América Latina e Caribe vendem produtos melhores e mais variados na própria região, diz CEPAL

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Quando desconsiderado o México, 51% das exportações latino-americanas e caribenhas de produtos de média e alta tecnologia são destinadas ao mercado regional. Comércio entre países-membros da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL) foi tema de seminário no México.

Para a ONU, sistema multilateral de comércio precisa ser renovado. Foto: Imprensa/GEPR

Para a ONU, sistema multilateral de comércio precisa ser renovado. Foto: Imprensa/GEPR

Em seminário no México, a Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL) afirmou neste mês (6) que o comércio entre os países da região é qualitativamente superior às trocas envolvendo outras nações. Compra e venda intra-regional permite diversificação das exportações, favorece as pequenas e médias empresas e facilita a criação de cadeias produtivas plurinacionais.

Representando o organismo das Nações Unidas, Hugo Beteta, chefe da sede sub-regional da CEPAL, explicou que os bens comercializados entre os Estados-membros são de melhor qualidade. Quando desconsiderado o México, 51% das exportações latino-americanas e caribenhas de produtos de média e alta tecnologia são destinadas ao mercado regional. Para a Argentina, Colômbia e Uruguai, a proporção é ainda maior — 71%, 74% e 83%, respectivamente.

As exportações dentro da região também incluem um volume mais variado de produtos. A Costa Rica, por exemplo, exporta 2.439 produtos para a América Latina e para o Caribe, mas apenas 1.399 para os Estados Unidos. Já a Guatemala venda 2.990 produtos na região e somente 1.052 para os Estados Unidos.

Protecionismo

Lembrando o atual contexto de ameaças protecionistas e incertezas crescentes para o comércio mundial, Beteta disse que as disparidades dentro dos países e entre as nações colocam sob tensão os espaços de integração. Contudo, defendeu que os benefícios da cooperação para os Estados e suas populações são muito maiores.

“Os processos de integração regional dão mais liberdade aos países porque oferecem estabilidade e segurança aos agentes econômicos, criam espaços técnicos e políticos para dialogar e alcançar consensos e facilitam a cooperação Sul-Sul”, afirmou o especialista da CEPAL.

“As grandes ameaças, como as mudanças climáticas ou os fenômenos sociais, como as migrações, podem ter respostas mais eficazes se forem abordadas como fenômenos de interesse regional.”


Mais notícias de:

Comente

comentários