Conferência Women Deliver, em Vancouver, Canadá, foi organizada por Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Foto: UNAIDS

Conferência no Canadá alerta para desafios da saúde sexual e reprodutiva no mundo

Vinte e cinco anos depois da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento, realizada no Egito, há progresso significativo na área de saúde sexual e reprodutiva e nos direitos das mulheres jovens e adolescentes no mundo. O acesso voluntário a métodos contraceptivos modernos aumentou 25% desde 1994, e a qualidade dos serviços de saúde sexual e de HIV também melhorou. No entanto, muito ainda resta a ser feito.

Toda semana são registrados cerca de 7 mil novos casos de infecção por HIV entre mulheres e meninas no mundo. Na África Subsaariana, a chance de infecção por HIV entre meninas com idades entre 15 e 19 anos é três vezes maior do que entre meninos da mesma idade.

O tema foi debatido em evento organizado por Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) durante
a Conferência Women Deliver, ocorrida em Vancouver, no Canadá, no início de junho.

Guia reúne diretrizes sobre questões como ampliação de acesso a serviços de HIV, qualidade dos resultados de saúde sexual e reprodutiva e direitos (SSRD) das mulheres vivendo com HIV e promoção da igualdade de gênero. Foto: UNAIDS

Guia dá diretrizes sobre igualdade de gênero em serviços de saúde para HIV

As mulheres que vivem com HIV enfrentam desafios únicos e violações de direitos relacionados à sexualidade e à reprodução, não apenas dentro de suas famílias e comunidades, mas também nas instituições de saúde onde buscam atendimento.

Diante desse cenário, uma publicação conjunta de Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) e Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) reúne diretrizes sobre ampliação de acesso a serviços de HIV, qualidade dos serviços de saúde sexual e reprodutiva e direitos (SSRD) para as mulheres vivendo com HIV e promoção da igualdade de gênero.

Bandeira do Orgulho LGBTI. Foto: Benson Kua

UNAIDS lamenta decisão no Quênia de criminalizar pessoas LGBT

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) disse no fim de maio (25) lamentar a decisão da Suprema Corte do Quênia de manter as principais disposições das Seções 162 e 165 do Código Penal do país. Essas disposições criminalizam certos atos sexuais privados e levam à discriminação e violência contra pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT).

“A decisão é uma oportunidade perdida para o Quênia defender os direitos humanos e restaurar privacidade, respeito e dignidade para a comunidade lésbica, gay, bissexual e transgênero (LGBT)”, disse Gunilla Carlsson, diretora-executiva interina do UNAIDS. “Eu compartilho da grande decepção e frustração sentidas pelas pessoas LGBT no Quênia e quero assegurar-lhes o apoio contínuo do UNAIDS para alcançar justiça e igualdade para todos.”

Oficial da polícia antidrogas da Libéria faz busca em lixão nos arredores de Monrovia. Foto: Staton Winter/ONU

No oeste da África, ONU defende abordagem de direitos humanos para lidar com uso de drogas

Representantes do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e da Comissão da África Ocidental sobre Drogas divulgaram em maio uma proposta de “lei modelo” sobre drogas para o oeste do continente africano. Durante a apresentação do texto para ministros da Saúde de países da região, a agência da ONU defendeu a efetividade da descriminalização e de políticas de redução de danos.

Foto: UNAIDS

UNAIDS lança plataforma para compartilhamento de inovações em saúde

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e parceiros lançaram esta semana uma nova iniciativa para impulsionar o potencial das inovações para melhorar a saúde de todos.

A Health Innovation Exchange é uma plataforma para compartilhamento de inovações em saúde. Ela conectará inovadores a investidores e inovações a implementadores. Lançada paralelamente à Assembleia Mundial da Saúde, em Genebra, na Suíça, a iniciativa visa apoiar os esforços globais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A política sueca Gunilla Carlsson foi nomeada diretora-executiva interina do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Foto: UNAIDS

Secretário-geral da ONU nomeia política sueca como diretora-executiva interina do UNAIDS

O secretário-geral da ONU, António Guterres, nomeou a política sueca Gunilla Carlsson diretora-executiva interina do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), informou a organização no sábado (18).

Antes de ingressar no UNAIDS, em fevereiro do ano passado, Gunilla atuou como representante eleita no Parlamento Sueco e como ministra da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento em seu país.

UNAIDS participou de audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados sobre projetos de lei voltados à população LGBTI. Foto: CDHM/Fernando Bola

UNAIDS Brasil participa de audiência pública sobre projetos voltados à população LGBTI

Como parte da semana de celebrações do Dia Internacional de Enfrentamento à LGBTIfobia (IDAHOT, da sigla em inglês), comemorado mundialmente em 17 de maio, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) participou na quarta-feira (15) de audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF). O objetivo foi debater os projetos de lei voltados à igualdade de direitos e à proteção jurídica da população LGBTI.

A celebração do Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia acontece desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da lista de distúrbios mentais, em 17 de maio de 1990. A data já recebeu reconhecimento oficial de vários Estados, instituições internacionais como o Parlamento Europeu e inúmeras autoridades locais, incluindo as agências das Nações Unidas.

Segundo dados do Grupo Gay da Bahia, apresentados durante a audiência pública, a cada 19 horas, uma pessoa LGBTI é assassinada no Brasil. A cada duas horas, acontece uma agressão. Nesse contexto, a expectativa de vida das pessoas trans é de 35 anos. O Congresso Nacional Brasileiro não aprova leis protetivas para a população LGBTI há 31 anos, desde a Constituição de 1988.

Foto: Mathias Wasik/Flickr/CC

Agências da ONU pedem que países promulguem leis para proteger pessoas LGBTI

Na ocasião do Dia Internacional contra Homofobia, Transfobia e Bifobia (IDAHOT), o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) pede que todos os países removam leis discriminatórias contra pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexuais (LGBTI).

“Todos nós temos a obrigação moral e legal de remover leis discriminatórias e promulgar leis que protejam as pessoas da discriminação”, disse Gunilla Carlsson, diretora-executiva interina do UNAIDS. “Para acabar com a epidemia de AIDS, as pessoas precisam ser protegidas. Precisamos de justiça e igualdade para todos.”

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) e o administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) também se manifestaram sobre o tema. O IDAHOT, uma celebração mundial da diversidade sexual e de gênero, é comemorado anualmente em 17 de maio.

Em Belo Horizonte, jovens realizam uma partida de 'queimado' temática, para discutir questões de gênero e orgulho LGBTI. Imagem de 2016. Foto: Mídia Ninja (CC)

Programa da ONU e fundação promovem pesquisa global sobre qualidade de vida da população LGBTI

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e a LGBT Foundation realizam uma pesquisa online sobre a felicidade, a vida sexual e a qualidade de vida de lésbicas, gays, bissexuais, pessoas trans e intersexo. Disponível em português e em mais de outros 16 idiomas, o levantamento é pioneiro e visa lançar luz sobre os desafios vividos pela população LGBTI, incluindo a discriminação nos serviços sociais e de saúde.

Foto: UNAIDS

ONU alerta para vínculos entre violência de gênero e HIV no Oriente Médio

No Oriente Médio e norte da África, existem cerca de 220 mil pessoas soropositivas, segundo o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). De acordo com o organismo internacional, mulheres vítimas de abuso podem estar mais vulneráveis à infecção pelo vírus da AIDS. Para responder a esse cenário, um projeto criado em 2018 pela agência da ONU dá voz às mulheres que desejem falar sobre os vínculos entre violência de gênero e HIV.

Michel Sidibé, diretor executivo do UNAIDS. Foto: Mark Garten/ONU

Diretor-executivo do UNAIDS deixa o cargo e assume posto de ministro da Saúde do Mali

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) cumprimentou nesta quinta-feira (9) seu diretor-executivo há dez anos, Michel Sidibé, por sua nomeação como ministro da Saúde e Assuntos Sociais do Mali.

Defensor de uma abordagem centrada nas pessoas para questões de saúde e desenvolvimento, Sidibé deixa uma “contribuição notável para a resposta à AIDS, ajudando a salvar e melhorar as vidas de milhões de pessoas em todo o mundo”, de acordo com o UNAIDS.

Sidibé será substituído provisoriamente pela vice-diretora executiva de Gestão e Governança do UNAIDS, Gunilla Carlsson.

UNAIDS alerta para falta de preservativos na África Subsaariana

O uso de preservativos, quando realizado de forma consistente e correta, é um dos métodos mais eficazes e baratos para impedir a transmissão sexual do HIV. Mas em muitas partes do mundo, a camisinha não está disponível para todos.

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) alerta que, na África Subsaariana, estimava-se em 2015 que 6 bilhões de preservativos masculinos eram necessários, mas somente 2,7 bilhões foram distribuídos na região.

UNAIDS pede que África do Sul acelere ações de resposta ao HIV

Durante visita à África do Sul, o diretor-executivo do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Michel Sidibé, alertou que a resposta global à AIDS está em um ponto de inflexão. Segundo ele, os ganhos obtidos até hoje podem ser facilmente revertidos a menos que esforços sejam feitos para alcançar as metas estabelecidas para 2020 e para a próxima década no tema.

Sidibé também se reuniu com o ex-presidente da África do Sul Kgalema Motlanthe, e pediu que ele mantenha as pessoas atentas aos sérios riscos de a resposta à AIDS perder sua força, especialmente em relação à necessidade de envolver mais homens na testagem do HIV e no tratamento contínuo.

Distribuição de contraceptivos e materiais de informação sobre HIV e Aids. Foto: UNFPA/UNFPA Brasil/Solange Souza

Agenda traça estratégia para ampliar acesso de populações-chave a tratamento para HIV

O Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde lançou a “Agenda estratégica para ampliação do acesso e cuidado integral das populações-chave em HIV, hepatites virais e outras infecções sexualmente transmissíveis”.

A agenda reúne um conjunto de estratégias para ampliar e qualificar as ações de saúde destinadas às populações consideradas chave e centrais para o enfrentamento das epidemias de HIV, hepatites virais e sífilis no Brasil — pessoas que usam álcool e outras drogas, travestis e pessoas trans, gays e outros homens que fazem sexo com homens, profissionais do sexo e pessoas privadas de liberdade. Tais grupos ainda enfrentam grandes obstáculos para obter acesso a cuidado integral e aos programas e serviços de prevenção, diagnóstico e tratamento em HIV e outras ISTs.

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) apoia a iniciativa.

Teste de HIV. Foto: Agência Brasil/Arquivo

UNAIDS celebra evidências de que terapia antirretroviral interrompe transmissão do HIV

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) informou ter acolhido “calorosamente” os resultados do estudo PARTNER2, segundo os quais o HIV não é transmitido quando uma pessoa vivendo com o vírus está em terapia antirretroviral efetiva.

O estudo envolveu cerca de 1 mil casais gays sorodiferentes — em que um parceiro vive com HIV e o outro não — e mostrou que não houve transmissão quando a pessoa que vive com o vírus estava em terapia antirretroviral efetiva e tinha a carga viral suprimida.

UNAIDS participa de encontro sobre Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em Recife. Foto: UNAIDS

UNAIDS discute implementação de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em Recife

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) participou no fim de abril (30) em Recife (PE) do 1º Diálogo Público sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O evento foi organizado pela ONG Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero, como co-facilitadora do Grupo Temático (GT) da Sociedade Civil para Agenda 2030, em parceria com a Associação Brasileira de ONGs (ABONG).

O objetivo do encontro foi fortalecer o diálogo entre organizações da sociedade civil, gestão pública, academia, imprensa e outros grupos sobre a importância dos objetivos que compõem a Agenda 2030.  

A educação integral em sexualidade desempenha um papel central na preparação de adolescentes e jovens para uma vida segura, produtiva e satisfatória, disse o UNAIDS. Foto: UNAIDS

UNAIDS: Educação integral em sexualidade contribui para uma vida mais saudável entre jovens

A educação integral em sexualidade desempenha um papel central na preparação de adolescentes e jovens para uma vida segura, produtiva e satisfatória, e é um componente importante de um conjunto de prevenção do HIV para jovens, informou o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

A educação em sexualidade proporciona oportunidades para aprender e adquirir conhecimentos abrangentes, precisos, baseados em evidências e apropriada à idade sobre sexualidade e questões de saúde sexual e reprodutiva.

À extrema esquerda, Michel Sidibé, chefe do UNAIDS, entrega mantimentos a sobrevivente do ciclone Idai. Foto: UNAIDS

Sobreviventes do ciclone Idai lembram desespero para salvar remédios em meio às enchentes

No Malauí, Sophia Naphazi teve sua casa destruída pelas inundações do ciclone Idai. Apesar dos danos a sua residência, a sobrevivente conseguiu salvar os seus medicamentos antirretrovirais, essenciais para o tratamento do HIV.

Ela e outros malauienses e moçambicanos se reuniram com o chefe do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Michel Sidibé, no assentamento de Bangula, no distrito de Nsanje, no sul do Malauí.

Neste Dia Mundial contra a AIDS, programa da ONU destaca a importância do direito à saúde e os desafios que as pessoas vivendo com HIV enfrentam no exercício deste direito. Foto: Imprensa MG/Adair Gomes

Programas da ONU avaliam estigma associado ao HIV no Brasil

Pela primeira vez, o Brasil fará parte de uma pesquisa da ONU para avaliar o estigma associado ao vírus da AIDS. Programas das Nações Unidas começaram neste mês (15) a aplicar questionários do Índice de Estigma em Relação às Pessoas Vivendo com HIV, uma metodologia já utilizada em mais de cem países. Até o fim de maio, mais de 2 mil brasileiros soropositivos terão sido entrevistados no Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife, Porto Alegre, Manaus e Brasília.

Guia reúne diretrizes sobre questões como ampliação de acesso a serviços de HIV, qualidade dos resultados de saúde sexual e reprodutiva e direitos (SSRD) das mulheres vivendo com HIV e promoção da igualdade de gênero. Foto: UNAIDS

Costa do Marfim sinaliza remover cobranças de usuários por serviços de HIV

O governo da Costa do Marfim sinalizou esta semana sua intenção de interromper a cobrança por testes e tratamento de HIV no país, declarando que aplicará decisões anteriores para evitar que pessoas vivendo ou afetadas pelo vírus sejam obrigadas a pagar por serviços.

Em 2017, havia mais de 500 mil pessoas vivendo com HIV na Costa do Marfim e cerca 46% tinham acesso ao tratamento. O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Fazendo fronteira com Sudão do Sul e República Democrática do Congo, Haut-Mbomou é a província mais afetada pelo HIV na República Centro-Africana. Foto: UNAIDS

Missão da ONU destaca necessidade de ação urgente para HIV na República Centro-Africana

Fazendo fronteira com Sudão do Sul e República Democrática do Congo, Haut-Mbomou é a província mais afetada pelo HIV na República Centro-Africana, com a prevalência do vírus em 11,9%, em comparação com uma média nacional de 4%.

Alertados por relatos de falta persistente de medicamentos, atendimento precário e barreiras de acesso a serviços de saúde e HIV devido à insegurança, uma missão conjunta do Ministério da Saúde da República Centro-Africana, Conselho Nacional de AIDS, Organização Mundial da Saúde (OMS), Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) visitaram Haut-Mbomou de 8 a 12 de abril.

Localizada a 1.000 km da capital Bangui, a província é uma das mais carentes em serviços sociais e de saúde. Metade dos serviços de saúde da província estão fechados devido à falta de profissionais ou instalações degradadas.

Jovens em Moçambique organizam programa de TV para falar sobre gravidez na adolescência, sexualidade e prevenção do HIV. Foto: UNICEF

Jovens precisam de autorização dos pais para acessar serviços de saúde na maioria dos países

Em 68 dos 108 países que forneceram informações para o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) em 2017, a lei exigia uma autorização dos pais ou do responsável legal para que um jovem menor de 18 anos pudesse ter acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva.

O UNAIDS alerta que, embora muitas vezes o objetivo dessa legislação seja proteger as crianças, as leis, na prática, podem acabar fazendo o oposto, pois desencorajam a utilização dos serviços de saúde entre os jovens.

Membros do colegiado do coletivo RNAJVHA reuniram-se em Brasília (DF) na semana passada (9 e 10 de abril) para desenvolver novo planejamento estratégico para 2019-2020. Foto: UNAIDS

Coletivo planeja estratégias para promover direitos de jovens vivendo com HIV

Membros do colegiado do coletivo RNAJVHA reuniram-se em Brasília (DF) na semana passada (9 e 10 de abril) para desenvolver novo planejamento estratégico para 2019-2020. O encontro aconteceu com o apoio do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como parte de uma articulação da Rede de Jovens.

A RNAJVHA é um coletivo de atuação nacional voltado para o acolhimento e defesa dos direitos de adolescentes e jovens vivendo com HIV e AIDS. Criada em 2006, durante o I Encontro Nacional de Jovens Vivendo com HIV e AIDS, no Rio de Janeiro (RJ), a rede coordenada por um colegiado de 15 membros (titulares e suplentes) eleitos a cada dois anos.

Altos níveis de estigma e discriminação impulsionam novas infecções por HIV no Egito, que duplicaram entre 2010 e 2016. Mulheres e adolescentes geralmente são as mais vulneráveis. Foto: UNAIDS

UNAIDS apoia ações de saúde sexual e reprodutiva para mulheres no Egito

Quando a família e os vizinhos de Salma Karim descobriram que ela vivia com HIV, eles a expulsaram de casa. Sem ter para onde ir, ela foi forçada a deixar seus dois filhos pequenos para trás. Esta não é uma história incomum no Egito, onde uma em cada cinco pessoas vivendo com o vírus diz ter sido forçada a sair de casa por locatários, familiares ou vizinhos. O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Diante desse cenário, o UNAIDS, em parceria com o Ministério da Saúde e População do Egito, uniu esforços para desenvolver uma resposta transformadora de igualdade de gênero à epidemia do HIV no país.

As cidades desempenham um papel essencial na epidemia e na resposta ao HIV. Foto: UNAIDS

Iniciativa do UNAIDS apoia cidades a acabar com epidemia de HIV até 2030

As cidades desempenham um papel essencial na epidemia e na resposta ao HIV. Atualmente, mais da metade da população mundial vive em cidades e, na maioria dos países, elas representam uma proporção alta e crescente das cargas nacionais de HIV.

É o caso de Kigali, em Ruanda, que detém 25% da carga nacional de HIV do país. No caso de Jacarta, o município representa apenas 4% da população total da Indonésia, mas responde por 17% da carga nacional de HIV.

As duas fazem parte do grupo de 10 cidades prioritárias que foram incluídas no primeiro ano do projeto Cidades Fast-Track (Aceleração da Resposta nas Cidades), uma iniciativa conjunta do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) com a Associação Internacional de Prestadores de Serviços para a AIDS (IAPAC, na sigla em inglês).

Projeto Transdiálogos leva conhecimento e sensibilização sobre os desafios da população LGBT para profissionais de saúde de Porto Alegre. Foto: UNAIDS

Com apoio da ONU, Porto Alegre torna serviços de saúde inclusivos para população LGBT

Em Porto Alegre (RS), o projeto Transdiálogos capacita profissionais de saúde para melhorar o atendimento à população LGBT. Iniciativa faz parte da resposta do município à epidemia de HIV. A cidade é a capital brasileira com a maior taxa de detecção do vírus — eram 65,9 casos para cada 100 mil habitantes em 2018, segundo o governo. Entre gays, lésbicas, pessoas trans e bissexuais, a vulnerabilidade à infecção por HIV aumenta.

O Transdiálogos é fruto de uma parceria entre o Executivo municipal, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Na exposição, Wanessa representará personalidades brasileiras engajadas na resposta à epidemia de HIV ao lado nomes internacionais. Foto: UNAIDS

Wanessa Camargo é fotografada por Bob Wolfenson em apoio a exposição sobre prevenção do HIV

Provocar debates educativos para derrubar as barreiras do preconceito e da discriminação sobre temas relacionados à saúde sexual, promover informações e métodos de prevenção e estimular a adesão ao tratamento do HIV (vírus da imunodeficiência humana) e de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

Estes são os principais objetivos da exposição de arte contemporânea O.X.E.S (termo que remete à palavra sexo de trás para frente), idealizada pela ativista e artista plástica Adriana Bertini.

A cantora Wanessa Camargo, Embaixadora de Boa Vontade do UNAIDS no Brasil, foi clicada pelas lentes do fotógrafo Bob Wolfenson para integrar a série de fotografias O.X.E.S Friends, que faz parte do acervo da exposição.

David Malpass, novo presidente do Banco Mundial. Foto: Banco Mundial/Franz Mahr

Economista norte-americano assume presidência do Banco Mundial

O economista norte-americano David Malpass começa nesta terça-feira (9) seu mandato como presidente do Banco Mundial, após ser escolhido pelo quadro de diretores-executivos do organismo financeiro. O especialista traz para o cargo anos de experiência no Tesouro e no Departamento de Estado dos EUA, onde ocupou postos seniores nas áreas de assuntos internacionais, cooperação com países em desenvolvimento e América Latina.

Associação Espoir pour Demain em Burkina Faso apoia saúde sexual e reprodutiva de jovens no país. Foto: UNAIDS

Associação apoia conscientização de jovens sobre HIV e saúde sexual em Burkina Faso

Diante de um público de jovens em Burkina Faso, a presidente da Associação Espoir pour Demain, Christine Kafando, faz perguntas provocadoras. “Você se sente pressionado por outros meninos e meninas?”; “você se sente abandonado por conta da pobreza?”; “você tem todas as informações necessárias sobre sua saúde e HIV? Se não, pode me perguntar ou perguntar aos seus parceiros”.

Os 40 meninos e meninas participantes da oficina acenam. O evento ocorreu em Bobo-Dioulasso, e teve como objetivo criar espaço para que jovens aprendam sobre saúde sexual e façam o treinamento para que se tornem educadores de pares.

Em Burkina Faso, os jovens representam mais de 60% da população e os dados mostram que muitos deles não conhecem seu estado sorológico para o HIV. O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Novo código penal de Brunei impõe pena de morte para atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo, para adultério e por ter filho fora do casamento. Foto: UNAIDS

Agências da ONU pedem que Brunei revogue disposições penais discriminatórias

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) manifestaram nesta quinta-feira (4) preocupação com as novas disposições do código penal de Brunei, que entraram em vigor na véspera.

O novo código, que impõem a pena de morte para a atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo, para adultério e por ter filho fora do casamento, violam várias normas internacionais de direitos humanos, incluindo o direito de viver livre da tortura, de penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. As disposições terão um significativo impacto negativo na saúde e bem-estar geral da população do país asiático, disseram as agências da ONU.

Sede do UNAIDS, em Genebra. Foto: UNAIDS

UNAIDS apresenta plano para criar ambiente de trabalho saudável e acolhedor para funcionários

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) apresentou um novo plano de ação para criar uma cultura organizacional positiva e aumentar a consciência dos gestores e funcionários sobre as suas responsabilidades, direitos e deveres.

“Estamos transformando um momento difícil em um momento de oportunidades”, disse Michel Sidibé, diretor-executivo do UNAIDS, sobre a estratégia.

O encontro foi uma das 11 oficinas realizadas em todo o mundo pelo UNAIDS para discutir atualizações do software usado para estimar número de pessoas vivendo com HIV. Foto: UNAIDS

Encontro em Joanesburgo analisa tendências da epidemia de HIV nos países africanos

Mais de 100 pessoas de 11 países da África Oriental e Austral, apoiadas por nove organizações, reuniram-se em Joanesburgo, na África do Sul, para analisar as tendências e taxas da epidemia de HIV em seus países.

O encontro foi uma das 11 oficinas realizadas em todo o mundo pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) entre 28 de janeiro e 30 de março, durante as quais 140 equipes nacionais — incluindo epidemiologistas, coordenadores de programas de HIV e especialistas em monitoramento e avaliação — aprenderam as últimas atualizações do software usado para estimar o número de pessoas vivendo com HIV, novas infecções por HIV e mortes relacionadas à AIDS.

Mecanismo conjunto das Nações Unidas e da União Africana apoia o desenvolvimento do continente africano. Foto: UNAIDS

ONU e União Africana trabalham para desenvolvimento sustentável do continente

Não podemos alcançar o desenvolvimento sustentável sem manter a paz. Tampouco podemos construir um futuro seguro para todos sem abordar as causas profundas de nossos conflitos e vulnerabilidades.

A afirmação foi feita pela vice-secretária-geral das Nações Unidas, Amina Mohammed, durante a 20ª sessão do Mecanismo de Coordenação Regional para a África (RCM-África), ocorrida no último fim de semana em Marrakech, no Marrocos.

O órgão é um mecanismo conjunto das Nações Unidas e da União Africana para apoiar o desenvolvimento do continente africano. O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) participou do evento.

Amina Mohammed (centro, de vermelho), durante visita à sede do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) em Genebra, na semana passada (22). Foto: UNAIDS

Países devem colocar pessoas vulneráveis no centro, diz vice-chefe da ONU

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estão ligados pela ideia de não deixar ninguém para trás. Dessa forma, em cada país e em cada distrito, é preciso definir quem está sendo deixado para trás e colocá-los no centro.

A afirmação foi feita pela vice-secretária-geral das Nações Unidas, Amina Mohammed, durante visita à sede do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) em Genebra, na semana passada (22). Na reunião, ela descreveu sua visão de uma ONU reformada e apta a cumprir os ODS.