Aumento da oferta de açúcar no Brasil contribui para queda global de preços de alimentos

Segundo a FAO, 2014 foi o terceiro ano consecutivo de queda dos preços de alimentos, à exceção da carne.

Carregamento de açúcar no Paraná. Foto: Governo do Estado do Paraná

Carregamento de açúcar no Paraná. Foto: Governo do Estado do Paraná

O índice mensal de preços de alimentos da FAO teve uma queda em dezembro de 2014, depois de três meses em que permaneceu em geral estável. Ampla oferta e estoques recordes, combinado com a força do dólar e a queda dos preços do petróleo, contribuíram para esse declínio.

O índice de preços de alimentos em dezembro teve uma queda de 1,7% em relação a novembro, impulsionado pelo açúcar e pelo óleo de palmito.

Para o conjunto de 2014, o índice de preços dos alimentos apresentou uma queda de 3,7% em relação a 2013, marcando o terceiro declínio anual consecutivo. Essa queda ocorreu apesar do preço da carne, que teve um aumento de 8,1% em comparação a 2013. Os cereais, no entanto, caíram 12,5% em relação ao ano anterior, afetado pelas expectativas de uma safra recorde e estoques abundantes.

O índice de preços de alimentos da FAO é um índice baseado no comércio internacional e acompanha os preços dos cinco principais grupos de alimentos básicos no mercado global: cereais, carne, laticínios, óleos vegetais e açúcar.

Quatro desses índices caíram em 2014 e estão em seu nível mais baixo em cinco anos, ou próximo deles.

O índice de preços de açúcar da FAO caiu 4,8% – a 291 pontos – em dezembro, o menor nível em pelo menos quatro anos, em grande parte devido à oferta abundante nos principais países produtores, como o Brasil. A queda dos preços do petróleo, reduzindo a demanda por culturas de açúcar para a conversão em etanol, também pesou nos preços internacionais do açúcar, em dezembro de 2014.

Acesse os índices completos em http://bit.ly/1tROjbo