ARTIGO: Acabar com a pobreza na aprendizagem: o apelo dos nossos tempos

O diretor de Prática de Educação Global do Banco Mundial, Jaime Saavedra, analisa as taxas de aprendizagem nos países de renda baixa e média, onde mais da metade das crianças de 10 anos não consegue ler e entender um texto simples.

Para ele, a chamada “pobreza de aprendizagem” é moralmente e economicamente inaceitável. Leia abaixo o artigo completo.

Criança lendo - Foto: AshayaPatra Foundation/Pixabay

Foto: AshayaPatra Foundation/Pixabay

Aprender a ler é um marco na vida de todas as crianças. Aqueles de nós que somos pais, professores e irmãos mais velhos podemos lembrar com carinho a primeira vez que sua filha, seu aluno ou irmão foi capaz de ler uma frase e o quão orgulhoso e feliz isso o (a) fez sentir.

Ler é uma habilidade fundamental. É uma pré-condição para a participação ativa na sociedade e uma porta de entrada para todos os outros resultados de aprendizagem.

Está também associada ao domínio de outros domínios cognitivos, como a ciência, a matemática e as humanidades. Finalmente, é fundamental para adquirir as habilidades de pensamento criativo e habilidades computacionais, permitindo a expressão e comunicação de ideias através do tempo e do espaço.

A maioria de nós que lê isso, neste preciso momento, considera a leitura como algo trivial. No entanto, se você pensar um pouco sobre isso, você pode perceber que a leitura não é tão fácil.

Você está agora distinguindo gotas de tinta ou pixels organizados como um caractere associado a um som, que, combinado com outros, fazem uma palavra. Nosso cérebro então processa palavras por meio de regras gramaticais para formar frases, cujo significado depende do contexto.

Quando você lê “Sam disse ao seu amigo: Vamos pegar a estrada”, você entende que ele queria entrar no carro e começar uma viagem, não que ele quisesse segurar de fato uma estrada.

Ler e compreender as ideias transmitidas pelo que se lê é uma tarefa complexa. No entanto, as crianças podem aprender. Na verdade, todas as crianças podem aprender a ler, mesmo em línguas com regras mais complexas.

Portanto, esperamos que até o final da escola primária, as crianças sejam capazes de ler fluentemente, em certo nível de complexidade e velocidade, e entender o que eles estão lendo. Isso está acontecendo?

Vamos colocar uma barra relativamente baixa e argumentar que todas as crianças devem ser capazes de ler e entender um texto simples aos 10 anos. Usando avaliações internacionais e nacionais, em conjunto com a Unesco, avaliamos quantas crianças não conseguem passar essa barra relativamente baixa em cada país.

Na Irlanda, esse número é de 2%. Na Finlândia, 3%; em Cingapura, 3%; em Portugal, 6%. A leitura é quase universal para crianças pequenas nesses países, como em muitos outros países ricos.

Em média, nos países ricos, apenas 9% das crianças não conseguem ler um texto até aos 10 anos de idade. É aí que termina a boa notícia.

No mundo em desenvolvimento, em todos os países de renda baixa e média, mais da metade das crianças não consegue ler e entender um texto simples aos 10 anos. Chamamos isso de taxa de “pobreza de aprendizagem”.

Mais precisamente, em média, a pobreza de aprendizagem nesses países é de 53%. Só nos países pobres, essa percentagem aumenta para uns surpreendentes 89%. A pobreza de aprendizagem se distribui de forma extremamente desigual: o século 21 coexiste com o 19.

Esse alto nível de pobreza de aprendizagem é uma forma simples e direta de entender a crise de aprendizagem em que vivemos, que o Banco Mundial reconheceu pela primeira vez no Relatório de Desenvolvimento Mundial de 2018.

As crianças que não dominam a leitura aos 10 anos de idade terão dificuldade em recuperar o atraso e não é provável que continuem a aprender nos níveis de ensino superior ou mesmo que permaneçam muito tempo na escola. Todos os outros resultados educacionais estão em risco, suas perspectivas de vida estão em risco. Uma habilidade que muitos de nós tomam como certa é, na verdade, um privilégio negado a milhões de crianças em todo o mundo.

A pobreza na aprendizagem é moralmente e economicamente inaceitável. Moralmente, porque milhões de crianças ficarão impossibilitadas de participar de uma economia que se está se tornando mais próspera e rica. Temos a tecnologia para fornecer serviços de educação básica e, globalmente, os recursos estão disponíveis, mas essa prosperidade não está sendo compartilhada.

E economicamente inaceitável porque, mesmo que nos preocupemos apenas com a competitividade e o crescimento, se o capital humano não for acumulado, será impossível para um país prosperar na economia global.

Uma análise do Banco Mundial mostra que, nos países ricos, 70% da riqueza é derivada do capital humano acumulado. Nos países mais pobres, é apenas 40%.

Eliminar a aprendizagem da pobreza é tão urgente quanto erradicar a pobreza extrema, a deficiência de crescimento ou a fome. A comunidade internacional de desenvolvimento e a maioria dos países concordaram com uma série de metas para a educação.

O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 4 aspira “garantir educação primária e secundária gratuita, equitativa e de qualidade para todos” até 2030, entre muitos outros resultados educacionais.

Estamos no caminho certo para alcançar pelo menos uma educação primária de qualidade para todos? Bem, não. Com educação primária de qualidade, todas as crianças aprenderiam a ler; a pobreza na aprendizagem tenderia a zero.

No entanto, mantido o cenário atual – ou seja, se o progresso continuar na taxa alcançada durante 2000-2015 – até 2030, a pobreza na aprendizagem cairá apenas para 43%. Os altos níveis de pobreza de aprendizagem e a lenta taxa de melhoria são um alerta antecipado de que a maioria das metas educacionais incluídas no ODS 4 estão em risco de não serem cumpridas.

Eliminar a pobreza na aprendizagem para todas as crianças até 2030 exigirá melhorias a uma taxa e escala sem precedentes. Isso não significa que devemos parar de lutar por esse objetivo.

Focar na eliminação da pobreza de aprendizagem exigirá que todos os atores do sistema educacional (professores, diretores, governos locais e centrais, ministros e muitos outros) internalizem que o objetivo do trabalho que ocupam é garantir que cada criança aprenda.

E os governos e as sociedades devem colocar os compromissos financeiros, políticos e os recursos humanos necessários para garantir uma educação de qualidade para todas as crianças. Todas elas merecem a alegria de ler. Todas merecem um futuro melhor.

Jaime Saavedra é diretor de Prática de Educação Global do Manco Mundial