Assembleia Geral pede novamente aos EUA suspensão do embargo contra Cuba

Povo cubano é o mais prejudicado pelo embargo norte-americano, segundo resolução da Assembleia Geral.

Povo cubano é o mais prejudicado pelo embargo norte-americano, segundo resolução da Assembleia Geral

A Assembleia Geral votou pelo 18º ano consecutivo pela condenação ao embargo econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos contra Cuba desde metade do século passado e pediu para que ele seja suspenso. Os Estados-Membros votaram esmagadoramente pela adoção de uma resolução de caráter não vinculativo que afirme que o embargo vem tendo “efeitos adversos” sobre o povo cubano e sobre cidadãos cubanos que vivem em outros países.

O texto da resolução reitera convites anteriores para que os países “se abstenham de promulgar e aplicar leis e medidas” que não cumpram as suas obrigações de reafirmar a liberdade de comércio e navegação. Além disso, insta os Estados a revogar ou invalidar as leis, tão logo possível e pede ao Secretário-Geral Ban Ki-moon que prepare um relatório para a Assembléia Geral sobre a aplicação da resolução.

Houve 187 votos a favor da resolução, três votos contra (Estados Unidos, Israel e Palau) e duas abstenções (Estados Federados da Micronésia e as Ilhas Marshall).