UNFPA entrega 800 kits e cestas básicas para mulheres vítimas de violência em Salvador

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Prefeitura de Salvador, começou a entregar, nesta terça-feira (04), 800 kits de higiene e cestas básicas a mulheres vítimas de violência doméstica e familiar que estão sob proteção e abrigamento na Bahia.

Os Kits Dignidade, como são chamados, contêm artigos como sabonete, álcool em gel e máscaras de tecido confeccionadas por artesãs do coletivo de costureiras Rede de Economia do Sagrado Solidária. O objetivo é fortalecer a prevenção à COVID-19 entre essas pessoas e também a rede de proteção à violência baseada em gênero.

Máquinas de costura e materiais foram doados pelo UNFPA em Manaus (AM). Foto: UNFPA/Bruno Augusto Kelly

Com apoio do UNFPA, mulheres em custódia participam de oficina de costura em Manaus

Quatorze mulheres em custódia no Centro de Detenção Provisória de Manaus (AM) estão participando de oficina de costura em curso ministrado por meio de um projeto de ressocialização da Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas (Seap).

O objetivo é que aprendam a desenhar e confeccionar máscaras de tecido a serem utilizadas na prevenção ao novo coronavírus. O projeto é realizado com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

As 10 mil máscaras resultantes da oficina de costura serão utilizadas pelo próprio programa de assistência humanitária do UNFPA na região e também pelos funcionários e demais pessoas em custódia do sistema.

O Brasil do século 21, onde existem 108 celulares para cada 100 habitantes, convive com um Brasil ainda no século 19, onde 45 a cada 100 habitantes não têm solução adequada de esgotos. Foto: EBC

Desigualdade social é obstáculo para enfrentamento da COVID-19, dizem pesquisadores

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep), realizaram na semana passada (29) a 14ª edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate”.

Professores e pesquisadores foram convidados a fazer paralelos históricos com a pandemia da COVID-19. Uma das conclusões foi a de que a desigualdade social é, de fato, um grande obstáculo para o enfrentamento de crises sanitárias.

Livro sobre migrações internacionais e COVID-19 é lançado com apoio do UNFPA

O Observatório das Migrações de São Paulo e o Núcleo de Estudos Populacionais Elza Berquó da Universidade Estadual de Campinas (NEPO/Unicamp) lançaram na sexta-feira (31), com apoio institucional do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o livro “Migrações Internacionais e a pandemia de COVID-19”.

A obra reflete sobre os desafios e as ações das instituições diante da pandemia, os novos cenários da (i)mobilidade da população, o controle das fronteiras, o aumento da xenofobia contra refugiados e migrantes, os contextos internacionais, nacionais e locais e as consequências de um mundo pandêmico para os movimentos migratórios.

‘Temos que vencer a batalha contra o tráfico de pessoas’, afirma diretora UNFPA

No Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas (30), a diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem, faz um apelo aos governos nacionais e locais, às forças policiais, aos sistemas de justiça criminal e às organizações de direitos humanos a redobrar esforços para identificar e denunciar esse crime, levar os autores à justiça e apoiar os e as sobreviventes.

“Todos os anos, dezenas de milhares de pessoas são traficadas dentro e fora das fronteiras nacionais. Mesmo nas melhores circunstâncias, mulheres e meninas em todo o mundo têm menos probabilidade do que homens e meninos de desfrutar de seu direito à saúde, autonomia, integridade corporal e se livrar da violência. O tráfico leva as desigualdades ao extremo”. Leia a declaração na íntegra.

Fundo de População da ONU entrega 100 kits para mulheres em maternidade pública de Manaus

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) entregou, na semana passada (24), 100 kits de higiene a mulheres que acabaram de dar à luz e a sobreviventes de violência sexual que estão internadas no Instituto da Mulher Dona Lindu, em Manaus (AM).

A maternidade pública é referência no acolhimento e atendimento humanizado às mulheres. Os kits, doados em parceria com a União Europeia, contêm artigos como sabonetes, álcool em gel e absorventes íntimos, e vão ajudar na prevenção da COVID-19.

Autocuidado de meninas e mulheres deve ser acompanhado de políticas de saúde

O autocuidado de meninas e mulheres durante a pandemia de COVID-19 deve ser acompanhado de políticas de saúde – como acesso a serviços de acolhimento amigáveis, distribuição de insumos como medicamentos e métodos contraceptivos, e informação de qualidade.

A conclusão é de especialistas que participaram do terceiro webinário direcionado a jovens e adolescentes, realizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na semana passada (16).

Investimento em políticas públicas para mulheres negras é fundamental para enfrentar a COVID-19

A ampliação do investimento em políticas públicas direcionadas às mulheres negras pode ajudar a enfrentar os impactos da pandemia, assim como o aumento de espaços que promovam as narrativas e vozes desta população.

Estas são algumas análises das especialistas que participaram da 13ª edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate” sobre os impactos da COVID-19 na vida das mulheres negras, ocorrido na semana passada (22).

O encontro foi organizado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), e marcou o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, celebrado em 25 de julho.

Grupo de Trabalho Racismo e Saúde avaliou letalidade da COVID-19 entre pessoas negras no Brasil. Foto: Pexels

Racismo aumenta exposição de pessoas negras à COVID-19 e limita atendimento, afirmam pesquisadoras

Pesquisadores do Grupo de Trabalho Racismo e Saúde, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), analisaram a letalidade da pandemia entre as pessoas negras e publicaram uma nota técnica sobre o tema na segunda-feira (20).

O documento conclui que o racismo leva a uma maior exposição da população negra à COVID-19 e até mesmo limita seu acesso aos serviços de saúde, levando a dificuldades no acesso ao tratamento e maior risco de morte. O Grupo de Trabalho Racismo e Saúde tem o apoio institucional do Fundo de População da Nações Unidas (UNFPA).

Pesquisador brasileiro participa de evento global sobre COVID-19 e população negra

Nesta quinta-feira (23), às 10h, o pesquisador brasileiro Alexandre da Silva participará do evento global virtual sobre os impactos e os desafios da pandemia da COVID-19 nas pessoas afrodescendentes. O encontro será liderado pela diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Dra. Natalia Kanem, e também contará com a participação de líderes dos Estados-membros, sociedade civil e outros especialistas.

A quarta edição da conversa global intitulada “Que segue? Acelerando nosso compromisso com mulheres e meninas” pretende fazer uma reflexão sobre o rompimento de um ciclo de desigualdades sistêmicas e a construção de sociedades igualitárias, livres de discriminação, marginalização e racismo.

O evento terá interpretação simultânea em português, espanhol, francês, além de língua internacional de sinais.

Deterioração da saúde mental, dificuldade em acessar as políticas de assistência social e agravamento da discriminação estão entre os principais impactos da pandemia identificados por membros da comunidade LGBTI no Brasil. Foto: UNFPA

Discriminação afeta saúde e acesso de pessoas LGBTQI+ ao mercado de trabalho

O estigma social e o preconceito vivenciado por pessoas LGBTQI+ ao longo da vida as colocam em situações de vulnerabilidade que afetam desde sua saúde até a entrada e manutenção no mercado de trabalho.

Na semana passada (15), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), realizou a 12ª edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate”. Especialistas debateram sobre as “Pessoas LGBTQI+ no Brasil, vulnerabilidade e impactos da COVID-19”.

Gislene Pereira participa do projeto que recebe apoio do Fundo de População da ONU. Foto: Gislene Pereira/arquivo pessoal

Costureira que perdeu renda com a pandemia volta a trabalhar em projeto apoiado pelo UNFPA

Gislene Pereira, uma costureira de 51 anos moradora da área rural de São Sebastião (região administrativa do Distrito Federal), tem uma pequena empresa de confecção de camisetas que foi afetada pela pandemia da COVID-19. Ela fazia camisetas para eventos, como festas de aniversário, além de uniformes para empresas e igrejas.

“As pessoas que já tinham feito pedidos cancelaram. Parou totalmente”, ela lamenta. Por meio do projeto Fábrica Social Jardim Botânico, uma iniciativa do Movimento Comunitário Jardim Botânico apoiada pelo Fundo de População da ONU, ela voltou a trabalhar costurando máscaras faciais de pano, algo que nunca tinha feito antes.

Webnário lembra importância do acesso à informação para garantir saúde de adolescentes na pandemia

Realizado por meio de parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a segunda edição do webinário “Tá no Rumo: Traçando Caminhos” discutiu na semana passada (9) com adolescentes e profissionais de saúde e educação o tema “Namoro na pandemia”.

Na ocasião, os participantes reforçaram a importância do acesso de adolescentes à informação sobre COVID-19 e saúde sexual e reprodutiva, assim como das medidas de distanciamento social e dos cuidados de prevenção.

Foto: ACNUR Brasil/Felipe Irnaldo

Novo abrigo aprimora acolhimento de refugiados e migrantes indígenas venezuelanos em Manaus

Para aprimorar o acolhimento de indígenas venezuelanos da etnia Warao na capital do estado do Amazonas, a Prefeitura de Manaus, com apoio de agências das Nações Unidas, inaugurou na terça-feira (14) um novo abrigo na região do Tarumã-Açu, zona oeste da cidade.

Ao todo, 158 pessoas refugiadas e migrantes desta etnia foram realocadas nesta etapa, que dá seguimento à estratégia de resposta do município ao fluxo desta população venezuelana para a cidade.

A ação contou com apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

UNFPA debate práticas nocivas contra mulheres e meninas em podcast

No sexto episódio, o podcast “Fala, UNFPA” discute práticas nocivas contra mulheres e meninas, especialmente a violência e o casamento infantil. A representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Astrid Bant, faz um resgate de como, historicamente, a sociedade foi construída a partir de normas que colocam as mulheres em desvantagem, e sobre como é urgente promover ações transformem essa realidade.

De acordo com o último relatório do UNFPA, 26% das meninas se casam antes dos 18 anos no país, uma a cada quatro, um índice acima da média mundial, que é de 20%. O episódio está disponível nas principais plataformas de streaming.

Não a violência (Ivan Ciro Palomino)

Organizações pedem proteção de mulheres sob risco de violência doméstica no Nordeste

Um grupo de organizações da sociedade civil apresentou a governos de estados do Nordeste documento no qual pedem medidas de proteção às mulheres em risco de violência durante a pandemia de COVID-19, informou o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na segunda-feira (13).

A entrega da carta ocorreu durante reunião da Sala de Situação sobre Violência Baseada em Gênero, espaço de diálogo e articulação da sociedade civil do Nordeste apoiado pelo UNFPA. 

A Carta pelas Vidas das Mulheres pede que sejam feitas campanhas que identifiquem os canais de denúncia e informem as mulheres sobre como acessá-los, que as redes de proteção sejam aperfeiçoadas por meio do Sistema de Justiça e que os serviços sejam remotos sejam efetivos.

A diretora-executiva do UNFPA, Natália Kanem. Foto: UNFPA

ARTIGO: Protegendo a saúde e os direitos de mulheres e meninas na pandemia

Em artigo, a diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natália Kanem, lembrou que uma em cada três mulheres sofrerá violência física ou sexual durante sua vida.

“Agora, com países em quarentena e tensões domésticas aumentadas, a violência baseada em gênero está em crescimento, e os serviços de saúde sexual e reprodutiva estão sendo deixados de lado enquanto os sistemas de saúde lutam para lidar com a COVID-19.” Leia o artigo completo.

Sem ação urgente, mulheres e meninas estão em risco, alerta UNFPA. Arte: Fatma Mahmoud Salama Raslan

Fundo de População da ONU alerta para risco de retrocesso no combate à violência de gênero no mundo

Em um Dia Mundial de População marcado pela pandemia da COVID-19, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) alerta para a necessidade de proteger mulheres e meninas, sobretudo em relação à violência baseada em gênero.

De acordo com a diretora-executiva do UNFPA, Natalia Kanem, o progresso global para colocar um fim às diversas agressões contra mulheres deve sofrer sérios retrocessos em meio à pandemia.

Além disso, o acesso à saúde sexual e reprodutiva, como pré-natal e contraceptivos, também está ameaçado. O Dia Mundial de População é lembrado no sábado (11).

UNFPA entrega 500 kits para mulheres migrantes e refugiadas em Manaus

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a União Europeia, entregará nos próximos dias, em Manaus, 400 kits de higiene pessoal e íntima, chamados de Kits Dignidade, e 100 kits de limpeza para pessoas migrantes e refugiadas, com foco especial em mulheres e meninas.

A primeira entrega ocorreu nesta quarta-feira (8) com a distribuição de kits na rodoviária da capital, onde se encontra o Posto de Recepção e Apoio gerenciado pela Operação Acolhida, e na Casa Miga, abrigo de uma organização não-governamental voltado para pessoas LGBTI.

O jornalista e fotógrafo Ismael dos Anjos, realizador da pesquisa e documentário “O Silêncio dos Homens”. Foto: Papo de Homem

Precisamos pensar em outras masculinidades possíveis, diz documentarista em webinário com UNFPA

Os homens podem apoiar a luta das mulheres por igualdade de direitos e criar “outras masculinidades possíveis”, disseram participantes de webinário realizado na semana passada (2) pelo Comitê Permanente para Questões de Gênero, Raça e Diversidade (COGEMMEV) do Ministério de Minas e Energia e entidades vinculadas.

“As mulheres estão organizadas há mais de 100 anos buscando avançar, e os homens precisam ser aliados na luta das mulheres, mas nós também precisamos nos organizar de maneira diferente. Precisamos pensar em outras masculinidades possíveis”, disse Ismael dos Anjos que foi realizador da pesquisa e documentário “O Silêncio dos Homens”.

Fundo de População da ONU e SESC unem-se para enfrentar violência de gênero no Brasil

O SESC e o Fundo da População das Nações Unidas (UNFPA) deram início a uma parceria de longo prazo para enfrentar a violência de gênero no Brasil, problema que se agravou durante a pandemia de COVID-19.

A primeira ação da parceria é o lançamento da campanha “Você não está sozinha” nas redes sociais, que lembra a importância de não se omitir e denunciar esse crime, principalmente em um momento em que as vítimas têm mais dificuldade para buscar ajuda.

Impactos socioeconômicos da COVID-19 são mais intensos entre população mais pobre no Brasil

Em regiões com elevadas desigualdades, como é o caso da América Latina, no médio e longo prazo, os impactos da COVID-19 podem explicitar e aumentar as iniquidades já existentes, seja na renda, no acesso a serviços ou na concretização de direitos básicos.

Estas análises foram apresentadas durante a décima edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate”, promovida pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), ocorrido nessa quarta-feira (1).

O encontro virtual contou com a participação de especialistas que debateram os impactos socioeconômicos da COVID-19.

Mercado no Chile, durante a pandemia de COVID-19. Foto: FAO/Max Valencia

Evento online discute impactos socioeconômicos da COVID-19 na América Latina

A Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) realizam nesta quarta (1º) a décima edição da série “População e Desenvolvimento em Debate”.

A discussão abordará os impactos socioeconômicos da COVID-19. Em regiões com elevadas desigualdades, como é o caso da América Latina, no médio e longo prazo os impactos podem explicitar e aumentar as iniquidades já existentes, seja na renda, no acesso a serviços ou na concretização de direitos básicos.

Assista à transmissão do webinário no canal do UNFPA Brasil no Youtube às 15h.

Uma das consequências do casamento infantil é a gravidez, e consequentemente o parto, precoce. Foto: EBC

UNFPA: 1 em cada 4 meninas se casa antes dos 18 anos no Brasil; reverter tal situação é urgente

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) lança nesta terça-feira (30) relatório global sobre a Situação da População Mundial, que chama atenção para a desigualdade de gênero e as práticas nocivas contra mulheres e meninas, como a mutilação genital feminina, a preferência por filhos do sexo masculino e o casamento infantil.

Segundo o relatório, um em cada quatro meninas se casa antes dos 18 anos no Brasil, um índice de 26%. A média mundial é de 20% (uma em cada cinco). A agência da ONU afirma que ação urgente é necessária, aqui e agora, para combater esta e outras violências contra mulheres e meninas.

Pesquisadores chamam atenção para situação dos indígenas na Amazônia em meio à pandemia da COVID-19

Nesta quarta-feira (24) ocorreu a nona edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate”, realizada pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), com o tema “A pandemia e a crise ambiental e sanitária na Amazônia”.

Nesta edição foi discutido o acirramento das desigualdades e os riscos identificados na região, a partir da relação entre população e ambiente. O pesquisador do Programa de Monitoramento de Áreas Protegidas do Instituto Socioambiental (ISA), Tiago Moreira, alertou não só para o risco de a população indígena contrair a COVID-19, mas também para o risco de passarem fome.

Também participaram do debate o coordenador do programa de monitoramento da Amazônia e demais biomas do INPE, Cláudio Almeida; o professor na Universidade Federal do Pará (UFPA), Harley Silva; e a mediação foi realizada pela pesquisadora colaboradora da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA/Unicamp), Thais Tartalha Lombardi.

UNFPA e Secretaria de Saúde do AM firmam parceria em prol da saúde de mulheres e meninas

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) firmaram parceria, nesta terça-feira (23), para desenvolver ações de promoção à saúde sexual e reprodutiva de mulheres e meninas no Amazonas, assim como de pessoas em situação de rua, pessoas refugiadas e migrantes e outras em situação de vulnerabilidade.

O objetivo é fortalecer serviços de saúde reprodutiva e materna, e planejamento familiar, tais como serviços relacionados ao parto seguro, diagnóstico correto e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis, acesso a métodos contraceptivos e manejo clínico dos casos de violência sexual.

Pesquisa revela sentimentos e preocupações de adolescentes do PR em relação à pandemia

Os dados divulgados pela enquete “E aí, como está a sua vida neste período de isolamento social?” demonstram que a pandemia da COVID-19 trouxe novos desafios, preocupações e sentimentos para o público jovem residente do oeste paranaense.

Os números mostram que 37% está com medo em relação à COVID-19. Entre as preocupações atuais se destacam a saúde de sua família (80%), o futuro (61%), e as violências dentro e fora de casa (19%).

A enquete foi realizada pelo projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná, por meio de uma ação do UNFPA Brasil em parceria com a Itaipu Binacional.

Cestas básicas, kits de higiene e de limpeza são distribuídos a famílias de pessoas refugiadas e migrantes em Boa Vista e Pacaraima (RR). Foto: UNFPA Brasil

Em parceria com SESC, UNFPA entrega 1 mil cestas básicas a refugiados e migrantes em Roraima

Em parceria com o Serviço Social do Comércio (SESC), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) começou a entregar nesta sexta-feira (19) 1 mil cestas básicas e 700 kits de higiene a famílias de pessoas refugiadas e migrantes venezuelanas em Roraima.

O objetivo é ajudar a minimizar o impacto da pandemia de COVID-19 entre esses grupos, que se encontram em situação de vulnerabilidade, além de oferecer produtos que os auxiliem a se proteger da doença, como sabonetes e álcool em gel.

Visita de atendimento do programa Criança Feliz - Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania

Agências da ONU fortalecem capacidade de visitadores familiares em meio à pandemia

Para apoiar o Programa Criança Feliz no contexto da pandemia, agências do Sistema ONU estão desenvolvendo uma série de conteúdos para fortalecer o trabalho dos visitadores familiares do programa.

Toda semana, esses profissionais recebem vídeos, podcasts e conteúdos informativos com foco em temas como saúde emocional familiar e os cuidados parentais; ansiedade infantil; entre outros.

O Criança Feliz, que teve início em 2016, é uma política pública com foco no desenvolvimento adequado na primeira infância e articula um trabalho entre os setores de saúde, assistência social, educação, justiça, cultura e direitos humanos. Leia o relato do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Especialistas discutem desafios enfrentados pelos adolescentes durante a pandemia

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e Itaipu Binacional realizarão nesta quinta-feira (18), às 15h, o primeiro webinário da série “Tá no Rumo: Traçando Caminhos” focado na vivência de adolescentes durante a pandemia. Temas como trabalho, relações sociais, autocuidado, saúde mental e outros aspectos ligados à construção dos planos de vida desses jovens irão compor a programação.

A primeira edição terá a participação de Werika Amaral, adolescente e estudante secundarista; Vinicius Ortiz, coordenador do Programa de Iniciação e Incentivo ao Trabalho da Itaipu Binacional; Rosângela Gouveia, coordenadora do Centro da Juventude e Convivência; Jomar Vieira Rocha, professor do município de Cascavel; e Vinícius Monteiro, oficial para População e Desenvolvimento do UNFPA Brasil. A mediação será de Cintia Cruz, coordenadora local do projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná.

Artesãos do Piauí produzem máscaras faciais para proteção contra o novo coronavírus. Foto: Luiz Carlos Vieira

Ações da sociedade civil são essenciais na resposta à pandemia de COVID-19, dizem especialistas

A mobilização e a atuação da sociedade civil têm se destacado como estratégia essencial para o combate dos efeitos da pandemia de COVID-19, não apenas na área sanitária, como também econômica, social e cultural.

A conclusão é de palestrantes reunidos online na quarta-feira (10) a convite do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em debate que abordou estratégias de mobilização social na resposta à doença.

Um memorial improvisado para George Floyd no Harlem, em Nova Iorque. Foto: Hazel Plunkett

Grupo de 20 lideranças pede mais ações da ONU pelo fim do racismo no mundo

Um grupo de mais de 20 líderes da ONU, que se reportam diretamente ao secretário-geral António Guterres e são africanos ou de ascendência africana, assinaram uma declaração pessoal e contundente expressando indignação quanto ao racismo generalizado e sistêmico, destacando a necessidade de as Nações Unidas “irem além e fazerem mais” do que apenas manifestar repúdio.

Os líderes exortam a ONU a “intensificar e agir decisivamente para ajudar a acabar com o racismo sistêmico contra pessoas de ascendência africana e outros grupos minoritários”, citando o artigo 1 da Carta das Nações Unidas, que estipula que a ONU promove e incentiva o “respeito pelos direitos humanos e às liberdades fundamentais de todos, sem distinção de raça, sexo, idioma ou religião”.

Ação de voluntariado apoiada pelo UNAIDS ajuda pessoas vivendo com HIV na América Latina em meio à pandemia. Foto: UNAIDS

COVID-19: movimento de mulheres apoia pessoas vivendo com HIV em países latino-americanos

A Estratégia de Voluntariado das Américas foi lançada pelo Movimento de Mulheres Positivas da América Latina e do Caribe (MLCM+) com apoio de escritórios do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) na América Latina e o Caribe.

Até o momento, a iniciativa está presente em 17 países da região, com 850 voluntários e mais de 3 mil pedidos de ajuda. Tais pedidos referem-se principalmente à necessidade de medicamentos, alimentos e métodos de prevenção.

No Brasil, eles se articularam com UNAIDS e Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) através do Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas (MNCP).

Sociedade civil e academia debatem estratégias de mobilização social para a resposta à COVID-19

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP) realizarão amanhã (10), às 15h, a sétima edição da série de webinários “População e Desenvolvimento em Debate”, com o tema “Estratégias de mobilização social para a resposta à COVID-19”.

O debate acontecerá no canal do UNFPA Brasil no youtube e contará com a participação de Richarlls Martins, coordenador geral da REBRAPD e professor da UFRJ; Driade Aguiar, gestora da mídia ninja e ativista do fora do eixo; Gonzalo Vecina, professor da faculdade de saúde pública da USP; e Melisa Dickie, diretora associada do programa de saúde comunitária (CATIE-Canadá). A facilitação será realizada por Vinícius Monteiro, oficial de Programa para População e Desenvolvimento do UNFPA Brasil.

A venezuelana Horihanny Del Valle recebe kit do UNFPA em Pacaraima - Foto: UNFPA

Pregnant Venezuelans receive aid from UNFPA Brazil

Horihanny Del Valle is a young 16 year-old pregnant Venezuelan who left her country about a year ago and lives now in Pacaraima, a border town between Brazil and Venezuela. She only heard about the COVID-19 pandemic through some friends. “I saw people talking about and it scared me”, she recalls. In May, she and other women received more information from UNFPA Brazil on how to prevent the disease.  UNFPA Brazil also delivered Dignity Kits, containing essential items of personal hygiene such as hand sanitizer, soap, and intimate pads.

A venezuelana Horihanny Del Valle recebe kit do UNFPA em Pacaraima - Foto: UNFPA

Venezuelanas grávidas recebem kit de higiene em Pacaraima

Horihanny Del Valle é uma jovem venezuelana de 16 anos que deixou seu país há um ano e agora vive em Pacaraima, Roraima, cidade que faz fronteira com a Venezuela. Grávida, ficou sabendo da pandemia da COVID-19 por meio de conhecidos.

“Eu vi as pessoas comentando e me deu medo”, conta. No início de maio,  ela e outras mulheres receberam do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) mais informações sobre como se prevenir da doença. O UNFPA também entregou Kits Dignidade contendo artigos de higiene pessoal fundamentais nesse momento, como álcool em gel, sabonete, pasta de dente e absorventes íntimos.

O Fundo de População da ONU pretende entregar os itens também em Manaus, Bahia e Distrito Federal. 

Prefeitura do Rio de Janeiro (RJ) tornou obrigatório o uso de máscaras nas ruas por conta da pandemia. Foto: EBC/Tomaz Silva

Fundo de População da ONU apoia pesquisas sobre impactos da COVID-19 na população negra

Para a oficial de programa para Gênero, Raça e Etnia e Comunicação do UNFPA Brasil, Rachel Quintiliano, a parceria com a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) é oportunidade de discutir saúde e os impactos da pandemia de COVID-19 a partir da perspectiva de raça, cor e etnia.

“Acredito que essa parceria vai nos ajudar a entender o fenômeno do impacto da COVID-19 sobre a população negra, e também vai nos auxiliar a ter uma visão mais ampla sobre os aspectos que colocam essa população em desvantagem com relação ao acesso à saúde pública.”