ONU: coronavírus nos mostra como nossa saúde está vinculada à natureza

ONU: coronavírus nos mostra como nossa saúde está vinculada à natureza

Marcando o Dia Internacional da Biodiversidade (22 de maio), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que as soluções nessa temática estão na própria natureza.

Segundo Guterres, que gravou uma mensagem em vídeo para a data, a preservação e a gestão sustentável da biodiversidade são necessárias para mitigar as perturbações climáticas, garantir a segurança alimentar e de água e até mesmo prevenir pandemias.

“A COVID-19, que emanou da natureza, mostrou como a saúde humana está intimamente ligada com a relação que temos com o meio ambiente. À medida que invadimos a natureza e esgotamos habitats vitais, um número crescente de espécies está em risco. Incluindo a Humanidade e o futuro que queremos”, destacou; acesse aqui o vídeo.

Arte: Pixabay

ONU lança iniciativa global para combater a desinformação

As Nações Unidas lançam nesta quinta-feira (21) a Verificado, uma iniciativa para combater o crescente flagelo de desinformação sobre a COVID-19 ao aumentar o volume e alcance de informação precisa e confiável.

“Não podemos ceder nossos espaços virtuais a aqueles que publicam mentiras, medo e ódio”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, que anunciou a iniciativa.

Voluntários poderão se cadastrar para receber conteúdo confiável.

Mulheres na fila para receber alimentos nos Camarões. Elas praticam distanciamento social para ajudar a combater a propagação da COVID-19. Foto: WFP/Glory Ndaka

ONU elogia resposta africana à COVID-19 e pede mais apoio ao continente

Em uma mensagem em vídeo para lançar um relatório sobre a COVID-19 na África, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, elogiou a resposta da África à pandemia, mas lembrou que esforços para ampliá-la – incluindo a cooperação internacional e os sistemas de saúde – ainda são necessários.

O continente africano já confirmou cerca de 2.500 mortes por COVID-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. Guterres destacou os países africanos responderam rapidamente à pandemia e, até agora, os casos relatados são mais baixos do que se temia. “Mesmo assim, há muito a pesar na balança (…) A vigilância e a preparação são fundamentais”, ressaltou.

O chefe da ONU lembrou que ainda estamos nos “primeiros dias” da pandemia na África, alertando que o cenário pode se tornar instável “rapidamente”.

“A solidariedade global com a África é um imperativo, agora e para se recuperar melhor. Acabar com a pandemia no continente africano é essencial para que esta acabe em todo o mundo.”

ONU: Não deixar ninguém para trás significa não deixar ninguém offline. Foto: Daria Shevtsova via Pexels

ONU: Não deixar ninguém para trás significa não deixar ninguém offline

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, gravou uma mensagem em vídeo para marcar no domingo (17) o Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação. Segundo Guterres, a tecnologia da informação pode ser um “farol de esperança”, permitindo que bilhões de pessoas em todo o mundo se conectem.

“Durante a pandemia de COVID-19, essas conexões – com entes queridos, com escolas e faculdades, com locais de trabalho, com profissionais da saúde e fornecedores essenciais – são mais importantes do que nunca”, lembrou; acesse a mensagem aqui.

Foto: Dark Indigo via Pexels

OMS: ‘O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante’

“O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante”, afirmou nesta quarta-feira (14) Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O isolamento social, o medo de contágio e a perda de membros da família são agravados pelo sofrimento causado pela perda de renda e, muitas vezes, de emprego.”

De acordo com um documento das Nações Unidas lançado pelo secretário-geral, a pandemia de COVID-19 está destacando a necessidade de aumentar urgentemente o investimento em serviços de saúde mental ou arriscar um aumento maciço de condições de saúde mental nos próximos meses; confira as mensagens em vídeo do chefe da OMS e da ONU aqui.

É tempo de se afastar das pessoas para salvar a humanidade. Para aliviar o sofrimento e salvar vidas em meio à pandemia, a OMS está focada em cinco ações-chave

VÍDEO: Cinco coisas que a OMS está fazendo contra o coronavírus

Em maio, o mundo já tinha confirmado mais de 4 milhões de casos de COVID-19, com uma perda de mais de quase 300 mil vidas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Mas esses não são apenas números – todos os casos são mães, pais, filhos, filhas, irmãos, irmãs ou amigos”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da agência.

É tempo de se afastar das pessoas para salvar a humanidade. Para aliviar o sofrimento e salvar vidas em meio à pandemia, a OMS está focada em cinco ações-chave; saiba aqui quais são.

Foto: Juan Pablo Serrano Arenas via Pexels

ONU: serviços de saúde mental devem ser parte essencial de respostas ao coronavírus

A COVID-19 não está apenas atacando nossa saúde física; também está aumentando o sofrimento psicológico. A avaliação é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que gravou uma mensagem em vídeo para chamar atenção para a questão.

Lançando um relatório tratando de políticas públicas sobre saúde mental, Guterres destacou que esses serviços devem ser parte essencial de todas as respostas de governos ao coronavírus. O chefe da ONU acrescentou que serviços de saúde mental devem ser expandidos e amplamente financiados. Acesse aqui o vídeo e o documento.

Secretário-geral da ONU homenageia vítimas da segunda guerra mundial

Secretário-geral da ONU homenageia vítimas da segunda guerra mundial; vídeo

Em mensagem para o momento de lembrança e reconciliação para aqueles que perderam suas vidas durante a Segunda Guerra Mundial – marcado anualmente em 8 e 9 de maio –, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, prestou uma homenagem aos milhões de pessoas que perderam a vida no conflito encerrado há 75 anos.

“Nunca devemos esquecer o Holocausto e os outros crimes graves e horrendos cometidos pelos nazistas. A vitória sobre o fascismo e a tirania em maio de 1945 marcou o início de uma nova era”, destacou Guterres.

António Guterres disse que o mundo precisa agir imediatamente para “fortalecer a imunidade das nossas sociedades contra o vírus do ódio”. Foto: Dimitri Karastelev via Unsplash

ONU: ‘Devemos agir para fortalecer a imunidade das sociedades contra o vírus do ódio’

“Para a COVID-19 não interessa quem somos, onde vivemos, em que acreditamos ou qualquer outra diferença.”

Foi assim que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, iniciou sua mensagem em vídeo em que pede solidariedade para lidar com o que classificou de “tsunami de ódio e de xenofobia, de bodes expiatórios e de disseminação do medo” em meio à pandemia.

No vídeo, divulgado nesta sexta-feira (8), Guterres alertou que o sentimento de xenofobia – a aversão a pessoas de outras nacionalidades, culturas, etnias ou credos – aumentou na internet e nas ruas nos últimos meses.

Guterres disse que o mundo precisa agir imediatamente para “fortalecer a imunidade das nossas sociedades contra o vírus do ódio”. Acesse aqui a mensagem.

Atletas com deficiências jogam basquete no Sudão do Sul em 2012. Foto: UNMISS/Isaac Billy

Resposta à COVID-19 deve incluir pessoas com deficiência, diz relatório da ONU

A pandemia da COVID-19 está intensificando as desigualdades vivenciadas por 1 bilhão de pessoas com deficiência do mundo, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao lançar um relatório nesta quarta-feira (6) que pede que a recuperação e a resposta à crise incluam pessoas com deficiência.

Mesmo em circunstâncias normais, é menos provável que as pessoas com deficiência tenham acesso a oportunidades de educação, saúde e renda ou participem de suas comunidades, de acordo com Guterres.

Elas também são mais propensas a viver na pobreza e a sofrer taxas mais altas de violência, negligência e abuso. “A pandemia está intensificando essas desigualdades – e produzindo novas ameaças”, revelou.

Ibrahim Al Hussein (à esquerda) é um dos refugiados que participam do documentário 'THF: Aeroporto Central', do brasileiro Karim Aïnouz. Imagem: THF

Cineasta brasileiro espera que pandemia gere mais empatia por situação de refugiados

Em vez de medo e xenofobia, o isolamento e a incerteza em relação ao futuro provocada pela pandemia têm o potencial de gerar mais empatia em relação ao outro, especialmente em relação àqueles que já enfrentavam dificuldades antes mesmo de a COVID-19 emergir, como refugiados, migrantes e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A expectativa é do cineasta brasileiro Karim Aïnouz, que lançou na sexta-feira (24), diretamente nas plataformas de streaming, seu filme “Aeroporto Central”, que trata da situação de solicitantes de refúgio abrigados no extinto Aeroporto de Tempelhof, em Berlim. Leia a entrevista concedida à ONU Brasil.

Ao longo de um ano, o documentário acompanhou a vida do estudante sírio Ibrahim (esquerda) e do fisioterapeuta iraquiano Qutaiba (direita). Foto: Juan Sarmiento

Pandemic could generate more empathy towards refugees, says Brazilian filmmaker

Instead of fear and xenophobia, the isolation and uncertainty about the future brought by the COVID-19 pandemic has the potential to generate more empathy and solidarity towards others, including refugees.

That’s the hope of the Brazilian filmaker Karim Aïnouz, who launched directly on the streaming platforms his documentary “Central Airport THF”, which describes the situation of asylum seekers sheltered in the former Tempelholf Airport, in Berlin.

Idoso na Turquia continua trabalhando engraxando sapatos. Foto: Eric Ganz/ONU News

ONU lança documento com recomendações para proteger idosos durante pandemia

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, publicou nesta sexta-feira (1) um relatório com análises e recomendações sobre os desafios enfrentados pelas pessoas idosas.

A taxa de mortalidade deste grupo é mais alta no geral e, para aqueles com mais de 80 anos, é cinco vezes a média global.

Além do impacto imediato na saúde, António Guterres alertou, em uma mensagem em vídeo, que “a pandemia está colocando as pessoas mais velhas em maior risco de pobreza, discriminação e isolamento”, com um impacto potencialmente arrasador sobre as pessoas idosas nos países em desenvolvimento; acesse aqui o vídeo e o relatório.

No dia da liberdade de imprensa, ONU pede apoio a trabalhadores da mídia em meio à pandemia

No dia da liberdade de imprensa, ONU pede apoio a trabalhadores da mídia em meio à pandemia

“Jornalistas e profissionais da mídia são cruciais para nos ajudar a tomar decisões informadas. À medida que o mundo luta contra a pandemia da COVID-19, essas decisões podem fazer a diferença entre a vida e a morte.”

Assim começa a mensagem em vídeo do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, para marcar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Lembrada anualmente em 3 de maio, a data tem como tema esse ano o “Jornalismo sem medo ou favor”.

Guterres fez um apelo aos governos – e a toda a sociedade – para garantir que os jornalistas possam fazer seu trabalho durante a pandemia da COVID-19, incluindo em outros temas. Os chefes da ONU e da UNESCO alertaram ainda sobre a onda de boatos que tomou o planeta durante a crise – classificada como “infodemia”.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – nossa visão compartilhada sobre como acabar com a pobreza, garantir um futuro saudável para o planeta e construir um mundo pacífico – estão ganhando impulso global. Com apenas 10 anos à frente, um ambicioso esforço global está em andamento para cumprir a promessa da #Agenda2030 – mobilizando mais governos, sociedade civil, empresas e convidando todas as pessoas a tomarem para si os #ObjetivosGlobais.

VÍDEO: uma década de ação pelas pessoas e pelo planeta

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – nossa visão compartilhada sobre como acabar com a pobreza, garantir um futuro saudável para o planeta e construir um mundo pacífico – estão ganhando impulso global.

Com apenas 10 anos à frente, um ambicioso esforço global está em andamento para cumprir a promessa da Agenda 2030 – mobilizando mais governos, sociedade civil, empresas e convidando todas as pessoas a tomarem para si os Objetivos Globais.

Campanha de informação sobre o coronavírus nas paredes das comunidades - Foto: Frente de Mobilização da Maré

Pensando no coletivo, favelas se organizam para combater o coronavírus

Gizele Martins é nascida e criada no Complexo da Maré, conjunto de 16 favelas com cerca de 140 mil habitantes na cidade do Rio de Janeiro. Jornalista e comunicadora comunitária, ajudou a criar a Frente de Mobilização da Maré para se preparar para a chegada do novo coronavírus.

O principal objetivo é distribuir de maneira ampla, efetiva e de acordo com a realidade da favela informações baseadas nas recomendações divulgadas pelo Ministério da Saúde, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Fiocruz sobre os cuidados e riscos do novo coronavírus.

Campanha de informação sobre o coronavírus nas paredes das comunidades - Foto: Frente de Mobilização da Maré

Rio’s vulnerable organize themselves to fight coronavirus

Gizele Martins was born and raised in the Complexo da Maré, a group of 16 favelas (slums) with around 140,000 inhabitants in Rio de Janeiro. A journalist and community activist, she helped to create the Mare Mobilization Front to prepare for the arrival of the new coronavirus.

Her mission is to distribute information based on the recommendations from the Ministry of Health of Brazil, the World Health Organization (WHO) and Oswaldo Cruz Foundation (FIOCRUZ) about the care and risks of the new coronavirus, in a broad and effective manner to the poor living in difficult conditions in the favelas.

'Cooperação internacional deve se adaptar aos novos tempos', diz chefe da ONU

‘Cooperação internacional deve se adaptar aos novos tempos’, diz chefe da ONU

Marcando o Dia Internacional do Multilateralismo e da Diplomacia pela Paz, lembrado neste 24 de abril, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, destacou que a cooperação internacional deve se adaptar aos novos tempos.

“Não basta proclamar as virtudes do multilateralismo; devemos continuar a evidenciar o seu valor acrescentado”, disse, em uma mensagem em vídeo especial para a data.

“A pandemia da COVID-19 lembra-nos de forma trágica como estamos profundamente conectados. O vírus não conhece fronteiras e é um desafio global por excelência. Para combatê-lo, precisamos trabalhar juntos como uma família humana”, ressaltou; confira aqui o vídeo.

Presidente da Assembleia Geral fará um evento nesta sexta-feira (24) para marcar a data.

Em uma mensagem em vídeo em que destacou o vínculo entre os direitos humanos e a resposta e recuperação da crise provocada pela pandemia da COVID-19, o secretário-geral das Nações Unidas destacou que “a ameaça é o vírus, não as pessoas”. (Foto: CIDH/OEA)

COVID-19: ‘a ameaça é o vírus, não as pessoas’, diz secretário-geral da ONU

Em uma mensagem em vídeo em que destacou o vínculo entre os direitos humanos e a resposta e recuperação da crise provocada pela pandemia da COVID-19, o secretário-geral das Nações Unidas destacou que “a ameaça é o vírus, não as pessoas”.

“Os direitos humanos não podem ser negligenciados em tempos de crise, e agora enfrentamos a maior crise internacional das últimas gerações”, afirmou António Guterres, ressaltando que a melhor resposta “é a que responde de forma proporcional a ameaças imediatas, protegendo os direitos humanos e o Estado de Direito”.

“O vírus é uma ameaça para todos. Os direitos humanos trazem dignidade para todos”, acrescentou. “Respeitando os direitos humanos em tempos de crise, construiremos soluções mais eficazes e inclusivas para a emergência de hoje e para a recuperação de amanhã.”

Confira aqui a mensagem na íntegra e acesse o relatório sobre o tema lançado por Guterres.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, enviou uma mensagem em vídeo marcando o início do Ramadã, tradicional mês sagrado para os muçulmanos, lembrando que milhões de fiéis estão prontos para as celebrações deste ano.

Em mensagem em vídeo, secretário-geral da ONU saúda início do Ramadã

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, enviou uma mensagem em vídeo marcando o início do Ramadã, tradicional mês sagrado para os muçulmanos, lembrando que milhões de fiéis estão prontos para as celebrações deste ano.

Guterres lembrou que este será um Ramadã diferente, já que muitas atividades comunitárias serão naturalmente afetadas pelas medidas de combate à pandemia da COVID-19.

“O Ramadã é também sobre apoiar os mais vulneráveis. Agradeço a todos os governos e pessoas em todo o mundo muçulmano que vivem a sua fé, apoiando aqueles que fogem do conflito na melhor tradição muçulmana de hospitalidade e generosidade – uma lição notável neste mundo onde tantas portas se têm fechado aos que precisam de proteção, mesmo antes da COVID-19”, disse.

Em uma mensagem em vídeo neste Dia da Terra (22 de abril), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que a biodiversidade está em declínio acentuado, enquanto a ruptura climática está alcançando um “ponto sem retorno”.

No Dia da Terra, chefe da ONU propõe seis ações-chave para evitar ‘ruptura climática’

Em uma mensagem em vídeo neste Dia da Terra (22 de abril), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lembrou que a biodiversidade está em declínio acentuado, enquanto a ruptura climática está alcançando um “ponto sem retorno”.

Guterres ressaltou a importância de agir “sem hesitação para proteger o nosso planeta, tanto do coronavírus como da ameaça existencial das perturbações climáticas”. Segundo ele, “a crise atual é um despertar sem precedentes. Precisamos transformar a recuperação numa oportunidade real de fazer as coisas certas para o futuro”.

Na mensagem, Guterres propõe seis ações relacionadas ao clima para “moldar a recuperação e o trabalho que temos pela frente”; saiba aqui quais são.

Bebeto Abrantes (acima) e Davi Borges (abaixo) trabalham virtualmente. Foto: Bebeto Abrantes

Filmmakers in Rio de Janeiro cope with the pandemic by developing a new creative process

“Me Cuidem-se!” (Take Care of Me-Yourselves!) is a virtual collaborative documentary showing how residents from various regions of Rio de Janeiro are dealing with social distancing imposed by the COVID-19 pandemic.

The project, headed by filmmakers Bebeto Abrantes and Cavi Borges, includes mobile phones recordings that resulted in two short films that will be made into a feature length film. Learn more about the project that emerged from the expression “solidãoriedade” (“solitarity”, a fusion between solitude and solidarity), which describes the loneliness of solidarity.

Bebeto Abrantes (acima) e Davi Borges (abaixo) trabalham virtualmente. Foto: Bebeto Abrantes

No Rio, cineastas enfrentam a pandemia rodando filme sem encontros presenciais

“Me Cuidem-se!” é o documentário colaborativo virtual mostrando como moradores de diversas regiões do Rio de Janeiro (RJ) estão enfrentando o distanciamento social imposto pela pandemia da COVID-19.

O projeto dos cineastas Bebeto Abrantes e Cavi Borges inclui gravações feitas por celular, que já renderam dois curtas-metragens e devem compor um longa. Conheça mais do projeto que surgiu a partir da expressão “solidãoriedade”, que descreve a solidão da solidariedade.

Matheus Martinez, 27, is unable to work from home during the coronavirus outbreak. Foto: UNIC Rio/Joana Berwanger

Brazilian delivery worker faces daily fear of coronavirus infection

When the clock strikes ten in the morning, Matheus Martinez, 27, is already riding his bicycle, carrying a big square backpack and cycling through the streets of Porto Alegre, in the south of Brazil.

Since 2018, the musician has been making food deliveries through apps andtoday, this is his main source of income.

Matheus is one of the “gig economy” workers who are unable to work from home and find themselves facing every day the fear of contracting the novel coronavirus.

O secretário-geral das Nações Unidas destacou que as empresas de redes sociais precisam fazer mais para 'erradicar o ódio' e as afirmações prejudiciais sobre a COVID-19. Foto: pxhere.com

COVID-19: chefe da ONU alerta para ‘epidemia de desinformação’

À medida que o mundo combate a pandemia de COVID-19, o secretário-geral das Nações Unidas alertou nesta semana para uma “epidemia” paralela.

Segundo António Guterres, existe uma “perigosa epidemia de desinformação” que acompanha e ameaça o enfrentamento ao novo coronavírus. Ele alertou que o ódio está se tornando “viral”, com pessoas e grupos específicos sendo estigmatizados e difamados.

Guterres anunciou uma iniciativa de comunicação das Nações Unidas para “inundar a internet com fatos e com ciência, e combater o crescente flagelo da desinformação, um veneno que está colocando ainda mais vidas em risco”.

Ele também ressaltou a importância da confiança no próximo e da solidariedade. “O respeito mútuo e a proteção dos direitos humanos devem ser a nossa bússola para enfrentar esta crise. Juntos, rejeitaremos as mentiras e os disparates que circulam por aí.”

Assista ao vídeo aqui.

Fotos: ONU/Rick Bajornas

Chefe da ONU pede a líderes religiosos união e ‘fé na nossa humanidade comum’

Em uma mensagem em vídeo divulgada neste sábado (11), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, convocou líderes religiosos de todo o mundo e de todas as confissões a unir forças para trabalhar pela paz mundial ao “focar na nossa batalha comum para derrotar a COVID-19”.

Ao pedir a “renovação da fé na nossa humanidade comum diante da pandemia”, Guterres lembrou que este é um momento especial no calendário espiritual. “Para os cristãos, é a celebração da Páscoa. Os judeus estão a festejar o Pessach. E, em breve, os muçulmanos vão iniciar o mês sagrado do Ramadã”, destacou.

“Apresento os mais calorosos votos a todos quantos celebram esses importantes momentos. Sabemos que essas ocasiões são momentos de comunhão. De famílias reunindo-se. De abraços e apertos de mão e a união da humanidade. Mas este é um momento como nenhum outro”, afirmou o secretário-geral da ONU.

Mãe e filha usam máscaras para se proteger contra o coronavírus em um centro de saúde em Abidjan, Costa do Marfim. Foto: UNICEF/Frank Dejongh

Mulheres e meninas devem estar no centro da recuperação da COVID-19, diz chefe da ONU

Ganhos limitados em igualdade de gênero e direitos das mulheres conquistados ao longo de décadas correm o risco de serem revertidos devido à pandemia da COVID-19, disse nesta quinta-feira (9) o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

O alerta de Guterres foi apresentado em um documento que detalha como a nova doença está aprofundando as desigualdades preexistentes, que por sua vez estão ampliando seus impactos na vida de mulheres e meninas.

“Peço aos governos que coloquem mulheres e meninas no centro de seus esforços de recuperação da COVID-19. Isso começa com as mulheres como líderes, com igual representação e poder de decisão”, disse em uma mensagem em vídeo sobre o lançamento do documento; acesse aqui.

Em uma mensagem especial em vídeo dedicada ao Dia Mundial da Saúde, lembrado anualmente em 7 de abril, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, destacou que a data é marcada em um ano particularmente difícil para todos.

No dia mundial da saúde, ONU homenageia profissionais de enfermagem e obstetrícia

Em uma mensagem especial em vídeo dedicada ao Dia Mundial da Saúde, lembrado anualmente em 7 de abril, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, destacou que a data é marcada em um ano particularmente difícil para todos.

“Hoje, minha mensagem é para nossos profissionais de saúde – enfermeiras(os), parteiras(os), técnicos, paramédicos, farmacêuticos, médicos, motoristas, profissionais de limpeza, administradores e muitos outros – que trabalham dia e noite para nos manter seguros.”

Confira aqui o vídeo.

A COVID-19 é uma doença infecciosa causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), transmitido aos humanos pela primeira vez. O vírus circula de pessoa em pessoa, através da transmissão de gotículas infectadas de alguém contaminado ao falar, tossir ou espirrar. Medidas como o distanciamento social e lavar constantemente as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com uma solução à base de álcool 60-70%, protege você de adquirir a COVID-19 e também de se tornar um transmissor.

Como me proteger do novo coronavírus? A OMS responde neste vídeo

A COVID-19 é uma doença infecciosa causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), transmitido aos humanos pela primeira vez.

O vírus circula de pessoa em pessoa, através da transmissão de gotículas infectadas de alguém contaminado ao falar, tossir ou espirrar.

Medidas como o distanciamento social e lavar constantemente as mãos com água e sabão, ou higienizá-las com uma solução à base de álcool 60-70%, protege você de adquirir a COVID-19 e também de se tornar um transmissor.

Permaneça saudável. Evite a transmissão do novo coronavírus em sua comunidade.

Tabuleiro do jogo Viva os ODS. Foto: ONU

Enfrente a quarentena da COVID-19 com o jogo dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Em tempos de quarentena da COVID-19, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) tem uma dica para distrair as crianças dentro de casa: o jogo “Viva os Objetivos”, que explica tudo sobre a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O material está disponível gratuitamente para download em português e é destinado para crianças de 8 a 10 anos, podendo entreter a família toda.

De forma lúdica e didática, o jogo de tabuleiro apresenta perguntas para os principais desafios enfrentados para transformar a Terra num planeta mais sustentável.

Combate ao racismo passa pela luta por propriedade, diz ativista brasileiro

Há 20 anos, o ativista brasileiro Damião Braga, 53, luta pelo direito dos afrodescendentes à propriedade de terras e imóveis na cidade do Rio de Janeiro.

Na ocasião do Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Pessoas Escravizadas, cujo foco deste ano é o combate ao racismo e à discriminação, Braga concedeu entrevista às Nações Unidas.

“Para nós, a titulação dos territórios quilombolas é uma forma de reparação, frente a tudo aquilo que foi a escravidão”, disse Braga. “O território não foi titulado justamente em função desse racismo estrutural”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, durante coletiva de imprensa virtual sobre a pandemia de COVID-19. Foto: Reprodução

Chefe da ONU pede solidariedade, esperança e resposta global coordenada para combater pandemia

À medida que o medo e a incerteza do público crescem em torno da pandemia da COVID-19, “mais do que nunca, precisamos de solidariedade, esperança e vontade política para enfrentar essa crise juntos”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta quinta-feira (19), em sua primeira coletiva de imprensa virtual.

O chefe da ONU disse que enfrentar a emergência de saúde é a sua preocupação número um, e defendeu a ampliação dos gastos com saúde para cobrir, entre outras coisas e “sem estigma”, testes, apoio aos profissionais de saúde e garantia de suprimentos adequados.

Sobre o âmbito econômico, salientou: “fundamentalmente, precisamos nos concentrar nas pessoas – nos trabalhadores mais vulneráveis, com baixos salários, pequenas e médias empresas”. “Isso significa apoio salarial, seguro, proteção social, prevenção de falências e perda de empregos”. Leia a reportagem completa.

Paz Enganosa (Ivan Ciro Palomino)

Exposição do UNIC Rio ‘Consciência’ é cancelada; nova data será definida

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) informou nesta sexta-feira (13) que a exposição “Consciência”, que seria inaugurada dia 19 de março no Casa Shopping, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro (RJ), foi cancelada diante da epidemia da doença causada pelo novo coronavírus, a COVID-19. Novas datas serão definidas em breve.

A exposição é realizada com apoio da União Internacional de Arquitetos (UIA), Instituto Claro, FINK e Casa Shopping.

A mostra, com obras do artista plástico peruano Ivan Ciro Palomino, promove uma reflexão sobre os desafios globais da atualidade.

ONU convida brasileiros a participar de pesquisa online sobre o futuro que queremos

A Organização das Nações Unidas (ONU) completa 75 anos em 2020 e, para marcar o aniversário, está realizando uma conversa global sobre o papel da cooperação internacional na construção do futuro que queremos. Além de diálogos presenciais em todos os cantos do planeta — chamados Diálogos UN75 —, há uma pesquisa online, de um minuto, disponível em português.

As respostas ajudarão a melhorar a gestão internacional dos temas globais que exigem uma cooperação entre fronteiras, setores e gerações, necessária para termos um mundo mais seguro, justo e sustentável para todas e todos.