (23) em Brasília (DF).

Relatório foi lançado durante evento no Fórum Mundial da Água. Foto: Jorge Cardoso/8º FMA

Relatório da UNESCO indica soluções baseadas na natureza para uma melhor gestão da água

A infraestrutura cinza, ou seja, aquela construída pelo homem, foi por muito tempo considerada a principal forma de gestão da água no mundo. No entanto, soluções baseadas na natureza muitas vezes podem ser mais eficientes em termos de custo-benefício, de acordo com o coordenador e diretor do Programa Mundial de Avaliação dos Recursos Hídricos (WWAP, na sigla em inglês) da UNESCO, Stefan Uhlenbrook.

Em entrevista ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) durante o Fórum Mundial da Água em Brasília (DF), o especialista afirmou que a chamada infraestrutura verde, ou soluções baseadas na natureza, como a agricultura de conservação, é subutilizada globalmente, respondendo por apenas 5% dos investimentos no setor de água.

Carlo Pereira, secretário-executivo da Rede Brasil do Pacto Global. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Gestão sustentável da água precisa ser prioridade para empresas brasileiras

As empresas brasileiras precisam ampliar sua consciência sobre a necessidade de adotar boas práticas de gestão dos recursos hídricos, disse no domingo (18) Carlo Pereira, secretário-executivo da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas, durante evento que tratou do tema às vésperas da abertura do Fórum Mundial da Água, que ocorre esta semana em Brasília (DF).

Foto: Prefeitura de São Francisco da Glória

Grupo Assessor da ONU lança glossário de termos sobre água e saneamento

O que significa acesso universal e equitativo à água, dessalinização, eficiência do uso e gestão integrada dos recursos hídricos? Para apresentar de forma propositiva as definições internacionalmente acordadas sobre esses e outros temas, o Grupo Assessor do Sistema ONU no Brasil sobre a Agenda 2030 lançou na segunda-feira (19) em Brasília (DF) o glossário de termos do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6 – Água potável e saneamento.

O coordenador-residente do ONU no Brasil e representante-residente do PNUD no país, Niky Fabiancic (à esquerda), na cerimônia de abertura com o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg. Foto: Gabriela Borelli/PNUD

Em Brasília, ‘Planeta ODS’ amplia debate sobre direito a água e saneamento

Para fortalecer o debate sobre a implementação do ODS 6 – Água potável a saneamento, com base na Agenda 2030, o Governo de Brasília, a Secretaria de Governo da Presidência da República e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) abriram oficialmente o “Planeta ODS”, em Brasília, na última segunda-feira (19).

O espaço terá atividades transversais ao 8º Fórum Mundial da Água, que acontece nesta semana. Até o próximo dia 23, mesas de debate, exibição de filmes no formato fulldome (360°) e de curtas metragens abordarão o tema água e desenvolvimento. A entrada no planetário é gratuita durante todo o evento.

O relator especial da ONU para o direito à água e ao saneamento, o brasileiro Leo Heller, durante painel no Fórum Mundial da Água em Brasília (DF). Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Direitos humanos devem orientar políticas de água e saneamento, diz relator da ONU

Os direitos humanos devem orientar a prestação de serviços, a regulação e as políticas públicas de água e saneamento. Se o Fórum Mundial da Água — que ocorre esta semana em Brasília (DF) — reafirmar esses princípios, será um passo importante rumo à universalização desse direito.

A opinião é do relator especial da ONU para o direito à água e ao saneamento, o brasileiro Leo Heller. Para ele, a situação do Brasil ainda é preocupante, uma vez que 50% da população não tem atendimento a redes de esgoto.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), em encontro com o presidente brasileiro, Michel Temer. Foto: Marcos Corrêa/PR

Em visita ao Brasil, diretor-geral da OMS diz que investimentos em saúde impulsionam economia

Durante reunião realizada em Brasília (DF) com autoridades municipais, estaduais e federais, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) reiterou a importância da cobertura universal não só para que as populações tenham acesso ao seu direito básico à saúde, mas também como forma de promover o desenvolvimento dos países.

“Investimentos no setor de saúde não são apenas investimentos no setor de saúde. São investimentos para o crescimento econômico e para um futuro mais justo e próspero para todos”, afirmou.

Lisiane Kaastrup é especialista de soluções da Microsoft e membro do Conselho Consultivo do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Foto: Acervo Pessoal

Profissionais negras demandam mais políticas afirmativas no mercado corporativo brasileiro

As empresas brasileiras e multinacionais com atuação no Brasil começaram a discutir o tema da diversidade de forma mais intensa nos últimos anos, mas falta adotarem políticas e métricas efetivas para aumentar a participação de profissionais negros, ainda extremamente baixa, especialmente nos cargos de liderança. A situação das mulheres negras é ainda mais preocupante.

A avaliação é de quatro profissionais negras e um negro ouvidos pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), segundo os quais o racismo permanece no mercado corporativo brasileiro, onde menos de 5% dos executivos são afrodescendentes, segundo dados do Instituto Ethos. Quando se fala de mulher negra, o percentual é de apenas 0,4%.

ACNUR distribui café da manhã fornecido pelo Exército Brasileiro. Solicitantes de refúgio venezuelanos que vivem no abrigo receberão três refeições por dia. Foto: ACNUR/Luiz Fernando Godinho

Governo federal e agência da ONU disponibilizam novo abrigo para venezuelanos em Boa Vista

O governo federal e a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) abriram nesta semana (21) um novo abrigo para a população venezuelana que buscou o Brasil como refúgio.

Após o término da adequação do local, prevista para a próxima semana, abrigo poderá receber cerca de 800 pessoas. Com isso, população que estava vivendo em ruas e praças passa a ter dignidade, com acesso adequado a solução sanitária, dormitórios, alimentação e saúde.

Hoje, 21 de março, Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, a campeã olímpica Rafaela Silva e a ONU Brasil querem falar com você! É sobre filtragem racial. Acontece quando as pessoas são escolhidas para serem abordadas pela polícia por causa da cor. A juventude negra tem que ter o direito de ir ou estar em qualquer lugar sem ser vista como suspeita! É por isso que a Rafaela está com a gente na campanha #VidasNegras: pelo fim da filtragem racial e por igualdade.

Campeã olímpica Rafaela Silva apoia campanha da ONU contra discriminação racial; vídeo

Hoje, 21 de março, Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, a campeã olímpica Rafaela Silva e a ONU Brasil querem falar com você!
É sobre filtragem racial. Acontece quando as pessoas são escolhidas para serem abordadas pela polícia por causa da cor.

A juventude negra tem que ter o direito de ir ou estar em qualquer lugar sem ser vista como suspeita! É por isso que a Rafaela está com a gente na campanha #VidasNegras: pelo fim da filtragem racial e por igualdade.

Soldados do Exército durante operação na comunidade Vila do João, zona norte do Rio. Foto: EBC/Vladimir Platonow

ONU e CIDH manifestam preocupação com intervenção federal no Rio

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) expressaram nesta terça-feira (13) sua “profunda preocupação” com o decreto presidencial que autoriza uma intervenção federal em matéria de ordem pública no Rio de Janeiro.

As entidades recordaram que os Estados devem limitar ao máximo o uso das Forças Armadas para o controle de distúrbios internos, uma vez que o treinamento que recebem está dirigido a derrotar militarmente um inimigo, não à proteção e controle de civis.

A CIDH e o ACNUDH alertaram também que a intervenção federal pode ter um impacto desproporcional nos direitos humanos de pessoas afrodescendentes, adolescentes e aqueles que moram em zonas mais pobres.

Foto: UNAIDS

ONU renova compromisso com redução da discriminação contra pessoas vivendo com HIV

Pesquisas têm mostrado que o estigma e a discriminação estão entre os principais obstáculos para prevenção, tratamento e cuidado em relação ao HIV. A discriminação pode gerar violência e afasta as pessoas de serviços, inclusive os de saúde. Estudos indicam também que o medo de ser discriminado desencoraja pessoas que vivem com o HIV a revelar sua sorologia, além de prejudicar o acesso e a adesão ao tratamento.

É nesse contexto que o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) renovam seu compromisso pela redução do estigma e da discriminação contra pessoas que vivem com HIV e aquelas mais vulneráveis à epidemia.

Projeto do UNODC visa a prevenir a violência por meio das práticas esportivas. Foto: UNODC

ONU certifica 600 jovens em programa de prevenção à violência pelo esporte

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) celebrará na próxima segunda-feira (2) a formação de jovens no Programa “Vamos Nessa”, focado em prevenir a violência e a criminalidade por meio dos esportes. Entre março e dezembro de 2017, a iniciativa capacitou cerca de 600 jovens entre 11 e 17 anos, além de mais de 80 profissionais de Educação Física, no Distrito Federal e no Rio de Janeiro.

História de escrava inspirou centro de acolhimento para vítimas, que recebeu apoio de projeto do Banco Mundial. Foto: Banco Mundial

No Piauí, mulheres libertam-se da violência de gênero e recuperam a autoestima

Em 1770, a escrava Esperança Garcia fez história ao redigir uma petição ao presidente da Província de São José do Piauí, Gonçalo Lourenço Botelho de Castro. Em uma carta, denunciou os maus-tratos físicos dos quais ela e seu filho eram vítimas na Fazenda de Algodões.

Em homenagem à sua coragem, a Secretaria da Mulher da Prefeitura de Piauí deu seu nome ao primeiro Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência. Com o apoio do projeto “Lagoas do Norte: Melhorando a Governança Municipal e a Qualidade de Vida em Teresina”, realizado em parceria com o Banco Mundial, o centro tornou-se referência ao oferecer em um mesmo local atendimento multidisciplinar para vítimas de violência doméstica.

Vencedores recebem prêmio em cerimônia promovida pela OIM em Buenos Aires. Foto: OIM

ONU premia jornalistas brasileiras por cobertura sobre migração e direitos humanos

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) reconheceu neste mês o trabalho de duas repórteres brasileiras, que participaram do Prêmio Sul-Americano de Jornalismo sobre Migração. Ângela Bastos, do Diário Catarinense, foi uma dos vencedores da premiação pela reportagem Fronteira Aberta, sobre migrantes e refugiados do Haiti, Senegal e Síria. Carolina Holland, do G1, recebeu menção honrosa por matéria sobre o desemprego entre mulheres haitianas em Cuiabá

Morro da Boa Vista em Niterói, depois de iniciativa de reflorestamento. Foto: Companhia de Limpeza Urbana

No dia das florestas, ONU celebra criação e proteção de áreas verdes em Niterói

Em publicação lançada para celebrar o Dia Internacional das Florestas e da Árvore, observado em 21 de março, a FAO lembra que, em 2014, a cidade criou 2.657 hectares de áreas protegidas. Zonas públicas de vegetação já ocupam 7.495 hectares. Atualmente, 45,9% do território municipal está sob proteção legal.

Tânia Nunes, uma das participantes de projeto beneficiado pelo Empodera. Imagem: ONU Mulheres

Documentário da ONU conta história de empreendedoras brasileiras do setor têxtil

A ONU Mulheres e o Instituto Lojas Renner divulgaram neste mês um minidocumentário sobre 15 projetos de empreendedorismo feminino no setor têxtil. Iniciativas foram beneficiadas pelo edital Empodera, um programa da agência das Nações Unidas para apoiar financeiramente negócios liderados por mulheres. Mais de mil trabalhadoras foram beneficiadas com o apoio em recursos.

Veleiro representa a campanha #MaresLimpos na regata e realiza ações de limpeza dos oceanos. Foto: ONU Meio Ambiente

Em Itajaí, ONU pede fim da poluição plástica durante maior regata à vela do mundo

Em abril, chega ao Brasil a maior regata à vela do mundo. A competição aportará em Itajaí, Santa Catarina, com o apoio da ONU Meio Ambiente, que entra na disputa para pedir o fim da poluição dos mares pelo lixo plástico. A agência das Nações Unidas e a Volvo Ocean Race promoverão na cidade um encontro de especialistas e atividades de conscientização. Um veleiro representará a campanha #MaresLimpos das Nações Unidas.

Os três eixos de trabalho do programa incluem saúde reprodutiva e direitos de mulheres, adolescentes e jovens e população e desenvolvimento. Foto: Prefeitura de João Pessoa

Fundo de População da ONU discute direitos reprodutivos em congresso de medicina em Natal

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participou no domingo (25) do I Congresso Brasileiro Médico-Estudantil de Habilidades Médicas, realizado em Natal (RN) pela Federação Internacional de Associações de Estudantes de Medicina.

Durante o evento, o UNFPA discutiu maneiras de os futuros médicos contribuírem para o acesso universal à saúde e aos direitos reprodutivos.

Refugiado sírio é atendido pela ONG Compassiva, parceira do ACNUR em projeto de revalidação de diplomas de pessoas refugiadas. Foto: ACNUR/Gabo Morales

ACNUR elogia lei em SP que isenta refugiados de taxas para revalidar diplomas de nível superior

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, sancionou neste mês (21) a lei 16.685, que isenta refugiados do pagamento das taxas exigidas para a revalidação de diplomas de Ensino Superior. Com a legislação, estrangeiros vivendo em condição de refúgio poderão autenticar gratuitamente, junto às universidades públicas paulistas, os seus certificados de graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado. Decisão foi celebrada pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Médica analisa exame para eventual diagnóstico de tuberculose. Foto: AGECOM/Carol Garcia

Em dia mundial, OMS convoca líderes das Américas a acabar com tuberculose até 2030

Os avanços para reduzir os casos de tuberculose na região das Américas têm sido significativos. No entanto, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), é necessária a mobilização de líderes de todos os setores para pôr fim a essa doença até 2030.

“É possível acabar com a tuberculose na região das Américas. Devemos abordar os fatores que levam a essa doença: desde as condições de vida, às dificuldades de acesso aos serviços de saúde”, afirmou Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais de Saúde da OPAS/OMS. “Precisamos de líderes em cada um dos setores da sociedade que se comprometam e implementem ações para alcançar essa meta”.

Em uma competição acirrada, os participantes apresentaram novas formas de reutilização, redução do desperdício e uso racional da água. Foto: Reprodução

Projetos de gestão da água da chuva e descontaminação de embalagens vencem Camp de Ecoinovação

Após três dias de mentorias, articulações e mais de dez painéis e dinâmicas sobre negócios de impacto socioambiental, as dez ideias e dez startups do “Camp de Ecoinovação: Desafio Água” tiveram suas propostas aperfeiçoadas a partir de um novo olhar para os negócios com foco na sustentabilidade.

Em uma competição acirrada, os participantes apresentaram novas formas de reutilização, redução do desperdício e de uso racional da água, bem como ideias para melhorar o saneamento e a poluição, frente ao desafio de solucionar problemas hídricos nas cidades, indústrias e na agricultura.

O evento foi uma iniciativa da ONU Meio Ambiente em parceria com SEBRAE e apoio da organização Green Nation.

Foto: Marcello Casal Jr./Arquivo ABr

Com apoio do UNICEF, Pernambuco inicia programa para redução do analfabetismo e da exclusão escolar

Programa ‘Educação Integrada’ conta com parceria da Celpe e do BNDES e beneficia 55 mil estudantes e mais de 4.700 professores, gestores escolares e técnicos de 15 municípios. Iniciativa tem apoio técnico do UNICEF e foca em municípios com indicadores socioeconômicos e de desenvolvimento educacional abaixo da média nacional.

Fórum em Marabá discutiu agenda de trabalho decente para a região de Carajás. Foto: OIT

Fórum debate trabalho decente e desigualdades sociais na região de Carajás

A prevenção e a erradicação do trabalho infantil e escravo em Carajás foram tema de um fórum realizado em Marabá, no Pará, com a participação da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Organismo da ONU participou de debates sobre geração de emprego e renda, cadeias produtivas e economia solidária. Evento reuniu governo brasileiro e associações de trabalhadores e empregadores. 

Voluntária com criança venezuelana no Centro de Referência ao Imigrante, em Boa Vista, Roraima. Foto: Rádio Nacional da Amazônia/Graziele Bezerra

Mobilização de voluntários é importante para dar assistência a venezuelanos no Brasil, diz ONU

Em entrevista ao Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), o coordenador-executivo do Programa de Voluntários das Nações Unidas (UNV), Olivier Adam, afirmou durante visita ao país que “seria muito importante” levar voluntários para atender às necessidades de venezuelanos chegando ao território brasileiro.

Segundo o dirigente, que se reuniu com oficiais do governo ao longo da semana passada, a crise de refugiados é uma prioridade para as autoridades.

Cerca de 420 mil pessoas estão sob cerco na Síria – sem alimentos e remédios, famílias com fome e crianças malnutridas e definhando. Elas precisam de ajuda agora, precisam de paz agora. O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) precisa de financiamento e acesso para ajudar.

Como você pode ajudar a Síria?

Em um conflito violento entrando em seu oitavo ano, a Síria vê a situação em algumas regiões se deteriorar. Muitos se perguntam: como posso ajudar? Aqui estão as respostas.

Agenda 2030 para o Desenvolvimento SustentávelInstagramTwitterYouTubeVimeoFacebookCadastro

Vidas Negras; Década Internacional de Afrodescendentes

Acesse aqui todas as oportunidades de estágio e trabalho: www.nacoesunidas.org/vagas/brasil e outras oportunidades e editais em www.nacoesunidas.org/tema/editais

Leia mais em www.onu.org.br e acesse nossas redes em www.nacoesunidas.org/redes

Para não receber mais, peça para remover. Para se inscrever, clique aqui. Para edições anteriores, clique aqui.