Às vésperas da Cúpula do Clima das Nações Unidas, enchentes castigam Europa e Ásia

Padrões climáticos extremos podem se tornar cotidianos caso não sejam tomadas providências aceleradas para coibir o aquecimento global, diz UNISDR.

Enchente em Tacoblan, nas Filipinas. Foto: OCHA

As chuvas fortes e enchentes que devastaram regiões das Filipinas, da França e da Itália no último final de semana podem ser indicações dos próximos desafios mundiais caso não sejam tomadas providências aceleradas para coibir o aquecimento global, de acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR).

Em pronunciamento à imprensa, o UNISDR relatou, nesta segunda-feira (22), que dentre as áreas mais afetadas pelas enchentes está Manila, nas Filipinas, em que pelo menos 200 mil pessoas foram evacuadas depois de uma tempestade tropical. Cidades do sul da França – como Nice, em Provence-Alpes-Côte d´Azur – e do centro-norte da Itália – como Viareggio, na Toscana – também foram fortemente atingidas.

Desde o começo de setembro, países como China, Paquistão e Uganda também vêm sofrendo com inundações. A soma de eventos semelhantes ao redor do planeta mostra que padrões climáticos extremos podem se tornar cotidianos caso não haja esforço global para manter o aquecimento global em dois graus Celsius.