Atenção primária é caminho para a saúde universal, afirma subdiretor da OPAS/OMS

Na cerimônia de abertura da 35ª edição do Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, realizado em Brasília (DF), o subdiretor da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) convocou gestores das três esferas de governo a intensificar esforços para fortalecer a atenção primária à saúde.

“A atenção primária à saúde é o verdadeiro caminho para garantir que todas as pessoas tenham acesso à saúde, que tenham a garantia de receber a atenção quando precisam, tendo seus problemas resolvidos”, afirmou.

Barbosa pontuou que os municípios brasileiros podem desempenhar um papel importante na construção de um roteiro para a saúde universal, fortalecendo “a atenção primária não só como o primeiro nível de atenção, concentrado em um pacote limitado de ofertas de serviços, mas uma estratégia capaz de responder à população, articulada com redes integradas de saúde para garantir o acesso rápido quando as pessoas precisam”.

OPAS defende sistemas de saúde baseados numa atenção primária forte. Foto: Flickr/Portal PBH

Sistemas de saúde baseados numa atenção primária forte são fundamentais para garantir a cobertura universal de saúde. Foto: Flickr/Portal PBH

Na cerimônia de abertura da 35ª edição do Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, realizado em Brasília (DF), o subdiretor da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) convocou gestores das três esferas de governo a intensificar esforços para fortalecer a atenção primária à saúde.

“A atenção primária à saúde é o verdadeiro caminho para garantir que todas as pessoas tenham acesso à saúde, que tenham a garantia de receber a atenção quando precisam, tendo seus problemas resolvidos”, afirmou.

Barbosa pontuou que os municípios brasileiros podem desempenhar um papel importante na construção de um roteiro para a saúde universal, fortalecendo “a atenção primária não só como o primeiro nível de atenção, concentrado em um pacote limitado de ofertas de serviços, mas uma estratégia capaz de responder à população, articulada com redes integradas de saúde para garantir o acesso rápido quando as pessoas precisam”.

Na ocasião, o subdiretor pontuou que os sistemas nacionais de saúde das Américas atualmente se deparam com dificuldades extremamente complexas, como surtos de doenças transmissíveis e o preocupante crescimento das doenças crônicas não transmissíveis, que estão afetando diretamente a qualidade do envelhecimento da população.

Ele reafirmou também o compromisso da OPAS/OMS de apoiar os países da região a superar esses desafios, criando capacidades, promovendo mobilização e compartilhando experiências entre países.

Melhores práticas

O Congresso promovido pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS) promove a 16ª edição da mostra “Brasil, aqui tem SUS”, que registrou 500 experiências exitosas de todos os estados em três modalidades. A OPAS/OMS selecionará as três melhores experiências na categoria Atenção Básica para receberem o Prêmio Atenção Primária Forte: Caminho para a Saúde Universal.