Garimpo artesanal é uma das atividades humanas responsável por lançar mercúrio no meio ambiente, ameaçando a natureza e a saúde de homens, mulheres e crianças. Foto: PIXABAY (CC)/johnnyshwang0

Com novas ratificações, convenção da ONU para combater uso de mercúrio entrará em vigor em agosto

Maio de 2017 entrará para a história do combate ao uso de metais pesados que ameaçam o meio ambiente e a saúde da população. A União Europeia e sete de seus Estados-membros ratificaram neste mês (18) a Convenção de Minamata sobre Mercúrio, ultrapassando — e cumprindo — a exigência mínima de 50 países ratificadores para que o acordo entre em vigor.

Documento passará a valer a partir de 16 de agosto desse ano. O pacto prevê que países signatários proíbam a abertura de novas minas de mercúrio, fechem as já existentes e regularizem a mineração artesanal e em pequena escala do ouro.

Uma transformação radical na forma com a qual a energia é fornecida e utilizada será necessária caso o mundo pretenda atingir sua meta de manter o aumento da temperatura global abaixo de 2 graus Celsius. Foto: Wikicommons/Jürgen (CC)

Tecnologias de energia limpa reduzem emissão de poluentes, mas ampliam uso de metais

Uma transformação radical na forma com a qual a energia é fornecida e utilizada será necessária caso o mundo pretenda atingir sua meta de manter o aumento da temperatura global abaixo de 2 graus Celsius, como previsto pelo Acordo de Paris. No entanto, os impactos ambientais dessa mudança ainda não estão claros.

Segundo relatório de painel ligado à ONU Meio Ambiente, enquanto há claros benefícios ambientais com o uso dessas tecnologias, particularmente nas reduções da emissão de gases do efeito estufa, há também considerações a serem feitas, como um maior uso de metais.

Pesquisa da Floresta Nacional Chugach, Alaska. Foto: USDA Forest Service Alaska Region/CC BY 2.0

Prêmio Jovem Pesquisadores incentiva a publicação de dados ecológicos

Oferecido pelo Plataforma Global de Informação sobre Biodiversidade, o prêmio oferece dois auxílios de 5 mil euros, um para mestrado e outro para doutorado; inciativa promove a publicação de conjuntos de dados e metadados que forneçam informação de espécies observadas ou coletadas, podendo ser tanto dados ecológicos, quanto dados de coleções provenientes de eventos de amostragem. Prazo é 20 de junho.

Juristas e especialistas em direitos humanos e ambientais se reunirão nos dias 22 e 23 de maio, em Brasília. Foto: ONU

ONU Meio Ambiente realiza conferência regional sobre proteção legal e direitos humanos

Juristas e especialistas em direitos humanos e ambientais de todo o mundo se reunirão nos dias 22 e 23 de maio, em Brasília, para discutir os aspectos legais e constitucionais de proteção ambiental na América Latina e no Caribe.

No encontro, serão discutidos o papel dos juízes na proteção ambiental e a interpretação e aplicação das normas ambientais no direito internacional, regional e constitucional.

Gisele Bündchen defende tartarugas marinhas em campanha da ONU. Foto: PNUMA

Campanha da ONU contra caça e tráfico de vida silvestre ganha o ‘Oscar da Internet’

Criada pela ONU Meio Ambiente para conscientizar as pessoas sobre as consequências catastróficas da caça e tráfico ilegais de vida silvestre, a campanha ‘Feroz pela Vida’ foi eleita pelo público para receber um dos Webby Awards – premiação conhecida como o “Oscar da Internet”. Iniciativa das Nações Unidas teve apoio de Gisele Bündchen, Ian Somerhalder, Gael García Bernal, Neymar Jr. e outras celebridades que mobilizaram as redes sociais, alcançando mais de 1 bilhão de pessoas.

Brasil é emergente que mais contribui para iniciativa da ONU sobre produção e consumo sustentáveis

O Brasil é o país em desenvolvimento que mais contribuiu com o Quadro Decenal de Programas sobre Padrões de Consumo e Produção Sustentáveis (10YFP) da ONU, disponibilizando recursos para iniciativas na África do Sul, Uruguai, Colômbia, Quênia, Nepal e Burkina Faso. A informação foi divulgada na semana passada pelo ministro brasileiro do Meio Ambiente, Sarney Filho, durante conferência em Brasília.

Líderes e especialistas de mais de 40 países se reúnem em Brasília para promover consumo e produção sustentáveis

Cerca de 150 representantes de mais de 40 países da África, América Latina e Caribe se reunirão no Palácio Itamaraty, em Brasília, a partir de amanhã (6), para a Conferência sobre Cooperação Sul-Sul para Produção e Consumo Sustentáveis.

Evento promovido pela ONU Meio Ambiente terá a participação do ministro do Meio Ambiente do Brasil, Sarney Filho, de especialistas das Nações Unidas, de autoridades estrangeiras e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE).

Foto: EBC

ONU lança campanha contra poluição dos oceanos provocada por consumo de plástico

Por ano, mais de 8 milhões de toneladas de plástico chegam aos oceanos. É como se, a cada minuto, a carga de um caminhão de lixo cheio de plástico fosse despejada no no mar. Cerca de 90% de todo o lixo flutuando nos oceanos é plástico e, até 2050, 99% das aves marinhas terão ingerido o material.

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente) lançou a campanha #MaresLimpos para cobrar compromissos de governos, setor privado e sociedade civil.

O 29º Seminário Regional de Política Fiscal ocorreu até esta sexta-feira (24) sob a organização da CEPAL. Foto: Agência Brasil

ONU e instituições financeiras criam diretrizes para financiar desenvolvimento sustentável

A ONU e 19 instituições financeiras e investidores do mundo todo, totalizando 6,6 trilhões de dólares em ativos, lançaram na terça-feira (31) um conjunto de diretrizes globais que visa a canalizar investimentos para o desenvolvimento sustentável.

“Os Princípios de Impacto Positivo são uma mudança de jogo, que ajudará a canalizar centenas de trilhões de dólares para projetos de energia limpa, de baixo carbono e inclusivos”, disse o chefe da Iniciativa de Financiamento Ambiental da ONU, Eric Usher.

Isidro Baldenegro López recebe Goldman Prize em 2005. Foto: The Goldman Environmental Prize

Agência da ONU condena assassinato de líder indígena mexicano

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) condenou nesta quinta-feira (19) o assassinato do ativista mexicano Isidro Baldenegro López, líder de uma comunidade indígena mexicana que promoveu uma campanha pacífica contra a destruição de florestas ancestrais.

Baldenegro foi homenageado em 2005 com o mais prestigiado prêmio ambiental do mundo, o Goldman Environmental Prize. Ele é o segundo vencedor a ser morto em menos de um ano. Em março do ano passado, homens armados assassinaram a ativista indígena Berta Cáceres, líder do povo Lenca em Honduras.

Juristas e especialistas em direitos humanos e ambientais se reunirão nos dias 22 e 23 de maio, em Brasília. Foto: ONU

Agência da ONU elogia ampliação das áreas de proteção marinha no mundo

Desde abril, 3,6 milhões de quilômetros quadrados de oceano — uma área maior que a Índia — foram designados áreas de proteção marinha (MPAs, na sigla em inglês), o que significa que pela primeira vez, mais de 5% dos oceanos do mundo estão agora protegidos.

“O estabelecimento de tantas novas áreas de proteção é ótima notícia e deve dar àqueles que lutam incansavelmente para conservar os oceanos e mares do mundo uma enorme sensação de realização”, disse Erik Solheim, chefe do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Homens armados entraram em março na casa de Berta Cáceres, localizada na cidade de La Esperanza, oeste do país, e mataram a ativista. Foto: goldmanprize.org

Ativista hondurenha Berta Cáceres recebe prêmio póstumo da ONU

Berta Cáceres, defensora comunitária dos direitos dos povos indígenas e da proteção do meio ambiente em Honduras, foi reconhecida postumamente com o prêmio ambiental mais importante das Nações Unidas.

Cáceres, que liderou uma longa luta contra a construção de uma hidrelétrica na terra de seu povo natal Lenca, foi assassinada no início deste ano. Sua morte provocou protestos internacionais e colocou em evidência a violência e a intimidação sofrida pelos ambientalistas em Honduras e em outros países latino-americanos.

Xangai, China. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

COP22 destaca importância das cidades na implementação do Acordo de Paris

Durante encontro na última quinta-feira (10), a Conferência das Partes sobre o Clima (COP22), realizada em Marrakesh, no Marrocos, destacou a necessidade de ações conscientes executadas por cidades, bairros e regiões em todo mundo para a implementação do Acordo de Paris, que entrou em vigor no dia 4 de novembro.

Atualmente, as áreas urbanas representam cerca de 70% das emissões globais de poluentes.

Vista aérea da Amazônia. Brasil é o país com o maior sistema de terras protegidas do mundo, com 2,47 milhões de quilômetros quadrados. Foto: EBC

Importantes zonas de biodiversidade permanecem desprotegidas no mundo, diz PNUMA

As áreas de proteção ambiental cobrem quase 20 milhões de quilômetros quadrados, ou cerca de 15% do planeta, número que está pouco abaixo das Metas de Aichi de Biodiversidade, adotadas por mais de 190 países em 2010, que prevê 17% de cobertura em 2020. No entanto, segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), as conquistas em número e tamanho têm de ser acompanhadas de melhoras em sua qualidade, com a proteção de lugares com maior diversidade biológica.