Gianluigi Buffon, goleiro da Juventus, em foto de 2016. Foto: Wikimeadia Commons/Doha Stadium Plus Qatar (CC)

UNESCO e Juventus lançam concurso de fotografia sobre futebol

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e o clube italiano Juventus lançaram nesta semana um concurso de fotografias com o objetivo de retratar formas com as quais o futebol promove a inclusão, supera estereótipos e reverte discriminações.

Para participar do concurso, é necessário enviar uma fotografia retratando esse potencial do esporte, com uma mensagem de paz e tolerância. Os vencedores receberão prêmios e participarão de uma campanha em vídeo. As inscrições vão até 6 de maio.

Crianças em uma escola da ONU em Gaza. Foto: UNRWA/Rushdi Al Saraj

ONU condena resposta de Israel a protestos de palestinos em Gaza

Forças israelenses usaram munição real e gás lacrimogêneo contra os manifestantes, que se reuniram em Gaza por ocasião do Dia da Terra para pedir seu direito de voltar para suas casas. A maioria da população de Gaza – submetida a um bloqueio aéreo, terrestre e marítimo abrangente por Israel nos últimos 10 anos – é composta por palestinos que foram expulsos à força de suas casas e terras desde 1948.

“Lembramos a Israel de suas obrigações de garantir que não seja empregada força excessiva contra os manifestantes e que, no contexto de uma ocupação militar, como é o caso em Gaza, o recurso injustificado e ilegal a armas de fogo por parte da lei, resultando em morte, pode significar um assassinato intencional, uma grave violação da Quarta Convenção de Genebra”, acrescentou o Escritório de Direitos Humanos da ONU.

Esporte e atividades físicas serão tema do Relatório de Desenvolvimento Humano de 2016 do Brasil. Foto Bruno Fernandes

UNESCO: esporte é fórum único para ação e reflexão, podendo mudar sociedades

No Dia Internacional do Esporte para o Desenvolvimento e a Paz, lembrado nesta sexta-feira (6), a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, disse que o esporte é um fórum único para a ação e a reflexão, com o objetivo de transformar nossas sociedades.

“O esporte diz respeito ao esforço individual e ao esforço coletivo, à atividade individual e à prática social; tem como base os conceitos de respeito, compreensão, integração e diálogo, além de contribuir para o desenvolvimento e a realização das pessoas, independentemente de idade, gênero, origem, crenças e opiniões”, declarou Audrey em comunicado.

Festejos do Bumba meu boi no Maranhão. Foto: IPHAN/Edgar Rocha

Bumba meu boi dá 1º passo para se candidatar a patrimônio cultural da humanidade

Desde 2011, os festejos do Bumba meu boi no Maranhão são considerados patrimônio cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Nesta quinta-feira (5), o organismo entregará um dossiê de candidatura dessa manifestação cultural ao Ministério das Relações Exteriores, para concorrer ao título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, concedido pela UNESCO.

Cerimônia de premiação ocorreu na Guiné Equatorial no fim de março. Foto: UNESCO

Pesquisadores de Brasil e de Portugal recebem prêmio da UNESCO na Guiné Equatorial

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) entregou no fim de março (30) o Prêmio Internacional UNESCO-Guiné Equatorial para Pesquisa em Ciências da Vida.

A cerimônia aconteceu em Sipopo, na Guiné Equatorial. Foram três os premiados: a Organização de Pesquisa em Agricultura do Centro Volcani, em Israel, e os pesquisadores Rui Luís Gonçalves dos Reis, de Portugal, e Ivan Antonio Izquierdo, do Brasil.

Foto: Prefeitura de São Francisco da Glória

Grupo Assessor da ONU lança glossário de termos sobre água e saneamento

O que significa acesso universal e equitativo à água, dessalinização, eficiência do uso e gestão integrada dos recursos hídricos? Para apresentar de forma propositiva as definições internacionalmente acordadas sobre esses e outros temas, o Grupo Assessor do Sistema ONU no Brasil sobre a Agenda 2030 lançou na segunda-feira (19) em Brasília (DF) o glossário de termos do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 6 – Água potável e saneamento.

Langston Hughes, poeta e dramaturgo norte-americano. Foto: Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos

UNESCO homenageia escritor negro norte-americano em dia mundial da poesia

No Dia Mundial da Poesia, observado neste mês (21), a UNESCO celebrou a trajetória e os versos do norte-americano Langston Hughes, um dos expoentes do movimento literário e cultural conhecido como a Renascença do Harlem. Nesse bairro de Nova Iorque, artistas e intelectuais desenvolveram formas particulares de expressão e de reflexão durante os anos 1920 a fim de afirmar sua negritude na sociedade estadunidense.

Criança toma banho em Kallyanpur, favela da capital de Bangladesh, Dhaka. Foto: ONU/Kibae Park

Universalização do saneamento está lenta demais na maior parte dos países

Rascunho do relatório de monitoramento global da ONU para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 6, que prevê assegurar a disponibilidade e a gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos até 2030, mostrou que a cobertura básica de saneamento está piorando em 20 países. O documento indicou que o progresso para a universalização do serviço está lenta demais em 89 nações e somente 14 países estão no caminho de atingir a cobertura universal nos próximos 12 anos.

A prévia do documento foi divulgada durante o Fórum Mundial da Água, que ocorre até esta sexta-feira (23) em Brasília (DF).

Crianças de Cidade do Cabo, na África do Sul na década de 1980, quando o casamento inter-racial era ilegal no país. Foto: ONU

Em data contra discriminação racial, ONU pede promoção da tolerância e respeito à diversidade

Pessoas em todo o mundo estão sendo encorajadas pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a pensar em como podem promover melhor a tolerância, a inclusão e o respeito pela diversidade.

Apesar dos avanços, Guterres listou questões urgentes pendentes, como a desigualdade de gênero; o “aumento alarmante” da xenofobia, do racismo e da intolerância; e um ressurgimento dos partidos políticos de extrema-direita e dos pontos de vista neonazistas.

“De insultos e humilhações a crimes de ódio e massacres, das dificuldades de se obter acesso ao mercado de trabalho às práticas racistas institucionalizadas, a discriminação racial assume muitas formas, que às vezes são extremamente brutais, enquanto em outras são ocultas e dissimuladas”, acrescentou a chefe da UNESCO, Audrey Azoulay.

O coordenador-residente do Sistema ONU e representante do PNUD no Brasil, Niky Fabiancic, durante abertura da Conferência Internacional da Primeira Infância. Foto: Beto Barata/PR

Políticas públicas para a primeira infância são tema de conferência internacional em Brasília

Compartilhar experiências e lições aprendidas com a ampliação de programas de desenvolvimento da primeira infância e estabelecer um consenso nacional duradouro em torno do programa ‘Criança Feliz’ é a proposta da Conferência Internacional da Primeira Infância, que teve início nesta terça-feira (20) em Brasília. Cinco organismos das Nações Unidas no Brasil apoiam o programa desde sua concepção, em 2016.

Relatório foi lançado durante evento no Fórum Mundial da Água. Foto: Jorge Cardoso/8º FMA

Relatório da UNESCO indica soluções baseadas na natureza para uma melhor gestão da água

A infraestrutura cinza, ou seja, aquela construída pelo homem, foi por muito tempo considerada a principal forma de gestão da água no mundo. No entanto, soluções baseadas na natureza muitas vezes podem ser mais eficientes em termos de custo-benefício, de acordo com o coordenador e diretor do Programa Mundial de Avaliação dos Recursos Hídricos (WWAP, na sigla em inglês) da UNESCO, Stefan Uhlenbrook.

Em entrevista ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) durante o Fórum Mundial da Água em Brasília (DF), o especialista afirmou que a chamada infraestrutura verde, ou soluções baseadas na natureza, como a agricultura de conservação, é subutilizada globalmente, respondendo por apenas 5% dos investimentos no setor de água.

Em Brasília, Michel Temer se encontra com a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, para a abertura do Fórum Mundial da Água. Foto: Beto Barata/PR

No Brasil, chefe da UNESCO destaca importância das mulheres para melhorar gestão da água no mundo

A voz das mulheres é indispensável para abordar a questão da melhor gestão e uso da água no mundo, na avaliação da diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, presente na abertura do Fórum Mundial da Água nesta segunda-feira (19) em Brasília (DF).

“Trata-se de questão na qual a voz das mulheres se faz indispensável, desempenham papel central no provimento, gestão e abastecimento da água”, disse Audrey, lembrando que as mulheres do mundo, somadas, gastam mais de 200 milhões de horas por dia buscando água.

Devido a papéis tradicionais de gênero, em muitas comunidades com difícil acesso à água as mulheres são responsáveis por sua coleta em diferentes lugares do mundo.

Manguezal derrubado no Timor-Leste. Foto: ONU/Martine Perret

UNESCO lança relatório mundial sobre desenvolvimento dos recursos hídricos

As soluções baseadas na natureza podem ter um papel importante na melhoria do abastecimento e da qualidade da água e na redução do impacto dos desastres naturais, de acordo com a edição de 2018 do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos.

O estudo, que será apresentado nesta segunda-feira (19) por Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO, e por Gilbert Houngbo, diretor do UN Water (ONU Água, em tradução livre) durante 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília, defende que reservatórios, canais de irrigação e estações de tratamento de água não sejam os únicos instrumentos de gestão hídrica à nossa disposição.

Reserva de vida silvestre no condado de Kent, em Maryland, nos Estados Unidos. Na imagem, vê-se o rio Chester, um dos cursos d'água que desemboca na Baía de Chesapeake. Foto: Programa da Baía de Chesapeake/Will Parson

Principal relatório da ONU sobre recursos hídricos será lançado no 8º Fórum Mundial da Água

Reservatórios, canais de irrigação e estações de tratamento de água não são os únicos instrumentos disponíveis para a gestão hídrica: soluções baseadas na natureza (SbN) podem colaborar para a melhoria da qualidade da água e do abastecimento, e até mesmo desempenhar um importante papel para evitar desastres naturais. Isso é o que defende a nova edição do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos (WWDR).

Pela primeira vez, o lançamento mundial do relatório irá acontecer no Brasil, na ocasião do 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília.

Em uma sessão especial na segunda-feira (19), em Brasília, a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, juntamente com o vice-presidente do UN-Water (ONU Água, em tradução livre), Joakim Harlin, o diretor-executivo do ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, e o Ministro do Departamento de Água e Saneamento do Governo da África do Sul, Gugile Nkwinti, fazem a abertura do evento.

A Reserva da Biosfera de Bia, em Gana, é uma das três reservas na África que se beneficiou do projeto ‘Economia Verde em Reservas da Biosfera: um meio para conservação da biodiversidade, redução da pobreza e desenvolvimento sustentável na África subsaariana’.

Com apoio da UNESCO, Gana preserva reserva florestal e apoia comunidades locais; vídeo

A Reserva da Biosfera de Bia, em Gana, é uma das três reservas na África que se beneficiou do projeto ‘Economia Verde em Reservas da Biosfera: um meio para conservação da biodiversidade, redução da pobreza e desenvolvimento sustentável na África subsaariana’.

O objetivo do projeto era diversificar a economia das comunidades que vivem nas Reservas da Biosfera e ao seu redor, a fim de reduzir a dependência excessiva de recursos florestais, como os produtos florestais não madeireiros. O objetivo final é melhorar o status socioeconômico das comunidades locais e conservar a biodiversidade.

O projeto é financiado pela Agência de Cooperação Internacional da Coreia do Sul (KOICA) e implementado pela UNESCO no âmbito do Programa O Homem e a Biosfera (MaB). Saiba mais nesse vídeo especial.

Evento no Rio de Janeiro reuniu pesquisadoras para discutir desigualdades de gênero na ciência. Foto: Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino/Andressa Dias

Pesquisadoras discutem no Rio formas de ampliar participação das mulheres na ciência

A maioria dos países, industrializados ou não, está longe de alcançar a paridade de gênero nas disciplinas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, alertaram recentemente representantes globais da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e da ONU Mulheres.

No Brasil, esse cenário não é diferente, na opinião de pesquisadoras que se reuniram no Rio de Janeiro para discutir o tema em evento organizado pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino. Para elas, é preciso implementar políticas afirmativas na academia, acompanhadas de mudanças estruturais na educação básica para incentivar que mulheres e meninas tenham posição de destaque nessas áreas.

Maratona digital na sede da UNESCO levou para a Wikipedia mais biografias de mulheres notáveis. Foto: UNESCO

UNESCO e Wikipédia se unem para contar histórias de mulheres notáveis em dia mundial

Atualmente, apenas uma em cada seis biografias publicadas na Wikipédia é sobre uma mulher. Para reverter esse desequilíbrio e chamar atenção para as desigualdades de gênero no universo digital, a UNESCO se uniu à plataforma de conhecimento e promoveu em sua sede, em Paris, uma maratona de edição de conteúdo.

Organizada para o Dia Internacional das Mulheres, lembrado neste 8 de março, a iniciativa busca levar para o portal mais histórias de mulheres cujas realizações nas áreas de cultura, educação e ciência são inegáveis.

Manual aborda exportação de serviços e bens culturais levando em conta particularidades de diferentes segmentos da indústria criativa brasileira. Foto: Ministério da Cultura/UNESCO

UNESCO e governo brasileiro lançam manual de exportação de bens e serviços culturais

Publicação visa estimular empreendedores a levar a produção cultural brasileira para além das fronteiras do país. O documento abrange cinco áreas da indústria criativa — TV e Mídias Digitais, Cinema, Música, Games e Publicidade — e traz orientações sobre como se inserir no mercado global.

A publicação apresenta informações sobre acesso a mercados, exigência de vistos, regimes tributários, cobrança de taxas, necessidade de documentos adicionais, procedimentos e prazos de tramitação, modelos de contratos e feiras de negócios.

O concurso tem como objetivo selecionar vídeos que promovam uma reflexão sobre as comunidades afrodescendentes e a busca do pleno exercício de seus direitos. Foto: EBC

IberCultura Viva e UNESCO divulgam candidatos aprovados para próxima etapa de concurso de vídeos

O programa IberCultura Viva e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) divulgaram a lista final dos candidatos habilitados a seguir para a próxima etapa do concurso de curtas-metragens “Comunidades Afrodescendentes: Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento”.

Dos 132 vídeos inscritos, foram habilitados 90, sendo 57 do Brasil, 16 da Argentina, seis do Chile, três da Costa Rica, três do Equador, três do Uruguai, um do Peru, e um do México.

Celebrações do Dia Mundial do Rádio em 2014. Foto: Flickr (CC)

Em Dia Mundial do Rádio, ONU celebra transmissões de eventos esportivos

O ano de 2018 será marcado por grandes eventos esportivos que têm a capacidade de unir corações e mentes de pessoas de todo o mundo. Levando isso em consideração, o tema para o Dia Mundial do Rádio 2018, lembrado em 13 de fevereiro, é “Rádio e Esportes”.

No Brasil, rádios, atletas, a representação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e o Ministério dos Esportes se uniram na missão de mostrar a beleza dos esportes em toda a sua diversidade por meio da radiodifusão.

Professora Amivi Kafui Tete-Benissan (esquerda) ensina biologia celular e bioquímica na Universidade de Lomé, na capital do Togo. Foto: Banco Mundial/Stephan Gladieu

Maioria dos países está longe de alcançar paridade de gênero na ciência, dizem agências da ONU

A maioria dos países, industrializados ou não, está longe de alcançar a paridade de gênero nas disciplinas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, em todos os âmbitos do sistema educacional. O alerta foi feito pela diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, e pela diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, em mensagem conjunta para a ocasião do Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, 11 de fevereiro.

“É difícil para as meninas acreditarem em si mesmas como cientistas, exploradoras, inovadoras, engenheiras e inventoras quando as imagens que veem nas mídias sociais, nos livros didáticos e na publicidade refletem os papéis estreitos e limitantes de gênero”, disseram as oficiais da ONU.

Debate promovido por UNESCO, ONU Mulheres e Serasa Experian discute empoderamento das mulheres na ciência e tecnologia. Foto: EBC

ONU e Serasa promovem debate em SP sobre mulheres na ciência

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), a ONU Mulheres e a Serasa Experian, empresa brasileira de análises e informações para decisões de crédito e apoio a negócios, realizam nesta segunda-feira (5) em São Paulo o evento “Por um Planeta 50-50 em 2030: Mais Mulheres e Meninas na Ciência & Tecnologia”, com o objetivo de promover o empoderamento das mulheres e a igualdade de gênero nessas áreas. O debate é transmitido ao vivo pela Internet.

Usina de Itaipu. Foto: EBC

UNESCO lança ferramenta online para monitorar qualidade da água no mundo

O Programa Hidrológico Internacional (PHI) da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançou esta semana (29) o Portal da Qualidade da Água Mundial, que fornece informações sobre a qualidade da água doce em escala global, usando dados de sensoriamento remoto.

Nessa fase de demonstração, o site fornece uma série cronológica de dados referentes a sete bacias hidrográficas e recursos hídricos da superfície em todas regiões do mundo, entre eles o reservatório de Itaipu e a Bacia do Rio Paraná.

As economias em desenvolvimento, lideradas pela China e pela Índia, responderam por quase 90% das 750 milhões de pessoas que ficaram online pela primeira vez entre 2012 e 2015, de acordo com dados da União Internacional de Telecomunicações (UIT). Foto: EBC

UNESCO publica estudo sobre liberdade de expressão e privacidade na Internet

Os resultados do estudo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) reforçam a crescente conscientização de como a revolução digital está influenciando todas as esferas da vida pública e privada.

Cada vez mais informações pessoais e públicas são coletadas, armazenadas, processadas e compartilhadas eletronicamente. Tudo isso traz oportunidades para o desenvolvimento socioeconômico e sustentável, assim como desafios diversos em áreas como acesso, liberdade de expressão, privacidade e ética.

Claude Lanzmann em visita à sede da UNESCO para a pré-estreia de seu filme "As quatro irmãs de Hipócrates" - Ruth Elias. Foto: UNESCO

UNESCO lembra vítimas do Holocausto com pré-estreia de filme do cineasta Claude Lanzmann

O filme “As quatro irmãs: O sermão de Hipócrates — Ruth Elias” acompanha a trajetória da tcheca levada pelos nazistas para o gueto de Theresienstadt e, posteriormente, para o campo de Auschwitz.

A obra faz parte de uma tetralogia que será divulgada pelo canal ARTE — os segmentos sobre Ruth Elias e sobre outra sobrevivente, Ada Lichtman, já foram disponibilizados gratuitamente no site da emissora.

Foto: UNESCO

Guia de educação em sexualidade da ONU enfatiza igualdade de gênero e direitos humanos

Perto de completar dez anos, o guia “Orientações Técnicas de Educação em Sexualidade”, voltado para legisladores que trabalham na elaboração de currículos escolares no mundo todo, teve esta semana sua edição atualizada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Com base em uma análise das melhores práticas no mundo, o guia mostra que a educação em sexualidade ajuda os jovens a se tornar mais responsáveis em sua atitude e comportamento no que se refere à saúde sexual e reprodutiva. Também é essencial no combate à evasão escolar de meninas provocada por gravidez ou casamento precoce.

Redução do nível de oxigênio dos oceanos afeta a vida marinha. Foto: ONU

Redução do nível de oxigênio nos oceanos ameaça vida marinha, alerta estudo

Um novo artigo publicado na revista Science mostra que as concentrações de oxigênio no oceano estão caindo, não apenas como resultado das mudanças climáticas, mas também da poluição. Tal fenômeno representa uma séria ameaça para a vida marinha e para as populações cuja sobrevivência depende dos oceanos.

O estudo — realizado por uma equipe de cientistas da Global Ocean Oxygen Network, um novo grupo de trabalho criado pela Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO — destaca os maiores perigos para as comunidades oceânicas e costeiras e o que será necessário fazer para manter as águas da Terra saudáveis e produtivas.

O jogador da Juventus Blaise Matuidi. Foto: Flickr/Xavier NALTCHAYAN (CC)

UNESCO e Ministério dos Esportes da França condenam racismo contra jogador francês na Itália

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay, e a ministra dos Esportes da França, Laura Flessel, condenaram na segunda-feira (8) os insultos racistas proferidos durante partidas de futebol na Europa no último fim de semana.

“O racismo não tem lugar nos campos nem fora deles. Condenamos sem reservas os insultos racistas direcionados (ao jogador francês) Blaise Matuidi, que joga na Juventus de Turim e na seleção francesa. Denunciamos todos os atos racistas que regularmente estragam os eventos esportivos no mundo todo. O esporte precisa permanecer como um vetor de excelência, entendimento mútuo e tolerância. Nada pode justificar o uso do esporte para impulsionar ódio, discriminação e rejeição”, declararam.