Mulher indígena no 14º Acampamento Terra Livre, realizado em Brasília, em 2017. Foto: Mídia NINJA/Mobilização Nacional Indígena

Seminário no DF debate conexão entre direitos humanos e desenvolvimento sustentável

A relação entre a Declaração Universal dos Direitos Humanos e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) foi o tema de evento que reuniu representantes governamentais e de organizações da sociedade civil na semana passada (10 e 11) em Brasília (DF).

O seminário teve a presença de Gilberto Vieira dos Santos, membro do Conselho Nacional de Direitos Humanos, que lembrou que os conflitos por terra e recursos naturais continuam sendo um problema para povos e comunidades tradicionais, ressaltando que somente no ano passado 110 indígenas foram assassinados no Brasil.

O relato é da ONU Meio Ambiente.

Vegetação de tundra. Foto: Flickr (CC)/Jason Ahrns

Alterações em vegetação do Ártico podem acelerar mudanças climáticas

Um estudo publicado na revista Nature revela que temperaturas mais elevadas no Ártico têm levado a um crescimento acima da média de espécies vegetais da região. Segundo a pesquisa, que avaliou mais de três décadas de oscilações na cobertura vegetal, a variação na altura das plantas pode contribuir ainda mais para o aquecimento global e as mudanças climáticas. O problema preocupa a ONU Meio Ambiente.

O secretário-geral da ONU, António Guterres (centro), homenageia o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, com o prêmio Campeões da Terra, em Nova Déli. O diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim (direita), acompanha a cerimônia. Foto: ONU/Deepak Malik

ONU homenageia primeiro-ministro indiano por ações contra mudanças climáticas

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, entregou nesta quarta-feira (3) o principal prêmio ambiental da Organização ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, reconhecendo seus esforços no combate às mudanças climáticas e à poluição.

“Modi representa um legado extraordinário”, disse Guterres na cerimônia de premiação “Campeões da Terra”, na capital indiana, Nova Déli.

“O primeiro-ministro Modi não apenas reconhece os benefícios de tomar medidas para deter o aquecimento global, como também atua com enorme energia para fazer essa mudança”, completou.

Parece um hambúrguer bovino, mas não é. O prato foi feito com a carne de origem vegetal fabricada pela Beyond Meat. Foto: Beyond Meat

Consumo de carne é um dos problemas mais urgentes do planeta, alertam empreendedores

Emissões de gases do efeito estufa geradas pela pecuária rivalizam com a pegada de carbono dos setores de transporte rodoviário, aéreo e espacial juntos. O alerta é da dupla de empreendedores norte-americanos Ethan Brown e Patrick O’Reilly, que encontraram alternativas suculentas para o consumo de carne animal. Seus negócios foram reconhecidos neste mês com a condecoração Campeões da Terra, o prêmio ambiental mais importante da ONU.

Presidente da França, Emmanuel Macron. Foto: ONU/Mark Garten

Presidente da França e primeiro-ministro da Índia recebem maior prêmio ambiental da ONU

O presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, receberam nesta semana (26), em Nova Iorque, o Prêmio Campeões da Terra, a mais alta condecoração ambiental das Nações Unidas. Outros cinco ativistas e iniciativas foram reconhecidos com o título. Entre os vencedores, estavam as empresas Beyond Meat e Impossible Foods, que propõem alternativas culinárias ao consumo de carne bovina, usando apenas vegetais.

Em 15 de setembro, o veleiro Flipflopi, de nove metros, com as cores do arco-íris e artesanato pioneiro feito com 10 toneladas de plástico reciclado queniano, foi lançado da ilha de Lamu em sua viagem inaugural. Foto: ONU Meio Ambiente

Veleiro de plástico reciclado no Quênia alerta para perigo ambiental dos descartáveis

O projeto Flipflopi é um plano ambicioso para construir um veleiro tradicional de plástico reciclado e navegá-lo ao longo da costa da África Oriental para espalhar a mensagem de que nossa dependência de plásticos de uso único é um desperdício destrutivo.

No início do ano que vem, o Flipflopi viajará para Zanzibar como parte de uma campanha, apoiada pela iniciativa Mares Limpos da ONU Meio Ambiente, para espalhar uma “revolução plástica” ao longo do litoral, muitas vezes salpicado de resíduos plásticos de lugares tão distantes quanto a Tailândia e a Malásia.

Campanha Mares Limpos visa combater poluição dos oceanos causada pelo consumo e produção de plástico. Foto: ONU Meio Ambiente/Shawn Heinrichs

ONU Meio Ambiente mobiliza escoteiros em campanha Mares Limpos

Entre os dias 29 de setembro e 8 de dezembro, membros juvenis dos Escoteiros do Brasil de todo o país poderão participar do desafio para conquistar a Insígnia Mares Limpos.

Em parceria com a ONU Meio Ambiente e o Movimento Menos 1 Lixo, os Escoteiros do Brasil se engajam pelo segundo ano consecutivo em um projeto de cuidado com os oceanos, incentivando lobinhos, sêniores, escoteiros e pioneiros a reduzirem o consumo de plástico por meio do “Desafio Menos 1 Lixo/Mares Limpos”.

Trânsito em São Paulo. Foto: Fotos Públicas / Oswaldo Corneti

ONU e associação de empresas estimulam uso do transporte público no Dia Mundial Sem Carro

Deixar o carro em casa e experimentar o transporte público pode ser um desafio para quem utiliza o automóvel no dia a dia, mas esse é o convite da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) para o próximo sábado (22), Dia Mundial Sem Carro.

A campanha publicitária é assinada pela NTU, em parceria com duas agências das Nações Unidas – a ONU Meio Ambiente e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) -, e reforça o vínculo do transporte coletivo com pedestres e ciclistas.

Família busca água no condado de Garissa, no Quênia. Foto: UNICEF/Serem

ONU usa dados de satélites para enfrentar secas e enchentes na África e Ásia

Em março de 2018, o Quênia foi palco da pior enchente do país desde 1997. A inundação deixou mais de 300 mil pessoas desabrigadas. Mas um mês antes, a preocupação da nação africana era com a pior seca desde 2010.

Para ajudar esse e outros países a lidar com estiagens e enchentes, a ONU Meio Ambiente implementa uma plataforma de monitoramento em tempo real de bacias hidrográficas. Iniciativa usa dados de satélites para orientar estratégias de prevenção.

Limpeza de praia em Watamu, no Quênia. Foto: ONU Meio Ambiente/Cyril Villemain

ONU promove #SemanaMaresLimpos e lança relatório sobre lixos mais encontrados nas praias brasileiras

A segunda edição da #SemanaMaresLimpos, iniciativa da ONU Meio Ambiente com o Instituto Ecosurf, terá início neste sábado (15), com uma grande ação de limpeza de praia em Itapoá, Santa Catarina. A edição 2018 pretende superar a ação de 2017, que teve 136 grupos inscritos em 18 estados brasileiros e coletou cerca de 24 toneladas de resíduos.

Relatório da ONU revela que os dez itens mais recolhidos nessas praias foram: bitucas de cigarro, tampas de garrafa, canudos, garrafas plásticas, sacolas plásticas de supermercado, embalagens plásticas em geral, copos e pratos plásticos, garrafas de vidro, pedaços de isopor e talheres plásticos.

Dispersão de pesticidas em plantação em Adana, na Turquia. Foto: Wikimedia (CC)/Zeynel Cebeci

Agrotóxicos e outras substâncias químicas matam 193 mil pessoas no mundo por ano, diz ONU

Número foi divulgado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em reunião em Brasília sobre o projeto de lei 6.299/2002, que está em trâmite no Legislativo e propõe a flexibilização das regras para a fiscalização e aplicação dos agroquímicos.

Agência regional defendeu abordagem integrada entre setores da saúde, agricultura e meio ambiente, a fim de enfrentar o problema da exposição e intoxicação por substâncias químicas nocivas.

Desde 2012, a ONU tem trabalhado com países em todo o mundo para atualizar os padrões nacionais de combustíveis e de veículos como parte da Climate & Clean Air Coalition. Mais de 50 países reduziram os níveis de enxofre no combustível e aumentaram os padrões de emissões veiculares. No entanto, você sabia que 4,1 bilhões de pessoas em 120 países ainda têm acesso zero ou limitado ao combustível com baixo teor de enxofre? Saiba mais na campanha da ONU Meio Ambiente, OMS e parceiros

Poluição do ar causa uma em nove mortes no mundo; vídeo

Desde 2012, a ONU tem trabalhado com países em todo o mundo para atualizar os padrões nacionais de combustíveis e de veículos como parte da Climate & Clean Air Coalition. Mais de 50 países reduziram os níveis de enxofre no combustível e aumentaram os padrões de emissões veiculares. No entanto, você sabia que 4,1 bilhões de pessoas em 120 países ainda têm acesso zero ou limitado ao combustível com baixo teor de enxofre?

Saiba mais na campanha da ONU Meio Ambiente, OMS e parceiros #BreatheLife.

Espécie de lagarto encontrada na Reserva de Vida Silvestre Texiguat, em Honduras. Foto: Flickr (CC)/Joe Townsend

ONU mobiliza setor privado em prol da biodiversidade no México, América Central e República Dominicana

A ONU Meio Ambiente e a Aliança Meso-Americana pela Biodiversidade firmaram uma parceria neste mês (9) para mobilizar o setor privado em prol da conservação da natureza. Cooperação visa prevenir a perda de flora e fauna silvestres no México, Guatemala, Belize, República Dominicana, Honduras, El Salvador, Nicarágua, Costa Rica e Panamá. Países concentram 7% de toda a diversidade biológica do planeta.

Cidade do Panamá. Foto: Flickr (CC)/Matthew Straubmuller

ONU e União Europeia ajudam Panamá a adotar meios de transporte elétricos

A ONU Meio Ambiente, a União Europeia e o governo do Panamá lançaram neste mês (9) uma parceria para tornar mais verdes e sustentáveis os meios de transporte do país centro-americano. Projeto visa popularizar a mobilidade elétrica. Segundo estimativas das Nações Unidas, se a atual frota de ônibus e táxis da Cidade do Panamá fosse substituída por veículos elétricos, seria possível impedir a liberação de 8,5 milhões de toneladas de CO2 até 2030.

A ONU Brasil realiza até setembro exposição no Rio com obras do artista paulistano Otávio Roth, que em 1978 criou e imprimiu xilogravuras que ilustram os trinta artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Exposição no Rio reafirma importância da Declaração dos Direitos Humanos 70 anos após adoção

Ao completar 70 anos, a Declaração Universal dos Direitos Humanos permanece necessária e atual em um mundo marcado por crescentes conflitos, desigualdades sociais, racismo, deslocamento forçado e violência, especialmente contra ativistas.

A avaliação é de diplomatas, representantes do Sistema ONU e de organizações da sociedade civil presentes na abertura da exposição de xilogravuras do artista plástico brasileiro Otávio Roth, na quarta-feira (8), no Rio de Janeiro. A exposição fica no Centro Cultural Correios até 9 de setembro.

Hindou Ibrahim defende direito à migração dos povos indígenas que praticam o nomadismo. Foto: Associação para as Mulheres e Povos Indígenas do Chade

Sem acesso a recursos naturais, não temos uma identidade, afirma ativista indígena do Chade

“Se não pudermos acessar e proteger nossos recursos naturais e o meio ambiente, não temos uma identidade e não temos orgulho”. É assim que a ativista indígena Hindou Ibrahim, da etnia Mbororo, do Chade, descreve a privação de direitos, terras e modos de vida tradicionais, um problema que ameaça culturas e povos originários de diferentes partes do mundo.

Em entrevista à ONU Meio Ambiente, para o 9 de agosto, Dia Internacional dos Povos Indígenas, a militante defende o reconhecimento de práticas ancestrais, como a migração nômade.

Elefante na selva, em Gana. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel

Chefe ambiental da ONU pede mais esforços contra mudanças climáticas e destruição da natureza

Em entrevista às Nações Unidas, o chefe da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, cobrou que países e setor privado acelerem esforços contra as mudanças climáticas e a perda de vida silvestre. Dirigente lembrou que 2017 foi o primeiro ano em que a energia solar gerou mais eletricidade do que o uso de petróleo, carvão e gás somados. Marco histórico deve estimular mudanças mais amplas rumo a modelos de crescimento econômico sustentáveis.

Estiagem de 2001 arrasou produção agropecuária na Nicarágua. Foto: FAO

ONU e banco da América Central firmam parceria de quase US$ 1 mi contra mudanças climáticas

A ONU Meio Ambiente e o Banco Centro-Americano de Integração Econômica (BCIE) anunciaram nesta semana (2) uma parceria para injetar quase 1 milhão de dólares em comunidades vulneráveis do Corredor Seco. Com problemas de estiagem severos, essa região da América Central margeia o Oceano Pacífico, indo da costa de Chiapas, no México, até o oeste da Costa Rica e do Panamá. Financiamento vai preparar populações rurais para enfrentar mudanças climáticas.

Artigo 1 da Declaração Universal dos Direitos Humanos / Acervo Otávio Roth

ONU inaugura no Rio exposição inédita com obras da Declaração Universal dos Direitos Humanos

A Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil, com apoio do Acervo Otávio Roth e o Centro Cultural Correios, inaugura nesta quarta-feira (8) a exposição 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, com obras de Otávio Roth.

Realizada pela primeira vez no Rio de Janeiro, a mostra apresenta 30 xilogravuras que traduzem os ideais de paz e igualdade defendidos nos artigos do documento. A entrada é franca.

A exposição fica em cartaz até 9 de setembro, das 12h às 19h.

Pescadores em lago no México. Foto: Banco Mundial/Curt Carnemark

ONU e especialistas trocam experiências sobre conservação marinha em Florianópolis

Os oceanos são a base para grande parte da economia mundial, além de fonte de alimento e de regulação do clima. Mas a ideia de que seus recursos são inesgotáveis está levando os estoques pesqueiros globais rumo ao colapso. Nas próximas décadas, além do risco de extinção, espécies populares como o atum e o badejo serão cada vez menos comuns na mesa do brasileiro.

Preocupada com a rápida degradação da biodiversidade marinha, a ONU Meio Ambiente se uniu ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e à Iniciativa Azul do Brasil para promover um diálogo de alto nível com especialistas nacionais e internacionais.

Google produzirá mapas geoespeciais para monitorar impacto das atividades humanas sobre os ecossistemas. Foto: PEXELS

ONU Meio Ambiente e Google anunciam parceria para mapear ecossistemas

A ONU Meio Ambiente e o Google anunciaram na segunda-feira (16) uma parceria que promete mudar a forma como vemos o nosso planeta. Combinando de maneira inédita ciência ambiental, big data e acessibilidade, as duas instituições criarão uma plataforma para mapear e visualizar os impactos da atividade humana nos ecossistemas. Iniciativa utilizará a computação em nuvem da empresa de tecnologia e os catálogos públicos de observação terrestre.

Nova tampa do Starbucks promete acabar com uso de canudos, mas solução também é feita de plástico descartável. Foto: Starbucks

ARTIGO: Fim dos canudos verdes da Starbucks – a nova tampa é a melhor solução?

Em artigo sobre a decisão da Starbucks de banir seus canudos, a campanha Mares Limpos da ONU Meio Ambiente aponta que a alternativa da empresa — uma nova tampa para os copos — ainda é feita de plástico descartável e não tem um reuso viável. Segundo a iniciativa das Nações Unidas, é necessário continuar a pressão sobre grandes empresas para garantir soluções sustentáveis de produção e consumo.

Voluntária ajuda em coleta de plástico numa praia de Watamu, no Quênia. Foto:

O que as empresas estão fazendo para frear a torrente de plásticos?

Diante das consequências inegáveis da poluição por plásticos, pessoas de todo o mundo estão rejeitando os produtos descartáveis e se comprometendo com estilos de vida mais sustentáveis.

Os governos também estão atuando: mais de 50 países se uniram à campanha Mares Limpos da ONU Meio Ambiente, o maior movimento mundial de luta contra o lixo marinho.

As empresas não podem ignorar esse protesto público. Muitas indústrias estão elaborando planos para eliminar os plásticos de uso único, utilizar mais plástico reciclado em suas embalagens e trabalhar em uma reciclagem mais efetiva. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Poluição por plásticos. Foto: pixabay/meineresterampe (CC)

Evento no DF discute formas de aumentar transparência sobre impacto ambiental de empresas

A inexistência de diretrizes governamentais para coleta, medição e divulgação de informações sobre sustentabilidade por parte de empresas na América Latina cria uma barreira para uma melhor avaliação dos negócios corporativos por governos, investidores, sociedade civil e pelas próprias companhias.

Nesse cenário, Ministério do Meio Ambiente (MMA) e ONU Meio Ambiente promoveram encontro em Brasília (DF) com o objetivo de chamar a atenção das empresas para a necessidade de dar mais transparência aos potenciais riscos à saúde e ao meio ambiente de sua produção de bens e serviços.

Mata Atlântica no Rio de Janeiro. Foto: Foto: Rodrigo Soldon (CC)

ONU promove mobilização em prol da Mata Atlântica em 17 estados brasileiros

Até abril de 2019, a ONU Meio Ambiente e a Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (ANAMMA) promoverão atividades de mobilização e formação nos 17 estados que abrangem o bioma da Mata Atlântica. Implementado desde dezembro de 2017, o projeto começou a realizar oficinas no mês passado e realizou encontro nesta sexta-feira (29) no Rio de Janeiro. O objetivo é levar conhecimento e conscientização sobre a implementação da Lei 11.428/2006, conhecida como a Lei da Mata Atlântica.

Largo dos Açorianos em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Foto: Flickr (CC)/Filipe Castilhos

Critérios de sustentabilidade da ONU Meio Ambiente orientam compra pública no Rio Grande do Sul

A Advocacia-Geral da União (AGU) do Rio Grande do Sul realizou sua primeira aquisição de papel utilizando os critérios de sustentabilidade do projeto Compras Públicas Sustentáveis e Rotulagem Ambiental (SPPEL, na sigla em inglês), uma iniciativa da ONU Meio Ambiente. É a primeira vez no Brasil em que as orientações das Nações Unidas foram utilizadas.

O edital, além de especificar as características do produto, também olhou para sua cadeia de valor, considerando o processo de produção, o manejo florestal da matéria-prima e as condições de trabalho dos funcionários.