Apesar da violência e dos bloqueios, ONU continua entregando ajuda humanitária na Síria

Programa Mundial de Alimentos planeja expansão das operações para alcançar 3 milhões de pessoas até fim do ano. OMS fornece medicamentos essenciais e para combater doenças transmissíveis. Refugiados palestinos recebem assistência financeira.

Entrega de alimentos a pessoas como essas crianças na Síria está ficando mais difícil e mais perigoso a cada dia. Foto: PMA / Abeer Etefa

Entregar de alimentos na Síria está mais difícil e perigoso a cada dia. Foto: PMA/Abeer Etefa

A violência é constante em muitas partes da Síria, mas apesar das difíceis condições de segurança e acesso restrito a várias áreas, agências das Nações Unidas continuam trabalhando para entregar ajuda humanitária.

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) já alcança 2,5 milhões de pessoas e planeja ampliar para 3 milhões o número de beneficiados no país até o fim do ano.

Nas últimas duas semanas, a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) forneceu alimentos para 58 mil pessoas e ajuda financeira a 59 mil.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) segue apoiando o Ministério da Saúde em Damasco com medicamentos essenciais e contra doenças transmissíveis para tratar mais de 90 mil pessoas.

De acordo com o Escritório da ONU de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), a violência nas províncias do leste, Damasco Rural e Deraa limita o acesso de ajuda humanitária e muitas áreas onde a assistência é urgente permanecem inacessíveis.

Desde o levante contra o presidente Bashar Al-Assad em março de 2011, cerca de 100 mil pessoas foram mortas e quase 2 milhões fugiram para países vizinhos. Há mais de 4 milhões de deslocados internos e pelo menos 6,8 milhões de sírios necessitam de assistência humanitária urgente, metade crianças.