Fundo de População da ONU defende que serviços de saúde incluam perspectiva de direitos humanos

Em encontro na Bahia com mais de 200 gestores, assistentes sociais, enfermeiros e outros profissionais que trabalham na Fundação da Criança e do Adolescente (FUNDAC) — entidade responsável por jovens em cumprimento de medidas socioeducativas —, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) defendeu a promoção dos direitos sexuais e reprodutivos da juventude. Agência da ONU lembrou compromissos do Brasil para incluir perspectiva de direitos humanos nos serviços de saúde.

Países africanos têm buscado cooperação técnica com IBGE. Foto: EBC

IBGE e Fundo de População da ONU ajudam países africanos a adotar coleta eletrônica em censos

Especialistas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram nesta semana ao Senegal para capacitar 25 técnicos do país africano sobre o uso de aparelhos eletrônicos na coleta de dados para censos populacionais. Realizada em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), iniciativa teve início na segunda-feira (13) e faz parte de projeto que visa à criação de centros de referência em estatística na África.

Representantes do Fundo de População da ONU e da Revista Traços na assinatura do termo de cooperação. Foto: UNFPA/Nathalia Cassia

Fundo de População da ONU e Revista Traços firmam parceria pelos direitos humanos

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) firmou na última quarta-feira (15), em Brasília, uma parceria com a Revista Traços, veículo do Distrito Federal especializado em cultura. A colaboração entre a agência da ONU e o periódico resultará em matérias especiais, trazendo, a cada nova edição, personagens, dados e conteúdos relacionados à proteção e ao cuidado de mulheres, homens, jovens e crianças.

Jovens são 11% da população do Brasil. Foto: AGECOM/Carol Garcia.

Fundo de População da ONU destaca importância da juventude para conquista de objetivos globais

Os jovens devem estar engajados com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) para garantir que suas metas sejam cumpridas, disse a oficial de programa do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Anna Cunha, na sexta-feira (10), durante evento em Brasília (DF).

“Para isso, se faz necessário adotar medidas eficazes que contribuam para mudar a realidade dessa parcela da sociedade que em muitos casos se encontra em vulnerabilidade social e à margem de direitos humanos que são essenciais para uma vida digna”, ressaltou.

Governo do DF e UNFPA assinam parceria para oferecer serviços de saúde adequados a adolescentes. Foto: EBC

Fundo de População da ONU lança selo de qualidade para serviços de saúde a adolescentes

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e as secretarias estaduais de Saúde e de Políticas Públicas para Crianças, Adolescentes e Juventude do Distrito Federal lançaram na semana passada (9) em Brasília a iniciativa “Chega Mais — Selo de Qualidade de Serviços para Adolescentes”.

“Vemos com preocupação o aumento das infecções por HIV, os casos de sífilis congênita e o número de adolescentes grávidas nos últimos anos no Brasil. Serviços de qualidade e adequados para essa fase do ciclo de vida, com um olhar mais jovem, são sumamente importantes”, disse o representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal, durante lançamento da iniciativa.

O coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, cobrou uma resposta da sociedade e do poder público à dura realidade enfrentada pela juventude afrodescendente. Foto: UNFPA/Agnes Sofia Guimarães

‘O racismo mata e não podemos ser indiferentes’, diz ONU Brasil em lançamento da campanha #VidasNegras

A ONU Brasil lançou na terça-feira (7) a campanha #VidasNegras, iniciativa de conscientização nacional pelo fim da violência contra a juventude afrodescendente. Em cerimônia que reuniu em Brasília cerca de cem autoridades públicas e representantes da sociedade civil e do corpo diplomático, dirigentes das Nações Unidas alertaram que cinco jovens negros morrem a cada duas horas no país. Por ano, o número chega a 23 mil.

O organismo internacional fez um apelo à sociedade brasileira e ao poder público por repostas ao racismo e à discriminação. Um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos no Brasil.

Selo do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) reconhece qualidade nos serviços de saúde oferecidos a adolescentes no DF. Foto: EBC

Selo reconhece qualidade nos serviços de saúde oferecidos a adolescentes no DF

Reconhecer e incentivar que unidades de saúde do Distrito Federal ofereçam atendimento e serviços adequados para adolescentes. Este é o objetivo da iniciativa “Chega Mais – Selo de Qualidade de Serviços para Adolescentes”, que será lançada na quinta-feira (9), em Brasília. O selo é resultado de parceria firmada entre Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) e Secretaria de Estado de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude do Distrito Federal (SECriança-DF).

ONU apoia integração e inclusão laboral de indígenas venezuelanos em Roraima

A partir desta sexta-feira (3), o Centro de Atendimento ao Turista da Orla Taumanan em Boa Vista (RR) terá um espaço permanente para exposição e venda de artesanato do povo indígena Warao. A inauguração do espaço será celebrada pela exposição “Warao – Gente da Água, Em Movimento”, que reúne fotografias, desenhos e grafismos, e ficará em exibição até 3 de dezembro.

A iniciativa é parte de uma parceria da Universidade Federal de Roraima (UFRR) com Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), Organização Internacional para as Migrações (OIM), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), entre outros parceiros.

Foto: Fora do Eixo (CC)

Homicídio de jovens no Brasil é parte de uma série de violações de direitos, diz agência da ONU

A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde, das 60 mil pessoas assassinadas por ano no país, 67,9% têm entre 15 e 19 anos e, destes, 71,5% são negros e negras. Entre a população jovem negra assassinada, 93,4% são do sexo masculino.

Para o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), os homicídios são a ponta do iceberg de uma série de violações de direitos da juventude. “É necessário fortalecer trajetórias e investir em juventude, incluindo uma vida sem discriminação e violência, sem racismo, com o devido acesso à Justiça, à educação de qualidade, à saúde e ao emprego digno”, afirmou Anna Cunha, oficial de programa da agência da ONU.

Evento na Casa da ONU em Brasília discutiu impactos das mudanças do clima para o desenvolvimento dos países. Foto: FAO/L. Dematteis

Mudança do clima afeta diretamente o desenvolvimento dos países, diz ONU no Brasil

A mudança do clima afeta diretamente a capacidade de desenvolvimento dos países, alertou na quinta-feira (26) o coordenador-residente interino da ONU no Brasil, Didier Trebucq, durante seminário em Brasília (DF) sobre o tema.

“Desastres naturais levam 24 milhões de pessoas por ano à pobreza e estão diretamente ligados à mudança do clima”, disse Trebucq, durante o evento realizado pelo Sistema ONU no Brasil com apoio de Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL), ONU Meio Ambiente, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Seminário abordará os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Imagem: PNUD

Seminário discute mudança do clima, erradicação da pobreza e desenvolvimento humano

A mudança do clima, caso não seja controlada, reverterá os ganhos de desenvolvimento alcançados nas últimas décadas e tornará impossível a obtenção de ganhos adicionais. Esta será a base de discussão do Seminário “Diálogo Estratégico sobre Mudança do Clima, Erradicação da Pobreza e Desenvolvimento Humano”, na Casa da ONU, em Brasília, que ocorre nesta quinta-feira (26), das 14h às 18h. O evento será transmitido ao vivo pela Internet.

O seminário é uma iniciativa do Sistema ONU no Brasil, organizado pela Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), ONU Meio Ambiente e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Colóquio Gênero, Raça e Sexualidade na Política Global: Desafiando os Estudos em Relações Internacionais, na Universidade de Brasília. Foto: UNFPA

Adolescentes negras têm mais risco de contrair DSTs e de serem vítimas de violência, alerta fundo da ONU

Em colóquio na Universidade de Brasília (UnB), a representante auxiliar do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fernanda Lopes, alertou que, no Brasil, as adolescentes negras estão têm mais chances de engravidarem quando não desejam ter filhos. Outros problemas que se agravam entre essa população, na comparação com outros grupos étnicos, é a probabilidade de ser vítima de violência e de contrair infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

VÍDEO: México um mês após os terremotos

Há um mês, no dia 19 de setembro de 2017, um terremoto de de magnitude 7.1 sacudiu o centro do México, 12 dias depois após outro movimento telúrico ter atingido o sudeste do país, especialmente as regiões de Oaxaca e Chiapas – e exatos 32 anos depois do terrível terremoto de 1985.

Os terremotos recentes deixaram um saldo de pelo menos 400 pessoas mortas, danos a mais de 150 mil habitações, 12 escolas e 1,5 mil monumentos históricos. Os tremores foram seguidos de um imenso impulso de solidariedade – por parte da população, da comunidade internacional e das Nações Unidas. Confira nesse vídeo do Centro de Informação da ONU na região.

O Grupo da Diversidade do ADOLESCENTRO reúne-se quinzenalmente às quartas-feiras, das 14h às 16h. Foto: UNFPA/Fernando Ribeiro

Parceiro de agência da ONU apoia saúde física e emocional de jovens trans

Parceiro do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o Centro de Referência, Pesquisa, Capacitação e Atenção ao Adolescente em Família (ADOLESCENTRO) apoia a saúde física e emocional de adolescentes trans.

Com unidades no Distrito Federal, em São Paulo e Porto Alegre, o Grupo de Diversidade da instituição também oferece assistência aos demais adolescentes da população LGBT. Saiba mais sobre a organização.

Um em cada cinco bebês que nascem no Brasil é filho de mãe adolescente. Foto: Governo do Rio de Janeiro

Brasil tem sétima maior taxa de gravidez adolescente da América do Sul

O Brasil tem a sétima maior taxa de gravidez adolescente da América do Sul, empatando com Peru e Suriname, com um índice de 65 gestações para cada 1 mil meninas de 15 a 19 anos, segundo dados referentes ao período de 2006 a 2015 divulgados nesta terça-feira (17) pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Apesar de as taxas brasileiras serem menores que as de países sul-americanos como Venezuela (95) e Bolívia (88), ainda estão longe de países desenvolvidos como França (6) e Alemanha (8), ou mesmo de nações em desenvolvimento como Índia (28) e Rússia (27), segundo o levantamento.

A demanda não atendida por serviços de saúde, incluindo o planejamento reprodutivo, pode enfraquecer as economias e sabotar o progresso já alcançado rumo ao cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 1, que trata da eliminação da pobreza, disse a agência da ONU.

UNFPA alerta para desigualdades de gênero e suas consequências para a saúde e independência econômica das mulheres. Foto: Andrew McConnell/IRC/Panos Pictures

Desigualdades ameaçam saúde e autonomia das mulheres, alerta fundo de população da ONU

Apenas metade das mulheres em todo o mundo possui emprego remunerado. Globalmente, o que é pago às mulheres corresponde a 77% do que é pago aos homens. Em todo o mundo, três em cada cinco mulheres não têm acesso a licença-maternidade. No Brasil, um em cada cinco bebês nasce de mães adolescentes. Entre elas, de cada cinco, três não trabalham nem estudam.

Cenário de desigualdades é tema do relatório ‘Situação da População Mundial 2017’, do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Agência da ONU defende importância dos direitos e serviços de saúde sexual e reprodutiva.

UNFPA participa de audiência na Câmara dos Deputados para discutir direitos das meninas

A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, da Câmara dos Deputados, promove na quarta-feira (11) uma audiência pública sobre os direitos das meninas brasileiras. Reunião é aberta a representantes do poder público e da sociedade civil. Encontro contará com a participação do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Evento foi organizado para lembrar o Dia Internacional das Meninas, observado em 11 de outubro pela ONU. Audiência poderá ser acompanhada ao vivo, pela internet.

Fábrica da Natex, produtora de preservativos à base de látex natural, receberá visita de equipe do UNFPA. Foto: SECOM

ONU recebe inscrições para avaliação de produtos de saúde sexual e reprodutiva

Até 15 de novembro, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) receberá inscrições de empresas brasileiras da área de saúde sexual e reprodutiva que desejem ter seus produtos avaliados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A chamada é para fornecedores de contraceptivos hormonais injetáveis. Avaliação é uma das etapas do processo que aprova quais companhias podem vender produtos para programa de abastecimento da ONU.

Crianças participam de aula em escola patrocinada pelo UNICEF em Dikwa, estado de Borno, na Nigéria. Foto: UNICEF/Naftalin (arquivo)

Crise humanitária ameaça futuro de gestantes e crianças na Nigéria, alerta ONU

A insurgência do grupo terrorista Boko Haram na Nigéria provocou uma crise humanitária sem precedentes na região. Grupos em situação de vulnerabilidade são os mais afetados, com quase 3 milhões de crianças fora da escola e um crescente número de mortes de bebês ainda em gestação por conta da epidemia de cólera.

Desde 2009, mais de 2.295 professores foram mortos e 19 mil deslocados no nordeste do país. Quase 1,4 mil escolas foram destruídas, e a maioria não tem condições de operar devido a extensos danos ou por conta da situação de insegurança na região.

Natalia Kanem é a nova diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas. Foto: UNFPA

Natalia Kanem, do Panamá, é nomeada chefe do Fundo de População da ONU

A panamenha Natalia Kanem foi nomeada nesta terça-feira (3) diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Decisão é do secretário-geral da ONU, António Guterres. Formada em medicina pela Universidade de Colúmbia, a latino-americana possui mestrado em saúde pública pela Universidade de Washington e também é graduada em História e Ciência por Harvard. Ela ocupará o cargo pelos próximos quatro anos.

ACNUR distribui suprimentos às famílias rohingya que se refugiam na aldeia de Hindu Par, em Bangladesh. Foto: ACNUR / Roger Arnold

Refugiados muçulmanos de Mianmar já somam meio milhão, alertam agências da ONU

A minoria muçulmana rohingya protagoniza hoje a crise de refugiados que mais cresce em todo mundo. Segundo estimativas, já são pelo menos meio milhão de civis fugindo de suas casas no estado de Rakhine, norte de Mianmar, na busca por proteção em Bangladesh.

O grupo é vítima de perseguições e de graves violações de direitos humanos, que as Nações Unidas descrevem como uma “limpeza étnica”.

Para o secretário-geral da ONU, António Guterres, esta crise humanitária não só fornece um “terreno fértil” para a radicalização, mas também coloca pessoas já em situação de vulnerabilidade – incluindo crianças pequenas – em grave risco. Ele pediu “ação rápida” para evitar mais instabilidade e encontrar uma solução duradoura.

Foto: Fora do Eixo (CC)

ONU firma parceria com governo do RN para ações de desenvolvimento da juventude

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) assinou na quinta-feira (28) uma carta de intenções com o governo do Rio Grande do Norte (RN) para desenvolver ações conjuntas nas temáticas de população e desenvolvimento, saúde reprodutiva e juventude.

O objetivo é desenvolver programas, projetos e atividades de promoção aos direitos humanos e de melhoria da qualidade de vida da população, com foco em temas trabalhados pela agência da ONU.

Comitiva formada por profissionais do UNFPA, da OPAS e do Ministério da Saúde em visita à União Química, em Brasília. Foto: Divulgação/União Química

ONU visita laboratório brasileiro interessado em fornecer produtos para organismos internacionais

Representantes do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e do Ministério da Saúde visitaram na última semana (21) a fábrica da União Química em Brasília. Laboratório quer levar seus produtos para o mercado internacional de fornecedores que abastecem as agências da ONU. Organismos internacionais têm incentivado participação brasileira nas cadeias de produtos de saúde.

UNFPA defende programas de saúde voltados para a juventude

Jovens e adolescentes compõem hoje cerca de 36% da população brasileira — um contingente de mais de 51 milhões de pessoas. Para discutir o acesso dessa faixa etária a serviços de saúde, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participou na última semana (21) de debate realizado em Brasília pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Evento marcou Dia Nacional da Saúde de Adolescentes e Jovens, lembrado em 22 de setembro.

Protesto contra o racismo e a violência enfrentada pela população negra. Foto: Agência Brasil/José Cruz

Agência da ONU se posiciona contra redução da maioridade penal no Brasil

Em nota divulgada nesta semana (20), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil expressou profunda preocupação com a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 33/2012, que institui a redução da maioridade penal, de 18 para 16 anos. Agência da ONU lembrou que os jovens são mais vítimas do que responsáveis pela violência.

“Atualmente, a juventude, em especial negra e pobre nas periferias das grandes cidades, é quem mais sofre os efeitos da violência: a cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado. São mais de 60 jovens negros vítimas fatais da violência por dia no Brasil”, ressaltou a agência da ONU.

Natalia Kanem, diretora-executiva em exercício do UNFPA. Foto: UNFPA

ARTIGO: População e mudanças climáticas

Em artigo, a diretora-executiva em exercício do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem, menciona conexões equivocadas frequentemente feitas entre crescimento populacional e mudança climática.

Segundo ela, apesar de o crescimento populacional fazer com que mais pessoas consumam mais e, portanto, emitam mais gases do efeito estufa, essas emissões não estão distribuídas de forma igualitária entre todas as populações do mundo.

Mulher em um abrigo para meninas e mulheres que sofreram violência sexual e de gênero, em Mogadíscio, capital da Somália. Foto: UNICEF / Kate Holt

UNFPA defende parâmetros comuns para combater violência de gênero em crises humanitárias

Em fórum internacional sobre violência de gênero, realizado no Rio de Janeiro, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) defendeu na segunda-feira (18) a implementação dos Padrões Mínimos Globais para a prevenção desse tipo de abuso em situações de emergência. Parâmetros da agência da ONU contêm orientações sobre como combater violações enfrentadas por mulheres em zonas de conflito e catástrofes naturais.

Ativistas feministas defendem direitos das mulheres durante a passeata no Rio de Janeiro. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Agência da ONU discute combate à violência contra as mulheres em fórum no Rio

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) participa da quinta edição do Fórum Sexual Violence Research Initiative — SVRI (Iniciativa de Pesquisa sobre Violência Sexual), que ocorre até quinta-feira (21), no hotel Sheraton Grand Rio Hotel & Resort, no Rio de Janeiro.

No evento, a agência da ONU divulgará informações sobre como identificar a violência por parte de um parceiro íntimo durante a gestação e compartilhará experiências para combate à violência de gênero em situações de emergência, como desastres naturais, conflitos armados e instabilidades sociais e políticas.

Laura Thomspon, diretora da OIM - Foto: OIM

OIM e CEPAL realizam primeira consulta regional sobre migração

A Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL), o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas e o Organização Internacional para as Migrações (OIM) realizaram, no fim de agosto, a primeira reunião regional preparatória do pacto mundial para uma migração segura, ordenada e regular.

O encontro, realizado durante dois dias em Santiago, no Chile, é o primeiro de cinco Consultas Regionais que fazem parte das discussões preparatórias para o desenvolvimento do Pacto Mundial, negociação intergovernamental que cobre todas as dimensões da migração internacional.

Mosquito Aedes aegypti é principal vetor do vírus da dengue, zika e chikungunya. Foto: UNICEF/BRZ/Ueslei Marcelino

Agência da ONU discute combate ao zika em programa do Canal Saúde

A representante-auxiliar do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fernanda Lopes, participou na terça-feira (22) do Sala de Convidados, programa do Canal Saúde, com o objetivo de discutir o tema “A sociedade e as soluções para o zika”.

Durante o programa, Fernanda citou a campanha do UNFPA Brasil “Mais direitos menos zika”, que foca na necessidade de discutir os direitos de saúde reprodutiva das mulheres para um combate eficaz do vírus.

Camisinhas distribuídas pelo UNFPA. Foto: UNFPA

Agências da ONU incentivam empresas brasileiras a fornecer produtos de saúde para organismos internacionais

Laboratórios e farmacêuticas brasileiros conheceram ao longo de três dias, na semana passada, os parâmetros utilizados por agências da ONU para escolher fornecedores de produtos de saúde. Em workshop promovido pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), especialistas ressaltaram a fraca participação de empresas latino-americanas no mercado internacional de insumos e elogiaram os padrões de regulação do Brasil, que tem capacidade para se inserir na cadeia de fornecedores.

Profissional de saúde do UNFPA ajuda na realização de partos na Síria. Foto: UNFPA Síria

Resposta a crises humanitárias não pode negligenciar saúde sexual e reprodutiva, diz fundo da ONU

Em mensagem para o Dia Mundial Humanitário, lembrado no final de semana (19) pela ONU, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) alertou para os riscos de saúde e de violência de gênero enfrentados por mulheres e meninas em situações de conflito. Agência defendeu que respostas a emergências devem incluir o fornecimento de serviços de saúde sexual e reprodutiva para comunidades vivendo em zonas de guerra. Organismo da ONU está presente em 56 países em crise.