Apesar da situação sombria, povo do Sudão do Sul deseja a paz, afirma representante da ONU

Um grupo de deslocados internos em uma escola abandonada em Malakal. Foto: UNMISS

As perspectivas para o Sudão do Sul não são completamente sombrias, disse um funcionário da ONU, em Juba, observando que ao viajar por todo o país ele tem repetidamente ouvido a frase “nós queremos a paz agora”.

“É importante usarmos o tempo atual para fazer essa frase uma realidade”, disse em coletiva de imprensa, em Juba, o vice-representante especial do secretário-geral da ONU para o Sudão do Sul, Moustapha Soumaré. Ele enfatizou que a crise só poderia ser resolvida pelos próprios sul-sudaneses embora a comunidade internacional continue a prestar apoio.

Soumaré destacou alguns avanços positivos recentes, incluindo o retorno de alguns ex-presos políticos e contínuos esforços da comunidade internacional para apoiar as negociações de paz. E reiterou que a Missão da ONU no Sudão do Sul (UNMISS) trabalha junto ao governo para assegurar o cumprimento do seu mandato.

Na ocasião, ele citou a trágica situação humanitária do país, com mais de 160 mil deslocados internos e alertou que mais disputas é sinônimo de mais deslocamentos. “Pra isso acabar, as disputas devem acabar e deve haver um acordo de paz.”