Ban Ki-moon espera cooperação do Líbano com Tribunal Especial

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, espera que o novo Governo libanês, cumpra com sua obrigação de cooperar com as Nações Unidas, e apóie o tribunal criado para julgar os suspeitos pelo assassinato em 2005 do ex Primeiro-Ministro Rafiq Hariri.

Sede do Tribunal Especial para o LíbanoO Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, espera que o novo Governo libanês, cumpra com sua obrigação de cooperar com as Nações Unidas, e apóie o tribunal criado para julgar os suspeitos pelo assassinato em 2005 do ex Primeiro-Ministro Rafiq Hariri. O Governo de unidade nacional do Líbano, liderado pelo filho de Hariri, Saad, caiu duas semanas depois que onze ministros do Hezbollah e aliados se demitiram, devido à recusa do Governo de interromper a cooperação com o tribunal, que, de acordo com a mídia, estava prestes a indiciar membros do Hezbollah como assassinos de Hariri e outras 22 pessoas.

Após consultas ao partido, o Presidente libanês, Michel Sleiman, pediu a Najib Mikati, que, segundo relatos da imprensa, tem apoio do Hezbollah, componha o próximo Governo. Ban “espera que qualquer governo formado no Líbano respeite as obrigações internacionais com as quais o país se comprometeu. (…) O Secretário-Geral apoia fortemente o Tribunal Especial para o Líbano, que é um órgão judicial independente. Os trabalhos do Tribunal Especial não devem ser afetados por acontecimentos políticos”, disse o Porta-voz do Secretário-Geral, Martin Nesirky.

“O Secretário-Geral pede a todas as partes envolvidas que mantenham a calma e evitem qualquer ato de violência”, disse Nesirky. “A preocupação imediata de todos os líderes do Líbano deve ser a manutenção da estabilidade interna e a prevenção de incidentes que possam facilmente aumentar a tensão.”

Na semana passada, o Tribunal recebeu a sua primeira acusação, mas o conteúdo permanece confidencial até o momento.