Análises epidemiológicas devem refletir sobre aspectos sociais da saúde, defende agência da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Análises epidemiológicas precisam levar em conta as determinantes sociais da saúde, bem como adotar perspectivas de gênero. A recomendação é do representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no Brasil, Joaquín Molina. Durante participação na abertura do 10º Congresso Brasileiro de Epidemiologia, o dirigente da agência da ONU também reiterou o apoio do organismo ao Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro.

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil recebeu homenagem pela contribuição que tem dado para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro. Foto: EBC

OPAS lembrou que desenvolvimento de sistemas de informação do SUS foi fundamental para os estudos de epidemiologia no Brasil. Foto: EBC

Análises epidemiológicas precisam levar em conta as determinantes sociais da saúde, bem como adotar perspectivas de gênero. A recomendação é do representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no Brasil, Joaquín Molina. Durante participação na abertura do 10º Congresso Brasileiro de Epidemiologia, o dirigente da agência da ONU também reiterou o apoio do organismo ao Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro.

O especialista lembrou que o desenvolvimento da epidemiologia no Brasil nos últimos 30 anos está intimamente ligado à história do SUS.

“Os sistemas de informação estruturados na rede do SUS foram e são a base da maioria das análises e estudos produzidos nas últimas décadas e os que aqui se estão a apresentar. Dessa forma, o crescimento da cobertura do SUS marcou o desenvolvimento e aumento de cobertura e qualidade dos sistemas de informação em saúde do Brasil”, explicou o gestor.

Para o chefe da OPAS no Brasil, “é preciso integrar os determinantes sociais da saúde nas nossas análises”. Molina também enfatizou a importância de “defender e incorporar o enfoque de gênero no nosso dia a dia e de intensificar ainda mais a luta contra a desigualdade e as iniquidades em saúde e bem-estar, que tanto lastima a todos nós”. O dirigente acrescentou que o país pode contar com o apoio da OPAS em defesa do SUS.

Organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) e a Universidade Federal de Santa Catarina, o congresso de epidemiologia reúne pesquisadores, docentes, alunos e profissionais de saúde, tanto brasileiros quanto de outras partes do mundo, para promover debates sobre estratégias de prevenção de doenças.


Mais notícias de:

Comente

comentários