O trabalho infantil atinge cerca de 3,3 milhões de crianças entre 5 e 17 anos em todo o Brasil, segundo dados de 2014 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foto: EBC

Brasil e outros seis países latino-americanos testam ferramenta estatística sobre trabalho infantil

Sete países latino-americanos e caribenhos, entre eles o Brasil, estão testando um modelo estatístico que classifica territórios da região de acordo com o nível de probabilidade da incidência de casos de trabalho infantil, e identifica quais fatores contribuem para o fenômeno.

O acesso a dados é essencial para o desenho de políticas públicas articuladas e preventivas, afirmou a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Apesar dos avanços no combate a essa violação de direitos, em 2016 existiam quase 11 milhões de crianças de 5 a 17 anos em situação de trabalho infantil nas Américas.

Escravidão moderna afeta 40 milhões de pessoas no mundo; trabalho infantil atinge 152 milhões

Uma nova pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Fundação Walk Free, em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), revela a verdadeira escala da escravidão moderna em todo o mundo.

Os dados, lançados nesta terça-feira (19) durante a Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque, mostram que mais de 40 milhões de pessoas foram vítimas da escravidão moderna em 2016 globalmente. Além disso, a OIT também lançou uma nova estimativa de que cerca de 152 milhões de crianças entre 5 e 17 anos foram submetidas ao trabalho infantil no mesmo ano.

Novo projeto de cooperação Sul-Sul promove o trabalho decente em países produtores de algodão na África e na América Latina, como parte do Programa de Parceria Brasil/OIT para a Promoção da Cooperação Sul-Sul. Foto: Flickr/Kimberly Vardeman

OIT lembra importância de garantir trabalho decente na cadeia produtiva do algodão

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) participou no fim de agosto do 11º Congresso Brasileiro do Algodão em Maceió (AL), o mais importante evento do ramo no país, que reuniu cerca de 1,2 mil participantes, incluindo representantes do setor algodoeiro de Paraguai, Peru, Moçambique e Mali.

“Foi uma ótima oportunidade para esses países terem uma visão de toda a iniciativa do algodão que está sendo promovida pelo Brasil, e da importância do trabalho decente nessa cadeia produtiva”, disse a coordenadora do Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT, Fernanda Barreto.

África e América Latina discutem soluções para produção de algodão

Foram identificadas oportunidades e ações concretas necessárias para o fortalecimento do setor, a partir da criação de uma rede de intercâmbio Sul-Sul de experiências entre os dois continentes. Diálogo foi organizado em encontro em Maceió pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC/MRE), pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Família de migrantes em Miratovac, Sérvia. Foto: ONU

OIT lança competição global de jornalismo sobre migração laboral

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) realiza uma competição global de jornalismo para reconhecer coberturas exemplares da imprensa sobre migração laboral. O objetivo é incentivar a produção de reportagens de qualidade sobre o tema.

Sem deixar de olhar para os aspectos negativos da migração laboral, como a dura realidade de exploração e violação dos direitos humanos e trabalhistas, os participantes são encorajados a destacar a contribuição positiva dos trabalhadores migrantes para os países de origem, trânsito e destino. As inscrições estão abertas até o dia 27 de outubro.

Nova comissão da OIT realizará uma investigação aprofundada sobre o futuro do trabalho, a fim de fornecer uma base analítica para garantir a concretização da justiça social no século 21. Foto: EBC

OIT lança comissão global sobre o futuro do trabalho

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estabeleceu na segunda-feira (21) a Comissão Global sobre o Futuro do Trabalho, novo organismo global que realizará uma investigação aprofundada sobre o tema, a fim de fornecer uma base analítica para garantir a concretização da justiça social no século 21.

A comissão irá focar especialmente na relação entre trabalho e sociedade, no desafio de criar empregos decentes para todos, na organização do trabalho e da produção e na governança do trabalho.

O relatório indica que, de acordo com as respostas recebidas, três de cada cinco jovens veem com muita confiança o seu futuro até o ano de 2030. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Jovens da América Latina e do Caribe mantêm otimismo com futuro do trabalho

Os jovens da América Latina e do Caribe enfrentam atualmente um mercado de trabalho adverso, com aumento do desemprego e altas taxas de informalidade. No entanto, isso não impede que eles tenham confiança no futuro do trabalho, otimismo sobre o que podem conseguir em seus empregos e boas expectativas sobre o impacto das novas tecnologias, destacou um novo relatório técnico da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Durante o evento, houve apresentação cultural de Luana Euzébio, Cris de Souza, Cleo Street e Thug Dee. Foto: UNFPA Brasil.

Juventude negra é a mais afetada pelas políticas de drogas no Brasil, dizem especialistas

Redução de danos, violência contra jovens e falta de políticas públicas capazes de atender a usuários de drogas foram alguns dos temas que guiaram a segunda sessão de debates na Casa da ONU em Brasília na segunda-feira (14), no âmbito das comemorações do Dia Internacional da Juventude.

O evento foi organizado pela ONU Brasil em parceria com o programa Câmara Ligada da Câmara dos Deputados.

A marginalização e a exclusão social enfrentadas pelos povos indígenas precisam ser endereçadas como parte de um esforço coletivo para atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, disse a OIT. Na foto, mulher indígena equatoriana. Foto: Flickr/Shobeir Ansari (CC)

OIT reafirma importância do empoderamento das mulheres indígenas

No Dia Internacional dos Povos Indígenas, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lembrou a exclusão e a discriminação enfrentadas por esses povos em todo o mundo, e defendeu a importância do empoderamento, principalmente das mulheres indígenas, para que os países possam atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.

“A situação ainda está longe de ser aceitável. Os povos indígenas constituem um percentual desproporcional (15%) dos pobres do mundo, enquanto respondem por apenas 5% da população mundial. As mulheres indígenas são frequentemente as mais pobres entre os pobres, discriminadas por serem indígenas e por serem mulheres”, disse a nota da OIT.

Parceria entre a OIT e a UNIVAG levou conhecimentos de gastronomia para 32 mulheres haitianas que vivem no Brasil. Foto: OIT

Culinárias do Brasil e do Haiti se misturam em projeto da OIT para a capacitação de migrantes

Em Cuiabá, 32 mulheres haitianas participaram de um curso de gastronomia brasileira e mato-grossense. Formação oferecida pela Universidade de Várzea Grande (UNIVAG), em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), também ensinou às migrantes como empreender. Turma criou uma marca própria de biscoitos a partir de receita típica do Brasil, incrementada com tradições do Haiti.

O presidente da FNP e prefeito de Campinas, Jonas Donizzete, e o coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, firmaram acordo de parceria em Brasília. Foto: PNUD/Vivian Doherty

ONU Brasil e Frente Nacional dos Prefeitos reforçam parceria pelo desenvolvimento sustentável

O coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, e o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette, firmaram na terça-feira (4) um memorando de entendimento com o objetivo de criar um marco de cooperação, além de facilitar e fortalecer a colaboração para promoção e alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Parceria entre OIT e associações do setor têxtil e de vestuário visa a tornar essa indústria mais sustentável. Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

OIT e associações da indústria têxtil e de vestuário lançam Laboratório de Moda Sustentável

Organização Internacional do Trabalho (OIT), Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX) e Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), com o apoio do Instituto C&A e a realização do Instituto Reos, lançaram nesta sexta-feira (7) o Laboratório da Moda Sustentável — por um setor do vestuário mais sustentável e justo.

A iniciativa pretende abordar os principais desafios do setor de vestuário no Brasil em temas de sustentabilidade ambiental, trabalho decente, entre outros.

Designer de roupas Lara Khoury em seu estúdio em Beirute. Foto: ONU Mulheres/Joe Saade

No Dia das Micro, Pequenas e Médias Empresas, ONU reconhece jovens empreendedores

Com o tema deste ano “empreendimento juvenil e autoemprego”, o Dia das Micro, Pequenas e Médias Empresas, celebrado pela primeira vez este ano, busca aumentar a conscientização pública sobre os negócios que geralmente empregam menos de 250 pessoas.

Globalmente, as micro, pequenas e médias empresas formais e informais representam mais de 90% do total de empresas e contribuem, em média, em até 70% do total de empregos e 50% do PIB.

certificação contribui para estruturar a cadeia têxtil, gerando oportunidades de negócios e favorecendo a oferta de boas condições de trabalho. Foto: Elói Corrêa/ AGECOM

Setor têxtil certifica empresas para eliminar trabalho escravo de cadeias produtivas

A garantia de direitos trabalhistas e a eliminação do trabalho escravo são os principais objetivos do Programa de Monitoramento de Cadeia Produtiva do Vestuário e Calçados, uma iniciativa desenvolvida pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), com empresas do segmento em todo o país.

O programa tem o papel de assegurar segurança e saúde ao trabalhador, além da formalização das oficinas de costura e empresas de produção de vestuário.

Pedro Piauí (primeiro à direita), sua mulher e seus oito filhos. Foto: CPT

‘Depois de trabalhar três meses em uma fazenda, não quiseram me pagar’

Após trabalhar três meses em uma fazenda de Campos Lindos, no Tocantins, dormindo em uma barraca de lona e comendo pouco, o trabalhador rural Pedro Alves dos Santos foi informado de que não receberia pelo trabalho efetuado. Pedro procurou sindicatos e autoridades locais e só assim conseguiu garantir seus direitos.

A história de Pedro assemelha-se às de mais de 50 mil pessoas resgatadas do trabalho escravo no Brasil desde 1995. Entrevistados pelo Centro de Informação das Nações Unidas (UNIC Rio), especialistas e representantes da ONU instam o Brasil a continuar o combate a esse crime ainda frequente no país, garantindo a manutenção da legislação para o tema, as fiscalizações e a publicação do cadastro de empregadores flagrados.

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Assédio sexual no trabalho é tema de nova cartilha da OIT e do MPT

Uma nova cartilha com orientações sobre assédio sexual no ambiente de trabalho será lançada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Produzida em formato de perguntas e respostas, a publicação traz informações sobre como identificar e denunciar o assédio sexual no trabalho, além de explicar as responsabilidades e consequências para trabalhadoras(es) e empregadoras(es) nessas situações.

O lançamento da cartilha acontece nesta quarta-feira, às 18h, na Procuradoria-Geral do Trabalho em Brasília.

Segundo as agências, as habilidades digitais irão conectar os jovens a oportunidades de trabalho sem precedentes. Foto: Flickr/CTEP AmeriCorps (CC)

Agências da ONU lançam campanha para impulsionar habilidades digitais de jovens

A União Internacional de Telecomunicações (UIT) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lançaram uma campanha para treinar 5 milhões de jovens globalmente até 2030 em habilidades digitais para serem aplicadas no mercado de trabalho.

A campanha “Habilidades Digitais para Empregos Decentes” é parte da iniciativa global da OIT de fomento a trabalhos decentes para a juventude, o primeiro esforço abrangente do Sistema ONU para a promoção do emprego jovem mundialmente.

O ativista indiano Kailash Satyarthi durante o lançamento da iniciativa "100 Milhões por 100 Milhões" no Brasil. Foto: OIT

No dia do combate ao trabalho infantil, OIT se une a campanha de Nobel da Paz

A iniciativa “100 Milhões por 100 Milhões” foi lançada na segunda-feira (12) em Brasília com a presença do ativista indiano que é ícone na luta contra o trabalho infantil, Kailash Satyarthi, e do diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil.

O objetivo da iniciativa é mobilizar 100 milhões de pessoas, especialmente os jovens, para lutar pelos direitos de 100 milhões de crianças que vivem na extrema pobreza, sem acesso à saúde, educação e alimentação, em situação de trabalho infantil e completa insegurança.

Homem resgatado do trabalho escravo no interior do Maranhão - Foto: Marcello Casal/ABr

Embaixador da OIT, Wagner Moura entrevista trabalhadores resgatados da escravidão

O trabalho forçado ainda é uma realidade para cerca de 21 milhões de pessoas em todo o mundo, afetando países em todos os continentes e gerando mais de 150 bilhões de dólares em lucros ilegais todos os anos. Prática de raízes antigas na história, hoje a escravidão existe sob diversas formas: trabalho forçado, servidão por dívida, jornadas exaustivas e situações degradantes.

Marcando o lançamento da campanha ‘50 For Freedom’, o ator e embaixador da Boa Vontade da Organização Internacional do Trabalho foi convidado a conhecer as histórias de Durval, Rafael, Judimar e Laudir. Confira aqui o vídeo.

Niky Fabiancic, coordenador-residente do Sistema Nações Unidas no Brasil, durante o encontro de 30 anos da ABC. Foto: Marcelo Guimarães/ABC

Sistema ONU no Brasil participa de comemorações dos 30 anos da Agência Brasileira de Cooperação

Representantes do Sistema ONU no Brasil participam nesta quinta e sexta-feira (25 e 26) de eventos em comemoração aos 30 anos da Agência Brasileira de Cooperação (ABC).

A ABC foi criada para coordenar os programas e projetos brasileiros de cooperação técnica, no âmbito da política externa brasileira. Integrada ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), a ABC trabalha no fortalecimento da cooperação do Brasil com o exterior.

Da esquerda para a direita, o diretor-executivo da AMAT-Carajás, Márcio Alessandro, o oficial de programação da OIT, Luiz Machado, o presidente da AMAT-Carajás e prefeito de São Domingos do Araguaia, Pedro Paraná, e a oficial de projeto da OIT, Thais Fortuna. Foto: OIT

OIT e municípios da região de Carajás firmam parceria para promover trabalho decente

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Associação dos Municípios do Araguaia, Tocantins e Carajás (AMAT-Carajás) assinaram na semana passada (17) um novo memorando de cooperação para promover condições dignas de trabalho no sul e sudeste do Pará. O acordo vai apoiar a criação — de forma tripartite — de uma Agenda Regional de Trabalho Decente. Estratégia, que mobilizará 39 municípios, quer garantir o respeito aos direitos humanos e defender a igualdade no mercado de trabalho.

Para a OIT, mudanças no mercado de trabalho demandam novas formas de governança para garantir emprego decente para todas e todos. Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Transformações do trabalho demandam garantia de direitos, dizem especialistas

O papel do trabalho na sociedade contemporânea passa por transformações significativas, impulsionadas principalmente pelas tecnologias de informação e comunicação e pela crescente flexibilização das relações trabalhistas. Tais mudanças demandam novas formas de governança com vistas a garantir o trabalho decente para todas e todos nas próximas décadas.

Essa foi a conclusão de pesquisadores e especialistas reunidos na quinta-feira (18) no Rio de Janeiro para o “4º Diálogo Nacional sobre o Futuro do Trabalho”, promovido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Em Belo Horizonte, jovens realizam uma partida de 'queimado' temática, para discutir questões de gênero e orgulho LGBTI. Imagem de 2016. Foto: Mídia Ninja (CC)

Em dia internacional, ONU defende igualdade de direitos e mais acesso a serviços para pessoas LGBTI

Por ocasião do Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia, lembrado nesta quarta-feira (17), dirigentes da ONU fizeram um apelo por mais respeito ao amor em toda a sua diversidade. Agências da ONU defenderam o fim da discriminação, ainda responsável por excluir pessoas LGBTI dos serviços de saúde, do mercado de trabalho e da proteção institucional para famílias e casais.

No Brasil, representantes das Nações Unidas alertaram para a violência motivada pela orientação sexual em evento na sede nacional do organismo, localizada em Brasília.

Resgatado aos 17 anos, Rafael deu voz às 21 milhões de vítimas da escravidão no mundo durante o lançamento da campanha 50 For Freedom no Brasil. Foto: Thiago Foresti

Trabalhadores resgatados da escravidão contam suas histórias no lançamento da campanha 50 For Freedom

Em evento realizado no Senado na terça-feira (9), a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lançou a campanha 50 For Freedom para pedir que o Brasil reforce o combate ao trabalho forçado com a ratificação do Protocolo sobre o tema.

Aproximadamente 21 milhões de pessoas ainda são vítimas da escravidão moderna. Trata-se da segunda atividade ilícita mais rentável no mundo, gerando anualmente 150 bilhões de dólares em lucros ilegais.

Mudanças nos regimes trabalhistas envolvendo o uso crescente da tecnologia fazem parte da pautas de evento da OIT no Rio. Foto: PEXELS

No Rio, OIT e IPEA reúnem especialistas para debater o futuro do trabalho

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), realizará o “4º Diálogo Nacional sobre o Futuro do Trabalho” no dia 18 de maio, das 8h30 às 17h30, no Rio de Janeiro. Evento reunirá representantes das duas instituições, pesquisadores de universidades federais e também do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Encontro terá a presença de especialistas nas novas modalidades de inserção no mercado e nos desafios que configurações de contratação e produção representam para a legislação existente.

Haitianos em São Paulo. Foto: EBC

ONU e sociedade civil pedem sanção sem vetos da Lei de Migração

Mais de 100 entidades da sociedade civil e organizações internacionais como as Nações Unidas enviaram na semana passada (26) uma carta ao presidente brasileiro, Michel Temer, pedindo a sanção sem vetos da chamada Lei de Migração, já aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal.

A nova lei garante acesso igualitário e livre a trabalho, benefícios sociais e seguridade social a migrantes, eliminando discriminações e garantindo a eles os mesmos direitos assegurados aos brasileiros, como participar de protestos e se filiar a sindicatos.