Aumento dramático da violência na Líbia preocupa, e ONU pede resolução pacífica dos conflitos

Ataques contra instituições e civis, atentados e sequestros são apenas alguns dos crimes em ascensão no país desde o início do ano.

Centro de Trípole, palco de violência recente. Foto: UNSMIL/Abbas Toumi

A Missão das Nações Unidas de Apoio à Líbia (UNSMIL) expressou, nesta segunda-feira (19), “profunda preocupação com a recente onda de violência no país”, e pediu a todos os envolvidos que resolvam suas diferenças através de meios políticos. Segundo relatos da imprensa, confrontos tomaram conta da capital Trípole no domingo (18), depois que homens armados invadiram o parlamento provisório do país. A violência no país é considerada uma das piores desde as revoltas de 2011, que tiraram Muamar Kadafi do poder.

“A Missão pede às autoridades que abordem rápida e imediatamente esta situação de anarquia, e que desenvolvam e implementem um plano de segurança abrangente com a participação de representantes de toda a sociedade”. A UNSMIL também pediu a resolução dos conflitos por meios políticos, sem violência ou ameaça à segurança nacional.

De acordo com o representante especial do secretário-geral da ONU e chefe da UNSMIL, Tarek Mitri, o país experimentou um aumento dramático da violência no primeiro trimestre deste ano. Entre os crimes frequentes estão assassinatos seletivos, atentados, sequestros e ataques a civis e instituições do Estado.