Banco Mundial aprova cerca de oito bilhões de dólares na estratégia com Brasil até 2015

A instituição se concentrará em quatro objetivos estratégicos, entre eles ampliar a qualidade dos serviços para a população de baixa renda e diminuir a desigualdade entre o nordeste e as regiões mais ricas do país.

Estratégia de Parceria com o Brasil para os anos fiscais 2012-2015A diretoria do Banco Mundial aprovou hoje (01/11) a nova Estratégia de Parceria com o Brasil para os anos fiscais 2012-2015. O programa prevê cerca de 5,8 bilhões de dólares em novos financiamentos aos governos Federal e sub-nacionais, além de 2 bilhões de dólares em empréstimos pela International Finance Corporation (IFC), o braço do grupo para o setor privado. A estratégia está coordenada com o programa de erradicação da extrema pobreza, Brasil sem Miséria, que visa melhorar as oportunidades sociais e econômicas para 16 milhões de pessoas mais vulneráveis no País.

A instituição se concentrará em quatro objetivos estratégicos, a serem alcançados até 2015. Entre eles está o de melhorar a qualidade e a cobertura dos serviços para a população de baixa renda, incluindo apoio para levar a pré-escola a pelo menos 85% dos 40% mais pobres da população.

Outra meta da Grupo financeiro é promover o desenvolvimento econômico e social regional, especialmente ajudando a reduzir a desigualdade entre o nordeste e as regiões mais ricas do País. Neste aspecto, está prevista a ampliação do acesso a serviços de tratamento de esgoto de 70 para 75% das moradias e investimentos para aumentar a competitividade em transportes e energia limpa, além de apoio ao modelo de crescimento verde do Brasil.

Também estão previstos aportes para melhorar a gestão dos recursos naturais e preparação para eventos climáticos, incluindo apoio à redução das emissões de carbono na agricultura em pelo menos 100 milhões de toneladas por ano; a expansão das áreas sob proteção ambiental em 15 milhões de hectares; e uma melhor prevenção e resistência a desastres naturais.

O quarto objetivo do Banco Mundial é aumentar a eficiência dos investimentos públicos e privados, incluindo instrumentos como parcerias público-privadas e a melhoria em médio prazo nos quadros fiscais, ajudando os governos a aumentar sua orientação para resultados no planejamento e orçamento.