As duas organizações trabalharão mais próximas para monitorar ameaças contra defensores dos direitos ambientais. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Agências da ONU assinam acordo para proteger direito humano a um meio ambiente saudável

As ameaças a indivíduos e comunidades que defendem seus direitos ambientais e fundiários se intensificam em muitas partes do mundo. Neste contexto, a ONU Meio Ambiente e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) uniram esforços para promover e proteger os direitos humanos e ambientais por meio de um novo acordo de cooperação assinado na sexta-feira (16).

As duas organizações trabalharão mais próximas para monitorar ameaças contra defensores dos direitos ambientais, advogar por melhor proteção, apelar para uma responsabilização mais eficaz dos perpetradores de violência e intimidação, desenvolver redes de defensores de direitos humanos ambientais e promover a participação significativa na tomada de decisões ambientais.

Salvador sediará a Semana do Clima da América Latina e Caribe - Foto: Flickr

Líderes da Semana do Clima da América Latina e Caribe se reúnem em Salvador para impulsionar ação climática

Mais de três mil participantes são esperados na Semana do Clima da América Latina e Caribe, que acontecerá em Salvador, na Bahia, entre os dias 19 e 23 de agosto. Participam do encontro ministros de governo e representantes seniores de agências multilaterais e Organizações Não Governamentais (ONGs). As discussões têm por objetivo impulsionar a resposta da região às mudanças climáticas.

Membro do povo Tariana na Amazônia brasileira. Imagem de 2008. Foto: Banco Mundial/Julio Pantoja

Em dia mundial, ONU defende direito dos povos indígenas a definir estratégias de desenvolvimento

Em mensagem para o Dia Internacional dos Povos Indígenas, celebrado nesta sexta-feira (9), o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que países garantam a essas populações o direito a determinar o seu próprio modelo de desenvolvimento, por meio de políticas que sejam inclusivas e igualitárias. De acordo com as Nações Unidas, existem em torno de 370 milhões de indígenas no mundo.

Solo ressecado próximo ao rio Nilo Branco, em Cartum, Sudão. Foto: Banco Mundial/Arne Hoel

Agricultura e usos do solo representam 23% das emissões de gases do efeito estufa, diz ONU

Novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) aponta que mudanças no uso do solo são necessárias para limitar o aquecimento global a 2º C, conforme previsto pelo Acordo de Paris.

Atualmente, a agricultura, a silvicultura e outros tipos de uso do solo representam 23% das emissões humanas de gases do efeito estufa.

Ao mesmo tempo, a publicação alerta que as mudanças climáticas poderão agravar a degradação do solo no mundo, comprometendo a produção e a oferta de alimentos.

Malaiah sustenta sua família de quatro pessoas coletando e quebrando lixo eletrônico em Odo-Iyalaro. Foto: ONU Meio Ambiente/Irene Galan

Lei nigeriana busca responsabilizar indústria por reciclagem do lixo eletrônico

Em parceria com a agência nigeriana de normas ambientais, a ONU Meio Ambiente coordena um projeto de economia circular para lixo eletrônico no país, uma ambiciosa iniciativa de três anos com o objetivo de ver a Nigéria adotar uma abordagem de reciclagem financeiramente auto-sustentável para o setor.

A legislação nigeriana para a indústria eletrônica responsabiliza os fabricantes por todo o ciclo de vida de seus produtos — enfatizando uso prolongado, prevenção de resíduos, reciclagem e recuperação — com o objetivo de minimizar o impacto na saúde humana e no meio ambiente. Leia a reportagem completa.

Foto: GTC/DoFPS

Butão torna-se refúgio para população de tigres-de-bengala

Atualmente, a variedade de tigres é de 7% do que era no século 19. Em população, agora são uma mera fração. Acredita-se que menos de 3,8 mil tigres permaneçam em estado selvagem em apenas 13 países. E na maioria dos lugares, seus habitats são esparsos e fragmentados, confinando o predador de longo alcance a pequenos bolsões de áreas protegidas.

Mas, em um país, os tigres encontraram refúgio. No Butão, os tigres-de-bengala podem percorrer um habitat contíguo em todo o país, que se estende desde as selvas subtropicais das terras baixas até as florestas subalpinas, a 4.500 metros de altitude, nas encostas das montanhas. Com 71% do país sob cobertura florestal e mais da metade designada a áreas protegidas, os tigres têm liberdade de habitar praticamente qualquer lugar. O relato é da ONU Meio Ambiente.

A natureza por ajudar as cidades a resolver muitos problemas ambientais causados pela humanidade. Foto: Green City Solutions

Empresa alemã desenvolve instalação urbana com musgo para reduzir poluição nas cidades

Quando Peter Sänger, de 26 anos, e Liang Wu, de 34, se juntaram, perceberam imediatamente que tinham algo em comum. Ambos firmes defensores da luta contra a poluição do ar na Alemanha, eles acreditam que, se você não pode medi-la, não poderá vencê-la.

É por isso que eles fundaram a Green City Solutions — uma solução para quantificar a poluição e purificar o ar das cidades por meio de instalações urbanas com musgos.

Sua invenção, a CityTree, atua tanto como purificador de ar quanto como um display de plantas. Produzidas com base na ciência, as “árvores” verticais de painéis planos espalhadas por cidades da Europa “comem” a poluição do ar e ao mesmo tempo servem de assentos para pedestres. O relato é da ONU Meio Ambiente.

A estilista Magna Coeli decidiu fazer moda de um jeito diferente, reaproveitando materiais que seriam normalmente descartados. Foto: Refazenda

No dia de sobrecarga da Terra, ONU celebra estilista brasileira que transforma lixo em luxo

Neste 29 de julho, o mundo lembra o chamado Dia de Sobrecarga da Terra — a data em que o consumo de recursos do planeta pelos seres humanos ultrapassou a capacidade que a natureza tem de repor esses recursos ao longo do ano.

Para marcar o dia, a ONU Meio Ambiente celebra a trajetória da estilista brasileira Magna Coeli, que decidiu repensar a forma de se fazer moda, reaproveitando sobras de tecido e materiais que normalmente seriam descartados.

Na imagem, poluição atmosférica na cidade de São Paulo. Foto: Flickr (CC)/Thomas Hobbs

ONU convoca todos os níveis de governo a combater poluição do ar e mudanças climáticas

A ONU lançou nesta semana a ‘Iniciativa Ar Limpo’, que chama governos nacionais e subnacionais a comprometer-se em alcançar uma qualidade do ar segura para os cidadãos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano, a poluição do ar causa 7 milhões de mortes prematuras.

O cumprimento do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas poderia salvar mais de 1 milhão de vidas por ano até 2050. No marco dos esforços para alcançar as metas do acordo, a redução da poluição do ar, por si só, geraria benefícios de saúde estimados em 54,1 trilhões de dólares.

O parapentista, empreendedor e cineasta ambiental de Hong Kong Malcolm Wood é o novo participante da campanha da ONU Meio Ambiente "Heróis da Montanha". Foto: @codytutts

Cineasta e parapentista de Hong Kong une-se a campanha da ONU Meio Ambiente

O parapentista, empreendedor e cineasta ambiental de Hong Kong Malcolm Wood é o novo participante da campanha da ONU Meio Ambiente “Heróis da Montanha”, cujo objetivo é alertar para os efeitos das mudanças climáticas nas montanhas e geleiras do mundo.

Ele se juntará a atletas famosos como o escalador canadense Will Gadd, o ciclista austríaco Michael Strasser, a esquiadora queniana Sabrina Simader e o aventureiro britânico Ben Fogle, que ajudam a chamar a atenção para questões ambientais emergentes nas montanhas, incluindo mudanças climáticas, gestão de resíduos e perda de biodiversidade.

O relatório pede ajustes significativos na produção de alimentos, bem como mudanças no consumo das pessoas. Foto: ONU Meio Ambiente

Relatório da ONU pede mudanças na forma como o mundo produz e consome alimentos

Com a previsão de que a população mundial chegará a quase 10 bilhões em 2050, um novo relatório mostra que o sistema global de alimentos deve passar por mudanças urgentes para garantir que haja comida adequada para todos, sem destruir o planeta.

Produzido pelo World Resources Institute em parceria com Banco Mundial, ONU Meio Ambiente, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e agências francesas de pesquisa agrícola CIRAD e INRA, o relatório apresenta soluções para reformular a forma como o mundo produz e consome alimentos de forma a garantir uma sustentabilidade para o sistema alimentar até 2050.

Plataformas de conhecimento foram criadas por organismos internacionais, incluindo agências da ONU, para impulsionar práticas sustentáveis na indústria e nas finanças. Foto: Pixabay (CC)

Organismos internacionais lançam plataformas de conhecimento sobre indústria e finanças sustentáveis

Uma parceria entre organizações internacionais lançou nesta terça-feira (16), no Fórum Político de Alto Nível em Nova Iorque, duas iniciativas de troca de conhecimento em sustentabilidade — uma voltada para a indústria, outra direcionada a bancos, seguradoras e empresas de investimento. Projetos vão reunir pesquisas, dados e orientações para impulsionar a responsabilidade ecológica no setor privado.

Quando retornou pra Nantes, na França, sua cidade natal, Coline percebeu que estava muito mais consciente dos problemas ambientais de seu centro urbano. Foto: Ana Luisa Araújo

Jovem empreendedora francesa transforma lixo orgânico em adubo para produtores locais

Insatisfeita com os efeitos nocivos da incineração de lixo orgânico em Nantes, na França, a jovem empreendedora Coline Billon, de 28 anos, decidiu começar a enfrentar o desperdício.

Hoje, ela anda de bicicleta pela cidade para encontrar restos de alimentos não comestíveis e transformá-los em “ouro negro” — um composto rico que permite a fazendeiros locais, jardineiros e supermercados nutrirem a terra e seus alimentos. Leia a entrevista concedida à ONU Meio Ambiente.

O coordenador da iniciativa "Fé pela Terra" da ONU Meio Ambiente, Iyad Abyumoghli, reúne-se com o papa Francisco paralelamente à primeira Conferência Internacional do Laudato Si’ em Roma, 2018. Foto: Vaticano

ONU Meio Ambiente une-se a lideranças religiosas em prol de práticas sustentáveis

A iniciativa da ONU Meio Ambiente “Fé pela Terra”, cujo slogan é “um planeta, várias religiões, um objetivo”, busca fazer uso e cultivar a benevolência e poder das autoridades religiosas mundiais e de seus devotos em prol do meio ambiente global.

Julho de 2019 marca o quarto aniversário do Laudato Si’, a segunda encíclica do Papa Francisco, especificamente direcionada ao meio ambiente. Nela, o Papa clama a todas as pessoas do mundo para que ajam “de maneira global, unificada e rápida” contra práticas insustentáveis.

Para comemorar o quarto aniversário do Laudato Si’, a iniciativa “Fé pela Terra”, em conjunto com parceiros como a Rede da Juventude Católica pela Sustentabilidade Ambiental na África, a organização WWF e o Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, está organizando uma conferência nos dias 15 e 16 de julho no escritório da ONU Meio Ambiente em Nairóbi, no Quênia.

A cerveja Toast Ale é produzida a partir de pães torrados desperdiçados. Foto: Toast

Empresa britânica produz cerveja a partir de restos de pão

Quando o escritor e ativista britânico pela produção de alimentos com impactos socioambientais positivos Tristram Stuart visitou uma fábrica de sanduíches em 2016, percebeu algo marcante.

Todos os dias, 13 mil fatias de pão eram descartadas. Enquanto refletia sobre o problema, visitou o Projeto de Cervejas de Bruxelas e encontrou a inspiração de que precisava: uma cerveja deliciosa, produzida com uma receita ancestral chamada Babylone, era feita com um ingrediente inusitado — o pão.

“A cerveja de pão torrado é uma maneira incrível de readequar os excessos da produção de alimentos, e é também um produto delicioso resultante do estudo profundo de Tristam sobre o desperdício de alimentos,” disse Clementine O’Connor, oficial de programas para sistemas alimentícios sustentáveis da ONU Meio Ambiente.

Construído em torno das terras agrícolas, o campo de refugiados de Mantapala, perto de Nchelenge, no norte da Zâmbia, foi construído em 2018 para até 20 mil pessoas. Foto: ONU Meio Ambiente

Dados e tecnologias ambientais ajudam a melhorar o planejamento em crises humanitárias

Atualmente, todos aqueles que trabalham na área ambiental têm na ponta dos dedos uma combinação de dados e tecnologias ambientais globais e técnicas de ciência de dados. Estas ferramentas têm o potencial de criar insights que podem apoiar um futuro sustentável e transformar profundamente nosso relacionamento com o planeta.

Durante décadas, a ONU Meio Ambiente tem trabalhado com o Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) e parceiros como a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) para dar sentido aos dados ambientais com o objetivo de melhorar o planejamento humanitário.

Campus da Universidade do Estado da Califórnia, em Los Angeles, nos Estados Unidos. Foto: Wikimedia (CC)/Justefrain

Universidades de todo o mundo declaram emergência climática

Organizações que representam mais de 7 mil instituições de ensino superior de todos os seis continentes declararam nesta quarta-feira (10) uma emergência climática e acordaram um plano para neutralizar as suas emissões de carbono até 2030.

Centros de ensino e pesquisa também vão ampliar a educação sobre meio ambiente e sustentabilidade no currículo escolar, tanto nas universidades como em programas para a comunidade.

Colheita de soja. Foto Jonas Oliveira/ANPr

Fundo verde para financiar produção de soja sustentável no Brasil é lançado em Londres

O primeiro mecanismo financeiro do mundo a oferecer títulos verdes para financiar a produção sustentável da soja no Brasil foi lançado na quinta-feira (4) durante a Semana da Ação Climática em Londres (London Climate Action Week).

O Responsible Commodities Facility (Fundo de Commodities Responsáveis, em tradução livre), apresentado na Bolsa de Londres (London Stock Exchange), pretende fornecer linhas de crédito de juros baixos para produtores brasileiros de soja e milho comprometidos em utilizar pastos degradados e evitar o desmatamento e a retirada de mata nativa para agricultura. Para os produtores, a iniciativa oferecerá um complemento importante às linhas de crédito oficiais (crédito rural).

O instrumento financeiro é gerido pela empresa Sustainable Investment Management (SIM), com sede em Londres e no Rio de Janeiro, com o apoio do governo britânico e um acordo de colaboração com a ONU Meio Ambiente.

O arquipélogo de Fernando de Noronha foi declarado um patrimônio natural mundial pela UNESCO. Foto: EBC

ONU Meio Ambiente e Família Schurmann promovem expedição que documentará poluição plástica

Às vésperas da quarta e mais audaciosa expedição da Família Schurmann, a ONU Meio Ambiente e o grupo de navegadores brasileiros assinaram um memorando de entendimento, inserindo o projeto “Voz dos Oceanos” na campanha global Mares Limpos – da qual a família já é defensora desde 2017.

Os Schurmann, a primeira família latino-americana a circunvagar o mundo em um veleiro, vão içar suas velas em 12 de dezembro. A expedição “Voz dos Oceanos” terá duração de 18 meses, será apoiada pela ONU Meio Ambiente e irá registrar tudo o que os velejadores virem nos oceanos e nas partes remotas do planeta.

O objetivo é documentar, especificamente, a poluição plástica. A iniciativa visa identificar possíveis soluções para a poluição marinha, mobilizar governos, setor privado e indivíduos para limpar os oceanos e inspirar inovações para libertar os mares dos plásticos.

Refugiados de Darfur, no Sudão, buscam segurança no vizinho Chade. Foto: ACNUR/H. Caux

Organismo da ONU completa 25 anos de gestão de riscos ambientais em crises humanitárias

Há 25 anos, a pedido dos países, a ONU Meio Ambiente e o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) formaram a Unidade Conjunta de Meio Ambiente.

Com a tarefa de lidar com as dimensões ambientais de emergências humanitárias, o organismo apoia países que enfrentam desastres naturais, acidentes graves, crises políticas e conflitos armados, buscando respostas harmonizadas entre as necessidades da população e a preservação ambiental.

Para ONU Meio Ambiente, gestão de produtos químicos deve contar com estruturas de governança globais mais abrangentes. Foto: Pixabay

ONU Meio Ambiente alerta para riscos globais da poluição por químicos

Cerca de 400 milhões de toneladas de metais pesados, solventes, lama tóxica e outros dejetos de estabelecimentos industriais são despejados anualmente nas água do mundo. Além disso, fertilizantes nos ecossistemas costais já deixaram mais de 400 zonas oceânicas mortas, totalizando mais de 245 mil quilômetros quadrados – uma área maior que o Reino Unido.

A principal abordagem global para promover a segurança química é a Abordagem Estratégica Internacional de Gestão de Químicos, das Nações Unidas, adotada de maneira não vinculativa em 2006. Infelizmente, seu objetivo de boas práticas de gestão de químicos até 2020 não deve ser atingido e ações continuadas serão necessárias. O relato é da ONU Meio Ambiente.

“O segundo Panorama de Químicos Global da ONU Meio Ambiente demonstra que as soluções existem, mas ações mais ambiciosas em todo mundo são urgentes para que possamos reduzir maiores danos para o planeta, a saúde humana e as economias”, disse Jacob Duer, diretor de químicos e saúde da ONU Meio Ambiente.

Em 2018, a “Impossible Foods” e a “Beyond Meat” foram eleitas ‘campeãs do planeta’ pela ONU Meio Ambiente. Ambas as startups criam alternativas à base de plantas e veem seus negócios crescendo. Nos EUA, redes de restaurantes focados em carnes, agora, estão incluindo os produtos veganos dessas empresas. A pecuária é responsável por mais de 9% das emissões globais de gases de efeito estufa. Reduzir o consumo de carnes é uma parte essencial para prevenir a degradação de nosso meio ambiente. Incluir hambúrgueres sem carne beneficia empreendimentos, consumidores e o nosso planeta.

Comidas sem carne se tornam tendência e beneficiam nosso planeta; vídeo

Em 2018, a “Impossible Foods” e a “Beyond Meat” foram eleitas ‘campeãs do planeta’ pela ONU Meio Ambiente.

Ambas as startups criam alternativas à base de plantas e veem seus negócios crescendo. Nos EUA, redes de restaurantes focados em carnes, agora, estão incluindo os produtos veganos dessas empresas.

A pecuária é responsável por mais de 9% das emissões globais de gases de efeito estufa.

Reduzir o consumo de carnes é uma parte essencial para prevenir a degradação de nosso meio ambiente. Incluir hambúrgueres sem carne beneficia empreendimentos, consumidores e o nosso planeta.

Confira nesse vídeo da ONU Meio Ambiente.

Academias de ciência pedem medidas urgentes contra a poluição do ar

Na sede da ONU, em Nova Iorque, representantes das academias de ciência e medicina de quatro países — entre eles, o Brasil — apresentaram neste mês (19) um apelo urgente por mais investimentos na luta contra a poluição do ar.

As instituições pediram que todas as nações do mundo adotem medidas de controle das emissões de poluentes e implementem sistemas de monitoramento da qualidade do ar. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Empreendedora australiana desenvolveu aplicativo que ensina conceitos de biologia e ecologia para crianças, por meio de um jogo eletrônico. Foto: My Green World

Australiana usa tecnologia para promover educação ambiental de crianças

A australiana Natalie Kyriacou, fundadora e diretora-executiva da empresa My Green World, foi finalista do prêmio Jovem Campeão da Terra de 2018, da ONU Meio Ambiente. A empreendedora tem uma missão: lembrar as pessoas da conexão intrínseca que elas possuem com a natureza e mostrar como a empatia pela biodiversidade é fundamental para o futuro da vida na Terra.

A jovem desenvolveu uma plataforma digital de conteúdos pedagógicos sobre biologia e ecologia, adaptados para crianças. Outro produto da sua companhia é o aplicativo World of the Wild, que ensina conceitos de conservação por meio de um jogo eletrônico.

Foto: Flickr/Joe Gratz (CC)

STJ e ONU Meio Ambiente unem esforços pelo desenvolvimento sustentável

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) sediará a partir de quarta-feira (26) o VI Seminário de Planejamento Estratégico Sustentável do Poder Judiciário, em Brasília (DF). Durante o evento, que ocorre até quinta-feira (27), será assinado um memorando de entendimento entre o STJ e ONU Meio Ambiente.

De acordo com o presidente do tribunal, ministro João Otávio de Noronha, o seminário será uma oportunidade para demonstrar na prática o comprometimento da corte com o desenvolvimento sustentável.

“É com satisfação que assinaremos um memorando de entendimento com o STJ em um evento dessa relevância, para continuarmos cooperando para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no uso eficiente de recursos naturais e na capacitação de servidores públicos nessas agendas”, disse a representante da ONU Meio Ambiente no Brasil, Denise Hamú.

Vista do Elevador Lacerda, em Salvador, na Bahia. Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

Capital baiana sedia em agosto Semana do Clima da América Latina e Caribe

Em meio a crescentes apelos por uma ação climática mais forte e mais rápida, a Semana do Clima da América Latina e Caribe, que acontece de 19 a 23 de agosto na cidade de Salvador (BA), deverá impulsionar a resposta da região à atual emergência climática.

Realizada todos os anos em África, América Latina e Caribe e Ásia-Pacífico, as Semanas Regionais do Clima são plataformas colaborativas únicas para entidades governamentais e não governamentais abordarem a amplitude das questões climáticas sob uma estrutura única. Saiba como participar.

Placas fotovoltaicas para produção energia solar. Foto: ELETROBRAS/FURNAS

Investimento em energias renováveis supera o de combustíveis fósseis em 2018 no mundo

O investimento global em energias renováveis atingiu 288,9 bilhões de dólares em 2018, superando o apoio financeiro à geração de energia a partir de combustíveis fósseis, segundo novos dados publicados nesta terça-feira (18).

Os números mostram que, embora o investimento em energias renováveis tenha caído 11% em relação ao ano anterior, 2018 foi o nono ano consecutivo com investimentos acima de 200 bilhões de dólares e o quinto ano consecutivo acima de 250 bilhões de dólares.

A queda no investimento em 2018 pode ser parcialmente atribuída à baixa dos custos relacionados à tecnologia para energia solar fotovoltaica, o que significa que a mesma quantidade pode ser gerada com menos investimento, bem como a uma desaceleração na implantação da energia solar na China. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Foto: Globo/Fábio Rocha

Série ‘Aruanas’ mostra necessidade de cuidar da Floresta Amazônica

A série brasileira de ficção “Aruanas” é uma produção original da TV Globo, coproduzida pela Maria Farinha Filmes, que conta a história de quatro mulheres lutando para proteger a floresta e as terras indígenas da devastação provocada pela mineração ilegal e pela corrupção.

A série apoia a Iniciativa de Defensores Ambientais, liderada pela ONU Meio Ambiente, que busca promover o respeito aos direitos ambientais e ampliar a proteção de defensores do meio ambiente.

No Brasil, “Aruanas” será lançada na plataforma de streaming da Globo, a Globoplay, no dia 2 de julho. O primeiro episódio será exibido no dia 3 de julho na TV Globo.

Prêmio Jovens Campeões da Terra receberá votos do público para escolher vencedores. Foto: PEXELS

Brasileiros estão entre finalistas de premiação global sobre meio ambiente e empreendedorismo

Três brasileiros estão entre os cinco finalistas regionais da premiação Jovens Campeões da Terra, promovida pela ONU Meio Ambiente para viabilizar soluções inovadoras para problemas ambientais.

Os vencedores vão receber consultorias técnicas e uma verba de 15 mil dólares para tirar suas ideias do papel. Ganhadores serão anunciados em setembro durante evento das Nações Unidas em Nova Iorque.

Poluição na cidade de São Paulo (SP). Foto: Flickr (CC)/Gabriel de Andrade Fernandes

Ar poluído é um dos principais riscos ambientais para a saúde, diz OPAS

No marco do Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado na quarta-feira (5), a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) pediu a diversos atores-chave que intensifiquem os esforços para reduzir a poluição do ar nas Américas e no mundo. O chamado foi realizado durante cerimônia realizada pela ONU Meio Ambiente e Ministério do Meio Ambiente em Brasília (DF).

Segundo a representante da OPAS/OMS no Brasil, Socorro Gross, o ar poluído é considerado um dos principais riscos ambientais para a saúde e é um grave problema que precisa ser discutido em várias frentes.

“São poucas as cidades em nossa região com níveis adequados de qualidade do ar, segundo o que é recomendado pela OMS. Além disso, são poucos os países que possuem sistemas eficientes de monitoramento. Hoje, mais do que nunca, precisamos unir esforços multissetoriais para abordar a problemática de vários ângulos”, afirmou.

Usina de energia eólica. Foto: Flickr (CC)/Alex Abian

Dia Mundial do Meio Ambiente promove energias renováveis e tecnologias verdes

Governos, indústria, comunidades e indivíduos em todo o mundo lembraram na quarta-feira (5) o Dia Mundial do Meio Ambiente, o maior evento anual das Nações Unidas para impulsionar ações ambientais, incentivando o compromisso mundial para proteger o planeta.

As celebrações deste ano, realizadas sob o tema “poluição do ar”, convidaram as pessoas a explorar energias renováveis e tecnologias verdes e a melhorar a qualidade do ar em cidades e regiões em todo o mundo.

Liderada pela China, anfitriã das celebrações em 2019, a mobilização para #CombaterAPoluiçãoDoAr culminou em um recorde de 6.206 eventos e compromissos registrados no site oficial da ONU Meio Ambiente para a data. No Brasil, 240 atividades foram cadastradas, cobrindo quase todo o território nacional.

Família Schurmann. Foto: ONU Meio Ambiente

ONU Meio Ambiente apoia próxima expedição da família Schurmann

Na ocasião do Dia Mundial dos Oceanos, celebrado em 8 de junho, a ONU Meio Ambiente assinará um memorando de entendimento com a família brasileira Schurmann, conhecida por velejar pelo mundo. O acordo é mais um instrumento da campanha #MaresLimpos, maior aliança global contra o lixo nos oceanos.

O anúncio oficial do acordo acontecerá na tenda #MaresLimpos no mutirão de limpeza de praia #AqueleAbraço, organizado pela Route Brasil, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, no sábado (8), às 9h.

Arte: ONU Meio Ambiente

Cinco razões pelas quais você deve se preocupar com a poluição do ar

A poluição do ar está ao nosso redor. Dentro de casa, ao ar livre, nas cidades e no campo. Isso afeta a todos nós, quer percebamos ou não. Por muito tempo, tomamos o ar que respiramos por garantido. Havia ar, havia cheiros, havia vento frio, havia ar quente.

Mas pesquisas recentes começaram a lançar luz sobre alguns aspectos bastante preocupantes do que o ar ao nosso redor realmente contém, e como isso afeta nosso corpo. E quanto mais aprendemos, mais percebemos que essa fonte essencial de vida para o planeta precisa de cuidados sérios. Sem ar não pode haver vida, mas respirar ar poluído nos condena a uma vida de doença e morte prematura.

Agora que sabemos como a poluição do ar nos prejudica, não há desculpa para não agir. A ONU Meio Ambiente listou cinco razões para reduzir e eliminar a poluição do ar de nossas vidas.

É necessário combater poluição do ar para salvar vidas e o planeta, diz chefe da ONU

Em uma mensagem para marcar o Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado nesta quarta-feira (5), o secretário-geral da ONU, António Guterres, enfatizou a ligação entre o agravamento dos níveis de poluição do ar e a crise climática.

Com o meio ambiente enfrentando “perigos sem precedentes”, causados pela atividade humana, o chefe da ONU disse que a ação para combater a mudança climática é “a batalha de nossas vidas”, que devemos vencer taxando a poluição, pondo fim aos subsídios para combustíveis fósseis e novas usinas de carvão.

Na imagem, poluição atmosférica na cidade de São Paulo. Foto: Flickr (CC)/Thomas Hobbs

ONU e Ministério do Meio Ambiente se unem para combater poluição do ar em Dia Mundial

A poluição do ar é o principal fator de risco ambiental para a saúde em todo o mundo. No Brasil, onde 76% da população vive em cidades e respira diariamente diversos tipos de poluentes, pensar soluções políticas e técnicas para a questão é urgente.

Em sinergia com o Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, que neste ano soma esforços para #CombaterAPoluiçãoDoAr, o governo brasileiro, por meio do Ministério do Meio Ambiente, e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente), irão promover uma discussão sobre qualidade do ar e saúde, buscando aproximar os setores e apoiar iniciativas que possibilitem avanços nas políticas públicas relacionadas ao tema.

Iniciativa na Índia coletou histórias de diferentes pessoas que queriam falar sobre o impacto da poluição do ar em suas vidas. Foto: PLUC

Projeto indiano aposta em telefones celulares para criar e difundir histórias sobre poluição do ar

Tamseel Hussain, de 30 anos, acompanhou com atenção a escalada da poluição do ar na Índia, que atingiu níveis alarmantes quatro anos atrás. Ele estava tão interessado em documentar o problema que, com um grupo de especialistas em redes sociais e storytelling, construiu a plataforma Let Me Breathe (Me deixe respirar, em tradução livre para o português). O relato é da ONU Meio Ambiente.