Arquivo do Autor: ONU Brasil

Campanha de vacinação contra Sarampo em Salvador, outubro de 2019. Foto: Foto: Jefferson Peixoto/Secom (Fotos Públicas)

UNICEF alerta sobre impactos de eventual suspensão dos serviços de saúde para crianças e gestantes

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alertou sobre os impactos de uma eventual interrupção dos serviços de atenção primária de saúde direcionados a gestantes e crianças menores de 5 anos devido à pandemia de COVID-19.

A agência da ONU recomenda aos governos que crianças e grávidas sejam priorizadas nos serviços de saúde, e que todos os serviços de cuidado pré-natal e neonatal, inclusive os programas de vacinação, sejam mantidos e adaptados às novas necessidades causadas pela pandemia, sempre respeitando os protocolos de segurança de proteção frente ao novo coronavírus.

Foto: UNICEF | UN0120828

Campanha digital alerta para riscos enfrentados por crianças e adolescentes durante a pandemia

No Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, 18 de maio, o projeto Crescer sem Violência – parceria entre a Fundação Roberto Marinho, por meio do Canal Futura, a Childhood Brasil e o UNICEF Brasil, com apoio de Google, Facebook e Instagram – promove uma mobilização de prevenção e conscientização sobre os riscos que crianças e adolescentes correm no ambiente doméstico e na internet.

Embora o isolamento social seja importante para conter a disseminação da COVID-19, a campanha #EmCasaSemViolência destaca que os riscos se agravam com a atual situação, que tem levado ao confinamento de crianças e adolescentes, ao fechamento das escolas e a uma maior atividade online. A cada 15 minutos, uma criança ou adolescente sofre violência sexual no Brasil e 77% dos agressores são do grupo familiar ou conhecido da vítima, segundo dados da Safernet.

Foto: EBC

UIT lembra importância das tecnologias da informação na resposta à pandemia

O Dia Mundial da Telecomunicação e da Sociedade da Informação (WTISD, na sigla em inglês) marca o aniversário da fundação da União Internacional de Telecomunicações (UIT), em 17 de maio de 1865, quando a primeira Convenção Internacional do Telégrafo foi assinada em Paris.

O tema deste ano é “Connect 2030: TICs para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Na ocasião, a UIT reafirmou seu compromisso de conectar todas as pessoas do mundo, lembrando a importância das tecnologias de informação e comunicação para a Agenda 2030 e para a resposta à pandemia de COVID-19.

A plataforma foi criada pela ONG Ajude o Pequeno para apoiar pequenos negócios durante o período de pandemia. Foto: Ajude o Pequeno

UNIDO firma parceria com ONG Ajude o Pequeno para apoiar micro e pequenas empresas durante pandemia

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) deu início em maio a uma parceria junto à organização não governamental Ajude o Pequeno, uma iniciativa sem fins lucrativos que oferece a micro e pequenos empreendedores uma plataforma online gratuita para a venda de produtos e serviços. Mais de 2 mil empresas brasileiras já estão cadastradas.

A plataforma foi criada pela ONG para apoiar pequenos negócios durante o período de pandemia de COVID-19. Empreendedores cadastrados têm acesso a um ecossistema colaborativo que liga produtores, comerciantes e consumidores, dando sustentação a pequenos negócios neste período de incertezas econômicas.

Japão contribui com US$ 2,7 milhões para expandir a resposta à COVID-19 em nove países das Américas

O Governo do Japão vai contribuir com US$ 2,7 milhões para ajudar nove países das Américas – Bolívia, Brasil, Chile, Guatemala, México, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela – a expandir suas respostas à pandemia da COVID-19, causada pelo novo coronavírus.

A contribuição financeira do Japão apoiará os esforços de resposta da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) nestes países para mitigar o impacto da disseminação do vírus e impedir a transmissão de pessoa a pessoa da COVID-19 nas Américas.

PNUD apoia construção e reforma de centros de atendimento socioeducativo no Brasil

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) trabalha em cooperação com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA/MMFDH), oferecendo subsídios para o fortalecimento da proteção integral dos direitos da criança e do adolescente no Brasil, desde 2004.

Um dos eixos desta cooperação é a supervisão de reformas e construções de Unidades de Atendimento à Proteção Integral de Crianças e Adolescentes. Para esta ação, o PNUD e a Secretaria Nacional Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente firmaram parceria com o Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), que presta assessoria técnica e transfere conhecimentos para que as obras públicas sejam conduzidas de maneira adequada.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – nossa visão compartilhada sobre como acabar com a pobreza, garantir um futuro saudável para o planeta e construir um mundo pacífico – estão ganhando impulso global. Com apenas 10 anos à frente, um ambicioso esforço global está em andamento para cumprir a promessa da #Agenda2030 – mobilizando mais governos, sociedade civil, empresas e convidando todas as pessoas a tomarem para si os #ObjetivosGlobais.

Pacto de Mídia da ONU pelos ODS alcança marca de 100 integrantes

A aliança de empresas de notícias e entretenimento com as Nações Unidas para divulgação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) segue em expansão e está chamando a atenção de uma audiência de 2 bilhões de pessoas para os impactos socioeconômicos da crise de COVID-19.

O Pacto de Mídia Pelos ODS alcançou a marca de 100 integrantes, incluindo grandes redes de TV e mídia impressa, agências de notícias, estações de rádio e redes digitais em 160 países de cinco continentes.

ONU: Não deixar ninguém para trás significa não deixar ninguém offline. Foto: Daria Shevtsova via Pexels

ONU: Não deixar ninguém para trás significa não deixar ninguém offline

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, gravou uma mensagem em vídeo para marcar no domingo (17) o Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação. Segundo Guterres, a tecnologia da informação pode ser um “farol de esperança”, permitindo que bilhões de pessoas em todo o mundo se conectem.

“Durante a pandemia de COVID-19, essas conexões – com entes queridos, com escolas e faculdades, com locais de trabalho, com profissionais da saúde e fornecedores essenciais – são mais importantes do que nunca”, lembrou; acesse a mensagem aqui.

Sede da UNESCO em Paris. Foto: UNESCO

Empresa brasileira vence prêmio da UNESCO por usar inteligência artificial na educação

O software brasileiro para habilidades de escrita Letrus e a ferramenta de detecção de dislexia espanhola Dytective são os dois vencedores do Prêmio Rei Hamad Bin Isa-Al Khalifa da UNESCO de 2019 pelo Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na educação.

O tema da edição do ano passado foi o uso da Inteligência Artificial (IA) para inovar na educação, ensino e aprendizagem. Por meio desse tema, a UNESCO visa promover aplicações efetivas e éticas da IA ​​na educação que estejam universalmente disponíveis.

Sala de aula no campo de Kutupalong. Foto: UNICEF/Patrick Brown

VÍDEO: Coronavírus chega ao maior campo de refugiados do mundo, em Bangladesh

Agências humanitárias das Nações Unidas confirmaram o primeiro caso de COVID-19 no maior assentamento de refugiados do mundo, Kutapalong, em Bangladesh, que acolhe 860 mil pessoas da minoria rohingya que fugiram da perseguição em Mianmar, país vizinho.

Uma pessoa da comunidade de acolhimento também testou positivo. Os dois pacientes estão isolados, sendo tratados, e todos os seus contatos estão sendo rastreados, testados e colocados em isolamento.

Em entrevista à ONU News, a coordenadora de Gestão e Desenvolvimento de Campo da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Kerry McBroom, explicou os três maiores desafios atuais.

Um bebê de 6 meses recebe uma injeção de vacina atrasada em um centro de saúde comunitário em Pequim, China. Foto: UNICEF/Zhang Yuwei

COVID-19: Líderes mundiais pedem que medicamentos e futuras vacinas sejam livres de patentes

Mais de 140 líderes mundiais assinaram na quinta-feira (14) uma carta aberta solicitando que os governos se unam para encontrar uma vacina contra a COVID-19, marcando a posição mais ambiciosa já estabelecida sobre o que se tornou a busca mais urgente da ciência moderna.

Eles estão exigindo que todas as vacinas, tratamentos e testes sejam livres de patentes, produzidos em massa e distribuídos de maneira justa.

Foto: ONU Mulheres/Ploy Phutpheng

OIT: pandemia expõe lacunas na cobertura de proteção social dos países em desenvolvimento

A crise da COVID-19 expôs lacunas devastadoras na cobertura da proteção social nos países em desenvolvimento e a única maneira de sustentar a recuperação e prevenir crises futuras é os países transformarem suas medidas especiais de resposta à pandemia em sistemas abrangentes de proteção social.

Dois estudos divulgados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) alertam que os atuais déficits de proteção social podem comprometer os planos de recuperação, expor milhões de pessoas à pobreza e afetar a capacidade de reação global para enfrentar crises semelhantes no futuro.

ONU quer saber como jovens da América Latina e Caribe sobre estão enfrentando a pandemia

As Nações Unidas convidam adolescentes e jovens entre 15 e 29 anos dos países da América Latina e do Caribe a participar de uma pesquisa para saber como estão enfrentando a pandemia de COVID-19, bem como suas preocupações atuais e futuras. A pesquisa estará aberta até 26 de maio.

Os resultados guiarão a resposta das Nações Unidas na América Latina e no Caribe para interromper a propagação da doença e mitigar as repercussões da pandemia. É essencial que a ONU reconheça os múltiplos e diversos impactos que a pandemia da COVID-19 já tem e terá na população jovem e em seus direitos humanos.

Rádio comunitária engaja refugiados e migrantes indígenas em Manaus

A pandemia do novo coronavírus é a principal pauta dos programas de rádios comunitárias, que ajudam a reforçar as medidas de prevenção divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e reportam o número de pessoas infectadas e óbitos. Também há espaço para músicas e assuntos diversos, como futebol e a vida de celebridades.

Esta é uma das estratégias da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) para fortalecer a proteção das populações indígenas venezuelanas no Norte do país. Em parceria com o Instituto Mana e Secretaria Municipal da Mulher Assistência Social e Cidadania de Manaus (SEMASC), as rádios comunitárias nos dois abrigos compartilham informações confiáveis e atualizadas sobre a COVID-19. A ação conta com participação da organização Médico Sem Fronteiras (MSF).

OPAS apoia gestores públicos na tomada de decisão sobre distanciamento social

Na ausência de vacinas e tratamentos contra a COVID-19 que sejam seguros e eficazes, é fundamental adotar medidas não farmacológicas (como distanciamento social e restrição de viagens), ajustadas à realidade local, para minimizar a exposição das pessoas ao novo coronavírus.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) tem elaborado uma série de ferramentas, em apoio ao Ministério da Saúde do Brasil, para auxiliar os governos na tomada de decisão sobre essas ações.

Diversas empresas têm desenvolvido ações específicas para atrair pessoas trans para suas vagas, buscando, ao mesmo tempo,  sensibilizar seus funcionários para a importância desse acolhimento. Foto: Reprodução

ONU defende proteção e promoção de empregos para pessoas LGBTI+ em meio à pandemia

A marginalização e as vulnerabilidades impostas à comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexo (LGBTI+) colocam estas pessoas entre as mais expostas à pandemia de COVID-19.

Como parte das celebrações do Dia Internacional contra a LGBTIfobia (17), a ONU Brasil reforça seu compromisso com a proteção dos direitos humanos das pessoas LGBTI+ e com a promoção do acesso dessas populações ao mercado de trabalho, através de empregos dignos e do respeito à diversidade.

Foto: UNAIDS

UNAIDS convida DJs da cena eletrônica LGBTI para campanha #AjudeDeCasa

Em um sábado à noite como outro qualquer, jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis, trans e intersexo de todo o mundo estariam certamente se arrumando para ir a uma festa LGBTI+.

Para muitos deles, estes encontros representam verdadeiros espaços de convivência, onde se sentem seguros para viver sua sexualidade e expressar sua identidade de gênero. Mas, com a pandemia da COVID-19, tudo isso mudou.

Neste novo contexto, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) convidou empresários e DJs da cena eletrônica LGBTI+ do Brasil para deixar, nas redes sociais, uma mensagem sobre questões como a importância de ficar em casa e de aderir a uma onda de solidariedade para ajudar a comunidade LGBTI+ e de pessoas vivendo com HIV em situação de vulnerabilidade.

Foto: Dark Indigo via Pexels

OMS: ‘O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante’

“O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante”, afirmou nesta quarta-feira (14) Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O isolamento social, o medo de contágio e a perda de membros da família são agravados pelo sofrimento causado pela perda de renda e, muitas vezes, de emprego.”

De acordo com um documento das Nações Unidas lançado pelo secretário-geral, a pandemia de COVID-19 está destacando a necessidade de aumentar urgentemente o investimento em serviços de saúde mental ou arriscar um aumento maciço de condições de saúde mental nos próximos meses; confira as mensagens em vídeo do chefe da OMS e da ONU aqui.

É tempo de se afastar das pessoas para salvar a humanidade. Para aliviar o sofrimento e salvar vidas em meio à pandemia, a OMS está focada em cinco ações-chave

VÍDEO: Cinco coisas que a OMS está fazendo contra o coronavírus

Em maio, o mundo já tinha confirmado mais de 4 milhões de casos de COVID-19, com uma perda de mais de quase 300 mil vidas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Mas esses não são apenas números – todos os casos são mães, pais, filhos, filhas, irmãos, irmãs ou amigos”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da agência.

É tempo de se afastar das pessoas para salvar a humanidade. Para aliviar o sofrimento e salvar vidas em meio à pandemia, a OMS está focada em cinco ações-chave; saiba aqui quais são.

Horário de visita na prisão de Ngaragba, em Bangui, República Centro-Africana, durante a pandemia de COVID-19. Foto: MINUSCA

ONU: governos devem tomar todas as medidas para proteger saúde de pessoas privadas de liberdade

Chefes de agências da ONU destacaram na quarta-feira (13) a maior vulnerabilidade à COVID-19 de pessoas privadas de liberdade, pedindo aos governos que tomem “todas as medidas adequadas de saúde pública” para mantê-las protegidas de doenças mortais.

Eles também pressionaram pela libertação de detentos não violentos, bem como daqueles com doenças pré-existentes e idosos, e advogaram por maior higiene para impedir ou limitar a disseminação do novo coronavírus nas prisões.

Projeto apoia agricultores familiares durante pandemia da COVID-19 em Sergipe

Em Sergipe, agricultores familiares de 15 municípios com Índice de Desenvolvimento Humano muito baixo ​contam com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para superar as dificuldades econômicas geradas pela pandemia da COVID-19.

Durante as medidas de isolamento social, o projeto “Dom Távora” – financiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) – está se adaptando para seguir fornecendo apoio consultivo e de capacitação a pequenos agricultores familiares que não podem interromper suas atividades, uma vez que são essenciais para garantir a segurança alimentar na região.

Ação social de CBF e UNESCO apoia crianças em situação de vulnerabilidade

Implementado há pouco mais de um ano, o projeto Gol do Brasil, ação social da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) voltada para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos em situação de vulnerabilidade, acaba de ganhar um reforço: a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Na última segunda-feira (12), as duas instituições celebraram o acordo de cooperação, em uma reunião realizada por meio de videoconferência.

Participantes da 19ª Parada do Orgulho LGBT na Avenida Paulista. Foto: Fotos Públicas/Leo Pinheiro

Especialista independente da ONU alerta que Estados devem incluir comunidade LGBTI na resposta à COVID-19

Os governos de todo o mundo devem garantir que as medidas de emergência adotadas no contexto da COVID-19 não exacerbem as desigualdades nem as barreiras estruturais que enfrentam as pessoas com orientações sexuais e identidades de gênero diversas, e que não conduzam a um aumento da violência e da discriminação contra estas pessoas.

O alerta é do especialista independente das Nações Unidas sobre a proteção contra a violência e a discriminação por motivos de orientação sexual e identidade de gênero, Víctor Madrigal-Borloz, em comunicado em preparação ao Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia (IDAHOBIT, em inglês), lembrado em 17 de maio.

Projeto Balaio abre cadastro online para quem precisa de alimentos e kits de higiene e limpeza

O “Projeto Balaio: saúde, inclusão e comunidade” recebe desde quarta-feira (13) inscrições de pessoas vivendo com HIV/AIDS e pessoas LGBTI+ que necessitem de apoio com cesta básica de alimentos e kits de higiene e limpeza em meio à pandemia de COVID-19.

Ação é uma iniciativa da ONG Barong, em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O projeto tem foco inicial em pessoas que moram na cidade de São Paulo e se encontram em situação de extrema vulnerabilidade. Seu objetivo é mitigar os impactos secundários da pandemia de COVID-19 sobre estas populações.

Agricultor da Aldeia Marcação Kiriri, comunidade alcançada pelo Projeto Pró-Semiárido, financiado pelo FIDA. Foto: Lianne Milton/Panos/FIDA.

FIDA investirá US$554 milhões na recuperação da agricultura familiar de América Latina e Caribe

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), agência das Nações Unidas para o desenvolvimento rural, destinará 554 milhões de dólares para apoiar a agricultura familiar na América Latina e no Caribe durante a crise de COVID-19 e contribuir para sua recuperação e modernização diante dos impactos da pandemia.

O objetivo fundamental das operações do FIDA, tanto em andamento quanto em fase de projeto, será permitir que agricultores e famílias rurais recuperem sua atividade econômica o mais rápido possível.

Foto: Juan Pablo Serrano Arenas via Pexels

ONU: serviços de saúde mental devem ser parte essencial de respostas ao coronavírus

A COVID-19 não está apenas atacando nossa saúde física; também está aumentando o sofrimento psicológico. A avaliação é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que gravou uma mensagem em vídeo para chamar atenção para a questão.

Lançando um relatório tratando de políticas públicas sobre saúde mental, Guterres destacou que esses serviços devem ser parte essencial de todas as respostas de governos ao coronavírus. O chefe da ONU acrescentou que serviços de saúde mental devem ser expandidos e amplamente financiados. Acesse aqui o vídeo e o documento.

Fotos: ONU/Rick Bajornas

Chefe da ONU apela à ‘humanidade comum’ em todas as religiões para combater coronavírus

Nossa vulnerabilidade compartilhada diante da pandemia de coronavírus revela “nossa humanidade comum”, disse o chefe da ONU na terça-feira (12), durante uma reunião online com líderes religiosos sobre o importante papel que eles podem desempenhar na limitação dos danos causados ​​pela COVID-19.

Reunido com líderes das religiões judaica, cristã e muçulmana, o chefe da ONU citou crises de saúde pública anteriores, incluindo HIV/AIDS e ebola, observando como a liderança espiritual foi positiva em termos de valores, atitudes e ações da comunidade.

UNESCO participa de projetos em apoio a comunidades afetadas pela crise causada pela pandemia

Como parte de seus esforços emergenciais para ajudar a mitigar as consequências causadas pela COVID-19 no país, a UNESCO irá contribuir com ações e projetos que visam ao atendimento de comunidades e pessoas em situação de vulnerabilidade.

A UNESCO apoiará a Central Única das Favelas (CUFA) no projeto “Mães da Favela”, que tem como objetivo fornecer apoio a famílias lideradas por mulheres que tiveram sua renda afetada pelo surto da COVID-19. Já a iniciativa em parceria com a ONG Ação da Cidadania vai intensificar a distribuição de alimentos por todo o país, sobretudo para famílias atingidas pelos impactos da grave crise de saúde.

Vídeo foi produzido em parceria com a Rede Globo. Foto: Reprodução

Campanha discute necessidade de eliminar expressões racistas do vocabulário popular

Nesta semana, o Brasil lembra os 132 anos da abolição da escravatura, ocorrida em 13 de maio de 1888. A data é uma oportunidade de revisitar as cicatrizes deixadas pela escravidão, ainda sentidas na sociedade atual: racismo, discriminação e iniquidades.

A Rede Globo começa a veicular nesta quarta-feira (13) um vídeo produzido em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) que reflete sobre o racismo a partir de frases do cotidiano.

Pandemia levará mais de 34 milhões de pessoas à pobreza extrema em 2020. Foto: Jan Truter (CC, Flickr)

COVID-19 reduzirá produção econômica global em US$8,5 trilhões nos próximos dois anos

No contexto de uma pandemia devastadora, a economia global deverá ter uma contração acentuada de 3,2% este ano, de acordo com relatório Situação Econômica Mundial e Perspectivas das Nações Unidas (WESP) de meados de 2020, divulgado nesta quarta-feira (13).

A expectativa é de que a economia global perca quase 8,5 trilhões de dólares em produção nos próximos dois anos devido à pandemia de COVID-19, acabando com quase todos os ganhos dos quatro anos anteriores.

As cidades deverão produzir mais de 70% das emissões de gás carbônico globais e consumirão 80% da energia do mundo em 2030. Foto: UNsplash

Concentração global de CO2 bate recorde mesmo durante crise da COVID-19

Embora seja verdade que o tráfego veicular e aéreo, bem como a atividade industrial, tenham sido drasticamente reduzidos na maior parte do mundo desde janeiro de 2020, esse não é o caso do consumo de eletricidade. De acordo com o Panorama Energético Mundial 2019, 64% das fontes globais de energia elétrica provêm de combustíveis fósseis (carvão: 38%, gás: 23%, petróleo: 3%). Leia o relato do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

UNICEF: garantir acesso de crianças vulneráveis à Internet é essencial na resposta à COVID-19

Ter acesso à Internet é fundamental para que crianças e adolescentes possam exercer plenamente seus direitos. Em tempos de coronavírus e isolamento social, a rede se torna ainda mais importante para garantir a continuidade da aprendizagem, manter contato com amigos e cuidar da saúde mental, se proteger contra a violência e ter acesso a informações confiáveis.

Por isso, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) propõe ao governo federal e às empresas de telefonia que invistam para prover o acesso livre à Internet para todas as famílias vulneráveis.

Segundo dados preliminares da pesquisa TIC Kids, 4,8 milhões de crianças e adolescentes de 9 a 17 anos de idade vivem em domicílios sem acesso à internet no Brasil.

COVID-19: Interrupções em serviços de HIV podem causar 500 mil mortes adicionais por AIDS

Um grupo de modelagem convocado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) estimou que, se não forem feitos esforços para mitigar e superar as interrupções nos serviços e na distribuição de insumos de saúde causados pela pandemia da COVID-19, uma interrupção de seis meses da terapia antirretroviral poderia levar a um número superior a 500 mil mortes a mais por doenças relacionadas à AIDS, incluindo a tuberculose.

As estimativas se referem ao cenário na África Subsaariana, para o período entre 2020-2021. Em 2018, estima-se que 470 mil pessoas morreram de causas relacionadas à AIDS na região.