Ataques contra Forças de Paz da ONU podem ser considerados crimes de guerra, avisa TPI

Procuradoria pede que Sudão investigue ataques contra Missão em Darfur e leve culpados a julgamento. TPI vai julgar casos se país não tiver condições de fazê-lo.

Procuradora do Tribunal Penal Internacional, Fatou Bensouda. Foto: TPI/CIJ

Após ataques às Forças de Paz da ONU em Darfur, no Sudão, o Tribunal Penal Internacional (TPI) reiterou nesta sexta-feira (19) que tais incidentes podem ser considerados crimes de guerra.

A procuradora Fatou Bensouda condenou o assassinato de sete capacetes-azuis e o ferimento de 17 militares e policiais da Missão Conjunta da União Africana e das Nações Unidas para Darfur (UNAMID) no dia 13 de julho.

A emboscada foi armada por um grupo não identificado e é considerada um dos ataques mais graves contra a Missão desde que ela foi implementada em 2008. Essa foi a terceira ofensiva contra capacetes-azuis em Darfur nas últimas semanas.

A procuradoria não hesitará em investigar e processar os acusados de terem cometido tais crimes caso as autoridades nacionais não consigam fazê-lo”, disse em comunicado que pede ao Sudão para que “realize uma rápida e completa investigação sobre o caso e puna os culpados”.

Além de Darfur, o TPI também está investigando a situação na Costa do Marfim, Líbia, Mali,  Quênia, República Centro-Africana, República Democrática do Congo e norte de Uganda.