ARTIGO: UNICEF se compromete a garantir suprimento de vacinas nos países que mais precisam

A diretora-executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore, afirma que a organização está comprometida a apoiar as necessidades básicas de saúde e imunização nos países mais afetados, mas mostra preocupação com o avanço da pandemia da COVID-19 – que poderá interromper serviços vitais, incluindo a imunização.

“Estamos trabalhando duro para garantir que os suprimentos adequados de vacinas estejam disponíveis nos países que precisam deles. Também estamos oferecendo maior apoio aos governos para continuar o fornecimento de vacinas durante essa pandemia”.

Senerita Pouvi, 9 anos, é vacinada contra o sarampo na vila de Leauvaa, em Samoa, como parte de uma campanha nacional de vacinação apoiada pelo UNICEF. Foto: Stephen/UNICEF

Senerita Pouvi, 9 anos, é vacinada contra o sarampo na vila de Leauvaa, em Samoa, como parte de uma campanha nacional de vacinação apoiada pelo UNICEF. Foto: Stephen/UNICEF

Por Henrietta Fore*

Em todo o mundo, a pandemia da COVID-19 está sobrecarregando os serviços de saúde, à medida em que os profissionais de saúde são desviados para apoiar a resposta.

O distanciamento físico está levando pais e mães a tomarem a difícil decisão de adiar a imunização de rotina.

Os produtos médicos estão em falta e as cadeias de suprimentos estão sob tensão histórica devido a interrupções no transporte. Cancelamentos de voos e restrições comerciais por países restringiram severamente o acesso a medicamentos essenciais, incluindo vacinas.

À medida que a pandemia avança, serviços vitais críticos, incluindo imunização, provavelmente serão interrompidos, especialmente na África, na Ásia e no Oriente Médio, onde são extremamente necessários.

Em maior risco estão as crianças das famílias mais pobres de países afetados por conflitos e desastres naturais.

Estamos particularmente preocupados com os países que combatem surtos de sarampo, cólera ou poliomielite enquanto respondem a casos da COVID-19, como Afeganistão, República Democrática do Congo, Somália, Filipinas, Síria e Sudão do Sul. Esses surtos não apenas sobrecarregariam os serviços de saúde, mas também poderiam levar a perdas adicionais de vidas e sofrimento. Numa época como esta, esses países não podem se dar ao luxo de enfrentar surtos adicionais de doenças evitáveis por vacina.

A mensagem é clara: não devemos permitir que intervenções de saúde que salvam vidas sejam vítimas de nossos esforços para tratar da COVID-19.

O UNICEF está comprometido a apoiar as necessidades básicas de saúde e imunização nos países mais afetados, e fazê-lo de maneira a limitar o risco de transmissão do coronavírus. Estamos trabalhando duro para garantir que os suprimentos adequados de vacinas estejam disponíveis nos países que precisam deles. Estamos em estreita comunicação com os fornecedores globais de vacinas para garantir que a produção não seja interrompida e o suprimento seja gerenciado da melhor maneira possível nestas circunstâncias difíceis. Também estamos oferecendo maior apoio aos governos para continuar o fornecimento de vacinas durante essa pandemia.

Nos próximos dias, os governos podem ter que adiar temporariamente as campanhas preventivas de vacinação em massa em muitos lugares, para garantir que a prestação de serviços de imunização não contribua para a disseminação da COVID-19 e para seguir recomendações sobre distanciamento físico.

O UNICEF recomenda enfaticamente que todos os governos iniciem um planejamento rigoroso agora para intensificar as atividades de imunização quando a pandemia do coronavírus estiver sob controle. Essas atividades de vacinação devem se concentrar em crianças que perderão as doses da vacina durante este período de interrupção e darão prioridade às crianças mais pobres e vulneráveis. Para implantar com sucesso vacinas contra a COVID-19 quando elas estiverem disponíveis, precisamos garantir que nossos programas de imunização permaneçam robustos e possam alcançar aqueles que mais precisarão dessas vacinas.

A imunização continua sendo uma intervenção de saúde que salva vidas. Como maior comprador e fornecedor de vacinas do mundo, o UNICEF continuará a desempenhar um papel fundamental no apoio aos esforços de imunização atuais e futuros dos governos.

*Diretora executiva do UNICEF