Atividade física: forma de inclusão social de jovens e crianças em situação de vulnerabilidade

Parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Rede Esporte pela Mudança Social (REMS) vai beneficiar 3 mil crianças e adolescentes.

Participantes da iniciativa Tênis nas Escolas – Uma Proposta Educacional. Foto: Instituto Patrícia Medrado

A 10ª edição do Jogo Contra a Pobreza, que aconteceu no Brasil em dezembro de 2012 e promoveu a tradicional disputa entre os times comandados pelos embaixadores da Boa Vontade do PNUD, Ronaldo e Zinedine Zidane, arrecadou recursos que, entre outros projetos, foram direcionados para a promoção da atividade física no Brasil. Um dos projetos beneficiados pelos recursos arrecadados foi o Edital REMS, resultado de uma parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Rede Esporte pela Mudança Social (REMS). A iniciativa busca estimular a prática esportiva entre crianças e jovens brasileiros em situação de vulnerabilidade social, por meio da realização de workshops de capacitação de professores da rede pública de ensino e da organização de eventos que integrem a comunidade local.

“Esta é uma boa oportunidade para as organizações membros da REMS poderem compartilhar o conhecimento que possuem, por meio da capacitação de professores”, disse a secretária executiva da REMS, Louise Bezerra, além de incentivarem a prática da atividade física, também vão envolver as populações locais e trabalhar questões relacionadas ao direito de acesso ao esporte, fortalecendo as relações das organizações com as comunidades e instituições públicas de ensino”, completou.

O primeiro projeto, Tênis nas Escolas – Uma Proposta Educacional, do Instituto Patrícia Medrado, de São Paulo, busca promover a prática do tênis de campo e os valores relacionados ao esporte, como o trabalho em equipe e o respeito ao próximo.

Já o segundo, Copinha Briza Skate Oficinas – Brasil o País do Skateboard, dos cariocas do Coletivo Briza, buscará apresentar uma abordagem inovadora para as disciplinas tradicionais – como Matemática e Ciências-, mostrando que o skate pode ser usado como um instrumento de ensino também durante essas aulas.

Por fim, o projeto Educação Física e o Deficiente Visual – Curso de Capacitação Urece Esporte e Cultura, da Urece Esporte e Cultura, também no Rio de Janeiro, trabalhará a questão da inclusão dos alunos com deficiência visual nas aulas de Educação Física, por meio da sensibilização e treinamento de professores para que possam atender a este público.

Conheça mais sobre esta iniciativa clicando neste link: http://pnud.org.br/Noticia.aspx?id=3890