Evento em Governador Valadares (MG) abordou saúde da população de gays, lésbicas, bissexuais, pessoas trans e intersexo. Foto: Divulgação/Maria Clara Leite

Congresso em Minas Gerais aborda saúde da população LGBTI

Em Governador Valadares (MG), mais de 150 pessoas participaram no último final de semana de debates sobre políticas de saúde para pessoas LGBTI e prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Com o apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o I Congresso de Gênero e Sexualidade do Leste Mineiro: corpos, sujeitos e políticas também discutiu violência doméstica e sexual e o conceito de família para além do gênero.

Adolescentes participam de oficina de informática na Fundação Casa, em São Paulo. Foto: Fundação Casa

Estudo afirma que semiliberdade é subutilizada no sistema socioeducativo brasileiro

Pesquisa sobre o sistema socioeducativo do país realizada em cooperação com agências das Nações Unidas concluiu em sua fase preliminar divulgada na semana passada (9) que a semiliberdade é subutilizada no Brasil, especialmente nas unidades femininas para adolescentes que cometeram atos infracionais.

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), na semiliberdade, utilizada em casos de atos infracionais de menor gravidade, o adolescente tem a possibilidade de realizar atividades externas, sendo obrigatórias a escolarização e a profissionalização. O jovem poderá permanecer com a família aos finais de semana, desde que autorizado pela coordenação da Unidade de Semiliberdade.

Saleh, de 4 meses, é admitido no principal centro de saúde de Hodeida em abril de 2017, junto com sua mãe, Nora. Cerca de 500 mil crianças e 2 milhões de mães no Iêmen estão sob risco de morrer devido à desnutrição severa provocada pelo conflito no país. Foto: OCHA/Giles Clarke

ONU: fome no Iêmen pode colocar a vida de até 2 milhões de mães em risco

As dificuldades de acesso a alimentos no Iêmen e outras privações provocadas pelo conflito podem levar ao pior caso de fome da história e colocar em risco a vida de até 2 milhões de grávidas e lactantes, informou na quinta-feira (1) a agência de saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas, o UNFPA.

A crise humanitária no Iêmen é uma das piores no mundo, com três quartos da população necessitando de algum tipo de assistência e proteção, de acordo com o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Aula de defesa pessoal faz parte de projeto da ONU e instituições de Roraima para abordar o respeito à diversidade de gênero e orientação sexual. Iniciativa é voltada para venezuelanas e venezuelanos LGBTI. Foto: UNFPA Brasil/Yareidy Perdomo

Em Roraima, ONU apoia aulas de defesa pessoal para mulheres e indivíduos LGBTI da Venezuela

Em Boa Vista (RR), agências das Nações Unidas e instituições locais oferecem aulas gratuitas de defesa pessoal para mulheres e pessoas LGBTI que deixaram a Venezuela. Projeto visa diminuir os riscos de violência de gênero ou motivada por questões de orientação sexual. Com encontros semanais previstos até 15 de dezembro, o programa também promove diálogos sobre temas de saúde e desigualdades entre homens e mulheres.

O evento teve apoio do UNFPA de diversos países da América Latina, da academia, agentes sociais, e organizações internacionais. Foto: UNFPA

Fundo de População da ONU discute políticas públicas e dados sociodemográficos

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participou na semana passada (23 a 26) de evento na cidade de Puebla, no México, sobre população, desenvolvimento sustentável, políticas públicas e avanços nos dados sociodemográficos.

O encontro, que acontece a cada dois anos, discutiu as relações entre população e temas como desenvolvimento territorial, educação e saúde. O evento teve apoio do UNFPA de diversos países da América Latina, da academia, de agentes sociais e organizações internacionais.

Um centro de recepção e documentação inaugurado pelo governo federal com apoio do Sistema ONU Brasil na cidade de Pacaraima está há um mês identificando e emitindo documentos para pessoas vindas da Venezuela. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

ESPECIAL: ONU Brasil apoia governo federal na recepção de refugiados e migrantes venezuelanos

A crise na Venezuela tem gerado um forte aumento no fluxo de entrada de venezuelanos no Brasil. Eles deixam o país por razões como insegurança e perda de renda devido à crise econômica. Desde 2015, mais de 85 mil venezuelanas e venezuelanos procuraram a Polícia Federal para solicitar refúgio ou residência.

As agências da ONU no Brasil têm apoiado os governos municipal, estadual e federal no recebimento dos venezuelanos tanto por meio do ordenamento de fronteira, abrigamento, atendimento de saúde e processo de interiorização.

Confira neste documentário especial produzido pela ONU Brasil.

Painelistas da mesa da abertura do seminário ibero-americano, realizado no auditório do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (CREA-SP). Foto: ASCOM/ESMPU

Encontro em SP reforça necessidade de acolhida humanitária de venezuelanos

A necessidade de abrigar, acolher e proteger refugiadas e migrantes vindos da Venezuela foi o principal tema debatido na abertura do Seminário Ibero-Americano “Proteção aos direitos de Venezuelanas e Venezuelanos – Por uma acolhida humanitária na América Latina”, que aconteceu esta semana (23 e 24), em São Paulo.

O evento reuniu representantes de defensorias de oito países (Colômbia, Chile, Equador, Espanha, Bolívia, Argentina, Peru e México), agências internacionais — como a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) —, organizações nacionais e da sociedade civil.

ONU Brasil reuniu cerca de 120 pessoas em Brasília (DF) na sexta-feira (19) para o 3º Simulado do Conselho de Direitos Humanos. Foto: UNFPA

ONU reúne 120 pessoas em Brasília para simulado sobre Conselho de Direitos Humanos

No ano de comemoração dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos 20 anos da Declaração sobre Defensores de Direitos Humanos, a ONU Brasil reuniu cerca de 120 pessoas em Brasília (DF) na sexta-feira (19) para o 3º Simulado do Conselho de Direitos Humanos. O evento aconteceu na sede da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) e teve participação de estudantes de graduação, docentes e representantes de organizações da sociedade civil.

Quem chega no novo abrigo de Boa Vista para venezuelanos gerido pelo ACNUR Brasil e Exército Brasileiro recebe itens de higiene, alimentos e um novo teto, ainda que temporário. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Agências da ONU lançam edital para campanha contra xenofobia em Roraima e Amazonas

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) lançaram na quarta-feira (24) edital para a contratação de empresa para desenvolver materiais promocionais e de comunicação para campanha de combate à xenofobia em Roraima e no Amazonas contra migrantes e solicitantes de refúgio vindos da Venezuela. As propostas devem ser enviadas até 31 de outubro.

Exibição demonstrativa de ações do projeto Galera Curtição, de Viamão (RS). Foto: UNAIDS

Fundo de População da ONU vê potencial global em iniciativa gaúcha para prevenir HIV

Em visita a Viamão (RS), o especialista do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) Caio Oliveira conheceu o “Galera Curtição”, uma iniciativa implementada em escolas municipais e estaduais para prevenir o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

Projeto tem a juventude como público-alvo. Por meio de jogos e oficinas, o programa também aborda temas como consumo de álcool e outras drogas, gênero, diversidade sexual, bullying e preconceitos relacionados a raça, cor e etnia.

Dados mundiais do UNAIDS mostram que em 2016, 10,4 milhões de pessoas desenvolveram a tuberculose, e 374 mil pessoas vivendo com HIV morreram devido à infecção, sendo essa a principal causa de morte entre pessoas vivendo com HIV no mundo. Foto: UNAIDS

Grupo de trabalho sobre HIV/AIDS realiza última reunião do ano em Brasília

O Grupo Temático Ampliado das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (GT UNAIDS) fez sua terceira e última reunião de 2018 no último dia 18 de outubro, na sede das Nações Unidas em Brasília.

O encontro reuniu cerca de 30 representantes de governo, embaixadas, organismos da ONU e organizações da sociedade civil formadas por pessoas vivendo com HIV. O tema central de discussão foi HIV e Tuberculose (TB), em referência à Primeira Reunião de Alto Nível das Nações Unidas sobre Tuberculose e a Declaração Política Unidos para acabar com a tuberculose: uma resposta global urgente para uma epidemia global.

Ahmed e Rasha passam o dia em um parque no Cairo, Egito, com seus dois filhos, Mohamed e Raghad. Ahmed e Rasha escolheram não ter mais filhos porque querem garantir que Mohamed e Raghad tenham uma boa vida e boa educação. Foto: UNFPA/Roger Anis

Mundo terá 2,2 bilhões de pessoas a mais até 2050, indica ONU

A população mundial deve crescer em mais de 2,2 bilhões de pessoas até 2050, informou a ONU na quarta-feira (17), e mais da metade deste crescimento (1,3 bilhão) deve acontecer na África subsaariana, onde direitos das mulheres são frequentemente violados por acesso limitado à saúde e à educação, além de uma discriminação de gênero estrutural.

De acordo com o relatório, priorizar a qualidade de cuidados de saúde materna é essencial. O documento também destaca a necessidade de acesso a contraceptivos modernos, melhor educação sexual e dá ênfase à necessidade de mudar visões estereotipadas que homens têm das mulheres.

O grupo de organizações de saúde concordou em desenvolver novas formas de trabalhar em conjunto para maximizar recursos e medir o progresso de uma forma mais transparente. Foto: World Health Summit

Onze organizações firmam compromisso para alcançar metas globais de saúde até 2030

Onze chefes das principais organizações de saúde e desenvolvimento do mundo assinaram na sexta-feira (12) o compromisso de encontrar novas maneiras de trabalhar em conjunto para acelerar o progresso para alcançar as metas relacionadas ao tema na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Coordenada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a iniciativa une o trabalho de 11 organizações, entre elas Fundo Global de Combate à AIDS, Tuberculose e Malária, Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), ONU Mulheres e Banco Mundial.

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) se comprometeu a aderir ao plano nos próximos meses.

Natalia Kanem, diretora-executiva do UNFPA, durante a sessão presidencial do Congresso Mundial da FIGO. Foto: UNFPA Brasil/Erick Dau

Subsecretária-geral da ONU defende educação sobre sexualidade para empoderar os jovens

Garantir os direitos e a saúde sexual e reprodutiva de meninas e mulheres deve estar entre as prioridades dos países e ser um foco de ação conjunta entre governos, sociedade civil e iniciativa privada.

Esta foi uma das principais demandas apresentadas pela diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e subsecretária-geral da ONU, Natalia Kanem, durante o Congresso Mundial da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO), realizado nesta semana, no Rio de Janeiro.

Neste ano, relatório traz a história de quatro mulheres brasileiras, com diferentes acessos a informação e métodos contraceptivos. Foto: UNFPA/Debora Klempous

Liberdade de escolha sobre ter filhos ou não afeta desenvolvimento dos países, diz relatório do UNFPA

As tendências globais apontam que, quando as pessoas conseguem exercer seus direitos sexuais e reprodutivos, elas optam por famílias menores. A falta de escolha impacta enormemente nas taxas de fecundidade, geralmente tornando as famílias muito maiores ou muito menores do que a maioria das pessoas desejaria.

É o que aponta o relatório Situação da População Mundial, publicado nesta quarta (17) pelo UNFPA, a agência de saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas.

Meninas participaram de encontro de gestores e especialistas sobre igualdade de gênero entre os jovens. Foto: UNFPA

Fundo de População da ONU discute direitos e saúde das meninas

Em Brasília, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, do Ministério dos Direitos Humanos, realizaram neste mês (11) uma reunião sobre igualdade de gênero entre os jovens. Atividade marcou o Dia Internacional das Meninas, lembrado na mesma data pela ONU. Discussões tiveram a participação de adolescentes que integram o movimento “Meninas Ocupam’.

Refugiados participam de Feirão do Emprego em São Paulo. Foto: Governo de São Paulo (Arquivo)

Oficinas em SP capacitam profissionais envolvidos no acolhimento de refugiados e migrantes no Brasil

A Escola Superior do Ministério Púbico da União (ESMPU) recebe até 19 de outubro inscrições para oficinas em São Paulo com o objetivo de capacitar atores envolvidos em acolhimento, integração e interiorização de refugiados e migrantes no Brasil.

As oficinas, que ocorrem de 25 a 27 de outubro, são gratuitas e abertas ao público externo.

A ação é promovida por rede da qual fazem parte Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Articulação Nacional de Negras Jovens Feministas (ANJF) realizaram reunião de articulação no início de outubro (6) em Ceilândia (DF). Foto: ANJF

Fundo de População da ONU apoia evento de jovens negras feministas no DF

Mulheres jovens negras da região Centro-Oeste e participantes da Articulação Nacional de Negras Jovens Feministas (ANJF) realizaram reunião de articulação no início do mês (6), em Ceilândia (DF). A atividade é parte do projeto “Ampliando Capacidades para a Defesa dos Direitos Humanos, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos de Adolescentes, Jovens e Mulheres Negras” e foi apoiada pelo Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA).

O objetivo foi promover a troca de saberes entre as jovens, além de dialogar sobre temas relacionados a governança, participação política juvenil, direitos humanos, direitos sexuais e direitos reprodutivos com vistas à promoção da igualdade racial e de gênero.

Homem caminha em frente a carro preso no teto de uma casa após o terremoto seguido de tsunami em Palu, na Indonésia. Foto: UNICEF/Arimacs

ONU apoia Indonésia após terremoto seguido de tsunami; número de mortos sobe para 2 mil

Subiu para 2010 o número de mortos pelo terremoto seguido de tsunamis e deslizamentos de terra que devastaram a ilha de Sulawedi, na Indonésia, em 28 de setembro, anunciaram agências da ONU na terça-feira (9).

Cerca de 10.700 pessoas ficaram gravemente feridas e pelo menos 700 continuam desaparecidas.

As agências da ONU estão no local para fornecer assistência ao governo e oferecer abrigo, comida, água potável, entre outros meios de subsistência, tendo como alvo 191 mil pessoas em situação de vulnerabilidade.

Menina em Mogadíscio, na Somália. Foto: ONU/Tobin Jones

Estereótipos e discriminação impedem meninas de realizar seu potencial, diz ONU em dia mundial

Discriminação sistemática, falta de oportunidades de aprendizado e estereótipos sobre o que os meninas devem fazer com seu futuro e sua carreira são algumas das barreiras que impedem as jovens mulheres de alcançar uma vida plena.

A avaliação é do secretário-geral da ONU, António Guterres, que pediu o fim das desigualdades de gênero nesta quinta-feira (11), Dia Internacional das Meninas.

Também por ocasião da data, a chefe do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem, alertou que “o casamento infantil e a gravidez na adolescência forçam milhões de meninas a abandonar a escola”.

Testatem de HIV. Foto: Marcelo Camargo/ABr

Violência contra mulheres impede acesso a serviços de HIV, diz ativista

Em encontro latino-americano de mulheres com HIV, realizado nesta semana em São Paulo, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) defendeu que políticas de direitos sexuais são ferramentas importantes para lidar com a epidemia.

“Sabemos que é possível controlar o HIV/Aids com medicamentos, mas o remédio não controla a violência e o machismo que vivenciamos todos os dias”, alertou a ativista boliviana Violeta Ross durante o evento.

Reunião técnica sobre igualdade de gênero e empoderamento de meninas acontece em Brasília. Foto: UNFPA Brasil/Erick Dau

Fundo de População da ONU apoia reunião sobre igualdade de gênero em Brasília

No Dia Internacional da Menina, lembrado em 11 de outubro, a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério dos Direitos Humanos (SNDCA/MDH), em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), promove uma reunião técnica em Brasília (DF) sobre igualdade de gênero e empoderamento de meninas. O debate fomenta o enfrentamento à discriminação e à violência baseada em gênero, e o empoderamento das meninas como protagonistas de suas vidas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada três mulheres sofre violência ao longo da vida, muitas durante a adolescência. Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) demonstram que, independentemente do contexto social ou geográfico, até 60% dos ataques sexuais conhecidos em uma família são cometidos contra meninas de 15 anos ou menos.

Conferência do Cairo sobre População e Desenvolvimento, em 1994. Foto: ONU

Fundo de População da ONU lembra 25 anos de conferência sobre saúde sexual e reprodutiva

Em debate durante o XXI Encontro de Estudos Populacionais, em Poços de Caldas (MG), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) lembrou os quase 25 anos da Conferência do Cairo, encontro que estabeleceu em 1994 um marco internacional para questões de demografia, saúde sexual e reprodutiva. O organismo da ONU chamou atenção para o protagonismo do Brasil na época, que defendeu pautas progressistas na capital egípcia.

Membros da Rede de Juventude Indígena participaram no fim de setembro (de 26 a 29) da reunião no Mato Grosso do Sul. Foto: REJUIND/Jorge Perez

Rede de jovens indígenas reúne-se no MS para discutir plano de comunicação

Membros da Rede de Juventude Indígena participaram no fim de setembro (de 26 a 29) da reunião “REJUIND 10 anos: protagonismo e fortalecimento institucional para prosseguir – Aprimorar a comunicação institucional para os 10 anos da Rede”. A iniciativa, apoiada pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), aconteceu na Aldeia Buriti, onde reside o povo Terena, no Mato Grosso do Sul.

Segundo o jornalista Erisvan Bone Guajajara, um dos participantes do evento, a REJUIND é uma ferramenta de aproximação da juventude indígena e potencializa suas capacidades. “Agradeço às lideranças por poder dialogar com a juventude Terena da Aldeia Tereré, e poder compartilhar da conjuntura atual. É importante a participação da juventude no processo de transformação da sociedade brasileira”, disse.

O evento foi uma parceria entre o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o SESC SP e a Revista Marie Claire. Foto: UNFPA Brasil/Laís Aranha

Conversa sobre direitos, saúde sexual e reprodutiva reúne 100 adolescentes em SP

Mais de 100 adolescentes e jovens participaram na quarta-feira (26) de debate sobre saúde sexual e reprodutiva em São Paulo.

A atividade, fruto da campanha “Ela Decide Seu Presente e Seu Futuro” e da Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil, foi uma parceria entre o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o SESC SP e a Revista Marie Claire.

A ação aconteceu no data marcada como Dia Mundial de Prevenção da Gravidez na Adolescência.

Foto: MDS/Rafael Zart

Mais 122 venezuelanos são transferidos nesta quinta-feira para SP e RS

A estratégia de interiorização alcança hoje um total de 2.328 venezuelanos migrados para outros estados da federação. Cento e vinte e duas pessoas foram transferidas nesta quinta-feira (27) em voos para o Rio Grande do Sul (40 venezuelanos para a cidade de Cachoeirinha e 52 para a cidade de Chapada) e para São Paulo (30 venezuelanos).

A interiorização busca ajudar os solicitantes de refúgio e de residência a encontrar melhores condições de vida em outros estados brasileiros. Todos aceitam, voluntariamente, participar do programa e são vacinados, submetidos a exame de saúde e regularizados no Brasil — inclusive com CPF e carteira de trabalho.

A iniciativa conta com apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Oficina de lambes “Direitos Sexuais e Reprodutivos e Intervenção Urbana” foi uma das atividades da conferência internacional. Foto: UNFPA Brasil/Débora Klempous

UNFPA chama atenção para saúde sexual e reprodutiva de migrantes e refugiadas LGBTI

Conexões, troca de experiências, empatia, resiliência e sororidade. Essas foram as palavras que guiaram as atividades promovidas pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) durante a 4ª Conferência Internacional SSEX BBOX – Sexualidade Fora da Caixa, realizadas em São Paulo na sexta-feira (21).

A roda de conversa foi promovida pelo UNFPA e pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), com apoio do Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH), no âmbito da Livres & Iguais – a campanha das Nações Unidas pela igualdade de direitos da população LGBTI.

Oficina "Chega Mais" reuniu profissionais da saúde para troca de experiências e debates sobre casos e situações de atendimento a adolescentes no sistema de saúde. Foto: UNFPA Brasil

UNFPA promove oficina com profissionais de serviços de saúde selecionados para selo de qualidade

O Fundo de População da ONU (UNFPA) reuniu em Brasília (DF) na semana passada (20 e 21) representantes de serviços de saúde classificados para a segunda etapa do selo de qualidade “Chega Mais”.

O selo avalia se os serviços em saúde reconhecem a saúde sexual e reprodutiva como parte integral dos direitos humanos, como elemento fundamental para usufruir de outros direitos fundamentais.

A oficina reuniu cerca de 40 pessoas em um debate coletivo sobre casos reais de adolescentes que buscam os serviços de saúde. A discussão girou em torno de como os profissionais podem lidar com esses cenários, levando em consideração os critérios de avaliação do selo.