Atlas Brasil 2013: Entrevista destaca a contribuição do setor privado e ONGs para o desenvolvimento humano

Oded Grajew já coordenou instituições como Abrinq e Instituto Ethos e fala sobre os papéis do setor privado e ONGs na contribuição para o desenvolvimento humano.

A série de entrevistas Atlas Brasil – Desenvolvimento Humano em Debate traz, desta vez, uma conversa com o empresário e empreendedor social Oded Grajew sobre o setor privado, as organizações não governamentais e os avanços e desafios do Brasil em termos de desenvolvimento humano nas últimas décadas.

O empresário criador da Grow já coordenou a Fundação Abrinq e o Instituo Ethos e hoje está à frente da Rede Nossa São Paulo, instituição que promove a articulação de entidades engajadas com o desenvolvimento sustentável e a cidadania.

Grajew acredita na importância da responsabilidade social corporativa e defende que as empresas também devem atuar na promoção do bem-estar da sociedade, “assumindo a responsabilidade social como eixo norteador de suas atividade”. Sobre as ONGs ele diz que o terceiro setor pode produzir modelos exemplares de iniciativas com potencial para se tornarem políticas públicas, “o terceiro setor tem um papel fundamental que é, na realidade, promover a democracia participativa”.

O empreendedorismo social de Grajew fez com que ele se tornasse um dos idealizadores do Fórum Social Mundial, evento global que promove a discussão sobre os modelos atuais de desenvolvimento e busca posicionar os aspectos econômicos a serviço dos sociais. Uma ideia que remete ao primeiro Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) do PNUD, de 1990, que colocou as pessoas no centro da discussão sobre desenvolvimento.

Falando sobre o Brasil, o empresário avalia que houve avanços significativos em termos de inclusão social e acesso à renda e à saúde, por exemplo, mas que ainda existe dificuldade em promover “uma inserção mais substancial que passa pela educação”.