Banda larga pode ajudar na integração econômica da América Latina, afirma CEPAL

Mas para tirar proveito dessa integração, os países latino-americanos precisam fazer maiores investimentos em infraestrutura nos serviços de banda larga.

A banda larga abre uma janela para integração econômica dos países latino-americanos. No entanto, para tirar maior proveito dessa integração, os países precisam fazer maiores investimentos em infraestrutura nos seus serviços de internet.

Essa é a conclusão da quinta reunião do Diálogo Regional de Banda Larga organizado pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL). Nove dos dez países do Diálogo (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Costa Rica, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai) e União Internacional das Telecomunicações (UIT) participaram do evento que ocorreu na sede da Comissão de Mercado de Telecomunicações (CMT) na Espanha.

Os países concordaram em criar um grupo de trabalho de interligação, que será liderado pelo Peru, para entregar propostas nesta área. Já a CEPAL ficou encarregada de desenvolver propostas sobres os modelos de regulação e administração de pontos de intercâmbio de tráfico (IXP) para os países membros do Diálogo Regional, considerando diferenças de desenvolvimento.

CEPAL divulga novos dados da banda larga

No evento, a CEPAL também divulgou novos dados sobre banda larga na região. De acordo com o Observatório Regional de Banda Larga (ORBA), os preços diminuíram em mais de 50% entre 2010 e os primeiros meses de 2012. A velocidade prometida pelos prestadores de serviços chegou a três megabytes por segundos (Mbps) e de download a um Mbps. No entanto, esse número segue bem abaixo da Europa, por exemplo, que apresenta dados de 13 Mbps e quatro Mbps, respectivamente.