Alunos de escola pública de Santa Maria (RS) visitam Casa da ONU em Brasília

Jovens estudantes do Centro Educacional 310, de Santa Maria (RS), visitaram a Casa da ONU e o escritório do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em Brasília (DF) na semana passada para conhecer as instalações, o trabalho em direitos humanos e a campanha Vidas Negras.

Os dez alunos fazem parte do projeto “365 dias de Consciência Negra”, uma iniciativa criada pela escola para desenvolver a autoestima e o potencial dos estudantes afrodescendentes.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Jovens estudantes do Centro Educacional 310, de Santa Maria (RS), visitaram a Casa da ONU e o escritório do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em Brasília (DF) na semana passada para conhecer as instalações, o trabalho em direitos humanos e a campanha Vidas Negras.

Os dez alunos fazem parte do projeto “365 dias de Consciência Negra”, uma iniciativa criada pela escola para desenvolver a autoestima e o potencial dos estudantes afrodescendentes.

A visita foi guiada pela oficial de programa para Gênero, Raça, Etnia e Comunicação do UNFPA, Rachel Quintiliano, que apresentou a Casa da ONU, resumindo o trabalho da Organização no país.

No escritório do UNFPA, os estudantes foram apresentados aos oficiais de programa presentes, ao mandato da organização no Brasil e obtiveram informações sobre o Estágio Afirmativo, programa que incentiva a inclusão de pessoas negras, LGBTI, indígenas, com deficiência, de baixa renda, entre outras.

“Com esta visita, os estudantes puderam perceber que este espaço, a Casa da ONU, também é deles, e que é possível conquistar esse lugar. O programa do Estágio Afirmativo reforça que é preciso dar oportunidade para que existam times mais plurais”, observou Rachel Quintiliano.

O estudante Hugo Dias, de 18 anos, ajudou a organizar a visita e deixou o prédio bastante motivado. “Achei muito instrutivo e inspirador. Vou levar daqui que é preciso persistir muito para conseguir o que se quer”, disse.

Jefferson Chrystian, de 16 anos, encantou-se pelo programa de Estágio Afirmativo. “Foi uma experiência muito boa, que mudou a concepção do que nós, alunos de escola pública, podemos conquistar. Falar com as pessoas daqui mostra que, independentemente de onde viemos, temos possibilidade de crescer na vida.”

O projeto “365 dias de Consciência Negra” é tocado desde 2018 pela professora de língua portuguesa Margareth Alves, com apoio do professor Pedro Aragão, e resgata a memória de personalidades negras como forma de empoderar e desenvolver a autoestima dos estudantes, além de promover ensaios fotográficos, desfiles e visitas guiadas a instituições.