Após prisão de blogueiro, ONU pede que Egito preserve liberdade de expressão

Ativista foi preso e julgado em um tribunal militar após críticas às forças de segurança, em meio aos protestos da Primavera Árabe.

Protestos no Egito em janeiro de 2011O escritório de direitos humanos das Nações Unidas manifestou hoje (11/11) preocupação com os recentes eventos no Egito. Segundo o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH),  o país precisa respeitar plenamente as liberdades fundamentais, incluindo o caso do julgamento militar e da prisão de um blogueiro e ativista.

O porta-voz Rupert Colville disse a repórteres, em Geneva, que o ACNUDH está preocupado com “a diminuição da liberdade de expressão e associação”. O Escritório pediu a libertação de Abdel-Fatah e todos aqueles presos pelo exercício do direito a liberdade de expressão. “É decepcionante notar que nenhum desses casos foram atendidos. As autoridades devem responder sem mais demora”, disse Colville.

Para o ACNUDH, o julgamento militar e prisão do blogueiro e ativista Alaa Abdel-Fatah, depois de sua crítica às forças de segurança em meio aos protestos no mês passado, foi um exemplo de violação do direitos à liberdade de expressão.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, e outros funcionários da ONU pediram a todos os egípcios que preservem o espírito das mudanças históricas que ocorreram no início deste ano, ressaltando que as autoridades de transição devem garantir os direitos humanos e as liberdades civis de seus cidadãos.