Alunos aprendem a prevenção ao novo coronavírus na Escola Municipal Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro (RJ), através de cartazes, trabalhos escolares, e medidas de higiene e convívio pessoal. Foto: Agência Brasil/ Fernando Frazão

Quase 40% das escolas brasileiras não têm estruturas básicas para lavagem de mãos

No Brasil, 39% das escolas não dispõem de estruturas básicas para lavagem de mãos, segundo dados de Organização Mundial da Saúde (OMS) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Além disso, de acordo com o Censo Escolar 2018, 26% das escolas brasileiras não têm acesso a abastecimento público de água. Quase metade (49%) das escolas brasileiras não tem acesso à rede pública de esgoto.

O relatório identifica vários recursos necessários para a prevenção e controle da COVID-19 nas escolas, incluindo dez ações imediatas e listas de verificação de segurança. As diretrizes incluem protocolos relacionados com água, saneamento e higiene, uso de equipamento de proteção individual, limpeza e desinfecção, bem como acesso a água limpa, estações de lavagem das mãos com sabão e banheiros seguros.

Médica analisa exame para eventual diagnóstico de tuberculose. Foto: AGECOM/Carol Garcia

COVID-19 ameaça controle e eliminação de doenças infecciosas nas Américas

A pandemia de COVID-19, que matou mais de 390 mil pessoas nas Américas, está ameaçando os planos regionais para eliminar e controlar doenças infecciosas, incluindo tuberculose, HIV e hepatites, disse na terça-feira (11) Carissa F. Etienne, diretora da OPAS.

Com mais de 10,5 milhões de casos de COVID-19 nas Américas e 100 mil novos casos sendo notificados todos os dias, “os países não podem atrasar a luta contra COVID-19, mas não devem permitir que a doença nos atrase para completar a agenda inacabada de eliminar e controlar as doenças infecciosas em nossa região”, afirmou Etienne em coletiva de imprensa.

OMS cita sinais de esperança no combate à pandemia de COVID-19

Embora o número de casos da COVID-19 esteja próximo de atingir 20 milhões no mundo esta semana e 750.000 mortes, o chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, apontou sinais de esperança em meio à crise global nesta segunda-feira (10), durante coletiva de imprensa.

Tedros instou governos e pessoas para continuarem trabalhando para suprimir o novo coronavírus e destacou dois elementos eficazes na resposta à pandemia: “os líderes devem intensificar a ação e os cidadãos devem adotar novas medidas”.

As recomendações da OPAS/OMS foram fundamentais para o Hospital Juarez, na Cidade do México. Foto: ONU México/Gabriela Ramirez

Cooperação global é nossa única escolha contra a COVID-19, diz chefe da OMS

Com mais de 18,5 milhões de casos de COVID-19 relatados em todo o mundo até quinta-feira (6), e 700 mil mortes, o principal oficial de saúde da ONU apelou novamente aos países para que se unam na luta contra a doença.

“Apesar de todas as nossas diferenças, somos uma raça humana compartilhando o mesmo planeta e nossa segurança é interdependente – nenhum país estará seguro, até que estejamos todos seguros”, disse ele durante um evento online.

“O mundo gasta bilhões todos os anos se preparando para possíveis ataques terroristas, mas aprendemos da maneira mais difícil que, a menos que invistamos na preparação para uma pandemia e para a crise climática, estaremos expostos a enormes danos”, declarou.

Grandes áreas de Beirute foram destruídas como resultado da explosão no porto da cidade. Foto: UNIFIL

Líbano: apoio aos hospitais é prioridade da ONU após explosão em Beirute

A Organização das Nações Unidas (ONU) está trabalhando em estreita colaboração com as autoridades do Líbano para apoiar a resposta contínua após a enorme explosão que abalou Beirute na terça-feira (4), destruindo grandes áreas da capital.

Mais de 130 pessoas morreram na explosão, que atingiu o porto e os arredores, deixando inúmeros feridos e milhares de desabrigados. O governo declarou estado de emergência por duas semanas.

Falando na quarta-feira (5), o vice-porta-voz da ONU Farhan Haq disse a jornalistas que o apoio a hospitais e à resposta a traumas é uma prioridade.

OPAS adverte contra uso de produtos à base de cloro como tratamento para a COVID-19

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) emitiu um alerta contra o uso de produtos à base de cloro como tratamentos para a COVID-19.

“A OPAS não recomenda o uso oral ou parenteral – intravenosa, intra-arterial, intramuscular e subcutânea – de dióxido de cloro ou produtos com clorito de sódio para pacientes com suspeita ou diagnóstico da COVID-19 ou para qualquer outra pessoa. Não há evidências de sua eficácia e a ingestão ou inalação de tais produtos pode causar graves efeitos adversos”, alertou o documento.

OPAS alerta para interrupções nos serviços regulares de saúde devido à COVID-19

Os serviços de saúde nos países das Américas estão sendo interrompidos à medida que profissionais de saúde são redirecionados para atender pacientes com COVID-19. Além disso, as pessoas estão hesitando em procurar atendimento de rotina devido ao medo de infecção e as cadeias globais de fornecimento de medicamentos e equipamentos estão prejudicadas, alertou nesta terça-feira (4) a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne.

Em 27 países, metade dos programas de diabetes e hipertensão da atenção primária foi interrompida, mostra pesquisa, e as visitas relacionadas à gestação caíram 40%. Hoje, 11 países das Américas têm menos de três meses de fornecimento de antirretrovirais.

Brasil lança campanha de amamentação durante Semana Mundial do Aleitamento Materno

Para marcar a Semana Mundial do Aleitamento Materno 2020, o Ministério da Saúde do Brasil lançou nesta terça-feira (4) sua campanha anual de incentivo à amamentação e apresentou uma pesquisa que aponta aumento dos índices de amamentação no país.

O evento contou com a participação da representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil, Socorro Gross, que afirmou que a amamentação é a intervenção de saúde pública mais custo-efetiva.

“É o maior ato de amor que nós mães podemos fazer e que os pais e as famílias podem apoiar. O aleitamento materno sempre será, em qualquer país, em qualquer região, em qualquer parte da história, a razão de termos crianças mais saudáveis”.

Uma mulher usa máscara facial enquanto trabalha em Gujarat, na Índia. Foto: UNICEF

Não há ‘bala de prata’ para combater COVID-19, diz chefe da agência de saúde da ONU

Não existe “nenhuma bala de prata” para combater a COVID-19, disse o chefe da agência de saúde da ONU a jornalistas na segunda-feira (3), acrescentando que “talvez nunca exista”.

O Comitê de Emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS) reuniu-se na sexta-feira (31) para analisar o atual cenário da pandemia, no que o chefe Tedros Adhanom Ghebreyesus chamou de “um momento preocupante”.

“Nunca é tarde para mudar essa pandemia”, afirmou Tedros, acrescentando que “se agirmos juntos hoje”, podemos salvar vidas e meios de subsistência.

O treinamento ocorreu na Casa da Mulher Brasileira, em São Paulo (SP). Foto: OPAS

OPAS e Prefeitura de São Paulo treinam servidoras para atender mulheres vítimas de violência

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) realizou, em conjunto com a Secretaria de Relações Internacionais e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania do município de São Paulo, um treinamento para cerca de 40 servidoras municipais que atendem mulheres vítimas de violência na capital paulista.

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública indicam que os casos de feminicídio tiveram um aumento de 22,2% em 12 estados brasileiros no período entre março/abril de 2019 e março/abril de 2020.

Na cidade de São Paulo, os casos de violência contra a mulher cresceram 30% entre os meses de fevereiro e março de 2020, segundo o Núcleo de Gênero e o Centro de Apoio Operacional Criminal do Ministério Público de São Paulo.

Profissional de saúde verifica a temperatura de paciente em hospital na província de Nonthaburi, Tailândia. Foto: ONU Mulheres/Pathumporn Thongking

Efeitos da pandemia serão sentidos por décadas, diz chefe da OMS

Manifestando “apreço pelos esforços de resposta à pandemia de COVID-19 feitos por Organização Mundial da Saúde (OMS) e parceiros”, o comitê de emergência convocado pelo chefe da agência deixou claro que ainda não há um fim à vista para a crise de saúde pública que até agora infectou mais de 17 milhões e matou mais de 650 mil pessoas.

“A pandemia é uma crise de saúde que ocorre uma vez no século, cujos efeitos serão sentidos nas próximas décadas”, disse Tedros ao Comitê em seu discurso de abertura na sexta-feira (31).

“Muitos países que acreditavam ter passado pelo pior agora estão enfrentando novos surtos. Alguns que foram menos afetados nas primeiras semanas agora estão vendo um número crescente de casos e mortes. E alguns que tiveram grandes surtos os controlaram.”

Foto: EBC

Economias latino-americanas só terão retomada se curva de contágio for achatada, diz relatório

Um novo relatório conjunto de Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) indica que somente se a curva de contágio da pandemia da COVID-19 for achatada, as economias da região poderão ser retomadas.

O relatório propõe uma abordagem com três fases que incluem a adoção de políticas de saúde, econômicas, sociais e produtivas destinadas a controlar e mitigar os efeitos da pandemia, reativar com proteção e reconstruir de maneira sustentável e inclusiva. 

OPAS e organizações se unem para mitigar impactos da COVID-19 nos povos amazônicos

É necessário ter um diagnóstico específico sobre as lacunas na saúde e buscar formas de facilitar o acesso a serviços de saúde e a medidas de prevenção para populações afetadas pela pandemia de COVID-19, como as comunidades indígenas.

A afirmação foi feita pelo subdiretor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Jarbas Barbosa, em reunião com líderes de povos amazônicos de Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela e especialistas de organizações internacionais na segunda-feira (27).

Segundo Barbosa, a OPAS pode promover diálogos entre os Ministérios de Saúde de cada país e as organizações indígenas, assim como com outros organismos que estão respondendo à pandemia.

Globalmente, cerca de 1,6 bilhão dos 2 bilhões de trabalhadores da economia informal são afetados por medidas de confinamento e de contenção. Foto: OIT

CEPAL e OPAS apresentam relatório conjunto sobre saúde e economia no contexto da COVID-19

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) apresentarão na quinta-feira (20) o relatório conjunto “Saúde e economia: uma convergência necessária para enfrentar a COVID-19 e retomar o caminho para o desenvolvimento sustentável na América Latina e no Caribe”.

O documento aborda a necessidade de tomar medidas de saúde para achatar a curva da COVID-19 e, assim, retomar a economia nos países da região.

A apresentação será realizada por meio de uma coletiva de imprensa virtual, às 12h30 (horário de Brasília), liderada por Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL, e Carissa Etienne, diretora da OPAS.

OMS: pandemia de COVID-19 é ‘uma grande onda’, não é sazonal

O vírus da COVID-19 provavelmente não será afetado pelas mudanças de estação, como outras doenças respiratórias, informou a agência de saúde da ONU na terça-feira (28), pedindo mais respeito às medidas de distanciamento físico para impedir sua propagação.

“As estações não parecem estar afetando a transmissão desse vírus”, disse Margaret Harris, porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O que está afetando a transmissão são as reuniões de massa, as pessoas se reunindo sem distanciamento social, não tomando as precauções para garantir que não estejam em contato próximo.”

Profissional de saúde exibe vacina contra a hepatite B. Foto: UNICEF/Shehab Uddin

OPAS pede prevenção e tratamento contínuos das hepatites durante pandemia

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) pediu na segunda-feira (27) que os serviços essenciais de prevenção e tratamento das hepatites virais sejam mantidos durante a pandemia de COVID-19 para que o progresso rumo à sua eliminação não seja interrompido.

“No meio de uma pandemia, as hepatites virais continuam a adoecer e matar milhares de pessoas”, lembrou a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne. “Esses serviços, incluindo a vacinação contra a hepatite B, são essenciais e não podem ser interrompidos. Os cuidados devem continuar em segurança para todos aqueles que precisam”, complementou.

A maioria pertence a comunidades indígenas, que estão enfrentando algumas das mais altas taxas de incidência da doença.

COVID-19: Nações Unidas pedem mais apoio a povos indígenas na região amazônica

As Nações Unidas em Colômbia, Brasil e Peru pedem um aumento nos esforços de apoio e resposta na região amazônica, à medida que a COVID-19 continua em alta na região, afetando centenas de milhares de pessoas indígenas.

O Sistema ONU tem colaborado estreitamente com os três países para planejar a resposta na região de fronteira.

Apesar desses esforços, a capacidade de resposta permanece limitada, pois a escassez de financiamento está dificultando significativamente a atuação dos atores humanitários para atender as necessidades identificadas.

Um profissional de saúde em Brazzaville, no Congo, usa equipamentos para se proteger do novo coronavírus. Foto: OMS

OMS: casos de COVID-19 ultrapassam 15 milhões no mundo; 620 mil mortes

A maioria dos casos no mundo, ou 10 milhões, estava em apenas dez países, com Estados Unidos, Brasil e Índia respondendo por quase metade. Na tarde de quinta-feira (23), os EUA ultrapassaram o marco de 4 milhões de infecções.

“Estamos pedindo a todos que tratem as decisões sobre aonde vão, o que fazem e com quem se encontram como decisões de vida ou morte – porque elas o são”, disse o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, falando de Genebra.

“Há muito que você pode fazer para proteger a si mesmo contra a infecção e para prevenir a transmissão do vírus para outras pessoas”, destacou a líder técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a COVID-19, Maria Van Kerkhove. Uma série de ações podem ser adotadas por todos para enfrentar a pandemia, como se manter bem informado(a), lavar as mãos e praticar o distanciamento social. “Há muitas pessoas, trabalhadores essenciais, que não podem ficar em casa. Há muitas pessoas que estão cuidando de pacientes em hospitais que não podem ficar em casa. E se você pode, se você pode ajudar, se for solicitado, por favor, fique em casa.”

OMS: todo mundo tem um papel na prevenção do coronavírus

“Há muito que você pode fazer para proteger a si mesmo contra a infecção e para prevenir a transmissão do vírus para outras pessoas”, destacou a líder técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a COVID-19, Maria Van Kerkhove.

Uma série de ações podem ser adotadas por todos para enfrentar a pandemia, como se manter bem informado(a), lavar as mãos e praticar o distanciamento social.

“Há muitas pessoas, trabalhadores essenciais, que não podem ficar em casa. Há muitas pessoas que estão cuidando de pacientes em hospitais que não podem ficar em casa. E se você pode, se você pode ajudar, se for solicitado, por favor, fique em casa.”

Plataforma ajuda países a estabelecer estruturas legais para gerenciar pandemia

A plataforma COVID-19 Law Lab reúne e compartilha documentos legais de mais de 190 países para ajudá-los a estabelecer e implementar estruturas legais para gerenciar a pandemia.

O objetivo é garantir que as leis protejam a saúde e o bem-estar de indivíduos e comunidades e que cumpram os padrões internacionais de direitos humanos.

Trata-se de projeto conjunto de Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Organização Mundial da Saúde (OMS), Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) e Instituto O’Neill e Direito Nacional e Global de Saúde, ligado à Universidade de Georgetown.

Três em cada 10 pessoas nas Américas correm maior risco de desenvolver a COVID-19 grave

Nas Américas, três em cada 10 pessoas – ou quase 325 milhões de pessoas – correm um risco maior de ficar gravemente doentes com a COVID-19 devido às suas condições de saúde pré-existentes, revelou nesta terça-feira (21) a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne. E dentro desse grupo, os homens têm duas vezes mais chances do que as mulheres de ter alto risco de desenvolver a COVID-19 grave.

Para ajudar a resolver a situação, a OPAS desenvolveu, em parceria com a Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, uma ferramenta que fornecerá dados específicos para que os países possam adaptar suas respostas à COVID-19 e, assim, proteger melhor as populações vulneráveis ​​de doenças crônicas que ameaçam a saúde.

Enterros de indígenas mortos pela COVID-19 em São Gabriel da Cachoeira (AM), em maio. Foto: Paulo Desana/Dabakuri/Amazônia Real

OPAS: países devem intensificar esforços para impedir propagação da COVID-19 entre povos indígenas

Os povos indígenas de vários países das Américas estão enfrentando um número crescente de casos e mortes por COVID-19, e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) instou as autoridades de saúde a redobrar esforços para impedir a propagação da infecção nessas comunidades, bem como garantir o acesso aos serviços de saúde.

A OPAS analisou a situação da COVID-19 entre populações indígenas em vários países. Na Bolívia, foram registrados 31.249 casos e 1.135 mortes. O Brasil registrou 7.946 casos confirmados e 177 mortes entre povos indígenas no país.

OPAS e organizações indígenas se unem para combater pandemia na bacia amazônica

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Coordenação de Organizações Indígenas da Bacia do Rio Amazonas (COICA) vão trabalhar juntas para intensificar o combate à COVID-19 em áreas indígenas da selva peruana, leste da Bolívia, Amazônia equatoriana, colombiana e brasileira.

Em declaração conjunta, as organizações solicitam aos países que fortaleçam os serviços de saúde na Amazônia, fornecendo recursos humanos, suprimentos e dispositivos médicos, incluindo testes, tratamentos e vacinas, quando disponíveis, com especial ênfase nas populações que vivem em isolamento voluntário.

A declaração também alerta para a eventual entrada do vírus em territórios isolados, o que exporia tais populações a um sério risco de extinção.

Menina caminha pela lama carregando seu irmão mais novo no campo de deslocados internos Khair Al-Sham em Idlib, na Síria. Foto: UNOCHA

ONU pede ação do G20 para evitar agravamento de crises humanitárias devido à pandemia

A pandemia de COVID-19 e a recessão resultante devem desencadear o primeiro aumento da pobreza global em três décadas, levando 265 milhões de pessoas à fome até o final do ano, alertou a principal autoridade humanitária da ONU na quinta-feira (16).

Mark Lowcock exortou as principais economias do mundo, o grupo do G20, a intensificar seu apoio, lançando um apelo atualizado de 10,3 bilhões de dólares para combater a disseminação do novo coronavírus em 63 países de baixa renda.

OMS e UNICEF alertam para declínio na vacinação durante pandemia da COVID-19

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alertaram na quarta-feira (15) para um declínio alarmante no número de crianças que recebem vacinas vitais em todo o mundo. Isso ocorre devido a interrupções na entrega e na aceitação dos serviços de imunização causadas pela pandemia da COVID-19.

A situação é especialmente preocupante para a América Latina e o Caribe, onde a cobertura historicamente alta caiu na última década. No Brasil, na Bolívia, no Haiti e na Venezuela, a cobertura vacinal caiu em pelo menos 14 pontos percentuais desde 2010. Esses países também estão agora enfrentando interrupções, de moderadas a graves, relacionadas à COVID-19.

Pesquisas estão em andamento no mundo todo para encontrar uma vacina contra a doença provocada pelo novo coronavírus. Foto: Loey Felipe/UN Photo

Mais de 150 países manifestam interesse em mecanismo de acesso global a vacinas contra COVID-19

Setenta e cinco países, entre eles o Brasil, manifestaram interesse em aderir ao mecanismo COVAX, projetado para garantir o acesso rápido, justo e equitativo a vacinas contra COVID-19 em todo o mundo.

O COVAX é coliderado pela Gavi (Aliança Global para Vacinas e Imunização) e Organização Mundial da Saúde (OMS), que trabalham em parceria com fabricantes de vacinas de países desenvolvidos e em desenvolvimento.

O mecanismo visa acelerar o desenvolvimento e a fabricação de vacinas contra a COVID-19 e garantir acesso justo e equitativo a todos os países do mundo.

São Paulo já soma mais de 1,7 mil mortos por COVID-19. Foto: Agência Brasil/Rovena Rosa

OPAS e parceiros lançam cursos virtuais sobre COVID-19 para gestores e profissionais de saúde

Secretarias estaduais de Saúde de 19 estados brasileiros disponibilizarão uma série de cursos virtuais sobre prevenção e controle da COVID-19 e outras doenças infecciosas para gestores e trabalhadores de saúde de diversas áreas.

A iniciativa será lançada nesta quarta-feira (15), às 14h30, por Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). A cerimônia será transmitida ao vivo pelas redes sociais do CONASS.

Países das Américas unem esforços para garantir acesso às vacinas contra COVID-19

Os países das Américas estão unindo esforços para garantir o acesso a tratamentos e vacinas contra a COVID-19, afirmou nesta terça-feira (14) a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne.

“Atuando como um bloco, os Estados-membros da OPAS se beneficiarão de nossa expertise técnica, bem como de nossas décadas de experiência em garantir e distribuir vacinas de maneira rápida e eficiente. Também garantiremos que o processo seja o mais inclusivo possível, alocando as doses de maneira justa entre os países participantes”, disse.

A enviada especial do secretário-geral da ONU para a juventude, Jayathma Wickramanayake, durante evento em Bagdá, no Iraque. Foto: UNAMI/Ivan Djordjevic

ONU reúne jovens em seminário online para debater saúde mental durante a pandemia

A enviada do secretário-geral das Nações Unidas para a Juventude, Jayathma Wickramanayake, apresenta na quarta-feira (15), às 10h, a 9ª sessão da série de seminários online #CopingWithCOVID (lidando com a COVID-19).

Durante esta sessão – focada na saúde mental dos jovens durante a pandemia – a enviada será acompanhada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Também participam a diretora-executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, a Rainha Mathilde da Bélgica, além de oito jovens do mundo todo.

ONU: fome pode afetar quase 67 milhões de pessoas na América Latina e Caribe em 2030

A fome afetou 47,7 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe em 2019, aponta o relatório “Estado da segurança alimentar e nutrição no mundo 2020 (SOFI)”, publicado nesta segunda-feira (13).

Este é o quinto ano consecutivo de aumento da fome e se estima que as projeções podem ser ainda piores quando forem contabilizados os efeitos da pandemia da COVID-19 na segurança alimentar.

O relatório, desenvolvido por Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Organização Mundial da Saúde (OMS), Programa Mundial de Alimentos (WFP) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), adverte que a região não alcançará o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2: fome zero e agricultura sustentável.

Painel independente avaliará preparação e resposta à pandemia no mundo

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou nesta quinta-feira (9) o lançamento de um painel independente que avaliará a preparação e resposta à pandemia de COVID-19 no mundo.

Em declarações aos Estados-membros da OMS, Tedros afirmou que o painel será copresidido pela ex-primeira ministra da Nova Zelândia Helen Clark e pela ex-presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf.

Clark liderou o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Sirleaf recebeu o Prêmio Nobel da Paz. Operando de forma independente, elas escolherão outros membros do painel, bem como membros de uma secretaria independente para fornecer apoio.

Selos sobre a COVID-19 homenageiam o trabalho de combate à pandemia

Os Correios lançaram nesta quarta-feira (8), em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), um bloco de selos em homenagem aos trabalhos de combate à pandemia da COVID-19. O material traz recomendações sobre como manter-se saudável, ressalta a importância da ciência, o papel fundamental dos profissionais de saúde e de outros serviços essenciais, além de outras informações.

Além disso, os selos chamam a atenção para a necessidade de ser ter consciência, responsabilidade e solidariedade na resposta à COVID-19. A emissão destes selos informativos é também uma importante iniciativa para combater a infodemia – o excesso de circulação de informações erradas ou falsas e boatos.

Funcionários de uma padaria em Constantine, Argélia, durante a crise da COVID-19. Foto: OIT/Yacine Imadalou

Após carta de cientistas, OMS divulgará novo relatório sobre transmissão aérea da COVID-19

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deve publicar nos próximos dias um resumo sobre os modos de transmissão do novo coronavírus, disse uma autoridade sênior da agência na terça-feira (7).

A organização tem estudado os vários modos de potencial transmissão do vírus, incluindo gotículas no ar ou em aerossol, mas também outros canais, como de mãe para bebê e de animal para humano. O resumo científico consolidará o crescente conhecimento sobre esse assunto.

OPAS pede coordenação entre países das Américas no combate à pandemia de COVID-19

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, destacou na terça-feira (6) que região das Américas tem notificado cerca de 100 mil casos por dia da COVID-19. Ela pediu uma forte coordenação entre os países e que os líderes orientem ações a partir de evidências, e chamou as pessoas a se protegerem e protegerem os demais do novo coronavírus.

O número de casos da COVID-19 nas Américas continua a acelerar, com 20% a mais de casos na semana passada do que na semana anterior e novos padrões estão surgindo. “Há dois meses, os EUA representavam 75% dos casos da COVID-19 em nossa região. Na semana passada, registraram pouco menos da metade dos casos, enquanto a América Latina e o Caribe registraram mais de 50% – sozinho, o Brasil registrou cerca de um quarto deles”.

Fiscalização do comércio de rua em Natal (RN). Foto: Prefeitura de Natal/Joana Lima

OPAS apoia Rio Grande do Norte na tomada de decisões sobre distanciamento social

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) apoiou o Rio Grande do Norte no desenvolvimento de uma ferramenta para auxiliar as autoridades de saúde pública na tomada de decisões sobre ajustes de medidas não farmacológicas, como as de distanciamento social.

Esses indicadores facilitam a avaliação, por exemplo, sobre a necessidade de endurecer as medidas de distanciamento social – ou apontam se é possível afrouxá-las. Na ferramenta, foi proposta uma matriz, adaptada à realidade potiguar, com recomendações de iniciativas a serem tomadas em cada cenário.

Volume de resíduos eletrônicos aumenta mais de 21% em 5 anos no mundo

Em 2019, apenas 17,4% dos resíduos eletrônicos foram coletados e reciclados no mundo. Isso significa que ouro, prata, cobre, platina e outros materiais recuperáveis de alto valor, avaliados em 57 bilhões de dólares foram principalmente descartados ou queimados, em vez de coletados para tratamento e reutilização.

Desde 2014, o número de países que adotaram uma política, legislação ou regulamentação nacional de resíduos eletrônicos aumentou de 61 para 78. Embora seja uma tendência positiva, isso está longe da meta estabelecida pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) de aumentar para 50% o percentual de países com uma legislação sobre resíduos eletrônicos.

OMS: acesso a medicamentos para HIV é severamente afetado durante a pandemia

Setenta e três países alertaram que correm o risco de falta de medicamentos antirretrovirais em razão da pandemia de COVID-19, de acordo com uma nova pesquisa da Organização Mundial da Saúde (OMS) realizada antes da conferência semestral da Sociedade Internacional de Aids.

Vinte e quatro países relataram ter um estoque criticamente baixo de antirretrovirais ou interrupções no fornecimento desses medicamentos que salvam vidas.

A dificuldade dos fornecedores em entregar os antirretrovirais no prazo e a paralisação dos serviços de transporte terrestre e aéreo, juntamente com o acesso limitado aos serviços de saúde nos países como resultado da pandemia, estavam entre as causas citadas pelas interrupções.

Ação de saúde pública para controlar vetores da malária em Machadinho D'Oeste, em Rondônia. Foto: OPAS

OPAS: países devem combater malária durante pandemia; foco em comunidades vulneráveis

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) pediu na segunda-feira (6) que os países continuem agindo contra a malária nas Américas, de acordo com a resposta à pandemia de COVID-19, especialmente entre as populações vulneráveis.

Em uma recente atualização epidemiológica, a OPAS disse que “essa situação é especialmente preocupante em áreas onde residem comunidades indígenas e em cidades da região amazônica de Brasil e Peru e em áreas da região do Pacífico na Colômbia. A situação da malária em toda a região está sendo afetada pela coexistência da pandemia de COVID-19.”

Em 18 minutos de história, a atriz Carol Castro interpreta várias personagens, entre elas Ário e Sara – uma criatura fantástica e uma menina que viajam juntos pelo mundo em busca de respostas sobre a COVID-19. Foto: Reprodução

Em parceria com OPAS, atriz brasileira Carol Castro ajuda crianças a lidar com pandemia

Explicar às crianças o que é a pandemia de COVID-19 e quais suas consequências pode ser uma dura tarefa para mães, pais, cuidadores(as) e professores(as). Para apoiá-los nesta missão, a atriz brasileira Carol Castro interpreta direto de sua casa a história “Meu herói é você”, que busca transmitir informações sobre a doença e ajudar crianças a lidar com este momento difícil.

O videobook é resultado de uma parceria entre a Rede Internacional de Saúde Mental e Apoio Psicossocial em Emergência Humanitárias (MHPSS.net) e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil.

Relatório mostra ampla resposta da OPAS à pandemia da COVID-19 nas Américas

Em um novo relatório, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) detalha sua ampla resposta em mobilização e apoio técnico à emergência de saúde desde que os primeiros casos de COVID-19 foram notificados, em janeiro de 2020.

O organismo internacional ajudou a adquirir equipamentos de proteção individual (EPIs), enviando 54 remessas para 26 países – 1,3 milhão de luvas, 1 milhão de máscaras cirúrgicas e N95, 403 mil aventais e 42 mil óculos. Além de ter realizado 25 missões com especialistas a 20 países e ter promovido 49 capacitações e seminários virtuais para mais de mil profissionais de saúde.

O relatório afirma que o epicentro da pandemia é a região das Américas. Os Estados Unidos e o Brasil juntos representam 75% de todos os casos e 74% de todas as mortes já notificadas na região.