Após anúncio de fim de transmissão, novo caso de ebola é detectado em Serra Leoa, alerta OMS

Desde 7 de setembro, o país se encontrava sob vigilância para detectar novos registros de transmissão do vírus. A Organização Mundial da Saúde trabalha com o governo de Serra Leoa para tratar desse novo caso e rastrear a origem dessa infecção.

O vírus do ebola infectou quase 24 mil pessoas e matou aproximadamente 10.000, principalmente em Serra Leoa, Libéria e Guiné. Foto: UNICEF/Serra Leoa/John James

O vírus do ebola infectou mais de 28.500 pessoas e matou aproximadamente 11.300, principalmente em Serra Leoa, Libéria e Guiné. Foto: UNICEF/Serra Leoa/John James

Um novo caso de ebola foi confirmado em Serra Leoa, mostrando o risco contínuo do reaparecimento do vírus nos países afetados, anunciou nesta sexta-feira (15) a Organização Mundial da Saúde (OMS). O registro do novo caso foi feito logo após a declaração nesta quinta-feira (14) que a cadeia de transmissão na África Ocidental tinha sido interrompida.

O governo da Serra Leoa já está a par da situação e tomando as decisões pertinentes, informou a OMS. Enquanto isso, um novo centro de operações no país investiga a origem desse novo caso, além de rastrear os contatos e implementar as medidas iniciais de controle para prevenir a propagação do vírus.

Apesar de ter declarado que a África Ocidental estava livre da transmissão, a OMS frisou que a Guiné, Libéria e Serra Leoa continuam sob um alto risco de sofrer pequenos surtos nos próximos meses, dado que o vírus pode continuar no sistema dos sobreviventes mesmo após sua recuperação.

“Estamos agora em um período crítico da epidemia de ebola, já que deixamos de administrar casos e pacientes para administrar os riscos residuais de novas infecções”, disse o representante especial para a resposta do ebola, Bruce Aylward. “Ainda esperamos mais reaparições e devemos estar preparados para elas.”

A Serra Leoa se encontra agora em um período de 90 dias de vigilância aprimorada depois da declaração, em 7 de setembro, do fim da transmissão do ebola no país. O período é estabelecido para garantir que não haja nenhuma cadeia de transmissão oculta e poder detectar mais facilmente novos sinais de reaparecimento da doença.

Desde março de 2014, a epidemia de ebola já provocou a morte de mais de 11.300 pessoas e infectou mais de 28.500.