Após criticar mortes nas Filipinas, relatora da ONU sofre ameaças

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O chefe de direitos humanos da ONU, Zeid Al Hussein, afirmou no fim de novembro (21) que existe uma “campanha e repetidos ataques pessoais” por parte do presidente filipino, Rodrigo Duterte, aparentemente com o objetivo de intimidar uma especialista das Nações Unidas a não cumprir seu mandato no país.

De acordo com o comunicado, “insultos repetidos e ameaças de violência física” foram feitos pelo presidente filipino e seus simpatizantes contra a relatora das Nações Unidas, que havia criticado a guerra às drogas promovida no país e que deixou milhares de mortos.

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte. Foto: Presidential Communications Operations Office/Wikimedia Commons

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte. Foto: Presidential Communications Operations Office/Wikimedia Commons

O chefe de direitos humanos da ONU, Zeid Al Hussein, afirmou no fim de novembro (21) que existe uma “campanha e repetidos ataques pessoais” por parte do presidente filipino, Rodrigo Duterte, aparentemente com o objetivo de intimidar uma especialista das Nações Unidas a não cumprir seu mandato no país.

Em nota, Zeid condenou “nos termos mais fortes” o tratamento dado à relatora da ONU para execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, Agnes Callamard, e o “desrespeito ao órgão que a nomeou”.

O comunicado afirmou que “insultos repetidos e ameaças de violência física” foram feitos pelo presidente filipino e seus simpatizantes contra a relatora das Nações Unidas.

Na semana passada, Duterte ameaçou esbofetear Callamard se ela investigasse supostas execuções extrajudiciais. Em junho, ela sofreu a mesma ameaça após criticas da relatora à “guerra às drogas” promovida pelo governo filipino, que deixou milhares de mortos.

Para Zeid, ao comentar a situação no país, Callamard atuou de forma clara e totalmente de acordo com seu mandato.

A nota destacou ainda que a especialista foi vítima de tentativa de abuso online, que incluiu ameaças físicas “no que parece ser uma operação prolongada e bem orquestrada de provocação pela Internet e pelas mídias sociais”.


Mais notícias de:

Comente

comentários