Agosto teve maior número de fugas da Síria, com mais de 100 mil refugiados, diz ACNUR

O total de refugiados sírios registrados ou em espera para registo desde setembro de 2011 subiu para mais de 235 mil.

Família síria pega carona para crusar a fronteira com o Líbano, onde serão registrados pelo ACNUR. (ACNUR/S. Malkawi))O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) informou hoje (4) que o número de pessoas em fuga da Síria para países vizinhos subiu para mais de 100 mil em agosto. O número é considerado o maior total mensal até agora, elevando o conjunto de refugiados sírios registrados ou em espera para registo desde setembro de 2011 para mais de 235 mil.

Os principais destinos são Líbano, Turquia , Jordânia e Iraque. “A maioria nos dizem que estão saindo por causa da insegurança geral, embora alguns tenham relatado ameaças diretas”, disse a Porta-Voz do ACNUR, Melissa Fleming, citando relatos de que três refugiados iraquianos foram mortos na semana passada em Jaramana, aumentando o medo entre a população de refugiados por lá.

Refugiados são alvo de violência no Líbano

O Coordenador Especial da ONU para o Líbano, Derek Plumbly, também expressou preocupação sobre a onda de violência e sequestros que suscitaram temores de um novo conflito sectário no Líbano, onde estão mais de 59 mil sírios.

De acordo com relatos da mídia, nas últimas semanas de agosto ocorreram combates entre partidários e opositores do governo sírio na capital libanesa, Beirute, onde mais de 12 pessoas morreram. As tensões também aumentaram em outras partes do país, como em Trípoli.

Ajuda internacional e novos acampamentos

O ACNUR e o Crescente Vermelho continuam a expandir operações para apoiar os deslocados sírios tanto internamente quanto no exterior. Internamente, a agência da ONU lançou um programa de assistência financeira a 730 famílias, tendo a expectativa de atingir 35 mil famílias nos próximos meses.

No Iraque, as autoridades da região do Curdistão concordaram com a criação de um segundo campo de refugiados para acomodar, principalmente, curdos sírios. O país também recebe iraquianos que haviam fugido para a Síria e agora retornam à sua terra natal. De acordo com o Governo iraquiano, 35 mil pessoas voltaram para o Iraque em julho e agosto.

Mais de 18 mil pessoas, a maioria civis, morreram desde que o levante contra o presidente Bashar al-Assad começou há cerca de 18 meses na Síria.