Foto: EBC

UNESCO: pandemia expõe importância de universalizar acesso à Internet no mundo

A pandemia de COVID-19 tem lembrado o mundo sobre a importância da Internet como uma janela para a educação, o acesso à informação, saúde, cultura e a inúmeros outros aspectos da vida diária.

O hiato digital entre quem está online e offline está ameaçando se tornar a nova face da desigualdade, reforçando desvantagens sociais e econômicas, disse a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

PNUMA e UNESCO se unem ao Instituto Alana na campanha global da semana sem plástico

Pela primeira vez no Brasil acontece a Semana Sem Plástico, entre os dias de 27 a 31 de julho, com o intuito de fomentar reflexões sobre o uso indiscriminado do plástico e dos hábitos de consumo.

Fazem parte da iniciativa o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente no Brasil (PNUMA), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil, o Instituto Alana, por meio do programa Criança e Consumo, Break Free From Plastic, Videocamp, Instituto Polis, GAIA e Aliança Resíduo Zero Brasil.

A Semana Sem Plástico faz parte da campanha global #PlasticFreeJuly e terá programação digital e gratuita. Participe!

UNESCO e parceiros lançam pesquisa para avaliar como a COVID-19 está afetando o setor cultural

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), a Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB), a Organização dos Estados Ibero-americanos para a Promoção da Ciência e Cultura (OEI), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o MERCOSUL Cultural lançaram uma pesquisa para entender como a pandemia da COVID-19 está afetando os trabalhadores do setor cultural e criativo da América Latina e do Caribe.

O objetivo da pesquisa é utilizar a informação atualizada do setor para desenvolver políticas para fortalecer a criação, produção, distribuição e acesso a bens e serviços culturais neste novo contexto.

A pesquisa é dirigida tanto a artistas e trabalhadores do setor (funcionários ou autônomos) quanto a donos ou gerentes de empresas criativas e culturais.

Evento da UNESCO discute bioética e direitos humanos na pandemia de COVID-19 - Foto: UNESCO

UNESCO discute implicações de bioética e direitos humanos durante a pandemia

A UNESCO no Brasil, em parceria com a Sociedade Brasileira de Bioética e a Cátedra UNESCO de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara realizou na quarta-feira (15) o webinar “Perspectivas de bioética e direitos humanos no Brasil” para discutir as implicações da pandemia da COVID-19 no tema.

O Brasil atingiu a marca de 75 mil vítimas da doença e enfrenta inúmeros desafios em consequência da crise, como o aumento de casos de violência doméstica, o combate à desinformação e às fake news e as dificuldades de se garantir acesso à educação e à cultura para todos.

Fotos; UNAIDS

Projeto Balaio ajuda mais de 800 pessoas LGBTI e pessoas vivendo com HIV em SP

O Projeto Balaio, liderado pela ONG Instituto Cultural Barong, em São Paulo (SP), concluiu em junho a entrega de mais de 390 cestas básicas de alimentos, itens de higiene e limpeza, kits de saúde e prevenção sexual.

No total, foram beneficiadas mais de 800 pessoas LGBTI e pessoas que vivem com HIV em situação de extrema vulnerabilidade na capital paulista. A expectativa é de que mais 550 cestas de alimentos e itens de higiene, além de 550 kits de saúde e prevenção sexual, sejam distribuídos em julho.

A ação é realizada em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

UNESCO produz mensagens de áudio para combater desinformação sobre COVID-19

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) produziu uma série de mensagens de áudio que podem ser usadas livremente por emissoras de todo o mundo para ajudar a combater a desinformação sobre a COVID-19 e promover comportamentos saudáveis.

As curtas mensagens de áudio (disponíveis em várias línguas, incluindo o português) fornecem informações úteis sobre medidas preventivas, esclarecem mitos sobre o vírus e destacam a importância da não discriminação e da solidariedade.

Foto: EBC/Marcelo Camargo

Quase 50 milhões de brasileiros dizem ter sofrido constrangimento em abordagem policial

Uma pesquisa inédita apresentada em webinário realizado na semana passada (8) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e parceiros mostrou que 49 milhões de brasileiros declararam já ter sofrido algum tipo de constrangimento durante abordagem policial.

A pesquisa também apontou que 64% dos homens negros das classes C, D e E já foram abordados pela polícia de modo agressivo e apenas 5% dos brasileiros consultados disseram acreditar que a polícia não é racista.

O webinário, promovido pela Central Única das Favelas (CUFA), Instituto Locomotiva e a UNESCO no Brasil, discutiu a violência nas periferias e abordou a atuação da polícia nas favelas. Esta e as edições anteriores da série “Fórum Data Favela” estão disponíveis no canal da UNESCO no YouTube.

Concurso da UNESCO convida famílias a contar histórias em vídeo

UNESCO convida famílias para concurso latino-americano de vídeos

A UNESCO e o Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e Caribe (CERLALC) convidam todas as famílias da América Latina e do Caribe a criarem histórias e compartilhá-las em vídeos de até 5 minutos de duração com a hashtag  #OsContosDoVento no Facebook e no Instagram.

O fechamento de escolas, bibliotecas, centros culturais e outros locais de encontro, como resposta preventiva à COVID-19, causou impactos na vida de todas as pessoas. As famílias enfrentam o desafio de realizar atividades que promovam aprendizagens significativas, além de contribuírem para a convivência harmônica. Uma dessas atividades é exatamente a de “contar contos”.

O trabalho da UNESCO sobre a recomendação tem como base o estudo preliminar sobre ética da inteligência artificial da Comissão Mundial da UNESCO sobre Ética do Conhecimento e Tecnologia Científica (COMEST). Foto: EBC

UNESCO inicia consulta pública sobre padrões globais de ética na inteligência artificial

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) iniciou um processo de dois anos para elaborar o primeiro instrumento mundial de definição de padrões sobre a ética da inteligência artificial (IA), após a decisão tomada durante a 40ª sessão da Conferência Geral da Organização, em novembro de 2019.

A UNESCO convida as partes interessadas a preencherem questionário online, disponível em inglês e em francês, sobre o texto preliminar. A data limite para envio de manifestações é 31 de julho. 

Debate discutirá o tema "Tecnologia e ensino superior: pesquisa e educação virtual no novo normal". Foto: Wikimedia Commons/Colin

UN75: Seminário online discute pesquisa e educação virtual no contexto da pandemia de COVID-19

O Impacto Acadêmico das Nações Unidas (UNAI) vem promovendo uma série de diálogos com acadêmicos, educadores, pesquisadores e estudantes sobre as prioridades para o futuro, os obstáculos para alcançá-las e o papel da cooperação acadêmica global para repensar as questões de interesse mundial.

Nesse sentido, será realizado na semana que vem (15) seminário online sobre o tema “Tecnologia e ensino superior: pesquisa e educação virtual no novo normal” em meio à pandemia de COVID-19. Saiba como participar.

A escala e a velocidade dos fechamentos de escolas e universidades representa um desafio sem precedentes para o setor da educação. Foto: UNESCO

UNESCO: 40% dos países mais pobres não apoiam estudantes em situação de vulnerabilidade na pandemia

Menos de 10% dos países têm leis que ajudam a garantir a inclusão plena na educação, de acordo com o Relatório de Monitoramento Global da Educação de 2020, lançado nesta terça-feira (23) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O relatório identificou um aumento da exclusão durante a pandemia da COVID-19, e estimou que cerca de 40% dos países de renda baixa e média-baixa não apoiaram os estudantes desfavorecidos durante o fechamento temporário das escolas.

Jovens de todo o Brasil foram ouvidos na pesquisa sobre os efeitos da pandemia do novo coronavírus na juventude. Foto: Alexandra_Koch/ Pixabay

UNESCO participa de lançamento de pesquisa sobre reflexos da pandemia na juventude

O Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), em parceria com a representação no Brasil da UNESCO, Fundação Roberto Marinho, Rede Conhecimento Social, Em Movimento, Visão Mundial, Mapa Educação e Porvir, lança nesta terça-feira (23), às 16h, a pesquisa “Juventudes e a Pandemia do Coronavírus”.

O estudo ouviu 33.688 jovens de todas as regiões do Brasil e apresentará dados inéditos sobre o tema. O evento virtual será transmitido ao vivo pela pelo Canal Futura no YouTube.

Embora quase todos os países (88%) possuam leis importantes para proteger as crianças da violência, menos da metade dos países (47%) afirmou que essas legislações estavam sendo consistentemente aplicadas. Foto: UNICEF/Watad

Países estão falhando em prevenir violência contra crianças, alertam agências da ONU

Metade das crianças do mundo – ou aproximadamente 1 bilhão – é afetada por violência física, sexual ou psicológica a cada ano, sofrendo lesões, incapacidade e morte em razão do não cumprimento por parte dos países das estratégias estabelecidas para protegê-las.

A informação está em novo relatório publicado na quarta-feira (17) por Organização Mundial da Saúde (OMS), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), representante especial do secretário-geral das Nações Unidas para a violência contra as crianças e End Violence Partnership.

Segundo dados de 2014 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), negros e negras, o que inclui pardos e pretos, compõem 53,6% da população brasileira.

Nove em cada dez brasileiros dizem que negros têm mais chance de serem abordados de forma violenta pela polícia

O primeiro webinário Fórum Data Favela, com a organização da Central Única das Favelas (CUFA), do Instituto Locomotiva e da UNESCO no Brasil, apresentou na quarta-feira (17) dados inéditos da pesquisa “As Faces do Racismo”.

O levantamento aponta as desigualdades que os negros enfrentam para entrar no mercado de trabalho e para ter acesso e oportunidades de estudo. Também revela que nove em cada dez brasileiros reconhecem que pessoas negras têm mais chance de serem abordados de forma violenta pela polícia.

ARTIGO: Reabrir as escolas: quando, onde e como?

O fechamento prolongado das escolas pode aumentar as desigualdades, aprofundar a crise de aprendizagem e expor as crianças mais vulneráveis a um maior risco de exploração. A análise é feita pela Stefania Giannini, diretora-geral adjunta de Educação da UNESCO; Robert Jenkins, chefe de Educação e diretor associado do UNICEF; e Jaime Saavedra, diretor global de Educação do Banco Mundial. Eles afirmam que quanto mais tempo as crianças vulneráveis estiverem fora da escola, menor será a probabilidade de elas voltarem a frequentá-la.

Em artigo, os dirigentes compartilham a aspiração de que as escolas reabram oportunamente e com segurança, garantindo o direito à educação de todas as crianças e jovens. Apresentam também orientações que oferecem conselhos práticos às autoridades nacionais e locais sobre como manter as crianças seguras quando voltarem à escola. Leia o artigo na íntegra.

Visita de atendimento do programa Criança Feliz - Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania

Agências da ONU fortalecem capacidade de visitadores familiares em meio à pandemia

Para apoiar o Programa Criança Feliz no contexto da pandemia, agências do Sistema ONU estão desenvolvendo uma série de conteúdos para fortalecer o trabalho dos visitadores familiares do programa.

Toda semana, esses profissionais recebem vídeos, podcasts e conteúdos informativos com foco em temas como saúde emocional familiar e os cuidados parentais; ansiedade infantil; entre outros.

O Criança Feliz, que teve início em 2016, é uma política pública com foco no desenvolvimento adequado na primeira infância e articula um trabalho entre os setores de saúde, assistência social, educação, justiça, cultura e direitos humanos. Leia o relato do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

UNESCO lamenta incêndio no prédio do Museu de História Natural da UFMG

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil lamentou o incêndio que atingiu o Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG (MHNJB/UFMG) na manhã de segunda-feira (15) e manifestou solidariedade diante da perda inestimável para o patrimônio cultural brasileiro e para a humanidade.

O museu está instalado em uma área de vegetação típica da Mata Atlântica, em Belo Horizonte (MG), e dispõe de um acervo formado por aproximadamente 265,6 mil itens, entre peças e espécimes científicos preservados e vivos, além de vasta documentação bibliográfica e arquivística.

Ação de voluntariado apoiada pelo UNAIDS ajuda pessoas vivendo com HIV na América Latina em meio à pandemia. Foto: UNAIDS

COVID-19: movimento de mulheres apoia pessoas vivendo com HIV em países latino-americanos

A Estratégia de Voluntariado das Américas foi lançada pelo Movimento de Mulheres Positivas da América Latina e do Caribe (MLCM+) com apoio de escritórios do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) na América Latina e o Caribe.

Até o momento, a iniciativa está presente em 17 países da região, com 850 voluntários e mais de 3 mil pedidos de ajuda. Tais pedidos referem-se principalmente à necessidade de medicamentos, alimentos e métodos de prevenção.

No Brasil, eles se articularam com UNAIDS e Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) através do Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas (MNCP).

Participe da pesquisa sobre os impactos da COVID-19 nos setores culturais e criativos do Brasil

No dia 10 de junho, um grupo formado por pesquisadores, sociedade civil, instituições e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançou uma pesquisa para avaliar os impactos da COVID-19 nas cadeias de produção e distribuição dos setores culturais e criativos.

Juntos, esses setores movimentam R$ 171,5 bilhões por ano, o equivalente a 2,61% de toda a riqueza nacional, empregando 837,2 mil profissionais. Antes da pandemia, era previsto que os setores culturais e criativos gerassem R$ 43,7 bilhões para o PIB brasileiro, até 2021. Duramente atingidos, praticantes, empreendedores, artistas e trabalhadores desses setores serão os últimos a retomarem suas atividades.

Tia Rô recebe ligações de voluntários do projeto Histórias por Telefone, no Rio de Janeiro - Foto: arquivo pessoal

In Rio de Janeiro, reading project connects people during the pandemic

Every week, Cristina Ávila, 45, picks up her phone in the neighborhood of Anil, in Rio de Janeiro, Brazil, and dials phone numbers that she’d never called before. Meanwhile, every week in Cidade de Deus, a neighborhood in the northern region of the city, the phone of Rosângela Oliveira – or Aunt Rô –, 62, receives a call from someone whose voice she does not recognize.

Just over a month ago, people who have never ever exchanged words before now come together through stories and poetry that are shared over the phone, forming connections that started in Rio de Janeiro and that today extend to the African continent – with Brazilians that reside in Kenya receiving calls.

This is how the Stories by Phone project, promoted by the Secretary of Culture and Creative Economy of the State of Rio de Janeiro, is proposing that people feel less alone in the midst of social isolation, caused by the new coronavirus pandemic.

Tia Rô recebe ligações de voluntários do projeto Histórias por Telefone, no Rio de Janeiro - Foto: arquivo pessoal

No Rio, projeto conecta pessoas por meio da literatura durante a pandemia

Toda semana, Cristina Ávila, de 45 anos, pega o telefone no bairro de Anil, no Rio de Janeiro (RJ), e digita uma coleção de números que nunca antes havia combinado. Enquanto isso, toda semana na Cidade de Deus, também no Rio, o telefone de Rosângela Oliveira – ou Tia Rô –, de 62, recebe ligações de pessoas das quais nunca ouvira a voz antes.

Conheça o projeto Histórias por Telefone: voluntários leem poemas e histórias para idosos em isolamento social durante a pandemia da COVID-19.

Segundo levantamento feito pelas empresas MindMiners e Avaaaz, 70% dos brasileiros buscam informações sobre coronavírus uma ou mais vezes por dia. Foto: PEXELS

UNESCO, Lupa e Serrapilheira unem-se contra desinformação sobre COVID-19 no Brasil

A Agência Lupa, a maior agência de checagem de fatos do Brasil, numa parceria com o Instituto Serrapilheira, dedicado ao fomento à ciência e divulgação científica, UNESCO e os veículos de mídia Folha de S.Paulo e UOL lançam nessa terça-feira (9) um desdobramento do projeto CoronaVerificado.

Trata-se de uma iniciativa de três meses para combater a desinformação a respeito do novo coronavírus e da COVID-19, com produção de conteúdo analítico baseado na plataforma de informações verificadas lançada em maio pela Lupa em parceria com Google News Initiative e LatamChequea.

Rede global de governos e organizações pede apoio a profissionais de educação durante pandemia

A Força-Tarefa Internacional para Professores pela Educação 2030 fez um chamado à ação para garantir que estes profissionais sejam protegidos, apoiados e reconhecidos durante a pandemia de COVID-19.

A iniciativa é uma rede mundial composta por mais de 90 governos e cerca de 50 organizações internacionais e regionais, incluindo agências da ONU, que trabalham para promover questões relativas aos professores e ao ensino. Seu secretariado está abrigado na sede da UNESCO, em Paris.

O documento pede “liderança e recursos financeiros, bem como materiais para os professores, a fim de garantir que o ensino e a aprendizagem de qualidade possam continuar sendo oferecidos à distância durante esta crise e também para que a recuperação seja rápida”.

Como se informar de maneira responsável em tempos de pandemia

O PNUD e a UNESCO uniram forças e lançaram uma campanha de conscientização para incentivar cidadãs e cidadãos a informarem-se com responsabilidade durante a pandemia da COVID-19.

No contexto atual, há uma peculiaridade que a distingue de qualquer outra crise de saúde do passado: o papel das redes sociais e o impacto delas nas pessoas. As plataformas digitais são capazes de viralizar informações valiosas rapidamente e em todas as partes do mundo, mas fazem o mesmo com conteúdos não verificados que podem colocar a população em risco.

Museu Nacional celebra 202 anos e apresenta ações de reconstrução e restauração em curso

Importante instituição cultural, acadêmica e científica brasileira, o Museu Nacional/UFRJ celebra 202 anos no sábado (6) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) é parceira nas comemorações.

Nesta sexta-feira (5), o webinário “Museu Nacional 202 anos: [re]construindo horizontes” às 16h vai apresentar os principais projetos e atividades que estão sendo realizadas para a reconstrução do Museu, atingido por um grande incêndio em setembro de 2018.

ARTIGO: Priorizar a saúde e o bem-estar agora e quando as escolas reabrirem

Em artigo, a diretora-geral adjunta de Educação da UNESCO, Stefania Giannini, afirma que a escola desempenha um papel fundamental no que se refere ao apoio à saúde e ao bem-estar dos estudantes e de toda a comunidade escolar.

“Em todo o mundo, os ministérios da Educação estão inovando para apoiar a saúde e o bem-estar dos estudantes durante o período de fechamento das escolas, reconhecendo que os problemas sociais e de saúde afetam a educação e conectam as famílias às escolas com serviços de apoio necessários, desde recursos de aprendizagem usados na promoção da saúde até o aconselhamento e serviços de saúde sexual e reprodutiva”. Leia o artigo completo.

Sondagem pública da UNESCO busca listar desafios que ameaçam a paz no mundo

A UNESCO lança uma sondagem pública em um momento de profunda revolta social relacionada à pandemia da COVID-19. Existem apelos urgentes à reflexão sobre o mundo que surgirá da crise e como será o enfrentamento dos principais desafios em andamento, como mudança climática, violência, desigualdades generalizadas e grandes perturbações tecnológicas.

A pesquisa está aberta a todos e, em breve, estará disponível em pelo menos 20 línguas. A pesquisa receberá contribuições durante três meses e o resultado será divulgado em setembro de 2020. A UNESCO analisará as visões mundiais e regionais sobre os desafios atuais, que ajudarão a organização definir uma agenda global de ação para os próximos dez anos.

Pesquisas estão em andamento no mundo todo para encontrar uma vacina contra a doença provocada pelo novo coronavírus. Foto: Loey Felipe/UN Photo

Países do Sul Global compartilham conhecimentos científicos sobre COVID-19 em portal da UNESCO

O direito de acesso à informação tornou-se mais relevante do que nunca na luta contra a pandemia da COVID-19. Compartilhar pesquisas científicas e inovações revisadas por pares é fundamental para se encontrar uma vacina, formular medidas efetivas de saúde pública e abordar as realidades pós-pandemia.

Isso exige que pesquisas científicas e informações sobre inovações possam ser localizadas, acessadas, operadas em conjunto e reutilizadas. Também é essencial que os princípios de acesso aberto e inclusão recebam apoio.

UNESCO celebra o poder da arte e da educação em todo o mundo

A Semana Internacional da Educação Artística de 2020, que ocorre anualmente na quarta semana do mês de maio, ganha um novo significado este ano, pois 90% da população estudantil de todo o mundo está sendo afetada pelo fechamento das escolas; além disso, os sítios do Patrimônio Mundial e as instituições culturais – como museus, teatros e cinemas – estão fechados, e os artistas estão lutando para manter seus meios de subsistência.

Mais do que nunca, a educação artística está sendo reconhecida como uma parte essencial de uma educação abrangente, porque ajuda no avanço dos resultados da aprendizagem e no desenvolvimento de novas habilidades dos estudantes. Em tempos de crise, a educação artística é particularmente valiosa, pois, mesmo em um contexto de confinamento, ela inspira a criatividade, fornece apoio psicológico e constrói conexões entre as pessoas e as comunidades.

UNESCO lança publicação com orientações sobre práticas educacionais abertas durante a pandemia

Em resposta aos atuais desafios causados pela interrupção da educação presencial, que afeta 1,57 bilhão de estudantes em 191 países, organismos da UNESCO lançaram a publicação “Diretrizes sobre práticas educacionais abertas durante a pandemia da COVID-19”.

Práticas Educacionais Abertas (PEA) são aquelas que utilizam Recursos Educacionais Abertos (REA), materiais de suporte à educação que podem ser acessados, reutilizados, modificados e compartilhados livremente.

Violência de gênero e COVID-19: “Quando nos calamos, permitimos que esses crimes se multipliquem”

A ONU Mulheres estima que, nos últimos 12 meses, 243 milhões de mulheres e adolescentes de 15 a 49 anos foram submetidas a violência sexual e/ou física por algum parceiro íntimo. Como resultado do isolamento imposto para impedir a disseminação da COVID-19, dados mostram que esse tipo de violência se intensificou.

A rede social russa Odnoklassniki, também conhecida como OK, organizou uma transmissão on-line para que especialistas e interessados no tema pudessem discutir como sobreviver ao isolamento e evitar conflitos familiares e violência de gênero. A transmissão foi vista por 1,7 milhão de usuários da rede OK no leste da Europa e na Ásia central. A transmissão foi parte de uma iniciativa conjunta do escritório regional do UNAIDS para a Europa Oriental e Ásia Central, o Instituto de Tecnologias de Informação para a Educação da UNESCO e a rede social OK, em parceria com a ONU Mulheres.

Além dos artigos científicos já publicados e outros ainda inéditos, o Diretório apresenta dados de pesquisa, ensaios clínicos, teses, dissertações e outros materiais. Foto: Spark

IBICT e UNESCO lançam portal com informações científicas sobre COVID-19 em acesso aberto

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), em parceria com a UNESCO no Brasil, lançou na quarta-feira (20) o portal Ciência Aberta é Vida, que reúne fontes de informação científica nacional e internacional, em acesso aberto, com conteúdo sobre a COVID-19.

Além dos artigos científicos já publicados e outros ainda inéditos, o diretório apresenta dados de pesquisas, ensaios clínicos, teses, dissertações e outros materiais referentes à produção dos pesquisadores do mundo todo.

A cantora brasileira Iza.

ONU Brasil participa de lançamento de novo sucesso da diva pop Iza

Uma campanha global será lançada nesta quinta-feira (21) para inspirar um movimento de transformação social e mobilizar pessoas em apoio aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Organizada pela Humanity Lab Foundation em parceria com a Warner Music e em colaboração com Nações Unidas, UNESCO, Agência da ONU para os Refugiados no Brasil (ACNUR) e ACM/YMCA Mundial, a ação visa gerar um debate em torno das ações necessárias para responder aos complexos desafios sociais e políticos atuais.

“A transformação real só é possível com a participação e contribuição de todos: governos, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos”, disse o coordenador-residente das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic.

UNESCO destaca as vozes de mulheres ao imaginar o mundo pós-pandemia

A UNESCO convidou as principais pensadoras, artistas e ativistas de diversas áreas, que vão desde a climatologia às relações internacionais, passando pela física e pelos estudos africanos, para expressar suas opiniões sobre os desafios e as oportunidades que o mundo enfrentará após a pandemia da COVID-19.

Os primeiros vídeos publicados hoje oferecem uma perspectiva feminina sobre questões relacionadas ao meio ambiente, à educação e às relações internacionais que vêm à tona durante a atual crise mundial. A UNESCO optou por destacar as perspectivas femininas em seus primeiros vídeos, uma vez que, com muita frequência e em muitas partes do mundo, o pensamento sobre essas questões prementes continua sendo dominado por vozes masculinas.

As atrações turísticas de Nova Iorque, como o Metropolitan Museum of Art (foto), fecharam devido à pandemia de coronavírus. Foto: UN News

Pandemia fecha 90% dos museus em todo o mundo, diz UNESCO

Enquanto a pandemia da COVID-19 continua causando estragos em todo o mundo, os museus não foram poupados, disse a agência cultural da ONU na segunda-feira (18), Dia Internacional dos Museus, revelando que quase 90% das instituições culturais tiveram que fechar suas portas, enquanto quase 13% estão sob séria ameaça de não reabrir.

“Os museus desempenham um papel fundamental na resiliência das sociedades”, explicou a diretora geral da UNESCO, Audrey Azoulay. “Precisamos ajudá-los a lidar com essa crise e mantê-los em contato com o público”.

UNESCO anuncia adiamento da Conferência Anual da Rede de Cidades Criativas

Em função do surto do novo coronavírus, a 14ª Conferência Anual da Rede de Cidades Criativas da UNESCO, prevista para ocorrer entre os dias 13 e 17 de julho em Santos (SP), foi adiada para o segundo semestre deste ano, em data a ser definida.

O evento deste ano terá como tema “Criatividade, Caminho para a Igualdade” e discutirá formas como as cidades podem usar seu capital criativo e inovador para abordar os desafios e avançar no sentido de fornecer espaços mais equilibrados e igualitários.

Sede da UNESCO em Paris. Foto: UNESCO

Empresa brasileira vence prêmio da UNESCO por usar inteligência artificial na educação

O software brasileiro para habilidades de escrita Letrus e a ferramenta de detecção de dislexia espanhola Dytective são os dois vencedores do Prêmio Rei Hamad Bin Isa-Al Khalifa da UNESCO de 2019 pelo Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na educação.

O tema da edição do ano passado foi o uso da Inteligência Artificial (IA) para inovar na educação, ensino e aprendizagem. Por meio desse tema, a UNESCO visa promover aplicações efetivas e éticas da IA ​​na educação que estejam universalmente disponíveis.