Aumento da violência na Síria faz ONU reestruturar Missão no país

Em abril, o Conselho de Segurança da ONU havia estabelecido a UNSMIS para um mandato de três meses, com até 300 observadores militares desarmados.

Major Robert Mood. (ONU/Vladimir Plecko)A Missão das Nações Unidas de Supervisão na Síria (UNSMIS) passará por uma reestruturação com o objetivo de melhor cumprir o seu mandato, afirmou hoje (05/07) seu Chefe Militar, o Major-General Robert Mood.

“A UNSMIS não é uma missão estática e vai se adaptar e reconfigurar continuamente para melhor atender às necessidades e aspirações do povo sírio, e é isso que estamos fazendo agora”, afirmou o Major-General Mood em Damasco.

Atualmente, as atividades de monitoramento dos observadores da ONU permanecem suspensas, devido a uma escalada de violência. “O aumento da violência, a um nível sem precedentes, obstruiu a nossa capacidade de observar, verificar, relatar, bem como auxiliar no diálogo local”, disse o Major-General.

O Conselho de Segurança estabeleceu a UNSMIS – por três meses e com até 300 observadores militares desarmados – em abril, para monitorar o cessar da violência na Síria, bem como acompanhar e apoiar a implementação integral do plano de paz de seis pontos que foi apresentado no início deste ano pelo Enviado Especial Conjunto da ONU e da Liga dos Estados Árabes na Síria, Kofi Annan.

Este plano apela para o fim da violência que tomou conta do país do Oriente Médio, o acesso de agências humanitárias para prestar socorro aos necessitados, a libertação dos detidos, o início de um diálogo político inclusivo e livre acesso ao país para a mídia internacional.

A ONU estima que mais de 10 mil, a maioria civis, foram mortas na Síria e dezenas de milhares obrigadas a deixar suas casas desde que o levante contra o Presidente Bashar al-Assad começou há 16 meses.