Após renúncia de primeiro-ministro libanês, Ban Ki-moon pede unidade

Najib Mikati reunciou após impasse político. Secretário-Geral da ONU pediu a todas as partes para “trabalhar em conjunto com as instituições do Estado para manter a calma e a estabilidade”.

O primeiro-ministro do Líbano Najib Mikati se dirige à Assembleia Geral. Foto: ONU/Rick Bajornas

O primeiro-ministro do Líbano Najib Mikati se dirige à Assembleia Geral. Foto: ONU/Rick Bajornas

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu nesta sexta-feira (22) a todas as partes no Líbano para “permanecerem unidos” para manter a calma e a estabilidade no país após a renúncia do primeiro-ministro Najib Mikati.

“Neste momento desafiador para a região, o Secretário-Geral convoca todas as partes no Líbano a permanecerem unidos com a liderança do Presidente Sleiman”, disse um comunicado divulgado pelo porta-voz de Ban.

De acordo com relatos da imprensa, Mikati anunciou a sua demissão após um impasse em uma reunião de gabinete sobre os preparativos para uma eleição parlamentar e a prorrogação do prazo de um oficial de segurança de alto escalão.

Ban Ki-moon pediu a todas as partes para “trabalhar em conjunto com as instituições do Estado para manter a calma e a estabilidade, respeitar a política do Líbano de dissociação de acordo com o seu compromisso na Declaração de Baabda e apoiar o papel das Forças Armadas na manutenção da unidade nacional, soberania e segurança”.

A Declaração de Baabda, lançada durante um encontro do Diálogo Nacional em junho, pede que o Líbano se mantenha neutro em relação às tensões e crises regionais.

“O Secretário-Geral pede a todos os interessados que se engajem positivamente com o Presidente para acordar o caminho a seguir, de acordo com os requisitos constitucionais do Líbano e com pleno respeito ao processo democrático”, acrescentou o comunicado.