Além dos artigos científicos já publicados e outros ainda inéditos, o Diretório apresenta dados de pesquisa, ensaios clínicos, teses, dissertações e outros materiais. Foto: Spark

IBICT e UNESCO lançam portal com informações científicas sobre COVID-19 em acesso aberto

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), em parceria com a UNESCO no Brasil, lançou na quarta-feira (20) o portal Ciência Aberta é Vida, que reúne fontes de informação científica nacional e internacional, em acesso aberto, com conteúdo sobre a COVID-19.

Além dos artigos científicos já publicados e outros ainda inéditos, o diretório apresenta dados de pesquisas, ensaios clínicos, teses, dissertações e outros materiais referentes à produção dos pesquisadores do mundo todo.

A cantora brasileira Iza.

ONU Brasil participa de lançamento de novo sucesso da diva pop Iza

Uma campanha global será lançada nesta quinta-feira (21) para inspirar um movimento de transformação social e mobilizar pessoas em apoio aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Organizada pela Humanity Lab Foundation em parceria com a Warner Music e em colaboração com Nações Unidas, UNESCO, Agência da ONU para os Refugiados no Brasil (ACNUR) e ACM/YMCA Mundial, a ação visa gerar um debate em torno das ações necessárias para responder aos complexos desafios sociais e políticos atuais.

“A transformação real só é possível com a participação e contribuição de todos: governos, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos”, disse o coordenador-residente das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic.

UNESCO destaca as vozes de mulheres ao imaginar o mundo pós-pandemia

A UNESCO convidou as principais pensadoras, artistas e ativistas de diversas áreas, que vão desde a climatologia às relações internacionais, passando pela física e pelos estudos africanos, para expressar suas opiniões sobre os desafios e as oportunidades que o mundo enfrentará após a pandemia da COVID-19.

Os primeiros vídeos publicados hoje oferecem uma perspectiva feminina sobre questões relacionadas ao meio ambiente, à educação e às relações internacionais que vêm à tona durante a atual crise mundial. A UNESCO optou por destacar as perspectivas femininas em seus primeiros vídeos, uma vez que, com muita frequência e em muitas partes do mundo, o pensamento sobre essas questões prementes continua sendo dominado por vozes masculinas.

As atrações turísticas de Nova Iorque, como o Metropolitan Museum of Art (foto), fecharam devido à pandemia de coronavírus. Foto: UN News

Pandemia fecha 90% dos museus em todo o mundo, diz UNESCO

Enquanto a pandemia da COVID-19 continua causando estragos em todo o mundo, os museus não foram poupados, disse a agência cultural da ONU na segunda-feira (18), Dia Internacional dos Museus, revelando que quase 90% das instituições culturais tiveram que fechar suas portas, enquanto quase 13% estão sob séria ameaça de não reabrir.

“Os museus desempenham um papel fundamental na resiliência das sociedades”, explicou a diretora geral da UNESCO, Audrey Azoulay. “Precisamos ajudá-los a lidar com essa crise e mantê-los em contato com o público”.

UNESCO anuncia adiamento da Conferência Anual da Rede de Cidades Criativas

Em função do surto do novo coronavírus, a 14ª Conferência Anual da Rede de Cidades Criativas da UNESCO, prevista para ocorrer entre os dias 13 e 17 de julho em Santos (SP), foi adiada para o segundo semestre deste ano, em data a ser definida.

O evento deste ano terá como tema “Criatividade, Caminho para a Igualdade” e discutirá formas como as cidades podem usar seu capital criativo e inovador para abordar os desafios e avançar no sentido de fornecer espaços mais equilibrados e igualitários.

Sede da UNESCO em Paris. Foto: UNESCO

Empresa brasileira vence prêmio da UNESCO por usar inteligência artificial na educação

O software brasileiro para habilidades de escrita Letrus e a ferramenta de detecção de dislexia espanhola Dytective são os dois vencedores do Prêmio Rei Hamad Bin Isa-Al Khalifa da UNESCO de 2019 pelo Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na educação.

O tema da edição do ano passado foi o uso da Inteligência Artificial (IA) para inovar na educação, ensino e aprendizagem. Por meio desse tema, a UNESCO visa promover aplicações efetivas e éticas da IA ​​na educação que estejam universalmente disponíveis.

Ação social de CBF e UNESCO apoia crianças em situação de vulnerabilidade

Implementado há pouco mais de um ano, o projeto Gol do Brasil, ação social da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) voltada para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos em situação de vulnerabilidade, acaba de ganhar um reforço: a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Na última segunda-feira (12), as duas instituições celebraram o acordo de cooperação, em uma reunião realizada por meio de videoconferência.

Projeto Balaio abre cadastro online para quem precisa de alimentos e kits de higiene e limpeza

O “Projeto Balaio: saúde, inclusão e comunidade” recebe desde quarta-feira (13) inscrições de pessoas vivendo com HIV/AIDS e pessoas LGBTI+ que necessitem de apoio com cesta básica de alimentos e kits de higiene e limpeza em meio à pandemia de COVID-19.

Ação é uma iniciativa da ONG Barong, em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O projeto tem foco inicial em pessoas que moram na cidade de São Paulo e se encontram em situação de extrema vulnerabilidade. Seu objetivo é mitigar os impactos secundários da pandemia de COVID-19 sobre estas populações.

UNESCO participa de projetos em apoio a comunidades afetadas pela crise causada pela pandemia

Como parte de seus esforços emergenciais para ajudar a mitigar as consequências causadas pela COVID-19 no país, a UNESCO irá contribuir com ações e projetos que visam ao atendimento de comunidades e pessoas em situação de vulnerabilidade.

A UNESCO apoiará a Central Única das Favelas (CUFA) no projeto “Mães da Favela”, que tem como objetivo fornecer apoio a famílias lideradas por mulheres que tiveram sua renda afetada pelo surto da COVID-19. Já a iniciativa em parceria com a ONG Ação da Cidadania vai intensificar a distribuição de alimentos por todo o país, sobretudo para famílias atingidas pelos impactos da grave crise de saúde.

UNESCO abre inscrições para prêmio sobre educação de mulheres e meninas

Estão abertas até 26 de maio as inscrições do Prêmio UNESCO para a Educação de Mulheres e Meninas. Premiação oferece 50 mil dólares para cada um dos dois vencedores.

O Prêmio da UNESCO, em sua quinta edição, homenageia contribuições inovadoras feitas por indivíduos, instituições e organizações para promover a educação de meninas e mulheres.

É o primeiro prêmio da UNESCO dessa natureza e é único na promoção de projetos bem-sucedidos que melhoram e promovem as perspectivas educacionais de meninas e mulheres e, por sua vez, a qualidade de suas vidas.

Gilberto Gil. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

COVID-19: campanha com artistas brasileiros homenageia trabalhadores da cadeia de alimentos

Com apoio da UNESCO no Brasil, uma campanha está prestando homenagem a agricultores, agricultoras e trabalhadores da cadeia de alimentos que, com seus esforços, garantem produção, transporte, comercialização e abastecimento de alimentos nos países das Américas em meio à pandemia de COVID-19.

Artistas brasileiros como Gilberto Gil e Carlinhos Brown gravaram vídeos que serão compartilhados nas redes sociais do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA). Mart’nália, Maria Luiza Jobim, Paulo Miklos e Tony Belloto também participam.

Pesquisa ouve professores sobre educação escolar em tempos de pandemia

A Cátedra da UNESCO em Formação de Professores e o Departamento de Pesquisas Educacionais da Fundação Carlos Chagas (FCC) coordenam uma pesquisa para entender como os professores estão realizando suas atividades docentes neste momento de isolamento social.

Os participantes da pesquisa não serão identificados, e os resultados do estudo serão divulgados no site da FCC. A consulta estará aberta até o dia 10 de maio.

Ibrahim Al Hussein (à esquerda) é um dos refugiados que participam do documentário 'THF: Aeroporto Central', do brasileiro Karim Aïnouz. Imagem: THF

Cineasta brasileiro espera que pandemia gere mais empatia por situação de refugiados

Em vez de medo e xenofobia, o isolamento e a incerteza em relação ao futuro provocada pela pandemia têm o potencial de gerar mais empatia em relação ao outro, especialmente em relação àqueles que já enfrentavam dificuldades antes mesmo de a COVID-19 emergir, como refugiados, migrantes e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A expectativa é do cineasta brasileiro Karim Aïnouz, que lançou na sexta-feira (24), diretamente nas plataformas de streaming, seu filme “Aeroporto Central”, que trata da situação de solicitantes de refúgio abrigados no extinto Aeroporto de Tempelhof, em Berlim. Leia a entrevista concedida à ONU Brasil.

Ao longo de um ano, o documentário acompanhou a vida do estudante sírio Ibrahim (esquerda) e do fisioterapeuta iraquiano Qutaiba (direita). Foto: Juan Sarmiento

Pandemic could generate more empathy towards refugees, says Brazilian filmmaker

Instead of fear and xenophobia, the isolation and uncertainty about the future brought by the COVID-19 pandemic has the potential to generate more empathy and solidarity towards others, including refugees.

That’s the hope of the Brazilian filmaker Karim Aïnouz, who launched directly on the streaming platforms his documentary “Central Airport THF”, which describes the situation of asylum seekers sheltered in the former Tempelholf Airport, in Berlin.

Moradora de Muona, sul do Malawi, lava as mãos com água e sabão para prevenir infecção por COVID-19. Foto: WFP

ARTIGO: Ciência, cooperação e uma nova noção de humanidade

Em artigo publicado na Folha de S.Paulo, a diretora e representante da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto, afirma que o conhecimento cientifico é o caminho para superarmos a pandemia de COVID-19, mas ele não será suficiente para evitarmos as consequências danosas de outros problemas globais.

“Será preciso uma nova leitura de como enxergamos a humanidade, um outro patamar de empatia, que deve vir de governos, agentes econômicos e sociedade civil.” Leia o artigo completo.

Jornalistas acompanham coletiva de imprensa na ONU, em Genebra. Foto: ONU/Violaine Martin

UNESCO e parceiros promovem ações pelo Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

Uma série de ações desenvolvidas pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil, em parceria com diversas entidades que defendem a liberdade de imprensa e de expressão, foi lançada no domingo (3), data comemorativa do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Entre as ações previstas está a realização nesta segunda-feira (4), às 17h, de webinar com o tema “A importância do jornalismo em tempos de pandemia e desinformação”, que será transmitido simultaneamente nas páginas do Facebook e nos canais de YouTube de todas as entidades participantes.

Comissão Futuros da Educação recomenda planejamento para reduzir desigualdades após COVID-19

A crise de saúde causada pela COVID-19 resultou no fechamento de escolas e universidades, afetando mais de 90% dos estudantes do mundo. Distúrbios ainda mais drásticos pairam no horizonte, de acordo com a Comissão Internacional sobre os Futuros da Educação (International Commission on the Futures of Education) – comissão independente indicada pela diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, em setembro de 2019.

Mesmo quando as escolas reabrirem, a emergente recessão econômica ameaça exacerbar as desigualdades e pode reverter o progresso obtido na expansão do acesso educacional e na melhoria da qualidade da aprendizagem em todo o mundo, alertou a Comissão durante uma reunião on-line em abril.

No dia da liberdade de imprensa, ONU pede apoio a trabalhadores da mídia em meio à pandemia

No dia da liberdade de imprensa, ONU pede apoio a trabalhadores da mídia em meio à pandemia

“Jornalistas e profissionais da mídia são cruciais para nos ajudar a tomar decisões informadas. À medida que o mundo luta contra a pandemia da COVID-19, essas decisões podem fazer a diferença entre a vida e a morte.”

Assim começa a mensagem em vídeo do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, para marcar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Lembrada anualmente em 3 de maio, a data tem como tema esse ano o “Jornalismo sem medo ou favor”.

Guterres fez um apelo aos governos – e a toda a sociedade – para garantir que os jornalistas possam fazer seu trabalho durante a pandemia da COVID-19, incluindo em outros temas. Os chefes da ONU e da UNESCO alertaram ainda sobre a onda de boatos que tomou o planeta durante a crise – classificada como “infodemia”.

Uma menina de 7 anos recebe triagem médica da Dra. Antonella Tochiaro em um assentamento informal onde mora em Roma, uma das milhões de crianças durante a pandemia que estão fora da escola. Foto: UNICEF/Alessio Romenzi

Como as escolas podem abrir novamente com segurança? ONU publica novas diretrizes

Enquanto os países enfrentam graves interrupções na educação causadas pela COVID-19, várias agências da ONU – como parte da Coalizão Global de Educação – emitiram novas diretrizes na quinta-feira (29) para ajudar os governos a tomar decisões sobre a reabertura de escolas com segurança para os 1,3 bilhão de estudantes do mundo afetados por fechamentos em andamento.

Lançada em março por Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Programa Mundial de Alimentos (WFP) e Banco Mundial, a Coalizão trabalha para promover oportunidades de aprendizado inclusivas.

Celebração do Dia Internacional do Jazz 2020

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e o parceiro oficial, o Instituto Herbie Hancock de Jazz, incentiva a celebração virtual do Dia Internacional do Jazz, que ocorrerá no dia 30 de abril no jazzday.com e no facebook.com/intljazzday.

Apresentações em casa, saudações em vídeo e outras expressões de solidariedade estão sendo solicitadas aos organizadores do Dia do Jazz em todo o mundo.

No Dia da Educação, UNESCO chama atenção para urgência de enfrentar desafios impostos pela COVID-19

Com mais de 1,5 bilhão de estudantes afetados pela pandemia em todo o mundo, a educação enfrenta uma crise sem precedentes. O número representa 87% da população mundial de estudantes. 

Valorizar a educação em um dos momentos mais difíceis da história é um compromisso da UNESCO para fortalecer uma agenda comum, que facilite oportunidades de aprendizagem inclusiva e equitativa para crianças e jovens durante este período no qual a educação foi interrompida de maneira súbita e sem precedentes devido à COVID-19.

Os ministros falaram sobre os efeitos diretos da atual crise no turismo, nos museus, na produção cultural e nos artistas. Foto: UNESCO

Mais de 130 ministros pedem apoio ao setor cultural em meio à pandemia

Mais de 130 ministros, vice-ministros e secretários da Cultura participaram de reunião online convocada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) na semana passada para discutir ações para fortalecer o setor cultural, que enfrenta perturbações sem precedentes devido à pandemia da COVID-19.

Ministros observaram que artistas e profissionais de criação estão entre os mais duramente atingidos nesta crise devido à fragilidade do setor, em que muitos são autônomos, empregados de pequenas e médias empresas e, em alguns casos, trabalham no setor informal.

Por que o oceano é um aliado no combate à COVID-19?

A saúde do oceano está intimamente ligada à saúde da população. Algumas pessoas podem se surpreender ao ler que organismos descobertos em profundidades extremas são usados para acelerar a detecção do coronavirus e, provavelmente, ainda há mais para se aprender, mas é o meio ambiente que pode dar uma solução a humanidade.

A oceanógrafa e pesquisadora da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO, Francesca Santoro, explica que as bactérias encontradas nas profundezas do oceano estão sendo usadas para realizar testes rápidos para detectar a presença da COVID-19.

UNESCO promove curso de jornalismo online gratuito para cobertura da COVID-19 - Foto: Pixabay

COVID-19: UNESCO, OMS e Centro Knight lançam curso para jornalistas

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançaram um novo Curso Online Aberto e Massivo (MOOC) “Jornalismo em uma pandemia: cobrindo o COVID-19 agora e no futuro”, organizado pelo Centro Knight para Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas em Austin.

O curso, que recebeu o apoio da Fundação Knight e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), é um programa de treinamento on-line de quatro semanas com o objetivo de fornecer aos jornalistas os conhecimentos e ferramentas necessários para cobrir a crise de saúde COVID-19 e suas conseqüências sociais, financeiras e políticas. Ele será oferecido simultaneamente em inglês, espanhol, português e francês.

Curitiba combina design e tecnologia para produzir protetores faciais impressos em 3D

Para lidar com o atual surto da COVID-19, a cidade de Curitiba mobilizou sua experiência em design e inovação para começar a produzir protetores faciais impressos em 3D para proteger seus profissionais de saúde.

Os recursos necessários para produzir estes protetores foram captados através de um esforço sincronizado entre órgãos públicos e privados.

O laboratório de fabricação do município, Fab Lab, está produzindo cerca de 220 unidades por dia.

Curitiba, uma das Cidades Criativas de Design da UNESCO no Brasil, é considerada uma referência nacional e internacional em inovação e cultura urbana.

O conteúdo disponibilizado inclui vídeos, textos e atividades – que serão traduzidos para 10 idiomas. Foto: PNUMA

Escola pela Terra visa manter conexão de alunos com natureza durante período de isolamento

Em resposta à crise da COVID-19, foi criada uma coalizão inédita para lançar a Escola pela Terra (Earth School, em inglês), plataforma que fornece conteúdo educacional gratuito e de alta qualidade para ajudar estudantes, pais e professores em isolamento em todo o mundo. Iniciada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pelo TED-Ed, a Escola pela Terra leva os alunos a uma aventura de 30 dias pelo mundo natural.

O conteúdo disponibilizado inclui vídeos, textos e atividades – que serão traduzidos para 10 idiomas – para ajudar jovens e crianças a entenderem o meio ambiente e considerarem seu papel na natureza. Essa é a maior iniciativa de aprendizagem online feita pelo PNUMA e está disponível gratuitamente no site do TED-Ed.

Desinformação: uma arma secreta em tempos de pandemia

A pandemia da COVID-19 possui uma particularidade que a diferencia das crises de saúde anteriores que assolaram o mundo: o papel das mídias sociais e seu impacto nas populações em todo o mundo. Poderosas plataformas digitais circulam informações valiosas e atualizações de notícias em questão de segundos, em todo o mundo. Dentro da mesma capacidade, essas ferramentas também são capazes de circular conteúdo falso ou enganoso que pode ameaçar o bem-estar das populações.

A UNESCO recomenda que as pessoas prestem atenção ao conteúdo que recebem e replicam de seus celulares, mantenham a calma diante do bombardeio de informações e sejam cautelosos, compartilhando apenas o conteúdo verificado por fontes confiáveis de informação. E, acima de tudo, promovam essa conscientização.

Acesso à informação e às TIC estimulam a paz e o desenvolvimento na África

Agora, mais do que nunca, saúde pública, prosperidade social e crescimento econômico são inseparáveis do progresso técnico. No entanto, os ecossistemas tecnológicos não podem atingir as metas de desenvolvimento econômico sem o acesso à informação. Este e outros assuntos como inteligência artificial e tecnologias emergentes foram debatidos durante o segundo Fórum Regional Africano de Ciência, Tecnologia e Inovação, que ocorreu no Zimbábue em fevereiro. Com a pandemia da COVID-19, o compromisso de vincular tecnologia e acesso à informação ecoam ainda mais forte.

O evento foi realizado em cooperação com a UNESCO, que defende a inclusão, a paz, a participação e a igualdade, por meio do uso inovador das tecnologias da informação e comunicação (TIC) e é comprometida com o avanço da tecnologia e o acesso a políticas de informação para o desenvolvimento sustentável.

Bebeto Abrantes (acima) e Davi Borges (abaixo) trabalham virtualmente. Foto: Bebeto Abrantes

Filmmakers in Rio de Janeiro cope with the pandemic by developing a new creative process

“Me Cuidem-se!” (Take Care of Me-Yourselves!) is a virtual collaborative documentary showing how residents from various regions of Rio de Janeiro are dealing with social distancing imposed by the COVID-19 pandemic.

The project, headed by filmmakers Bebeto Abrantes and Cavi Borges, includes mobile phones recordings that resulted in two short films that will be made into a feature length film. Learn more about the project that emerged from the expression “solidãoriedade” (“solitarity”, a fusion between solitude and solidarity), which describes the loneliness of solidarity.

Bebeto Abrantes (acima) e Davi Borges (abaixo) trabalham virtualmente. Foto: Bebeto Abrantes

No Rio, cineastas enfrentam a pandemia rodando filme sem encontros presenciais

“Me Cuidem-se!” é o documentário colaborativo virtual mostrando como moradores de diversas regiões do Rio de Janeiro (RJ) estão enfrentando o distanciamento social imposto pela pandemia da COVID-19.

O projeto dos cineastas Bebeto Abrantes e Cavi Borges inclui gravações feitas por celular, que já renderam dois curtas-metragens e devem compor um longa. Conheça mais do projeto que surgiu a partir da expressão “solidãoriedade”, que descreve a solidão da solidariedade.

UNESCO convoca crianças para participar da Exposição de Pequenos Artistas

Para incentivar a criatividade durante o período de afastamento social, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) convida crianças entre 6 e 12 anos a desenhar um dos sítios do Patrimônio Mundial da UNESCO que seja importante para elas. A seleção dos desenhos levará em conta a arte, a originalidade e a diversidade.

A Exposição de Pequenos Artistas será exibida no site da UNESCO e o prazo de envio dos desenhos é dia 17 de maio de 2020.

UNESCO convida estudantes a contar como estão usando ensino a distância durante a pandemia da COVID-19 - Imagem: Imagem de Mudassar Iqbal/Pixabay

COVID-19: conte à UNESCO como você está lidando com o fechamento das escolas

Cerca de 190 países fecharam suas escolas e universidades para impedir a propagação do novo coronavírus. 

Estudantes, professores e pais da Rede de Escolas Associadas da UNESCO estão compartilhando histórias inspiradoras sobre como estão lidando com o fechamento das escolas devido à COVID-19.

Agora, a UNESCO está convidando estudantes, professores e pais a gravarem e compartilharem um vídeo curto em seus canais de mídias sociais – usando a hashtag #LearningNeverStops e a tag @UNESCO – e contar como estão mantendo sua educação e lidando com essa interrupção educacional sem precedentes.

Ouro Preto foi a primeira cidade brasileira designada como Patrimônio Cultural da UNESCO no país. Foto: UNESCO/M & G Therin-Weise

UNESCO lança iniciativas para apoiar cultura e patrimônio durante a pandemia

A UNESCO está lançando iniciativas para apoiar as indústrias culturais e o patrimônio cultural, à medida que bilhões de pessoas em todo o mundo se voltam para a cultura em busca de conforto para superar o distanciamento social durante a crise de saúde causada pela COVID-19, que está afetando fortemente o setor cultural.

Além de uma reunião online com ministros da cultura de todo o mundo, há uma exposição virtual de propriedades patrimoniais e as campanhas digitais #CompartilheCultura e  #CompartilheNossoPatrimônio.

Crianças na ilha de Vanuatu, no Oceano Pacífico, estão aprendendo, graças ao UNICEF, a se proteger contra a COVID-19 lavando as mãos adequadamente. Foto: UNICEF Pacífico/Toangwera

Notícias falsas sobre coronavírus colocam vidas em risco, diz UNESCO

Informações falsas e não confiáveis ​​estão se espalhando por todo o mundo a tal ponto que agora alguns comentaristas estão se referindo à nova avalanche de informações errôneas que acompanhou a pandemia de COVID-19 como uma “desinfodemia”.

E cresce o medo de que esse fenômeno esteja colocando vidas em risco, levando algumas pessoas com sintomas a tentar medicamentos não comprovados, na esperança de se curarem. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) está liderando esforços para combater a desinformação e promover os fatos sobre o vírus.

Duas mulheres caminham em uma estação de metrô na Cidade do México durante a crise do novo coronavírus. Foto: ONU México/Alexis Aubin

Especialistas da UNESCO pedem responsabilidade coletiva para proteger mais vulneráveis

Os especialistas apelam aos governos e à comunidade internacional para que tomem medidas urgentes, por meio da cooperação internacional e no espírito da solidariedade, e enfatizam a responsabilidade dos países mais ricos em ajudar os mais pobres na batalha contra a COVID-19.

Além disso, reconhece a situação particular daqueles privados de recursos básicos, como água e sabão, para manter a higiene básica; e chama atenção para a dificuldade de se realizar o distanciamento social em condições de superlotação, predominantes, por exemplo, nas favelas e nos campos de refugiados.

UNESCO mobiliza 122 países para promover ciência aberta e cooperação para enfrentar a COVID-19

A UNESCO organizou uma reunião online no final de março entre representantes de 122 países com objetivo de realizar intercâmbio sobre o papel da cooperação internacional em ciência e o aumento dos investimentos no contexto da COVID-19.

A questão-chave relativa à ciência aberta foi o principal tópico de discussão.

A diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, pediu aos governos que reforcem a cooperação científica e integrem a ciência aberta em seus programas de pesquisa, para prevenir e mitigar crises mundiais.

Angelina Jolie participou da conferência anual em memória a Sérgio Vieira de Mello. Foto: ACNUR/Mark Henley

ARTIGO: Fechar escolas desestabilizou vida de crianças; como podemos ajudá-las a continuar aprendendo

A pandemia da COVID-19 fechou escolas em 165 países, deixando 87% de todos os alunos do mundo sem aulas. A reposta para isto é o ensino  online mas nem todas as crianças têm acesso a tecnologia necessária para o aprendizado remoto.

A Coalizão Global pela Educação estimula a adoção de soluções práticas, que podem incluir alternativas como rádio e TV. É o que explicam Angelina Jolie, enviada especial da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), e Audrey Azoulay, diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), em artigo publicado na revista ‘Time’ nesta semana.

ONU lança plano para ‘derrotar o vírus e construir um mundo melhor’

Para combater as devastadoras dimensões socioeconômicas da crise da COVID-19, o chefe da ONU se concentrou nos mais vulneráveis, elaborando políticas que, entre outras coisas, apoiam o fornecimento de seguro de saúde e desemprego e proteções sociais, além de fortalecer as empresas para evitar falências e perdas de empregos.

O alívio de dívidas soberanas também deve ser uma prioridade, disse António Guterres, observando que a ONU está “totalmente mobilizada” e está estabelecendo um novo Fundo Fiduciário para a Resposta e Recuperação frente à COVID-19, formado por múltiplos parceiros, para responder à emergência e promover a recuperação após o choque socioeconômico.

“Quando superarmos esta crise, o que acontecerá, teremos uma escolha”, disse. “Podemos voltar ao mundo como era antes ou lidar de maneira decisiva com os problemas que nos tornam desnecessariamente vulneráveis ​​a crises.”

Mais de 1,5 bilhão de estudantes em 165 países foram afetados pelo fechamento de escolas devido à COVID-19. Foto: UNESCO

Coronavírus: UNESCO reúne organizações, sociedade civil e setor privado em coalizão pela aprendizagem

Em um momento no qual 87% da população mundial de estudantes é afetada pelo fechamento de escolas devido à COVID-19, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) está lançando uma coalizão global de educação para apoiar os países a ampliar suas melhores práticas de aprendizagem a distância e atingir crianças e jovens em maior risco.

Mais de 1,5 bilhão de estudantes em 165 países foram afetados pelo fechamento de escolas devido à COVID-19.