Alain Grimard, do ONU-HABITAT, no lançamento do projeto 'Vida Nova nas Grotas'. Foto: Agência Alagoas

ONU-Habitat e Alagoas firmam parceria pelo desenvolvimento de zonas urbanas com assentamentos informais

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) e Alagoas iniciaram um projeto que inclui a elaboração conjunta de estratégias de desenvolvimento urbano, com foco na produção de dados de qualidade, sobretudo de assentamentos informais localmente conhecidos como “grotas”. Com uma duração de dois anos, iniciativa será implementada em regiões de Maceió e abordará temas como infraestrutura, inclusão social e prevenção da violência.

Com tantos jovens nas cidades, são necessárias medidas urgentes para reverter o efeito “nem nem” e garantir a igualdade de oportunidades, inclusão e desenvolvimento. Foto: Flickr/Ricardo Flores (CC)

ONU-Habitat pede investimento na juventude para impulsionar economia das cidades

A crise econômica mundial, iniciada em 2008, contribuiu para criar um fenômeno global: a geração “nem nem”. Um em cada cinco jovens entre 15 e 29 anos na América Latina não estuda nem trabalha, uma condição que afeta mais de 30 milhões de jovens na região e mais de 260 milhões no mundo.

Segundo o ONU-Habitat, em 2030, cerca de 60% da população urbana nas cidades terá menos de 18 anos. Com tantos jovens nas cidades, são necessárias medidas urgentes para reverter o efeito “nem nem” e garantir a igualdade de oportunidades, inclusão e desenvolvimento.

Representantes da ONU debateram novos e antigos desafios que países precisam enfrentar para promover o desenvolvimento sustentável. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

No Rio, representantes da ONU alertam para mudanças climáticas e pedem compromisso com sustentabilidade

‘O nosso problema está na área de desmatamento.’ O diagnóstico é da representante da ONU Meio Ambiente no Brasil, Denise Hamú, que chamou a atenção na terça-feira (6) para os desafios que o país tem de enfrentar para combater as mudanças climáticas. Em simpósio realizado no Museu do Amanhã, a dirigente e outros especialistas das Nações Unidas defenderam políticas econômicas, ambientais e urbanas mais sustentáveis.

Trecho do Parque Rachel de Queiroz, em Fortaleza. Foto: Prefeitura de Fortaleza/Kaio Machado

Banco Mundial ajuda Fortaleza a revitalizar áreas degradadas e melhorar mobilidade urbana

Em Fortaleza, o Banco Mundial se uniu à Prefeitura para reabilitar as áreas da Bacia de Vertente Marítima e do Parque Rachel de Queiroz. A iniciativa é parte do esforço do organismo financeiro para enfrentar alguns dos problemas trazidos pela urbanização acelerada e não planejada no Brasil. Projeto foi premiado pelo Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) em janeiro deste ano.

Projetos urbanos premiados pela ONU valorizam espaços públicos e mobilidade não motorizada

Os projetos premiados pela Convocação Pública de Práticas Inovadoras da Nova Agenda Urbana priorizaram o equilíbrio entre o urbano e a natureza, o desenho de espaços públicos que valorizem a convivência urbana e o incentivo à mobilidade não motorizada e pública.

Uma das iniciativas premiadas durante cerimônia organizada pelo ONU-Habitat e parceiros em Medellín, na Colômbia, foi o Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo, apresentado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano.

Secretário-geral da ONU se reúne com jovens líderes e mulheres na favela de Mathare, em Nairóbi, no Quênia. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

Em Nairóbi, chefe da ONU celebra Dia das Mulheres e elogia Quênia por multilateralismo

A riqueza, o bem-estar e a prosperidade dos países dependem da plena integração das mulheres no processo de desenvolvimento, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em visita a Nairóbi, no Quênia, onde celebrou o Dia Internacional das Mulheres (8).

O chefe da ONU também visitou a Somália, expressando “profunda solidariedade com o povo somali”. No país africano, cerca de 6,2 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária, incluindo 330 mil crianças que sofrem de desnutrição aguda.

Quase metade das crianças de Mossul estão sem acesso a água potável. Foto: UNICEF / Anmar

Fórum Mundial da Água abre consulta pública online com participação de agência da ONU

Em 2018, Brasília sediará o 8º Fórum Mundial da Água, evento que reunirá os principais especialistas, gestores e organismos envolvidos na gestão e preservação dos recursos hídricos do planeta. A organização do evento deu início nesta semana (13) a uma consulta pública que receberá contribuições online de qualquer pessoa interessada em debater os temas do encontro.

A Cap-Net, rede de capacitação em gestão da água do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), atuará como moderadora dos debates sobre desenvolvimento.

Evento no Rio de Janeiro sobre políticas de desenvolvimento conta com o apoio do Centro RIO+, vinculado ao PNUD, e é organizado pela Rio Academy, dedicada à pesquisa e debate sobre cidades emergentes. Foto: WikiCommons/chensiyuan

Nova edição da Policy in Focus destaca desafios do desenvolvimento urbano sustentável

Vivemos em um século urbano. Atualmente, 54,5% da população mundial vive em áreas urbanas, de acordo com as Nações Unidas. Em 2050, espera-se que esse percentual atinja 70%.

Atento ao tema, o Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) da ONU lançou a nova edição da revista Policy in Focus, cujo título é “A New Urban Paradigm: Pathways to sustainable development” (Um novo paradigma urbano: caminhos para o desenvolvimento sustentável), disponível gratuitamente em inglês.

Mercado Ver-o-Peso em Belém do Pará. Foto: EBC

Governo do Pará e ONU-Habitat promovem capacitação de funcionários públicos em Belém

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) e o governo do Pará organizam uma série de encontros de capacitação de funcionários públicos tendo em vista a implementação do Plano Estratégico Pará Sustentável (PEPS), cujo objetivo é reduzir a pobreza e a desigualdade no estado, garantindo a proteção ambiental. As atividades começaram na primeira quinzena de janeiro em Belém.

Em 2012, moradores de favela incendiada em São Paulo tentam recuperar objetos. Foto: EBC

Habitat III: países adotam nova agenda para urbanização sustentável

Delegações presentes na Terceira Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável, realizada em Quito, no Equador, adotaram na quinta-feira (20) a Nova Agenda Urbana — documento que vai orientar a urbanização sustentável pelos próximos 20 anos.

Entre as principais disposições do documento, está a igualdade de oportunidades para todos; o fim da discriminação; a importância das cidades mais limpas; a redução das emissões de carbono; o respeito pleno aos direitos dos refugiados e migrantes; a implementação de melhores iniciativas verdes e de conectividade, entre outras.

Menino em favela no Rio de Janeiro. Foto: EBC

Relatório apoiado por agências da ONU lista oito principais desafios das cidades latino-americanas

As cidades latino-americanas e caribenhas têm oito desafios considerados chave para seu desenvolvimento sustentável: desigualdade, baixa produtividade, informalidade trabalhista, escassa capacidade de arrecadação fiscal, investimentos insuficientes em infraestrutura, falta de integração regional, insegurança e criminalidade e exposição aos efeitos das mudanças climáticas.

A conclusão é de relatório elaborado por fórum de ministros com colaboração da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat).

Gizele de Oliveira Martins nasceu e cresceu no Complexo da Maré. Nesta semana, ela representa a sociedade civil brasileira no principal evento da ONU sobre políticas urbanas sustentáveis e inclusivas. Foto: Acervo pessoal

Jornalista da Maré quer que nova agenda urbana da ONU garanta direito à vida de populações faveladas

Nascida e criada na Maré, a jornalista Gizele de Oliveira Martins alerta que moradores de favelas do Rio precisam ser incluídos nos processos decisórios que envolvem o futuro da cidade. População sofre com a falta do direito à moradia, remoções forçadas, gentrificação e uma política de pacificação que criminaliza manifestações culturais das próprias comunidades.

A repórter representa a sociedade civil brasileira nesta semana, na Terceira Conferência da ONU sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável.

Nova Agenda Urbana deve ser considerada em tomada de decisões nas cidades, segundo consultora da ONU-Habitat

Agências da ONU discutem desenvolvimento das cidades na Habitat III

Representantes da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) estarão presentes na Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável (Habitat III), que ocorre em Quito, no Equador, na semana que vem (17 a 20). O documento final da conferência estabelecerá a Nova Agenda Urbana para os próximos 20 anos. A sessão plenária será transmitida pela Internet pelo site http://webtv.un.org/

Pedestre aguarda para atravessar rua em Bombaim, na Índia. Foto: Banco Mundial/Simone D. McCourtie

Moradia adequada deve estar no centro das políticas urbanas, diz ONU no Dia Mundial do Habitat

A moradia adequada é um direito humano universal e precisa estar no centro das políticas urbanas, assim como no centro físico das cidades, disseram oficiais das Nações Unidas nesta segunda-feira (3), Dia Mundial do Habitat.

“Fornecer acesso à moradia decente para todos é uma das prioridades da Nova Agenda Urbana” que governos devem adotar na Terceira Conferência da ONU sobre Moradia, que ocorre este mês em Quito, no Equador, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Basílica Zapopan, no município mexicano de Zapopan. Foto: Wikimedia Commons

Agências da ONU destacam importância de centros históricos e periferias das cidades

Representantes de agências das Nações Unidas destacaram, durante evento no em Zapopan, no México, a importância dos centros históricos e periferias para o desenvolvimento das cidades.

A representante da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no México, Nuria Sanz, o representante da ONU-Habitat no país, Erik Vittrup, participaram de debate sobre temas relacionados à cidade como espaço urbano e arquitetônico.

Favela na periferia de Salvador, Bahia. Foto: Scott Wallace/Banco Mundial

Nova agenda urbana precisa combater violações aos direitos humanos, dizem relatores da ONU

Um grupo de 12 especialistas das Nações Unidas pediu que as novas diretrizes da ONU para as cidades, a chamada Nova Agenda Urbana, reconheçam as violações aos direitos humanos causadas pelo crescimento econômico urbano desenfreado e se comprometam com respostas concretas, incluindo uma maior regulação do setor privado.

“Se não for para melhorar a vida daqueles que vivem na pobreza, as condições estarrecedoras dos crescentes assentamentos informais, se não for para os sem-teto ou para os grupos que frequentemente sofrem discriminação e exclusão — pessoas com deficiência, idosos, mulheres, pessoas internamente deslocadas, minorias, indígenas, migrantes e refugiados, então, precisamos perguntar, é para quem?”, questionaram.

Objetivo da Nova Agenda Urbana é ajudar cidades e assentamentos humanos a erradicar a pobreza em todas as formas e dimensões. Foto: EBC

ONU-Habitat divulga rascunho de nova agenda urbana para o desenvolvimento sustentável

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) publicou o rascunho da Nova Agenda Urbana, documento que será lançado na Habitat III — Conferência das Nações Unidas para a Habitação e o Desenvolvimento Urbano Sustentável, que ocorre em Quito entre os dias 17 e 20 de outubro.

O objetivo da Nova Agenda Urbana é ajudar cidades e assentamentos humanos a erradicar a pobreza em todas as formas e dimensões, reduzir as desigualdades, promover o crescimento inclusivo e atingir o desenvolvimento sustentável.

Ao longo do processo preparatório, foram escritos 22 documentos temáticos pelas agências do Sistema ONU, bem como foram elaborados 10 documentos de políticas por um grupo de especialistas, todos agora disponíveis em português.