‘Após cinco anos de guerra cruel na Síria, 2017 pode ser um ano de diplomacia’, diz enviado da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em 2016, agentes humanitários só conseguiram alcançar 21% dos necessitados do país devido a restrições de segurança. Recente resolução aprovada pelo Conselho de Segurança que apoia esforços da Rússia e da Turquia em acabar com a violência no país e impulsionar um processo político na região.

O enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura (à direita), e o enviado humanitário da ONU para o país, Jan Egeland. Foto: ONU / Jean-Marc Ferré

O enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura (à direita), e o enviado humanitário da ONU para o país, Jan Egeland. Foto: ONU / Jean-Marc Ferré

Citando os difíceis desafios enfrentados pelos agentes humanitários na Síria no ano passado, o enviado da ONU para o país, Jan Egeland, disse na quinta-feira (5) que 2017 precisa ser um ano de mudança e de diplomacia.

“Depois de cinco anos de guerra implacável, podemos ter um ano de resolução de conflitos e de proteção dos civis. Isso pode acontecer, e ficamos estimulados ao ouvir que a Rússia e a Turquia vão facilitar o acesso humanitário a todos os civis como parte do acordo de cessação das hostilidades”, disse Egeland a jornalistas em Genebra.

“A ONU, por sua vez, se responsabilizará ativamente pela promessa de ajudar”, acrescentou.

Em 2016, agentes humanitários só conseguiram alcançar 21% dos necessitados do país.

Egeland falou ainda sobre a crítica situação em Damasco, capital do país. De acordo com ele, cerca de 5,5 milhões de pessoas estão sem água na região devido a interrupção do fornecimento da nascente de Wadi Barada, que abastece cerca de 70% da população da cidade.

“Precisamos empreender esforços de emergência para garantir que escolas, hospitais, padarias e outros serviços essenciais obtenham água”, frisou Egeland, afirmando que a ONU pediu permissão para visitar a nascente e avaliar a situação.

Também falando a jornalistas em Genebra, o enviado especial das Nações Unidas para o país, Staffan de Mistura, expressou otimismo em relação a situação no país.

Ele lembrou a recente resolução aprovada pelo Conselho de Segurança que apoia os esforços da Rússia e da Turquia em acabar com a violência no país e impulsionar um processo político na região.

“Uma iniciativa como esta precisa ser apoiada, e esperamos que ela seja bem-sucedida e definitivamente recebida”, disse Mistura, acrescentando que a ONU apoiaria o processo, conforme solicitado pelos Estados-membros.

Mistura também afirmou que está ansioso para as negociações políticas que acontecerão em Astana, capital do Cazaquistão.


Comente

comentários