Australiana é nova alta-comissária assistente do ACNUR para proteção internacional

A australiana Gillian Triggs assumiu na segunda-feira (30), em Genebra, o cargo de alta-comissária assistente de proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Triggs, que até recentemente era professora emérita e vice-reitora da Universidade de Melbourne e presidente da Comissão Australiana de Direitos Humanos, sucede Volker Türk no cargo — que deixou o ACNUR em julho para assumir o posto de secretário-geral adjunto de coordenação estratégica na sede da ONU, em Nova Iorque.

A australiana Gillian Triggs assumiu em Genebra o cargo de alta-comissária assistente de proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Foto: Wikimedia Commons

A australiana Gillian Triggs assumiu em Genebra o cargo de alta-comissária assistente de proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Foto: Wikimedia Commons

A australiana Gillian Triggs assumiu na segunda-feira (30), em Genebra, o cargo de alta-comissária assistente de proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Triggs, que até recentemente era professora emérita e vice-reitora da Universidade de Melbourne e presidente da Comissão Australiana de Direitos Humanos, sucede Volker Türk no cargo — que deixou o ACNUR em julho para assumir o posto de secretário-geral adjunto de coordenação estratégica na sede da ONU, em Nova Iorque.

Em seu novo cargo, Triggs supervisionará o trabalho de proteção do ACNUR para milhões de refugiados, deslocados internos, apátridas e outras pessoas em necessidade de proteção.

O vice-alto-comissário, o alto-comissário assistente para operações e o alto-comissário assistente para proteção compreendem as três mais importantes posições que apoiam o alto-comissário no exercício de seu mandato.

“Estou muito satisfeito que Gillian esteja se juntando a nós e em um momento crucial enquanto nos preparamos para o Fórum Global de Refugiados em dezembro”, disse o alto-comissário da ONU para refugiados, Filippo Grandi.

“Com altos níveis de deslocamento forçado, a necessidade para soluções e um robusto painel de proteção internacional raramente importou tanto para tantas vidas. Nós calorosamente damos as boas-vindas a ela ao ACNUR.”