Confira o boletim da ONU Brasil #245

Edição de 6 de novembro de 2017.

Visualize o boletim também em www.nacoesunidas.org/boletim245

Boletim quinzenal da ONU

ONU Brasil lança campanha pelo fim da violência contra a juventude negra

A Organização das Nações Unidas no Brasil lança, no próximo dia 7 de novembro, a campanha “Vidas Negras”, pelo fim da violência contra jovens negros.

A iniciativa, ligada à Década Internacional de Afrodescendentes, envolve os 26 organismos da equipe de país da ONU. O objetivo é sensibilizar sociedade, gestores públicos, sistema de Justiça, setor privado e movimentos sociais a respeito da importância de políticas de prevenção e enfrentamento da discriminação racial.

Silhuetas de corpos desenhadas no Rio alertam para assassinatos de jovens negros. Foto: EBC

Brasil tem 7ª maior taxa de homicídios de jovens de todo o mundo, aponta UNICEF

A cada sete minutos, em algum lugar do mundo, uma criança ou adolescente é morto pela violência. Somente em 2015, mais de 82 mil meninos e meninas de dez a 19 anos morreram vítimas de homicídios ou de alguma forma de conflito armado ou violência coletiva. Desses óbitos, 24,5 mil foram registrados na América Latina e no Caribe. Os dados são de um novo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Agência da ONU aponta que o Brasil é o sétimo país que mais mata jovens.

Nos países latino-americanos e caribenhos, a taxa média de homicídios entre adolescentes foi estimada em 22,1 assassinatos para cada grupo de 100 mil adolescentes — índice quatro vezes maior que a média global. O Brasil tem a quinta maior taxa da região (59).

Seminário, promovido pelo Ministério do Meio Ambiente, ONU Meio Ambiente e Instituto Oceanográfico da USP, é primeiro passo para debate sobre Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar. Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

Seminário no Rio impulsiona estratégia nacional de combate ao lixo no mar

Estudos apontam que 8 milhões de toneladas de plásticos acabem nos oceanos todos os anos e que, até 2050, 99% das aves marinhas terão consumido plástico. Os desertos de lixo plástico no fundo dos oceanos têm uma origem: a produção e consumo excessivos de descartáveis e seu descarte incorreto.

Para identificar as fontes e desenvolver políticas públicas para mitigar o problema, o Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente) e o Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP), promovem, entre 6 e 8 de novembro, no Rio de Janeiro, o I Seminário Nacional sobre Combate ao Lixo no Mar. O encontro terá transmissão ao vivo pela Internet.

ONU apoia integração e inclusão laboral de indígenas venezuelanos em Roraima

A partir desta sexta-feira (3), o Centro de Atendimento ao Turista da Orla Taumanan em Boa Vista (RR) terá um espaço permanente para exposição e venda de artesanato do povo indígena Warao. A inauguração do espaço será celebrada pela exposição “Warao – Gente da Água, Em Movimento”, que reúne fotografias, desenhos e grafismos, e ficará em exibição até 3 de dezembro.

A iniciativa é parte de uma parceria da Universidade Federal de Roraima (UFRR) com Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), Organização Internacional para as Migrações (OIM), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), entre outros parceiros.

Cidade de Paraty, no Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil/Fernando Frazão

Paraty, Brasília e João Pessoa entram para a rede de cidades criativas da UNESCO

Três novas cidades brasileiras foram incluídas nesta semana (31) na Rede Internacional de Cidades Criativas da UNESCO, que busca promover o desenvolvimento urbano sustentável a partir do compromisso com a criatividade e a cultura. São elas Brasília (DF), Paraty (RJ) e João Pessoa (PB). Cada uma delas possui uma área temática: design; gastronomia; artesanato e artes folclóricas, respectivamente.

Em novo boletim, OPAS cita mortes de animais e de humano por febre amarela em SP

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) atualizou na sexta-feira (27) seu alerta epidemiológico sobre febre amarela. Desde o último boletim, de 2 de agosto de 2017, foram notificados novos casos da doença no Brasil, Guiana Francesa e Peru.

Em território brasileiro, uma morte pela doença foi registrada no estado de São Paulo. Em SP, infecções de macacos foram identificadas pela primeira vez nos municípios de Campo Limpo Paulista, Atibaia, Jarinu e na capital. Agência da ONU reiterou que vacinação é medida mais importante de prevenção.

Foto: ONU

ONU pede ambiente livre de violência para jornalistas

No Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, marcado em 2 de novembro, Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) lembra que profissionais de mídia devem ter ambiente onde possam trabalhar de forma independente e sem interferências. Confira no vídeo.

FAO, Bolívia e Brasil promovem oficina sobre agricultura familiar e comércio bilateral

Com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a Embaixada da Bolívia no Brasil e o Ministério das Relações Exteriores promovem nos próximos dias 7 e 8 de novembro, na cidade boliviana de Puerto Suarez, uma Oficina Técnica Preparatória para a Reunião do Comitê Binacional de Integração Bolívia-Brasil. Evento discutirá a criação de um programa de produção de vegetais e leguminosas, tendo em vista o fortalecimento da agricultura familiar e da comercialização entre os dois países.

Mulheres refugiadas e solicitantes de refúgio recebem orientações para prevenir o câncer de mama e participam de discussões sobre outros cuidados para sua saúde sexual e reprodutiva. Foto: ACNUR/Diogo Felix

No Rio, refugiadas recebem orientações sobre como prevenir câncer de mama e DSTs

Uma roda de conversa especial reuniu na terça-feira (31) 25 mulheres de diferentes países na sede do Programa de Atendimento a Refugiados (PARES) da Cáritas do Rio de Janeiro. No marco da campanha mundial Outubro Rosa, que aborda os cuidados de prevenção do câncer de mama, profissionais da rede municipal de saúde do Rio estiveram na organização, parceira da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), para falar sobre a doença com refugiadas e solicitantes de refúgio.

Foto: Fora do Eixo (CC)

Homicídio de jovens no Brasil é parte de uma série de violações de direitos, diz agência da ONU

A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde, das 60 mil pessoas assassinadas por ano no país, 67,9% têm entre 15 e 19 anos e, destes, 71,5% são negros e negras. Entre a população jovem negra assassinada, 93,4% são do sexo masculino.

Para o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), os homicídios são a ponta do iceberg de uma série de violações de direitos da juventude. “É necessário fortalecer trajetórias e investir em juventude, incluindo uma vida sem discriminação e violência, sem racismo, com o devido acesso à Justiça, à educação de qualidade, à saúde e ao emprego digno”, afirmou Anna Cunha, oficial de programa da agência da ONU.

Marcha das Margaridas de Brasília em 2015. Foto: ONU Mulheres/Isabel Clavelin

ONU alerta para violência contra mulheres nas comunidades rurais

A violência afeta todos os grupos de mulheres e meninas, independentemente da renda, idade ou educação. No entanto, aquelas que vivem em áreas rurais enfrentam diferentes riscos e desafios na resposta à violência. O contexto rural inclui elevados níveis de pobreza, menor acesso à educação superior e ao trabalho decente, menor capacitação econômica e proteção social, o que aumenta ainda mais a vulnerabilidade de mulheres que estão em relacionamentos abusivos.

O tema é destaque do Dia Laranja Pelo Fim da Violência contra as Mulheres, lembrado a cada dia 25 pelas agências das Nações Unidas no Brasil, em especial pela ONU Mulheres.

Camada de ozônio protege planeta Terra da radiação ultravioleta. Foto: NASA

PNUD divulga guia de perguntas e respostas sobre proteção da camada de ozônio

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) preparou um guia de perguntas e respostas para tirar dúvidas da população brasileira sobre o Protocolo de Montreal — um tratado internacional para proteger a camada de ozônio. Em 2017, o documento completa 30 anos.

Grupo Bomoko. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Show de aniversário da ONU reúne 200 pessoas no Rio de Janeiro

Cerca de 200 pessoas reuniram-se na Fundição Progresso, no centro do Rio de Janeiro, na terça-feira (24), para o aniversário de 72 anos das Nações Unidas, celebrado com o show de uma banda de refugiados africanos e outra de artistas da Baixada Fluminense. O evento teve como foco a Década Internacional de Afrodescendentes, adotada em 2015 pelos Estados-membros da ONU, entre eles o Brasil, para enfrentar o racismo.

“A grande participação neste evento mostra que a ONU pode ter uma imagem menos formal, menos protocolar”, disse o diretor do Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, organizador da festa. “Precisamos estar mais perto dos jovens, das pessoas para as quais trabalhamos, abraçando suas diversidades de opiniões, raças, culturas”.

Equipe do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) esteve presente no show de aniversário de 72 anos da ONU no Rio. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Show de aniversário dá visibilidade ao trabalho da ONU no Brasil

O show para comemorar o aniversário das Nações Unidas, realizado na terça-feira (24) na Fundição Progresso, no centro do Rio de Janeiro, contribuiu para divulgar o trabalho da ONU localmente e para integrar a Organização à vida cultural da cidade, na avaliação das agências que contribuíram para que o evento acontecesse.

O encontro reuniu cerca de 200 pessoas e contou com a apresentação musical da banda Bomoko, formada por refugiados de Angola e da República Democrática do Congo, e de representantes do coletivo Baixada Nunca se Rende, composto por mais de 100 artistas da Baixada Fluminense.

Foto: EBC

ARTIGO: ambiente de negócios no Brasil — um copo meio cheio

Em artigo, o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, disse que, segundo indicadores do relatório Doing Business 2018, o país melhorou levemente seu ambiente de negócios em comparação com o ano passado, aproximando-se das melhores práticas regulatórias mundiais.

Segundo ele, o Brasil começou a resolver algumas das maiores restrições a se fazer negócios no país. Alguns desses esforços terão reflexos em avaliações futuras, outros estão fora do escopo dos indicadores do Banco Mundial. Leia o artigo completo.

Cerca de 3 milhões de pessoas têm acesso à cura da hepatite C, de acordo com a OPAS/OMS. Foto: EBC

OMS: 3 milhões tiveram acesso à cura da hepatite C em dois anos no mundo

Na véspera da Cúpula Mundial de Hepatites no Brasil, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registra um panorama de fortalecimento global na resposta às hepatites virais. Cerca de 3 milhões de pessoas conseguiram obter tratamento para hepatite C nos últimos dois anos e, em 2016, mais 2,8 milhões de pessoas iniciaram o tratamento para a hepatite B.

Setor têxtil é um dos que registra casos de trabalho análogo à escravidão no Brasil. Foto: EBC

Sistema ONU no Brasil divulga nota sobre portaria do trabalho escravo

O Sistema das Nações Unidas no Brasil divulgou uma nota manifestando preocupação com a portaria do Ministério do Trabalho e Emprego que altera a definição conceitual de trabalho escravo para fins de fiscalização e resgate de trabalhadores e trabalhadoras.

Homem resgatado do trabalho escravo no interior do Maranhão - Foto: Marcello Casal/ABr

OIT diz que portaria sobre trabalho escravo poderá provocar retrocessos

Em nota divulgada nesta quinta-feira (19), a Organização Internacional do Trabalho (OIT) critica a mudança no conceito de trabalho análogo à escravidão instituída pela Portaria n. 1129, do Ministério do Trabalho. Para agência da ONU, alteração pode enfraquecer ações de fiscalização. Organismo pediu debate democrático para rever definição legal da violação.

As sete cientistas da 12ª edição do programa foram homenageadas em evento que também celebrou a inauguração do Centro de Pesquisa & Inovação da L’Oréal no Brasil. Foto: L'Oréal

L’Oréal, UNESCO e ABC premiam vencedoras do programa ‘Para Mulheres na Ciência’

A empresa de cosméticos L’Oréal, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) premiaram na semana passada (24) no Rio de Janeiro as vencedoras da 12ª edição do programa “Para Mulheres na Ciência”.

Sete pesquisadoras foram reconhecidas pela qualidade e potencial de seu trabalho. O prêmio garante visibilidade e continuidade dos projetos escolhidos nas áreas de Ciências da Vida, Química, Física e Matemática, com o incentivo de uma bolsa-auxílio no valor de 50 mil de reais para cada.

Projeto 'Vamos Nessa', do UNODC, usa esporte para promover uma cultura de paz e desenvolver habilidades pessoais entre jovens vivendo em situações de vulnerabilidade. Foto: UNODC/Kevin Town

Escritório da ONU e CBF promovem seminário no Rio sobre prevenção da violência por meio do esporte

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF Social) realizam nessa terça-feira (31) um seminário sobre o esporte como ferramenta para a construção da paz, especialmente em comunidades vulneráveis. Encontro contará com representantes do município do Rio de Janeiro, de organizações internacionais e do terceiro setor. O evento ocorre no auditório da CBF do estado do Rio de Janeiro.

Umas das 25 consultas públicas sobre a Agenda Regional de Trabalho Decente de Carajás realizadas pela OIT e parceiros locais em municípios da região. Foto: OIT

OIT percorre sudeste do Pará para promover agenda regional de trabalho decente

Entre maio e setembro de 2017, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) cruzou toda a região de Carajás, no sudeste do Pará, com o objetivo de apresentar à população local uma proposta de Agenda Regional de Trabalho Decente.

Uma agenda de trabalho decente é um compromisso tripartite, feito entre governos e organizações de trabalhadores e empregadores, para impulsionar o desenvolvimento sustentável e a inclusão social através da promoção do trabalho decente, com base em parcerias locais.

Foto: ONU

ONU apoia oficina no Espírito Santo para capacitar jovens na prevenção ao HIV

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) no Brasil apoiou oficina realizada na semana passada (19 e 21) em Anchieta, no Espírito Santo, com o objetivo de qualificar e capacitar jovens entre 18 e 26 anos para atuarem como multiplicadores em ações de prevenção ao HIV em seus estados.

A prevenção combinada engloba, além do uso do preservativo, o tratamento como prevenção, a Profilaxia Pós-exposição (PEP) e a Profilaxia Pré-exposição (PrEP).

Evento na Casa da ONU em Brasília discutiu impactos das mudanças do clima para o desenvolvimento dos países. Foto: FAO/L. Dematteis

Mudança do clima afeta diretamente o desenvolvimento dos países, diz ONU no Brasil

A mudança do clima afeta diretamente a capacidade de desenvolvimento dos países, alertou na quinta-feira (26) o coordenador-residente interino da ONU no Brasil, Didier Trebucq, durante seminário em Brasília (DF) sobre o tema.

“Desastres naturais levam 24 milhões de pessoas por ano à pobreza e estão diretamente ligados à mudança do clima”, disse Trebucq, durante o evento realizado pelo Sistema ONU no Brasil com apoio de Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL), ONU Meio Ambiente, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Erradicação da pobreza é o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 1. Foto: EBC

CEPAL: acesso a serviços básicos e trabalho decente ainda é desafio na América Latina

Ao examinar pesquisas domiciliares de 17 países da América Latina no período 2002-2015, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) concluiu que “menos de três em cada 10 lares latino-americanos estão em situação de níveis mínimos de dupla inclusão, ou seja, satisfazem os níveis mínimos de inclusão social e laboral simultaneamente”.

O conceito de dupla inclusão — social e laboral — remete, por um lado, ao acesso universal à educação, à saúde e à proteção social, assim como à infraestrutura básica (energia, água potável e saneamento), e, por outro, ao trabalho decente, ou seja, a empregos de qualidade, remunerados em condições dignas, com acesso a direitos e à proteção social.

THE MEMORY ALIVE - Júlia Cristofi

Duas mulheres representam Brasil em competição de pôsteres sobre Holocausto

Duas mulheres representarão o Brasil na Competição Internacional de Pôsteres sobre o Holocausto: Barbara Nudelman e Júlia Cristofi. A etapa brasileira foi promovida pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) em conjunto com representantes do Yad Vashem no Brasil.

Os quatro pôsteres selecionados foram encaminhados para o comitê internacional para a próxima etapa do concurso, da qual participam artistas do mundo todo. O concurso é uma parceria do Yad Vashem – memorial oficial de Israel para as vítimas do Holocausto – e o Programa das Nações Unidas para Divulgação do Holocausto.

Crianças do Botafogo entraram em campo com símbolos dos ODS. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Agência da ONU e Botafogo começam parceria com ação sobre sustentabilidade

O Botafogo fechou a 30ª rodada do Brasileirão com uma vitória e uma ação de conscientização especial. Na noite da segunda-feira (23), ao enfrentar — e vencer por 2×1 — o Corinthians, o time carioca abriu as portas do Estádio Nilton Santos para a ONU.

Em iniciativa para marcar o início de uma parceria entre o clube e o Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT), crianças botafoguenses entraram em campo carregando os símbolos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os jogadores exibiam a marca da agência nas mangas.

Sobrepeso na primeira infância preocupa FAO e OPAS. Foto: PIXABAY

Sobrepeso na 1º infância preocupa agências da ONU

Na América Latina e no Caribe, o sobrepeso entre as crianças com menos de cinco anos chega a 7%. No mundo, a taxa é de 6%. No Brasil, 7,3%. Cenário preocupa a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), que lançaram neste mês um relatório regional sobre nutrição.

A violência contra as mulheres – particularmente a violência por parte de parceiros e a violência sexual – é um grande problema de saúde pública e de violação dos direitos humanos das mulheres. Foto: George Campos/USP Imagens

#EuTambém surge da impunidade e da cultura do silêncio em relação à violência sexual, diz ONU

A indiferença em relação à violência sexual é inaceitável, disse na quinta-feira (19) a chefe global da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, cujo mandato é promover a igualdade de gênero no mundo. Ela pediu que mulheres e homens levantem suas vozes contra atos de agressão sexual.

As declarações foram feitas após o início do movimento #MeToo (#EuTambém) nas redes sociais de diversos países, no qual mulheres relataram ter sido vítimas de violência sexual. A iniciativa mostra “o quanto há de errado quando as pessoas podem agir impunemente em uma cultura do silêncio”, disse a chefe da agência das Nações Unidas.

Rei Ashanti de Gana, Otumfuo Osei Tutu II, durante visita ao Rio de Janeiro. Ele também visitou Salvador e Brasília. Foto: UNIC Rio/Natalia da Luz

Patrimônio da Humanidade, Cais do Valongo recebe visita do rei Ashanti de Gana

Patrimônio Mundial pela UNESCO, o Cais do Valongo, maior ponto de desembarque do tráfico transatlântico – entre os séculos 16 ao 19 –, recebeu a visita do rei Ashanti de Gana, Otumfuo Osei Tutu II. Durante visita ao Brasil, o rei conheceu um pouco mais sobre a herança africana na cidade do Rio de Janeiro.

Estima-se que, apenas no século 19, entre 500 mil e 900 mil africanos escravizados tenham passado pelo cais, nomeado como Patrimônio da Humanidade em julho deste ano. Saiba como foi a visita nesta matéria do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Manifestação contra a violência baseada em gênero no Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil/Fernando Frazão

ONU Mulheres manifesta preocupação com processo de revisão da Lei Maria da Penha

A ONU Mulheres manifestou nesta quarta-feira (18) preocupação com o processo de revisão da Lei 11.340/2006 (Lei Maria da Penha), o que, segundo a agência das Nações Unidas, pode comprometer a prerrogativa da legislação de proteger mulheres em situação de violência.

“Tais projetos de lei podem trazer avanços e retrocessos à aplicação da Lei Maria da Penha. Se forem analisados de forma fragmentada e sem consulta pública, podem desconfigurar seu caráter integral, multidisciplinar e especializado e a sua efetividade no enfrentamento à violência contra as mulheres no Brasil”, disse a representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, em comunicado.

Documentário 'Repense o Elogio' aborda maneira como meninos e meninas são elogiados por adultos, que podem reforçar estereótipos de gênero. Imagem: Avon

Avon e ONU Mulheres lançam documentário sobre a importância de elogiar meninas além da aparência

Meninas ouvem que são lindas, fofas, delicadas. Meninos, que são fortes, espertos, corajosos. Mas de que forma esses adjetivos reforçam estereótipos de gênero? Para debater a forma como a sociedade celebra e caracteriza suas crianças, a Avon e a ONU Mulheres lançaram nesta terça-feira (17) o documentário Repense o Elogio. Obra visa estimular pais, educadores e adultos em geral a ampliar o vocabulário usado na hora de elogiar as pequenas e os pequenos.

Operação das Forças Armadas na Rocinha, no Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil/Vladimir Platonow

ONU critica projeto de lei que amplia jurisdição de tribunais militares no Brasil

O escritório para América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) expressam nesta sexta-feira (13) profunda preocupação com a aprovação pelo Congresso de um projeto de lei que altera o Código Penal Militar para que homicídios dolosos de civis cometidos por agentes das Forças Armadas sejam julgados por tribunais militares.

“A justiça militar deve apenas julgar militares acusados de crimes de caráter exclusivamente militar ou infrações de disciplina militar”, disse o representante para América do Sul do ACNUDH, Amerigo Incalcaterra.

“Este projeto de lei é incompatível com as obrigações internacionais assumidas pelo Brasil em matéria de direitos humanos”, afirmou o presidente da Comissão Interamericana, Francisco Eguiguren.

Família pede ajuda nas ruas da cidade de Secunda, na província sul-africana de Mpumalanga. Foto: Jan Truter (CC, Flickr)

FMI discute ferramentas de política fiscal para crescimento inclusivo

Em relatório divulgado na quinta-feira (12), o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou que as crescentes desigualdades e a desaceleração econômica no mundo todo ampliaram as discussões sobre políticas de apoio ao crescimento inclusivo.

Citando programas de transferência de renda da América Latina, como o brasileiro Bolsa Família, o relatório discute políticas fiscais de redução das desigualdades, entre elas a maior tributação do topo da pirâmide, a introdução da renda mínima universal e maiores investimentos em saúde e educação.

Cerimônia de encerramento da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH). Foto: ONU/MINUSTAH/Logan abassi

Missão da ONU no Haiti é encerrada oficialmente; Conselho de Segurança discutirá nova atuação

A Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH) encerrou oficialmente, por meio de uma cerimônia, suas atividades no último dia 5 de outubro. Representante do secretário-geral destacou progressos desde a chegada da operação, há 13 anos. Confira nesse vídeo.

FacebookTwitterGoogle+Cadastro

Acesse aqui todas as oportunidades de estágio e trabalho: www.nacoesunidas.org/vagas/brasil e outras oportunidades e editais em www.nacoesunidas.org/tema/editais

Leia mais em www.onu.org.br e acesse nossas redes em www.nacoesunidas.org/redes

Para não receber mais, peça para remover. Para se inscrever, clique aqui. Para edições anteriores, clique aqui.


Comente

comentários