Ataque a sinagoga na Alemanha é ‘mais uma trágica demonstração de antissemitismo’, diz Guterres

O assassinato de duas pessoas do lado de fora de uma sinagoga na Alemanha nesta quarta-feira (9) foi caracterizado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, como “mais uma trágica demonstração de antissemitismo”.

O ataque na cidade de Halle, no leste da Alemanha, ocorreu no Yom Kipur, o dia mais sagrado do ano para o judaísmo.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, discursa durante evento em sinagoga de Nova Iorque em outubro de 2018. Foto: ONU/Rick Bajornas

Secretário-geral da ONU, António Guterres, discursa durante evento em sinagoga de Nova Iorque em outubro de 2018. Foto: ONU/Rick Bajornas

O assassinato de duas pessoas do lado de fora de uma sinagoga na Alemanha nesta quarta-feira (9) foi caracterizado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, como “mais uma trágica demonstração de antissemitismo”.

O ataque na cidade de Halle, no leste da Alemanha, ocorreu no Yom Kipur, o dia mais sagrado do ano para o judaísmo.

O atirador, que se acredita ser um extremista de direita, usava roupas de estilo militar e levava uma câmera de vídeo, transmitindo o ataque ao vivo pela internet, de acordo com relatos da imprensa internacional.

O chefe da ONU condenou veementemente o ataque, segundo comunicado de seu porta-voz.

“Ele considera isso mais uma trágica demonstração de antissemitismo — perpetrada no dia sagrado do Yom Kipur — que precisa ser combatida com a máxima determinação”, afirmou.

No mês passado, o secretário-geral lançou o Plano de Ação das Nações Unidas para Salvaguardar Locais Religiosos, que visa proteger esses locais de ataques e garantir a segurança daqueles que desejam exercitar sua fé em paz.

A declaração pedia que governos apoiassem o plano, afirmando que “casas de culto no mundo todo devem ser refúgios seguros para reflexão e paz, não locais de derramamento de sangue e terror”.