Seminário na Bolívia discutiu estratégias para eliminar febre aftosa na América do Sul até 2020. Foto: OPAS

Seminário da ONU debate como erradicar febre aftosa na América do Sul até 2020

Para discutir estratégias de saúde animal que levem à eliminação da febre aftosa na América do Sul, o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA), instituição de pesquisa das Nações Unidas, reuniu para um seminário na Bolívia cerca de 240 especialistas de mais de 20 países. Cientistas, gestores e produtores agrícolas têm a expectativa de ver a doença erradicada na região até 2020.

Atividade realizada em Brasília (DF) teve o objetivo de refletir e incentivar a cidadania alimentar com base no afeto, nas tradições e no direito. Foto: PEXELS

Oficina em Brasília lembra importância da alimentação baseada em afeto, tradições e direito

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e o Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição da Universidade de Brasília (OPSAN) organizaram na quarta-feira (18), como parte do 25º Congresso Brasileiro de Nutrição (CONBRAN), a oficina “Por uma comida que seja nossa!”.

A atividade, que aconteceu no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília (DF), teve o objetivo de gerar reflexões e promover a cidadania alimentar com base no afeto, nas tradições e no direito.

Segundo a OPAS/OMS, evidências científicas recentes apontam que medidas regulatórias têm impacto na prevenção e controle da obesidade. Foto: EBC

OMS destaca importância da educação alimentar para melhorar nutrição no Brasil

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) participou na quarta-feira (18) da abertura do 25º Congresso Brasileiro de Nutrição (CONBRAN 2018). Na ocasião, a coordenadora da Unidade de Determinantes da Saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde Mental da OPAS/OMS no Brasil, Katia Campos, ressaltou que há uma série de medidas essenciais para melhorar a nutrição no Brasil.

“Uma das principais é a educação alimentar e nutricional, que precisa estar articulada com outras ações de política pública, a exemplo da taxação de bebidas adoçadas, da regulação de ambientes escolares e da rotulagem nutricional frontal de alimentos processados e ultraprocessados”, enumerou.

Centro de atendimento do Distrito Federal. Foto: Agência Brasília/Toninho Tavares

Assistência primária de saúde é caminho para manutenção do SUS, diz ONU

A atenção primária à saúde deve ser um dos principais caminhos para garantir a manutenção sustentável do SUS no Brasil. A avaliação é do representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no país, Joaquín Molina, que participou na terça-feira de seminário sobre o sistema público. Realizado pela agência da ONU, encontro discute até o final desta quarta-feira (18) experiências com atendimento inicial, triagem e prevenção.

A brucelose bovina é uma doença transmissível que ataca bovinos, outras espécies animais e o homem. Foto: EBC

Técnicos da ONU visitam Equador para tratar do controle de doença bovina

A Coordenação de Saúde Animal de Agroqualidade do Equador recebeu a visita no início de abril (de 2 a 6) de Paulo Duarte e Baldomero Molina, técnicos do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA), com quem realizou uma agenda de trabalho com o objetivo de reestruturar o Plano Nacional de Controle de Brucelose Bovina (PNCBB).

A brucelose bovina é uma doença transmissível que ataca bovinos, outras espécies animais e o homem.

Em 1997, morriam 16,8 de cada 1 mil menores de 1 ano que nasciam vivos no Uruguai. Em 2017, esse número caiu mais de 60%, para 6,6 a cada 1 mil. Foto: OPAS/OMS

Saiba como o Uruguai reduziu a mortalidade infantil a um mínimo histórico em 20 anos

Em 1997, morriam 16,8 de cada 1 mil menores de 1 ano que nasciam vivos no Uruguai. Em 2017, esse número caiu mais de 60%, para 6,6. Um melhor atendimento e coordenação entre os níveis de saúde foram chave para obter esses resultados e salvar vidas.

Na América Latina, a taxa média de mortalidade infantil é de 16 para cada 1 mil, e o Uruguai fica entre os cinco países com os índices mais baixos junto com Canadá, Chile, Cuba e Estados Unidos. Entre 1990 e 2010, os países da região, com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e parceiros, reduziram a mortalidade infantil para mais da metade.

Ouvir as necessidades das crianças e jovens é o primeiro passo para ajudá-los a crescerem saudáveis e seguros. Ao estabelecer regras de forma consistente, calma e amavelmente, é criado um ambiente seguro e saudável para a criança crescer. #EscutaPrimeiro – em inglês, #ListenFirst – é uma iniciativa do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Organização Mundial da Saúde (OMS) e parceiros que busca aumentar o apoio à prevenção do uso de drogas com base em evidências científicas, promovendo assim um investimento eficaz no bem-estar das crianças e jovens, suas famílias e comunidades.

VÍDEO: Ouvir as crianças e jovens significa mais saúde e segurança

Ouvir as necessidades das crianças e jovens é o primeiro passo para ajudá-los a crescerem saudáveis e seguros. Ao estabelecer regras de forma consistente, calma e amavelmente, é criado um ambiente seguro e saudável para a criança crescer.

#EscutaPrimeiro – em inglês, #ListenFirst – é uma iniciativa do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Organização Mundial da Saúde (OMS) e parceiros que busca aumentar o apoio à prevenção do uso de drogas com base em evidências científicas, promovendo assim um investimento eficaz no bem-estar das crianças e jovens, suas famílias e comunidades.

Acesse o vídeo da campanha e saiba mais aqui.

Publicação da OMS e do UNICEF visa encorajar aleitamento materno em unidades de saúde. Foto: OMS/Anuradha Sarup

ONU lança orientações para estimular amamentação em unidades de saúde

Divulgada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), publicação sobre aleitamento materno em unidades de saúde dá orientações a profissionais para que incentivem a amamentação. Material também traz recomendações para os pais de recém-nascidos. A alimentação dos bebês com leite materno pelos dois primeiros anos pode salvar a vida de mais de 820 mil crianças.

Ambientes livres de cigarro protegem saúde da população. Foto: PEXELS

Novas diretrizes da OMS prometem ajudar países a acabar com ‘reinado’ da indústria do cigarro

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou no início de março (9) novas diretrizes sobre o papel que a regulação do cigarro pode ter em salvar vidas ao reduzir a demanda por produtos de tabaco que, segundo estimativas, matam mais de 7 milhões de pessoas anualmente.

“A regulação do tabaco é uma ferramenta sub-utilizada que tem um papel essencial na redução do uso desses produtos. Essas publicações são uma fonte útil para países introduzirem ou melhorarem a regulação existente para a indústria do cigarro e acabar com o reinado dessa indústria”, disse Douglas Bettcher, diretor do departamento de prevenção e controle de doenças não transmissíveis da OMS.

Onze países das Américas notificaram 385 casos confirmados de sarampo neste ano, segundo a OPAS/OMS. Foto: EBC

Onze países das Américas notificaram 385 casos de sarampo este ano, diz OPAS/OMS

Onze países das Américas notificaram 385 casos confirmados de sarampo neste ano: Antígua e Barbuda (1 caso), Argentina (1), Brasil (46), Canadá (4), Colômbia (5), Equador (1), Estados Unidos (41), Guatemala (1), México (4), Peru (2) e Venezuela (279). Os dados são da mais recente atualização epidemiológica da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), publicada na sexta-feira (6).

No Brasil, há um surto em andamento nos estados de Roraima (42 casos confirmados, dos quais 34 cidadãos venezuelanos e oito brasileiros) e do Amazonas (quatros casos confirmados, todos cidadãos brasileiros). Para enfrentar o surto, o Ministério da Saúde do país, em coordenação com os governos estaduais e municipais, está realizando campanhas de vacinação nos dois estados (tanto para residentes quanto imigrantes venezuelanos de 6 meses a 49 anos de idade).

Barreiras que impedem acesso à saúde para um terço da população das Américas devem ser superadas, afirma OPAS. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Um terço da população das Américas não tem acesso à saúde, afirma OPAS

Às vésperas do Dia Mundial da Saúde, a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, e a ex-presidenta do Chile Michelle Bachelet pediram na quarta-feira (4) soluções coletivas que permitam a todas as pessoas, em todos os lugares, acessarem os serviços de saúde dos quais necessitam.

Na região das Américas, um terço da população enfrenta obstáculos para acessar a saúde. “A saúde é um direito e, por isso, devemos superar as barreiras que impedem o acesso ao atendimento”, afirmou Etienne, pedindo a eliminação do pagamento direto que muitas pessoas precisam fazer no ponto de entrada dos serviços de saúde. Esse pagamento, segundo ela, “constitui a principal barreira e leva famílias à pobreza”.

Tema do Dia Mundial da Saúde deste ano é a saúde universal. Foto: OMS

Atendimento universal é tema do Dia Mundial da Saúde deste ano

“Saúde para todas e todos. Em todos os lugares” é o lema escolhido pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) para a campanha do Dia Mundial da Saúde deste ano, celebrado em 7 de abril. Na data, os dois organismos internacionais chamam a atenção para a importância da saúde universal – que significa garantir que todas as pessoas e comunidades tenham acesso aos serviços de saúde sem qualquer forma de preconceito e sem sofrer dificuldades financeiras.

Criação de gado em Caxanga, no Pará, Brasil. Foto: Flickr (CC)/Kelly Sato

ONU participa de celebrações do Brasil pela erradicação da febre aftosa

Teve início na segunda-feira (2) a “Semana Brasil Livre de Febre Aftosa”, organizada pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento e com a participação do Centro Pan-Americano para a doença (PANAFTOSA). Evento celebra a conquista do país sul-americano, que alcançou o status de nação livre da patologia. Reconhecimento oficial será anunciado em maio, na 86º Assembleia da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Foto: OIM

Parceria entre agências da ONU visa garantir saúde e bem-estar de mulheres e crianças

A Parceria H6 une esforços de seis organizações internacionais para ajudar os países a concretizar a estratégia “Cada Mulher, Cada Criança”, do secretário-geral das Nações Unidas. A iniciativa mobiliza compromisso político e recursos para transformar as sociedades de forma que mulheres, crianças e adolescentes possam exercer seus direitos de saúde e bem-estar.

A iniciativa é formada por Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Organização Mundial da Saúde (OMS), ONU Mulheres e Banco Mundial.

Foto: Matt Mihaly/Flickr/CC

Centro da ONU desenvolve método de diagnóstico do mormo, doença de equídeos que pode matar humanos

O Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA), organismo especializado em saúde pública veterinária, está desenvolvendo um método de diagnóstico do mormo, uma doença comumente encontrado em equídeos – como nos cavalos. O mormo é facilmente transmitido para humanos, podendo ser fatal. Após sua reemergência no Brasil, a doença tem sido notificada em praticamente todo território nacional.

Voluntários fornecem tratamento para tuberculose. Foto: OPAS

OIM destaca liderança dos migrantes no combate à tuberculose no mundo

A tuberculose continua sendo a principal causa de morte provocada por um agente infeccioso único no mundo, de acordo com o Relatório Mundial sobre Tuberculose 2017. A cada dia, surgem 28 mil novos casos e 4,5 mil mortes relacionadas à doença.

Casos não detectados de tuberculose geralmente ocorrem entre populações mais vulneráveis — migrantes, pessoas deslocadas internamente, refugiados e outras comunidades afetadas por crises, alertou a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Médica analisa exame para eventual diagnóstico de tuberculose. Foto: AGECOM/Carol Garcia

Em dia mundial, OMS convoca líderes das Américas a acabar com tuberculose até 2030

Os avanços para reduzir os casos de tuberculose na região das Américas têm sido significativos. No entanto, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), é necessária a mobilização de líderes de todos os setores para pôr fim a essa doença até 2030.

“É possível acabar com a tuberculose na região das Américas. Devemos abordar os fatores que levam a essa doença: desde as condições de vida, às dificuldades de acesso aos serviços de saúde”, afirmou Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais de Saúde da OPAS/OMS. “Precisamos de líderes em cada um dos setores da sociedade que se comprometam e implementem ações para alcançar essa meta”.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), em encontro com o presidente brasileiro, Michel Temer. Foto: Marcos Corrêa/PR

Em visita ao Brasil, diretor-geral da OMS diz que investimentos em saúde impulsionam economia

Durante reunião realizada em Brasília (DF) com autoridades municipais, estaduais e federais, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) reiterou a importância da cobertura universal não só para que as populações tenham acesso ao seu direito básico à saúde, mas também como forma de promover o desenvolvimento dos países.

“Investimentos no setor de saúde não são apenas investimentos no setor de saúde. São investimentos para o crescimento econômico e para um futuro mais justo e próspero para todos”, afirmou.

Diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), Carissa F. Etienne. Foto: UNIC Rio/Brenno Felix

No Rio, congresso internacional destaca importância de tratamentos complementares para a saúde

Entre os dias 12 e 15 de março, o Rio de Janeiro sediou o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda.

O evento reuniu profissionais, gestores e pesquisadores das diversas práticas integrativas de todo o mundo, e teve uma forte representatividade indígena.

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), Carissa F. Etienne, apresentou um breve panorama sobre a medicina tradicional nas Américas e a importância dos estudos e reconhecimento destes tipos de tratamentos.

O coordenador-residente do Sistema ONU e representante do PNUD no Brasil, Niky Fabiancic, durante abertura da Conferência Internacional da Primeira Infância. Foto: Beto Barata/PR

Políticas públicas para a primeira infância são tema de conferência internacional em Brasília

Compartilhar experiências e lições aprendidas com a ampliação de programas de desenvolvimento da primeira infância e estabelecer um consenso nacional duradouro em torno do programa ‘Criança Feliz’ é a proposta da Conferência Internacional da Primeira Infância, que teve início nesta terça-feira (20) em Brasília. Cinco organismos das Nações Unidas no Brasil apoiam o programa desde sua concepção, em 2016.

Imagem da água poluída no estado de Washington, EUA. Foto: ONU/Cahail

Organização Pan-Americana da Saúde participa de debates sobre água em fórum mundial em Brasília

Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) está participando do 8º Fórum Mundial da Água, o maior do mundo sobre o tema, que acontece em Brasília nesta semana.

Segundo a OPAS/OMS, 748 milhões de pessoas no mundo não têm acesso a uma fonte melhorada de água potável e 2,5 bilhões de pessoas vivem sem instalações básicas de saneamento.

Foto: Fundo Global contra AIDS, Tuberculose e Malária / John Rae

Nações Unidas farão reunião inédita de alto nível sobre resposta à epidemia de tuberculose

Apesar de ser evitável e curável, a tuberculose foi a nona principal causa de morte em todo o mundo em 2016. A OMS estima que, neste mesmo ano, 1,3 milhão de pessoas morreram devido à tuberculose e que outras 400 mil pessoas vivendo com HIV morreram devido à coinfecção tuberculose/HIV.

Reunião na sede da ONU em setembro será a primeira na qual líderes globais do alto escalão debaterão o tema. Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) lembrou que pessoas que vivem com HIV são particularmente afetadas pela tuberculose.

Vacinação na Venezuela em janeiro de 2018. Foto: OPAS/OMS

Sarampo: vacinação é essencial para que países mantenham eliminação da doença nas Américas

Alerta é da Organização Pan-Americana da Saúde(OPAS/OMS), que alertou que, diante dos surtos de sarampo nas Américas, os países devem redobrar esforços para vacinar suas populações, fortalecer a vigilância a fim de detectar possíveis pacientes e implementar medidas para responder rapidamente a qualquer caso suspeito.

A avaliação foi publicada na última atualização epidemiológica da organização, na sexta-feira (16). Nos primeiros meses de 2018, Brasil relatou 14 casos da doença.

A diretora da OPAS, Carissa F. Etienne, participou do 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública. Foto: UNIC Rio/Brenno Felix

No Rio, diretora da OPAS traça panorama da medicina tradicional nas Américas

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, apresentou na segunda-feira (12) no Rio de Janeiro um breve panorama sobre a medicina tradicional, também conhecida como alternativa ou complementar, na região das Américas, durante a abertura do 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública.

O tema foi abordado após o Ministério da Saúde anunciar que o Sistema Único de Saúde (SUS) passará a oferecer dez novas terapias alternativas. Entre elas, aromaterapia, cromoterapia, terapia de florais e reiki.

Mulheres grávidas enfrentam riscos significativos para a saúde que, muitas vezes, podem ser fatais também para seus bebês. Foto: EBC

Evento no Tocantins discute formas de prevenir a morte materna por hemorragia

No Dia Internacional da Mulher, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e o Centro Latino-Americano para Perinatologia – Saúde das Mulheres e Reprodutiva (CLAP/SMR) participaram do evento “Saúde da Mulher no Tocantins: apresentação de experiências exitosas”, realizado em Palmas.

Os organismos internacionais e a Secretaria de Estado de Saúde do Tocantins trabalham juntos para fortalecer a assistência em toda a linha de cuidado das mulheres por meio da estratégia Zero Morte Materna por Hemorragia (0MMxH).

Veículos de um comboio da ONU e da Cruz Vermelha Árabe da Síria com 46 caminhões que transportam ajuda alimentar, bem como suprimentos de saúde e nutrição, passam por Douma, em Ghouta Oriental, na Síria. Foto: UNICEF/Khabieh

Síria: comboio de ajuda das Nações Unidas retorna a Ghouta Oriental

Apesar dos enormes riscos, entrega humanitária completou o envio de alimentos planejado para 27.500 pessoas, assim como itens de saúde e nutrição, após a interrupção da semana passada em meio aos bombardeios. A ONU está à espera de autorização de acesso para cobrir todas as 70 mil pessoas em Douma, inicialmente aprovado pelas autoridades sírias.

A OMS alertou que ataques a instalações de saúde continuam: foram 67 nos dois primeiros meses deste ano, mais de 50% dos ataques em todo o ano de 2017; 19 pessoas morreram nesses ataques, incluindo quatro médicos.

Calcula-se que um em cada 20 adultos, ou seja, 250 milhões de pessoas entre 15 e 64 anos, consumiram ao menos uma droga no mundo em 2014. Foto: EBC

Acordo prevê resposta às drogas sob perspectiva de saúde pública nas Américas

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Organização dos Estados Americanos (OEA) renovaram um memorando de entendimento para melhorar a capacidade de resposta dos países da região às necessidades da população afetada pelo problema das drogas, a partir de uma perspectiva de saúde pública.

Através das ações derivadas da implementação do acordo, a OPAS e a OEA apoiarão os Estados-membros no cumprimento das recomendações do documento final da Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas (UNGASS) sobre o problema mundial das drogas (2016) que, entre outros temas, ressalta a necessidade de fornecer programas de prevenção e tratamento.

Novo relatório publicado por agências da ONU mostrou que taxa brasileira de gravidez na adolescência está acima da média latino-americana e caribenha. Foto: EBC

Taxa de gravidez adolescente no Brasil está acima da média latino-americana e caribenha

A América Latina e o Caribe continua sendo a sub-região com a segunda maior taxa de gravidez adolescente do mundo, afirmou relatório publicado nesta quarta-feira (28) por Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

A taxa mundial de gravidez adolescente é estimada em 46 nascimentos para cada 1 mil meninas entre 15 e 19 anos, enquanto a taxa na América Latina e no Caribe é de 65,5 nascimentos, superada apenas pela África Subsaariana. No Brasil, a taxa é de 68,4 nascimentos para cada 1 mil adolescentes.

Da esquerda para a direita, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha; o representante da OPAS/OMS, Joaquín Molina; o presidente do Brasil, Michel Temer; e o ministro da Saúde, Ricardo Barros. Foto: Ministério da Saúde/Rodrigo Nunes

Brasil concede medalha Oswaldo Cruz a dirigentes da Organização Mundial da Saúde

A Presidência da República do Brasil concedeu na terça-feira (27) a medalha de mérito Oswaldo Cruz na categoria ouro a três dirigentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) — o diretor-geral da instituição, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), escritório regional da OMS, Carissa Etienne, e o representante da OPAS/OMS no Brasil, Joaquín Molina.