Assinalando ‘tendência preocupante’, ACNUDH condena assassinato de jornalista no México

Mais de 70 jornalistas foram mortos nos país nos últimos 12 anos. Escritório da ONU para Direitos Humanos saúda aprovação de leis para proteger profissionais de mídia.

Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH). (ONU/Jean-Marc Ferré)O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) expressou hoje (02/05) preocupação com o assassinato de um jornalista no México no fim de semana e condenou o que chamou de “tendência preocupante” de assassinatos de profissionais de mídia no país, onde mais de 70 já foram mortos nos últimos 12 anos.

“Condenamos fortemente o assassianto de Regina Martinez, e estamos alarmados que essa tendência preocupante de assassinato (…) mitigue o exercício da liberadde de expressão no país”, disse o Porta-Voz do ACNUDH, Rupert Colville.

“Apelamos para que haja uma investigação independente desse e de outros casos similares e a adoção de medidas de proteção para os jornalistas.” Colville saudou a aprovação na terça-feira (01/05) pelo Congresso mexicano de duas leis para proteger defensores dos direitos humanos e jornalistas.