Alimentação escolar no Camboja. Foto: PMA/Sharon Freitas

Centro da ONU aposta em assistência remota para combater fome na Ásia

O Centro de Excelência contra a Fome da ONU, com sede no Brasil, presta consultoria técnica para diferentes nações da Ásia. Uma das estratégias adotadas pelo organismo é o uso da assistência remota, que permite o acompanhamento à distância de políticas pelo fim da desnutrição. De acordo com a instituição, modelo deverá ser utilizado ainda mais no futuro, para ampliar o potencial da cooperação Sul-Sul.

Participantes do evento na Argélia discutiram as políticas nacionais e respostas programáticas à insegurança alimentar. Foto: PMA

Centro de Excelência contra a Fome participa de evento sobre segurança alimentar na Argélia

Representantes do Centro de Excelência contra a Fome, fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas, participaram na semana passada (2) de um seminário sobre segurança alimentar e nutricional na Argélia.

O evento foi uma oportunidade para ministérios e parceiros de instituições técnicas trabalharem juntos e iniciarem um diálogo sobre conclusões preliminares a respeito das lacunas e recomendações para a segurança alimentar no país.

Fiona Lappin, à direita, conheceu propriedades de agricultores familiares em Brazlândia, no DF. Foto: PMA/Mariana Rocha

ONU e agência de desenvolvimento do Reino Unido conhecem agricultura familiar do Brasil

O Centro de Excelência contra a Fome das Nações Unidas organizou neste mês uma visita de campo para a nova diretora do Departamento do Reino Unido para o Desenvolvimento Internacional (DFID) no Brasil, Fiona Lappin. Com destino a Brazlândia, no Distrito Federal, a missão teve como objetivo mostrar como funciona a cadeia de fornecimento de alimentos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Os CECANES são centros ligados a diferentes universidades brasileiras que visam apoiar e melhorar a implementação do programa nacional de alimentação escolar. Foto: PMA/Alejandro Chicheri

Centro de Excelência contra a Fome participa de seminário em Brasília sobre alimentação escolar

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) realizou esta semana em Brasília (DF) a 5ª reunião dos Centros Colaboradores em Alimentação e Nutrição Escolar (CECANEs), com o objetivo de trocar experiências e conhecimento técnico sobre o programa nacional de alimentação escolar brasileiro. O encontro também visou fortalecer as relações entre os órgãos públicos educacionais e representantes dos centros colaboradores.

O governo do Camboja realizou um workshop de consulta sobre alimentação escolar em Siem Reap, em meados de junho (de 11 a 13). Foto: PMA

Brasil apoia Camboja na elaboração de programa de alimentação escolar

O governo do Camboja realizou um workshop de consulta sobre alimentação escolar em Siem Reap, em meados de junho (de 11 a 13). O Centro de Excelência contra a Fome, fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA), participou do evento e apresentou exemplos de soluções de vários países, incluindo o Brasil.

Representantes do governo do Camboja presentes no evento pediram detalhes do programa de alimentação escolar brasileiro, que serve de inspiração para o país e outras 30 nações em processo de estruturação de suas próprias iniciativas.

O objetivo do evento foi compartilhar experiências, resultados e perspectivas de iniciativas desenvolvidas no campo da educação. Foto: PMA

Centro de Excelência participa de debate sobre educação e inovação em Salvador

O Centro de Excelência contra a Fome, uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas, participou do Fórum Global Virtual Educa: a Cooperação Sul-Sul, realizado esta semana (de 4 a 8) em Salvador, na Bahia.

Na ocasião, Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência, enfatizou a importância de incluir os países africanos no debate sobre educação e inovação.

“As trocas entre os países latino-americanos e caribenhos têm resultados muito positivos, tanto na segurança alimentar como na educação, porque os dois continentes enfrentam desafios semelhantes e podem encontrar soluções compartilhadas”, acrescentou.

O Centro de Excelência contra a Fome apoia países africanos a reproduzir iniciativas brasileiras de alimentação escolar. Na imagem, criança se alimenta em centro do Programa Mundial de Alimentos na Região das Nações, Nacionalidades e Povos do Sul (SNNPRS), na Etiópia. Foto: PMA/Silvanus Okumu

Centro de Excelência do PMA e Patati Patatá se unem para vencer a fome

O Centro de Excelência contra a Fome, do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA), e a Rinaldi Produções, responsável pela dupla de palhaços Patati Patatá, uniram esforços para promover campanhas e arrecadar recursos para ações de combate à fome no Brasil e no mundo. Assinatura do termo de parceria ocorrerá no escritório do PMA em Brasília, na próxima sexta-feira (1º), e contará com um pocket show da dupla de palhaços para cerca de 30 crianças.

O Centro de Excelência contra a Fome recebeu pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) como parte de sua estratégia para fortalecer a área de pesquisa e gestão de conhecimento. Foto: PMA

Centro de Excelência contra a Fome e pesquisadores da USP consideram intensificar cooperação

O Centro de Excelência contra a Fome, fruto de parceria entre o governo federal e o Programa Mundial de Alimentos (PMA), recebeu na semana passada (23) pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) como parte de sua estratégia para fortalecer a área de pesquisa e gestão de conhecimento.

Além de contribuir para a pesquisa na universidade, o Centro de Excelência discutiu o desenvolvimento de iniciativas conjuntas e de cooperação para o desenvolvimento.

Produção de algodão na Tanzânia. Foto: Gatsby Charitable Foundation (CC)

ONU, Brasil e países africanos começam projeto para gerar renda entre produtores de algodão

Os governos do Brasil, Benim, Moçambique, Quênia e Tanzânia começaram neste mês um projeto para ajudar agricultores a ganhar dinheiro com os subprodutos da cadeia do algodão e cultivos associados. Com o apoio do Centro de Excelência contra a Fome da ONU, iniciativa visa gerar renda entre pequenos produtores. Programa realizará atividades de capacitação dos lavradores, além de dar apoio técnico a instituições públicas dos países africanos.

Cerca de 420 mil pessoas estão sob cerco na Síria – sem alimentos e remédios, famílias com fome e crianças malnutridas e definhando. Elas precisam de ajuda agora, precisam de paz agora. O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) precisa de financiamento e acesso para ajudar.

Conselho de Segurança aprova resolução para proteger populações em conflito da fome

Agências da ONU celebraram a adoção pelo Conselho de Segurança de uma resolução que proíbe governos e grupos em conflito de atacarem locais necessários à produção e distribuição de alimentos. Aprovada unanimemente na quinta-feira (24), medida é histórica, pois é a primeira da entidade a reconhecer os vínculos entre guerra e fome. Atualmente, pessoas em zonas de conflito representam 60% dos 815 milhões de indivíduos vivendo com fome crônica.

Crianças aguardando a refeição em uma escola em Bandarero, no norte do Quênia. Foto: OCHA/Daniel Pfister

Quênia lança estratégia de nutrição e alimentação escolar com apoio do Brasil

O governo do Quênia lançou no início de maio (8 e 9) sua estratégia de nutrição e alimentação escolar, que guiará a implementação de programas multissetoriais em escolas e comunidades. O documento apresenta cinco objetivos estratégicos, incluindo a promoção da sustentabilidade no programa de alimentação escolar para avançar no desenvolvimento local e inclusivo.

O documento da estratégia foi elaborado por uma equipe multissetorial que incluiu o Centro de Excelência contra a Fome, que é fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA).

A crise humanitária na Venezuela fez com que 1 milhão de pessoas cruzassem a fronteira para a Colômbia. Mais de 660 mil venezuelanos permanecem no país vizinho e 90% deles não sabem de onde virá sua próxima refeição. O Programa Mundial de Alimentos da ONU trabalha para fornecer alimentos aos migrantes – e precisa do apoio da comunidade internacional para garantir que todos sejam auxiliados. A agência fez um apelo por 46 milhões de dólares para apoiar cerca de 350 mil pessoas.

Programa Mundial de Alimentos pede apoio para venezuelanos na Colômbia; vídeo

A crise humanitária na Venezuela fez com que 1 milhão de pessoas cruzassem a fronteira para a Colômbia. Mais de 660 mil venezuelanos permanecem no país vizinho e 90% deles não sabem de onde virá sua próxima refeição.

O Programa Mundial de Alimentos da ONU trabalha para fornecer alimentos aos migrantes – e precisa do apoio da comunidade internacional para garantir que todos sejam auxiliados. A agência fez um apelo por 46 milhões de dólares para apoiar cerca de 350 mil pessoas.

Burundi aprovou oficialmente sua política nacional de alimentação escolar. Foto: PMA

Centro da ONU apoia política de alimentação escolar do Burundi

O governo do Burundi realizou no fim de abril (30) um workshop para validar sua política nacional de alimentação escolar. O evento reuniu atores do setor no país, que discutiram as principais linhas de ação previstas nas políticas, fizeram recomendações e contribuíram para o planejamento dos próximos passos.

O Centro de Excelência contra a Fome — fruto de parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) — foi representado no evento por Nadia Goodman, que apresentou experiências de outros países que podem ser referência para a implementação de programas sustentáveis de alimentação escolar no país. A política nacional foi desenvolvida com apoio técnico do Centro de Excelência.

Família de Dominica recebeu transferências em dinheiro na sequência do furacão Maria, que atingiu o país em setembro de 2017. Foto: PMA/Marianela González

ONU promoverá programas de transferência de renda para enfrentar crises humanitárias na América Latina e Caribe

Na América Latine e Caribe, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) firmaram neste mês (3) uma parceria para aprimorar programas de transferência de renda em situações de emergência. Cooperação visa apoiar governos da região, preparando autoridades para implementar com rapidez sistemas que distribuem recursos para a população em crises humanitárias.

Consumo de produtos industrializados em países das Américas estaria ligado a taxas crescentes de sobrepeso, obesidade e doenças crônicas, como diabetes, câncer e doenças do coração. Foto: WikiCommons/lyzadanger/Diliff

Brasil e ONU lançam redes para combater consumo de sódio e de alimentos processados

Apresentadas em Brasília nesta semana, na sede nacional da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), iniciativas buscam cumprir compromissos da Década de Ação das Nações Unidas para a Nutrição, observada de 2016 a 2025.

O Brasil se comprometeu a deter o crescimento da obesidade entre adultos, reduzir o consumo regular de bebidas adoçadas com açúcar em pelo menos 30% no mesmo grupo etário e ampliar em no mínimo 17,8% o percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente.

Venezuelanos em abrigo nos arredores de Cúcuta, na Colômbia. Foto: ACNUR/Paul Smith

ONU pede US$ 46 mi para alimentar 350 mil venezuelanos na Colômbia

Verba permitirá a implementação de um programa de assistência de oito meses, ao longo dos quais o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) fornecerá assistência para os venezuelanos, especialmente mulheres e crianças, vivendo em abrigos temporários. O organismo internacional também dará apoio emergencial a projetos de alimentação escolar e auxiliará as famílias de migrantes a se integrar nas comunidades anfitriãs.

Luciana prepara seu arroz com partes de alimentos que são nutritivas, mas que são normalmente descartadas. Foto: PMA/Isadora Ferreira

Merendeira de Minas Gerais ajuda escola pública a reduzir desperdício de alimentos

Luciana Aparecida Pinheiro é merendeira de uma escola primária em São Sebastião do Paraíso, em Minas Gerais. A cozinheira criou uma receita de arroz com frango e partes de vegetais que normalmente são jogadas no lixo, como as folhas da beterraba e a casca da abóbora. O prato mudou o funcionamento da cozinha e os hábitos dos alunos e suas famílias.

No ano passado, a receita rendeu à Luciana o prêmio do Concurso Melhores Receitas da Alimentação Escolar, apoiado pela FAO e pelo Centro de Excelência contra a Fome da ONU.

No início de abril, uma missão das Nações Unidas – liderada pelo Programa Mundial de Alimentos – visitou a cidade de Raqqa, na Síria, mesmo em meio à restrição de movimentos e à falta de sinais de internet e telefone. O PMA está se preparando para fornecer alimentação a cerca de 30 mil pessoas entre as mais vulneráveis na cidade atingida brutalmente pela guerra que já dura mais de 7 anos. Confira no vídeo

Síria: Programa Mundial de Alimentos se prepara para ajudar 30 mil pessoas em Raqqa

No início de abril, uma missão das Nações Unidas – liderada pelo Programa Mundial de Alimentos – visitou a cidade de Raqqa, na Síria, mesmo em meio à restrição de movimentos e à falta de sinais de internet e telefone. O PMA está se preparando para fornecer alimentação a cerca de 30 mil pessoas entre as mais vulneráveis na cidade atingida brutalmente pela guerra que já dura mais de 7 anos. Confira no vídeo.

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) relatam que, em três estados afetados por conflitos na Nigéria, a situação das famílias vulneráveis vem melhorando devido à assistência humanitária. Apesar disso, com a chegada da estação chuvosa em junho, elas poderão ficar sem o reabastecimento de alimentos.

Na Nigéria, programa da ONU apoia 1,2 milhão de pessoas afetadas pelo Boko Haram

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) relata que, em três estados afetados por conflitos na Nigéria, a situação das famílias vulneráveis vem melhorando devido à assistência humanitária. Apesar disso, com a chegada da estação chuvosa em junho, elas poderão ficar sem o reabastecimento de alimentos.

Apesar dos desafios de segurança, o PMA distribui alimentos como arroz, óleo de cozinha, sorgo, sal e alimentos nutricionais especializados para mais de 1,2 milhão de pessoas em todas as áreas afetadas pela Boko Haram na Nigéria. Cerca de 70% dos alimentos distribuídos são adquiridos localmente, ajudando os agricultores nigerianos.

Há também apoio financeiro em lugares onde os mercados estão funcionando, permitindo que as pessoas comprem uma variedade maior de alimentos frescos e ajudem a economia local.

Confira nessa matéria em vídeo.

Seminário em Salvador (BA) discutiu formas de impulsionar a alimentação escolar nos países de língua portuguesa. Foto: PMA

Países de língua portuguesa discutem alimentação escolar durante seminário em Salvador (BA)

Representantes dos ministérios da Educação de nove países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) reuniram-se em Salvador (BA) em 14 e 15 de março para o “Seminário Internacional: Sustentabilidade dos Programas de Alimentação Escolar”.

Os participantes discutiram suas expectativas em relação aos programas de alimentação escolar, formas de melhorá-los e de aumentar as compras de alimentos de agricultores familiares. O seminário foi realizado com apoio do Centro de Excelência contra a Fome, uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU.

Esta jovem mãe andou 20 dias de Diinsoor, na Somália, com seus sete filhos para o campo de refugiados de Hagadera, em Dadaab, no Quênia. Depois que o gado de seu marido morreu por causa da seca na Somália, ela foi para Dadaab devido à fome. Foto: OCHA/Meridith Kohut

Seca e conflitos aumentaram a fome de milhões em 2017, alerta novo relatório

Impulsionados principalmente por desastres climáticos e conflitos, os níveis de fome aumentaram em 2017, deixando cerca de 124 milhões de pessoas em 51 países enfrentando crises de fome. Esse número representa 11 milhões a mais do que no ano anterior, segundo um novo relatório apoiado pelas Nações Unidas.

Apresentado pela FAO, Programa Mundial de Alimentos (PMA) e União Europeia, o Relatório Global sobre Crises Alimentares revelou que as emergências alimentares são cada vez mais determinadas por causas complexas como conflitos, choques climáticos e preços elevados de alimentos básicos – fatores que, muitas vezes, agem ao mesmo tempo.

Veículos de um comboio da ONU e da Cruz Vermelha Árabe da Síria com 46 caminhões que transportam ajuda alimentar, bem como suprimentos de saúde e nutrição, passam por Douma, em Ghouta Oriental, na Síria. Foto: UNICEF/Khabieh

Síria: comboio de ajuda das Nações Unidas retorna a Ghouta Oriental

Apesar dos enormes riscos, entrega humanitária completou o envio de alimentos planejado para 27.500 pessoas, assim como itens de saúde e nutrição, após a interrupção da semana passada em meio aos bombardeios. A ONU está à espera de autorização de acesso para cobrir todas as 70 mil pessoas em Douma, inicialmente aprovado pelas autoridades sírias.

A OMS alertou que ataques a instalações de saúde continuam: foram 67 nos dois primeiros meses deste ano, mais de 50% dos ataques em todo o ano de 2017; 19 pessoas morreram nesses ataques, incluindo quatro médicos.

Comboio formado por 46 caminhões com suprimentos de saúde e nutrição chega a Ghouta Oriental. Foto: PMA/Marwa Awad

Síria: ONU e parceiros entregam ajuda humanitária em Ghouta Oriental

Um comboio da ONU e do Crescente Vermelho chegou ao enclave sírio sitiado de Ghouta Oriental na segunda-feira (5), levando ajuda humanitária para milhares de pessoas, informou o Programa Mundial de Alimentos (PMA).

O comboio levou farinha de trigo para 27,5 mil pessoas na cidade de Duma, assim como suprimentos nutricionais especializados para crianças desnutridas, na primeira vez em quatro meses que o PMA e seus parceiros conseguem chegar à região.

Um funcionário do ACNUR registra uma mulher e suas duas filhas. Para evitar múltiplas inscrições, o sistema identifica os refugiados através das suas impressões digitais. Foto: ACNUR/Frederic Noy (novembro de 2012)

ONU elogia esforços de Uganda para impedir corrupção nos programas de refugiados

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) elogiou as medidas tomadas pelo governo de Uganda para investigar alegações de irregularidades nos programas de refugiados do governo.

O primeiro-ministro de Uganda iniciou investigação após relatórios recebidos pelo ACNUR e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) denunciarem funcionários envolvidos em assistência aos refugiados por corrupção e má conduta.