Ambientes digitais melhoram trabalho do IPC-IG na Cooperação Sul-Sul

Comunidades online e reuniões virtuais estão mudando o trabalho do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) da ONU em áreas de Cooperação Sul-Sul e proteção social. Em plataformas online, gestores e especialistas africanos e brasileiros trocam experiências sobre ações de combate à pobreza e empoderamento de mulheres.

Segurança alimentar é um dos destaques da cooperação entre Brasil e países da África. Foto: Centro de Excelência contra a Fome

Segurança alimentar é um dos destaques da cooperação entre Brasil e países da África. Foto: Centro de Excelência contra a Fome

Comunidades online e reuniões virtuais estão mudando o trabalho do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) da ONU em áreas de Cooperação Sul-Sul e proteção social. Em plataformas online, gestores e especialistas africanos e brasileiros trabalham no projeto “Brasil e África: combate à pobreza e empoderamento de mulheres por meio da Cooperação Sul-Sul “, financiado pelo Departamento do Reino Unido para o Desenvolvimento Internacional (DFID). O IPC-IG é responsável pela implementação dos Resultados 1 e 2 desse projeto.

Muitos países africanos têm sido encorajados pelos resultados positivos alcançados pelo Brasil nos últimos anos com as políticas de proteção social e de segurança alimentar e nutricional e os programas voltados para a redução da pobreza e da desigualdade. Vários programas africanos de transferência de renda foram inspirados na experiência brasileira, como o Livelihood Empowerment against Poverty (LEAP) de Gana, a Política Nacional de Proteção Social do Quênia e o programa de transferência de renda de Cabo Verde, que recebeu o apoio de instituições brasileiras durante a fase de concepção.

As interações online discutem lições aprendidas e experiências sobre o desenho e a implementação de políticas públicas de proteção social e questões de gênero. Como os países possuem culturas e cenários políticos diversos, a comunicação virtual tem sido uma ferramenta importante para facilitar o compartilhamento de conhecimentos.

“Os formuladores de políticas públicas possuem agendas muito ocupadas, mas as reuniões virtuais são promissoras, pois se participa de qualquer lugar: escritório, hotel ou aeroporto, desde que se tenha acesso a uma conexão de Internet”, disse Lívia Nogueira,Oficial de Programa Sênior do IPC-IG, responsável pelo projeto. Ela explica que a plataforma online dedicada socialprotection.org tem sido muito utilizada como ambiente digital.

Mas ainda existem desafios: o acesso lento à internet em algumas localidades do Brasil e da África. Por isso, o IPC-IG estabeleceu parcerias com escritórios de organizações internacionais para permitir que os participantes usem instalações e acesso à Internet.

Os resultados dessas iniciativas foram consolidados em publicações divulgadas gratuitamente, online e em diversos idiomas. No âmbito do projeto, o IPC-IG publicou uma edição especial em inglês da revista Policy in Focus intitulada “Food and nutrition security: towards the full realisation of human rights”, que analisa as iniciativas realizadas no Brasil e nos países africanos para a promoção do direito humano à alimentação e nutrição adequadas. Além disso, foram publicados o estudo em inglês “Social protection in Africa: inventory of non-contributory programmes”, que mapeou e perfilou 127 programas não-contributivos de 39 países africanos, e mais de 25 outras publicações em vários idiomas.Todos os resultados foram compilados em um amplo relatório em inglês, disponível aqui.