Ativista Greta Thunberg chega a NY de barco para participar de cúpulas do clima

Depois de duas semanas navegando pelo Atlântico, a jovem ativista climática Greta Thunberg chegou à Big Apple na quarta-feira (28) para participar de duas grandes cúpulas climáticas a serem realizadas na sede da ONU no próximo mês.

Recusando-se a pegar avião por conta do alto consumo de combustível, a adolescente sueca decidiu adotar um meio de transporte de zero carbono para chamar atenção para os perigos do aumento das emissões globais e da poluição causada pela atividade humana.

A sueca Greta Thunberg, ativista ambiental de 16 anos, navegou para o porto de Nova Iorque ladeada por uma frota de 17 veleiros representando cada um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: ONU/Mark Garten

A sueca Greta Thunberg, ativista ambiental de 16 anos, navegou para o porto de Nova Iorque ladeada por uma frota de 17 veleiros representando cada um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).
Foto: ONU/Mark Garten

Depois de duas semanas navegando pelo Atlântico, a jovem ativista climática Greta Thunberg chegou à Big Apple na quarta-feira (28) para participar de duas grandes cúpulas climáticas a serem realizadas na sede da ONU no próximo mês.

Recusando-se a pegar avião por conta do alto consumo de combustível, a adolescente sueca decidiu adotar um meio de transporte de zero carbono para chamar atenção para os perigos do aumento das emissões globais e da poluição causada pela atividade humana.

Apesar dos quartos apertados e da falta de conforto, ela navegou com o pai, uma tripulação de dois homens e uma câmera no iate Malizia II com painéis solares e turbinas subaquáticas que geravam energia elétrica.

Para mostrar apreço e solidariedade à sua missão rumo a um mundo melhor até 2030, a ONU cumprimentou a menina de 16 anos na ponte Verrazano Narrows, que liga os bairros nova-iorquinos de Staten Island e Brooklyn, com uma flotilha de 17 veleiros.

“A ONU enviou um barco para cada um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para nos cumprimentar! Obrigada!”, escreveu Greta no Twitter.

“Cumprimentamos (Greta) Thunberg e desejamos a ela uma estadia agradável depois de uma longa jornada pelos mares”, disse Stephane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, a jornalistas em Nova Iorque.

Os barcos a acompanharam até North Cove Harbour, em Manhattan, para mobilizar apoio à ação para alcançar o ODS 13, sobre ação climática, bem como os outros 16 objetivos para um mundo melhor até 2030, adotados por unanimidade pela comunidade internacional em 2015.

“Jovens de todo o mundo estão exigindo ação climática urgente por todos os líderes”, disse Amina Mohammed, vice-secretária geral da ONU.

“Eles estão liderando o tipo de mudança transformadora necessária para reduzir drasticamente as emissões de carbono para proteger nosso planeta e garantir o bem-estar das pessoas.”

Advertindo que “o tempo está se esgotando”, Amina afirmou que a ONU está “orgulhosa de receber centenas de jovens ativistas e líderes, incluindo Greta, que estão respondendo ao chamado do secretário-geral para trazer soluções para a Cúpula da Juventude para o Clima e para a Cúpula para Ação Climática”.

“Nossas ações individuais e coletivas transformarão nosso mundo, salvarão vidas e garantirão uma vida digna para todos”, afirmou a vice-chefe da ONU.

A Cúpula do Clima tem como objetivo mobilizar ambição política e econômica nos níveis mais altos, para avançar na ação climática e viabilizar a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Entrando em terra firme pela primeira vez em duas semanas, Thunburg disse em uma entrevista coletiva: “eu adoraria não ter que fazer isso e apenas ir à escola, mas quero fazer a diferença”.

Apontando para a “geração mais velha” como provocadora da crise climática, ela afirmou que essa geração “não deveria nos dizer ‘seja uma criança normal’, (porque) estamos apenas tentando arrumar as coisas”.

A jovem ativista ambiental vem cativando pessoas em todo o mundo desde que realizou uma “greve escolar” pela ação climática em agosto passado.

Na ocasião, a então jovem de 15 anos ficou sozinha em frente ao Parlamento sueco com um cartaz de protesto, pedindo uma ação climática ousada.

Quando ela começou a chamar a atenção da mídia, outros estudantes seguiram sua liderança e começaram a realizar protestos semelhantes em suas próprias comunidades.