No aquário do Rio, ONU Meio Ambiente participa de ação pela redução do consumo de plásticos. Foto: UNIC Rio/Brenno Felix

No aquário do Rio, ONU Meio Ambiente participa de ação pela redução do consumo de plásticos

Na última quarta-feira (6), no AquaRio, no Rio de Janeiro, foram anunciados os resultados do Desafio Mares Limpos 2017 com os Escoteiros do Brasil, em que mais de 3 mil escoteiros receberam insígnias da campanha da ONU Meio Ambiente #MaresLimpos por terem reduzido seu consumo de plásticos descartáveis.

Também foram anunciadas as medidas de redução do plástico descartável nas operações do Grupo Cataratas nos parques nacionais da Tijuca (RJ), Foz do Iguaçu (PR) e Fernando de Noronha (PE).

Foto: Brenno Felix/UNIC Rio

Primeira educadora brasileira com síndrome de Down é homenageada no Rio de Janeiro

Seguindo o Objetivo número dez da Agenda 2030 da ONU – que trata da redução das desigualdades em todo o mundo –, uma cerimônia no Rio de Janeiro destacou a importância da inclusão social. Débora Seabra, primeira educadora do Brasil com síndrome de Down, foi homenageada com a Medalha Tiradentes.

Confira o vídeo exclusivo produzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Secretário-geral da ONU, António Guterres (ao centro), fala à Assembleia Geral em discurso sobre o reposicionamento do sistema de desenvolvimento da ONU. À sua esquerda, a vice-secretária-geral, Amina Mohammed, e à sua direita, o presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajčák. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Países apoiam reforma ‘ambiciosa e abrangente’ do sistema de desenvolvimento da ONU

A Assembleia Geral das Nações Unidas apoiou um novo plano para tornar o desenvolvimento sustentável uma realidade. A estratégia foi descrita pelo secretário-geral da organização, António Guterres, como “a mais ambiciosa e abrangente transformação do sistema de desenvolvimento da ONU em décadas”.

Guterres afirmou que o pacote de reformas abre caminho para uma nova era de “soberania nacional” em relação ao desenvolvimento, em um processo apoiado por todo o Sistema ONU.

No início de maio (3), líderes comunitários e representantes de associações dos morros da Babilônia e do Chapéu Mangueira reuniram-se com funcionários das Nações Unidas. Foto: UNIC Rio

Oficiais da ONU reúnem-se com líderes comunitários no Rio para discutir desenvolvimento sustentável

No início de maio (3), líderes comunitários e representantes de associações dos morros da Babilônia e do Chapéu Mangueira — situados no bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro — organizaram um encontro para promover o desenvolvimento sustentável nas próprias comunidades no marco da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) Maurizio Giuliano, e Lorenzo Casagrande, do Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro Rio+), participaram do encontro, que também teve a presença do cônsul-geral da Bélgica, Jean-Paul Charlier.

Carla Daniel na sede da UNIFIL, no sul do Líbano. Foto: Acervo Pessoal

Capitão é 1ª militar brasileira a trabalhar no Departamento de Operações de Paz da ONU

Primeira e única mulher brasileira a concluir uma missão de paz da ONU a bordo de um navio, a capitão de fragata Carla Daniel, de 51 anos, acostumou-se a vanguardismos. Desde dezembro do ano passado, ela também é a primeira militar brasileira a trabalhar no Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas (DPKO), em Nova Iorque.

Carla atua no Escritório de Assuntos Militares (OMA, na sigla em inglês), que faz parte do Serviço de Operações Militares em Andamento (CMOS), como oficial de assuntos de missões de paz. Ela faz o elo entre a missão, no caso a Força Interina de Segurança das Nações Unidas para Abyei (UNISFA), a ONU e o país que contribui com militares para essa operação, a Etiópia. Leia a entrevista concedida ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Capoeira, 1835. Desenho de Johann Moritz Rugendas

ESPECIAL: Entre o Brasil e a África houve uma troca forte e poderosa, diz Alberto da Costa e Silva

Durante mais de 350 anos de tráfico transatlântico, o Brasil recebeu cerca de 5 milhões de africanos escravizados.

Entre os séculos 16 e 19, este brutal comércio fez prisioneiros de diferentes partes da África. Cerca de 12 milhões de pessoas foram retiradas de seus lares e, nesta travessia, mais de 2 milhões de africanos perderam suas vidas.

O Brasil foi o maior receptor desse fluxo forçado, o que deu ao país o título de segunda maior população negra do mundo, atrás apenas da Nigéria, na África.

Neste especial sobre o Dia da África, criado em 25 de maio de 1963 e marcado anualmente pela comunidade internacional, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) entrevista Alberto da Costa e Silva – ex-embaixador em países africanos e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) – sobre a importância do continente africano para a formação do Brasil e sobre o cruel tráfico transatlântico.

Confira o vídeo especial.

Debate na sede da ONU, em Nova Iorque, lembrou contribuições das mulheres do Sul Global para o debate sobre igualdade de gênero dentro da Organização. Foto: ONU/Manuel Elias

Evento em NY lembra importância das diplomatas do Sul Global na criação da ONU

As diplomatas do Sul Global, entre elas a brasileira Bertha Lutz, tiveram papel essencial nas Nações Unidas desde sua concepção, em 1945, inclusive nas negociações do primeiro acordo internacional a mencionar a igualdade de gênero como direito humano fundamental: a Carta da ONU.

De acordo com estudos acadêmicos recentes, as delegadas mulheres dos países em desenvolvimento tiveram papel significativo em garantir que a Carta fizesse menção à igualdade de gênero. Elas eram apenas quatro dos 850 delegados que assinaram o documento histórico que criou as Nações Unidas na Conferência de San Francisco 73 anos atrás.

Evento na sede da ONU em Nova Iorque na terça-feira (22) lembrou o legado dessas diplomatas, com a presença das pesquisadoras Elise Dietrichson e Fatima Sator, da Escola de Estudos Orientais e Africanos (SOAS, na sigla em inglês), da Universidade de Londres.

Jovens grafiteiros do DF criam um painel com o tema Juventude Negra e a Paz, em comemoração ao Dia Internacional da Juventude, nos muros do Complexo Sergio Vieira de Mello, na Casa da ONU. Foto: EBC/José Cruz

Brasil sobe duas posições e passa a ter 7ª maior taxa de homicídios das Américas, diz OMS

O Brasil subiu duas posições entre 2015 e 2016 e passou a ter a sétima maior taxa de homicídio da região das Américas, com um indicador de 31,3 mortes para cada 100 mil habitantes, de acordo com relatório publicado nesta sexta-feira (18) pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo a publicação “World Statistics 2018”, que apresenta as mais recentes estatísticas mundiais de saúde, o país das Américas com maiores índices de homicídios é Honduras, com uma taxa de 55,5 mortes para cada 100 mil habitantes. Em seguida está a Venezuela (49,2), que passou a ficar na segunda posição do ranking, antes ocupada por El Salvador (46), atualmente em terceiro lugar.

Estudantes de Ensino Médio e Ensino Superior de vários estados do Brasil participaram no início de maio de 2018 do Grupo de Trabalho de Modelos das Nações Unidas, organizado pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio). O encontro aconteceu na sede do UNIC Rio, no Palácio Itamaraty, no Rio de Janeiro. Foto: UNIC Rio/Thiago Peniche

Centro de Informação da ONU realiza reunião de trabalho sobre Modelos das Nações Unidas

Estudantes de Ensino Médio e Ensino Superior de vários estados do Brasil participaram na última sexta-feira (4) do Grupo de Trabalho de Modelos das Nações Unidas, organizado pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Foram selecionados 20 estudantes com experiência em Modelos ou Simulados da ONU e seus manuais para revisar e adaptar o material de apoio do treinamento UN4MUN, elaborado pelo Departamento de Informação Pública da ONU e traduzido para o português pelo UNIC Rio, levando em conta a realidade dos modelos e simulados brasileiros.

Rafaela Silva, judoca brasileira, campeã olímpica e mundial. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Judoca Rafaela Silva critica racismo em abordagem policial

“Desce! Desce!”. Foi com essas palavras e com arma em punho que um policial abordou a judoca Rafaela Silva.

Em fevereiro desse ano, a atleta foi parada por agentes de segurança quando estava num táxi indo do aeroporto Tom Jobim para Jacarepaguá, bairro onde mora, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Em entrevista à ONU, a campeã olímpica lembra o ocorrido e questiona: se fosse uma pessoa de cor diferente, o tratamento não seria o mesmo. Confira a entrevista na íntegra no vídeo abaixo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, transformou o combate ao abuso e à exploração sexual na Organização uma prioridade. Foto: ONU/Evan Schneider

ONU recebeu 54 acusações de abuso sexual contra funcionários no 1º trimestre

Mais de 50 acusações de abuso e exploração sexual envolvendo pessoal servindo às Nações Unidas e seus parceiros em campo foram recebidas nos primeiros três meses deste ano, disse a Organização na terça-feira (1), em sua sede em Nova Iorque.

As acusações não foram totalmente verificadas e muitas estão na fase preliminar de análise. Elas envolvem 66 vítimas, incluindo 13 meninas menores de 18 anos, e 16 vítimas de idade desconhecida.

O fomento à inovação faz parte dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: iHub/PNUD

Pesquisadoras lembram Dia Mundial da Propriedade Intelectual em evento no Rio

O Dia Mundial da Propriedade Intelectual foi lembrado no último dia 26 de abril com uma mesa-redonda no Rio de Janeiro que discutiu o papel das mulheres na inovação e na criatividade.

O evento, promovido pelo Escritório Regional da Organização Mundial da Propriedade Intelectual no Brasil (OMPI) e pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), foi realizado no auditório do INPI, no centro do Rio de Janeiro.

O evento do Repórteres sem Fronteiras (RSF) teve a presença do diretor do UNIC Rio, Maurizio, Giuliano. Foto: UNIC Rio/ Luise Martins

Repórteres sem Fronteiras alerta para aumento do ódio ao jornalismo

O mundo passa por um momento de crescimento do ódio ao jornalismo e aos jornalistas, o que ameaça as democracias, diz a edição 2018 do Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa. Os dados foram divulgados no fim de abril (25) pela organização Repórteres sem Fronteiras (RSF), em sete eventos simultâneos pelo mundo, incluindo um na sede do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), na capital fluminense.

Encontro também foi oportunidade para conhecer oportunidades de voluntariado. Foto: UNIC Rio/Luise Martins

No Rio, Dia das Boas Ações estimula a prática do voluntariado

Comemorado em mais de 90 países, o Dia das Boas Ações foi lembrado neste ano em 15 de abril.

No Rio de Janeiro, a data reuniu centenas de pessoas na Quinta da Boa Vista, zona norte da cidade, para atividades culturais e sociais como oficinas, adoção de animais e debates sobre temas como sustentabilidade, acessibilidade e gênero.

Evento teve a participação do Programa de Voluntários das Nações Unidas, que defendeu o voluntariado como ferramenta para a promoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Edson Kayapó na aldeia Jaqueira. Foto: Ibui Pataxó

‘Índio, nome dado pelos europeus, não representa nossa diversidade’, diz historiador Edson Kayapó

A militância e o trabalho de escritores, educadores e artistas indígenas têm sido fundamentais para combater o preconceito e o desconhecimento da sociedade brasileira sobre esses povos, cuja história foi contada principalmente sob o ponto de vista de não indígenas.

No momento em que ocorre na sede da ONU, em Nova Iorque, a 17ª Sessão do Fórum Permanente sobre Assuntos Indígenas, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) entrevistou quatro intelectuais de diferentes etnias indígenas brasileiras sobre formas de garantir direitos e valorizar a cultura e os conhecimentos dessas populações.

A cabeleireira Claudia Fernandes (direita) lembrou a importância de haver informações e produtos de beleza para a população negra, principalmente para crianças e jovens. Foto: UNIC Rio/Ana Rosa Alves

Uso do cabelo afro é ato político, dizem blogueiras e especialistas em beleza

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) conversou com blogueiras, empresárias e cabeleireiras sobre como a aceitação do cabelo afro pode influenciar na construção de autoestima e da identidade negra.

Em julho de 2017, uma pesquisa realizada pelo Google BrandLab mostrou que, pela primeira vez no Brasil, houve maior número de buscas no Google por cabelos cacheados em comparação a lisos. Os dados mostraram um crescimento de 232% na busca por cabelos cacheados entre 2016 e 2017 e um crescimento de 309% por cabelos afro.

Damião Braga alertou que quilombolas ainda não têm direito à terra plenamente efetivado. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

No Rio, pesquisadores apontam que herança da violência colonial contra os negros continua até hoje

Em cine-debate da ONU que reuniu mais de 60 pessoas no Centro Cultural da Justiça Federal, no Rio de Janeiro, pesquisadores e ativistas discutiram na terça-feira (10) o legado da diáspora africana no Brasil.

Do século 16 ao 19, o país recebeu cerca de 5 milhões de pessoas da África, trazidas como escravos. Entre os descendentes dessa migração forçada, estão os quilombolas, que até hoje lutam pelo direito à terra para preservar modos de vida tradicionais.

Evento foi organizado pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Abdias Nascimento na Câmara durante pronunciamento, convenção nacional do PDT. Tribuna da Câmara dos Deputados, 1982. Foto: Acervo Abdias Nascimento/IPEAFRO

Há 40 anos, livro de Abdias Nascimento denunciava violência contra população negra do Brasil

Quarenta anos depois, o livro de Abdias Nascimento – uma obra de referência no debate étnico-racial – é relançado para denunciar a violência contra a população negra no Brasil.

Falecido em 2011, aos 97 anos, Abdias deixou um legado de luta contra o racismo na literatura, na política e em muitos aspectos da sociedade brasileira. O ativista – que viveu exilado entre 68 e 81, durante a ditadura militar – foi senador, deputado, escultor, ator e fundador do Teatro Experimental do Negro.

Confira nesse vídeo especial do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Foto: ONU/Evan Schneider

ONU convida organizações não governamentais para diálogo de jovens em Nova York

O presidente da Assembleia Geral está convocando um Diálogo de Jovens para o próximo dia 30 de maio, na sede das Nações Unidas em Nova York, com o objetivo de discutir educação, emprego e prevenção da radicalização que leva ao extremismo violento. Representantes de organizações não governamentais podem se candidatar como oradores ou observadores, com prazos respectivamente em 20 de abril e 6 de maio; saiba como participar.

Foto: Associação Jadir de Taekwondo

Projeto comunitário de taekwondo promove inclusão pelo esporte

No Rio de Janeiro, uma iniciativa de taekwondo já ajudou quase 6 mil crianças e adolescentes em 18 anos de atividade. O projeto dialoga com os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Por meio da arte marcial coreana, a Associação Jadir de Taekwondo busca melhorar a qualidade de vida dos seus alunos, proporcionando acesso gratuito ao esporte, incentivando a cultura e oferecendo oportunidades de educação.

Confira neste vídeo produzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Projeto Ciclo Orgânico já reciclou 260 toneladas de resíduos orgânicos em dois anos no Rio de Janeiro. Foto: UNIC Rio/Brenno Felix

Projeto já reciclou 260 toneladas de resíduos orgânicos em dois anos no Rio; vídeo

Ao perceber que muitas pessoas se incomodavam com o resíduo orgânico e buscavam uma solução para dar o destino correto na hora do descarte, idealizador do ‘Ciclo Orgânico’ começou a oferecer o serviço de coleta e compostagem desse material.

Só na cidade do Rio de Janeiro, o orgânico representa pouco mais da metade de todos os resíduos produzidos. Iniciativa amplia ação em prol de um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, mais especificamente o que busca assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.

Confira nesse vídeo especial do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Os dez anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas são o mote do documentário “Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça”. Foto: UNIC Rio/Natalia da Luz

ONU Brasil lança documentário ‘Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça’

Os dez anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas são o mote do documentário “Mulheres Indígenas: Vozes por Direitos e Justiça”, lançado pela ONU Brasil nesta quinta-feira (29), em Brasília (DF). O vídeo recupera alguns momentos do diálogo entre as mulheres indígenas e as Nações Unidas em torno de sua articulação pelos direitos humanos e em defesa de seus povos e territórios, no Brasil e no exterior.

Mulheres indígenas brasileiras têm sido decisivas para avanço dos espaços de discussão política sobre direitos humanos desses povos. Foto ONU Mulheres/Bruno Spada

Mulheres indígenas de Brasil e Canadá discutem direitos e participação política em Brasília

Os direitos humanos das mulheres indígenas é tema de atividades que reunirão ativistas, representantes das Nações Unidas e parceiros a partir desta terça-feira (27) em Brasília (DF). Um dos pontos altos da programação é a troca de experiências entre 24 indígenas brasileiras e duas canadenses, vinculadas à organização não governamental NWAC – Native Women’s Association of Canada, na quarta e quinta-feira (28 e 29).

O encontro é resultado de parceria entre ONU Brasil e governo do Canadá com o objetivo para ampliar a articulação política e a colaboração entre mulheres indígenas dos dois países.

Lisiane Kaastrup é especialista de soluções da Microsoft e membro do Conselho Consultivo do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Foto: Acervo Pessoal

Profissionais negras demandam mais políticas afirmativas no mercado corporativo brasileiro

As empresas brasileiras e multinacionais com atuação no Brasil começaram a discutir o tema da diversidade de forma mais intensa nos últimos anos, mas falta adotarem políticas e métricas efetivas para aumentar a participação de profissionais negros, ainda extremamente baixa, especialmente nos cargos de liderança. A situação das mulheres negras é ainda mais preocupante.

A avaliação é de quatro profissionais negras e um negro ouvidos pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), segundo os quais o racismo permanece no mercado corporativo brasileiro, onde menos de 5% dos executivos são afrodescendentes, segundo dados do Instituto Ethos. Quando se fala de mulher negra, o percentual é de apenas 0,4%.

O comércio transatlântico de escravos “epicamente vergonhoso” foi o maior movimento forçado e legalmente sancionado de pessoas na história da humanidade. Mais de 15 milhões de homens, mulheres e crianças da África foram escravizados. A lembrança é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em mensagem para o Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos – 25 de março.

Comércio transatlântico de escravos nos alerta para perigos do racismo, diz chefe da ONU

O comércio transatlântico de escravos “epicamente vergonhoso” foi o maior movimento forçado e legalmente sancionado de pessoas na história da humanidade. Mais de 15 milhões de homens, mulheres e crianças da África foram escravizados.

A lembrança é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em mensagem para o Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos – 25 de março.