Alta Comissária pede 130 milhões de dólares para direitos humanos em 2013

Pillay disse que Alto Comissariado para os Direitos Humanos, que completa 20 anos em 2013, poderia responder a mais pedidos se tivesse mais fundos.

Navi Pillay durante o apelo financeiro do ACNUDH.Foto: ONU Foto/Jean-Marc Ferré

“O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) não será capaz de responder eficazmente aos desafios em curso, a menos que os doadores contribuam com os 130,4 milhões de dólares necessários este ano”, disse nesta quinta-feira (31) a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay.

“Nosso orçamento de 2013 já foi reduzido em 12%, cerca de 17 milhões de dólares, para lidar com a falta de fundos”, acrescentou Pillay quando divulgou o apelo financeiro anual do ACNUDH, em Genebra, na Suíça. Há três anos que o Escritório da ONU não possui fundos suficientes para desenvolver todas suas funções.

Segundo a Alta Comissária, 46 cargos de direitos humanos da ONU foram cortados ou congelados,  afetando a capacidade de responder aos desafios para combater a discriminação, alterações climáticas, HIV, dentre outros temas.

Pillay pediu que os doadores considerassem a importância dos investimentos em longo prazo nos direitos humanos, acrescentando que seu escritório, que completa 20 anos em 2013, poderia responder a mais pedidos se mais financiamento fosse disponibilizado. Segundo a Alta Comissária, a captação de fundos para situações de crise é bem mais fácil do que para as de prevenção.

“É um paradoxo preocupante que a captação de recursos para responder a situações de crise seja muito mais fácil do que a de recursos que possam prevenir que as crises aconteçam”, disse Pillay.

“Imagine toda a destruição, sofrimento e perda de vidas que poderiam ter sido evitadas se fôssemos capazes de prevenir ou atenuar apenas algumas das crises que o mundo está testemunhando”, acrescentou.