ONU em português: Lista com todas as notícias

Avenida em Riad, na Arábia Saudita. Foto: Ammar shaker/Wikimedia Commons (CC)

Relator da ONU elogia planos da Arábia Saudita de reformar economia

Após visita à Arábia Saudita, o relator especial da ONU sobre a extrema pobreza afirmou que os planos do governo de transformar a economia do país representam uma oportunidade única para melhorar os direitos humanos dos pobres e das mulheres.

Apesar dos vários problemas de direitos humanos na Arábia Saudita, os planos econômicos reconhecem a necessidade de incentivar a plena participação feminina no mercado de trabalho — mudança necessária para permitir que elas se tornem mais produtivas e independentes, disse o relator.

Foto: Leo Pinheiro / Fotos Públicas

Relator da ONU para direitos LGBT abre consulta para desenvolver estratégia de trabalho

O relator independente das Nações Unidas para o combate à violência e discriminação baseada em orientação sexual e identidade de gênero realizará consulta pública na semana que vem em Genebra para engajar Estados, mecanismos de direitos humanos, agências da ONU, ativistas da sociedade civil e outros para discutir seu trabalho, estabelecer prioridades e desenvolver estratégias efetivas para os próximos anos.

O evento será transmitido pelo YouTube, e o especialista receberá informações e questões por e-mail.

O valor do comércio exterior do país ao exterior terá queda de cerca de 16. Foto:APPA

América Latina e Caribe devem ampliar relações econômicas com China, diz CEPAL

Países latino-americanos e caribenhos devem cooperar com a China em áreas-chave como infraestrutura, energia e agricultura, já que o potencial da região em produção agrícola e alimentar permitiria atender as demandas do país asiático.

A afirmação foi feita pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

As pessoas mais vulneráveis da região de lagos de Sô-Ava, no sul do Benim, vivem isoladas, não conseguindo se deslocar de canoa ou em embarcações pequenas. O acesso a serviços de saúde, incluindo saúde reprodutiva e planejamento familiar, é difícil nessas condições. O governo do Benim e seus parceiros – incluindo o UNFPA, o Fundo de População da ONU – promovem desde 2015 os chamados “barcos-clínica”, que leva essas serviços a regiões de difícil acesso. Pouco mais de um ano após a implementação dessa iniciativa, os resultados já são visíveis. Confira nesse vídeo especial.

Agência da ONU leva serviços de planejamento familiar a áreas de difícil acesso no Benim; vídeo

As pessoas mais vulneráveis da região de lagos de Sô-Ava, no sul do Benim, vivem isoladas, não conseguindo se deslocar de canoa ou em embarcações pequenas. O acesso a serviços de saúde, incluindo saúde reprodutiva e planejamento familiar, é difícil nessas condições.

O governo do Benim e seus parceiros – incluindo o UNFPA, o Fundo de População da ONU – promovem desde 2015 os chamados “barcos-clínica”, que leva essas serviços a regiões de difícil acesso. Pouco mais de um ano após a implementação dessa iniciativa, os resultados já são visíveis. Confira nesse vídeo especial.

O Brasil é um dos lugares mais perigosos do mundo para ser mulher: uma mulher é morte a cada 2 horas e atacada a cada 15 segundos. Sueny é uma ativista brasileira que luta para acabar com a violência contra as mulheres em uma comunidade no Rio de Janeiro.

No Brasil, uma mulher é assassinada a cada 2 horas; vídeo

O Brasil é um dos lugares mais perigosos do mundo para ser mulher: uma mulher é morte a cada 2 horas e atacada a cada 15 segundos. Sueny é uma ativista brasileira que luta para acabar com a violência contra as mulheres em uma comunidade no Rio de Janeiro.

Ela é uma das participantes de um programa da Casa da Mulher Trabalhadora (CAMTRA), organização apoiada pelo Fundo Fiduciário das Nações Unidas pelo Fim da Violência contra a Mulher, gerido pela ONU Mulheres. Confira nessa matéria especial.

Estudantes em escola no Marrocos. Foto: Banco Mundial / Dana Smillie

UNESCO abre inscrições para prêmio Educação para o Desenvolvimento Sustentável

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) abriu inscrições para a terceira edição do Prêmio UNESCO-Japão Educação para o Desenvolvimento Sustentável (ESD, na sigla em inglês).

A agência da ONU convida governos de todos os Estados-membros, bem como organizações não governamentais (ONGs) em parceria oficial com a UNESCO, a inscrever até três pessoas, instituições ou organizações engajadas com a Educação para o Desenvolvimento Sustentável.

Manifestações de 2014 em Gâmbia. Violações dos direitos humanos no país já preocupavam as Nações Unidas nessa época. Foto: UNFPA Gâmbia

Cerca de 45 mil pessoas deixaram a Gâmbia em meio à incerteza política no país

Cerca de 45 mil pessoas saíram da Gâmbia rumo ao Senegal nos últimos dias em meio à contínua incerteza política e a entrada de tropas senegalesas e da África Ocidental no país na quinta-feira (19).

O clima político ficou tenso depois que o presidente Yahya Jammeh, há 22 anos no poder, anunciou no fim do ano passado que não aceitaria os resultados eleitorais de dezembro que deram vitória a Adama Barrow.

Conselho de Segurança da ONU. Foto: ONU/JC McIlwaine

Conselho de Segurança apoia esforços regionais para garantir transferência de poder na Gâmbia

O Conselho de Segurança da ONU pediu nesta quinta-feira (19) que todas as partes respeitem o resultado das eleições de 1º de dezembro na Gâmbia, reconhecendo Adama Barrow como presidente eleito.

O presidente eleito tomou posse na embaixada da Gâmbia no Senegal, uma vez que o atual presidente Yahya Jammeh, no poder há 22 anos, recusa-se a sair. Segundo informações da imprensa internacional, tropas senegalesas adentraram o país.

Isidro Baldenegro López recebe Goldman Prize em 2005. Foto: The Goldman Environmental Prize

Agência da ONU condena assassinato de líder indígena mexicano

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) condenou nesta quinta-feira (19) o assassinato do ativista mexicano Isidro Baldenegro López, líder de uma comunidade indígena mexicana que promoveu uma campanha pacífica contra a destruição de florestas ancestrais.

Baldenegro foi homenageado em 2005 com o mais prestigiado prêmio ambiental do mundo, o Goldman Environmental Prize. Ele é o segundo vencedor a ser morto em menos de um ano. Em março do ano passado, homens armados assassinaram a ativista indígena Berta Cáceres, líder do povo Lenca em Honduras.

Grupo de mulheres internamente deslocadas no campo de deslocados de Tharawan, nos arredores de Sanaa, no Iêmen. Foto: UNICEF / Moohialdin Fuad

Em meio a conflito, Iêmen recebe milhares de migrantes por mês

De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), que fornece assistência humanitária no país, até 12 mil migrantes chegam todos os meses às costas do país do Golfo de Áden com a esperança de chegar à Arábia Saudita.

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) informou que cerca de 105 mil pessoas chegaram ao Iêmen a partir do Chifre da África nos últimos dois meses, a maioria da Etiópia e da Somália.

Jovem deslocado de Mossul fala sobre tortura sofrida na mão de extremistas. Foto: ACNUR

Iraque: jovens deslocados de Mossul dizem ter sido torturados por extremistas

Mais de 100 mil moradores de Mossul e arredores fugiram desde que as forças do governo iraquiano lançaram uma ofensiva, em 17 de outubro de 2016, para retomar a segunda maior cidade do Iraque, ocupada pelo Estado Islâmico.

Os irmãos Haidar e Zaineb, de 20 e 23 anos, foram alguns dos jovens sequestrados e torturados pelas milícias extremistas que ocuparam o país. Eles agora vivem com a família em um assentamento construído pela Agência da ONU para Refugiados em Dohuk, no Iraque.

Foto: MINUSMA/Marco Dormino

Missão da ONU no Mali: promovendo o desenvolvimento e protegendo civis (vídeo)

Estabelecida pelo Conselho de Segurança da ONU em 2013, a missão da ONU no Mali – conhecida pela sua sigla, MINUSMA – oferece apoio a processos políticos e ajuda a estabilizar o país. Aproximadamente 12 mil capacetes-azuis de mais de 50 países foram mobilizados para a região, uma das mais perigosas do mundo. Mesmo em meio ao conflito e à instabilidade, a MINUSMA apoia projetos de base que estimulam o desenvolvimento social e econômico das comunidades em que atua. Confira nessa matéria especial.