Avançam preparativos da conferência para a paz na Síria, diz chefe da ONU

Ban Ki-moon pede que países com influência sobre os envolvidos no conflito façam o possível para acabar com a guerra e estimular acordo de paz. Reunião deve ser realizada no fim de janeiro na Suíça.

Mãe síria leva filho para o refúgio em país vizinho. Foto: UNHCR/S. Rich

Os preparativos para a conferência destinada a obter uma solução política para a crise na Síria estão progredindo, informou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na segunda-feira (23), ressaltando que essa é a única forma de acabar com a situação desastrosa do país.

O representante especial conjunto da ONU e da Liga dos Países Árabes para a Síria, Lakhdar Brahimi, se reuniu na sexta-feira (20), em Genebra, Suíça, com representantes dos Estados Unidos, da Rússia e de vários outros países para discutir os preparativos para a reunião. Segundo Ban, “estamos no caminho certo para convocar a conferência”.

Mais de 30 nações foram convidadas a participar da reunião, que será realizada na Suíça em duas partes: a sessão de abertura em Montreux no dia 22 de janeiro de 2014 e, em seguida, no escritório da ONU em Genebra no dia 24. Será a primeira vez que o governo sírio e a oposição vão se reunir em uma mesa de negociações desde o início do conflito em março de 2011.

“As negociações serão difíceis, mas sem elas só haverá derramamento de sangue e desespero no horizonte. Conto com aqueles que possuem influência para encorajar os envolvidos na Síria a vir para a conferência com a séria intenção de acabar com a guerra e chegar a um acordo para uma transição pacífica”, disse Ban.

O objetivo da chamada conferência “Genebra II” é alcançar uma solução política para o conflito por meio de um acordo global entre o governo e a oposição para a plena implementação do comunicado de Genebra, adotado após a primeira reunião internacional sobre a crise síria em 30 de junho de 2012. O comunicado pede a criação de um governo de transição que levaria à realização de eleições.

A conferência contará com a participação da ONU, dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia), da Liga dos Países Árabes, da União Europeia, da Organização de Cooperação Islâmica e de 26 outros países, incluindo o Brasil.

Enquanto o evento é organizado, Ban observou que as Nações Unidas e os parceiros da Organização estão fazendo “todo o possível” para ajudar a aliviar o sofrimento dos sírios. Mais de 120 mil pessoas foram mortas, 8 milhões foram deslocadas e 2 milhões pediram refúgio nos países vizinhos.